Posted by : CanasOminous Feb 6, 2013

Support Conversation (Primia x Drinian)
Gênero: Romance, Drama;
Tema: O que houve com o Torterra de Stanley e 
a Scizor de Vivian após o ocorrido do Capítulo 49.5?;
Escrito por: Leeca.

O quarto era de um branco deprimente, os barulho insiste dos aparelhos começavam a deixar a moça em um estado frenético. Primia, a Scizor de Vivian, estava sentada em uma poltrona perto de uma maca igualmente branca, e em cima desta estava Drinian. Aquela situação a agonizava, fazia dois dias que ele não acordava, a explosão ocorrida nas proximidades de Hearthome pegou a todos de surpresa, e se não fosse pelo guerreiro terrestre e sua proteção, ninguém poderia saber o que teria acontecido. A moça segurava com força a mão de seu companheiro, pedindo em silêncio que ele melhorasse. “Se pelo menos pudéssemos trocar de lugar...
Primia sentiu um aperto em sua mão e logo levantou-se da cadeira encarando o Torterra. Drinian abria os olhos devagar, ainda não estava acostumado com aquela claridade, sua visão estava desfocada, mas a única coisa que conseguia ver com certeza era o rosto de preocupação da morena.
 — ...Pri...Mia?
 A moça não aguentou a felicidade, seus joelhos fraquejaram e ela foi ao chão com os olhos agora cheios de lágrimas.
 “Graças a Arceus, eu não saberia o que fazer se tivesse te perdido.”  
 — ...Primia? — A voz de Drinian ainda estava abafada, mas sua mente começava a se restabelecer.
 Drinian virou seu rosto encarando a mulher que agora tentava parar em vão as lágrimas que caiam. Com dificuldade, o rapaz levou uma de suas mãos enfaixadas até os cabelos sedosos da mulher e sorriu.
 — Primia, você está machucada?
Ela o encarou com os olhos vermelhos, levantou-se em um pulo abraçando a cabeça do Torterra que assustou-se. Abraçava-o, todos aqueles sentimentos presos na garganta, sem nenhuma garantia que ele acordaria.
 “E se ele nunca mais abrisse os olhos? O que teria sido de mim?
 — Você é um bobinho mesmo. — Primia afagava os cabelos do companheiro. Ela respirou fundo e continuou: — Quando você acorda a primeira coisa que se preocupa é comigo? Você tem noção de como me deu trabalho? Só você mesmo...
 A voz da Scizor era forte, ela era uma mulher determinada e Drinian sabia disso, mas ele também acreditava que dentro daquela mulher de ferro existia uma donzela que presava mais a vida dos outros do que a dela mesma, e apenas quando Primia abraçou-o mais forte é que o homem pôde perceber que seus braços tremiam.
 Drinian levantou-se com o auxilio dela, ficando sentado na cama. Ele segurou a moça pela cintura puxando-a mais para si, depositando sua cabeça na curva do pescoço, respirou fundo sentindo aquele cheiro que tanto gostava e ficaram assim abraçados. A morena envolveu seus braços no pescoço do homem remexendo as pontas de seus cabelos.
 — Eu estou bem, Primia.
 “Uma única frase.
 — Eu estou aqui com você.
 “Aquela única frase, que fez todas as minhas barreiras cairem.
 Primia agora tremia enquanto abraçava o maior, as lágrimas corriam sem parar.
  — ...Seu idiota... — A voz da moça era abafada.
 Drinian sorriu, fazendo carinho nas bochechas coradas da mulher.
 — Eu sei, Primia.
 — Idiota... Idiota... — as falas cada vez mais baixas. — Seu...
 — Eu sei. — Drinian ainda sorria, segurou o rosto da mulher fazendo com que seus olhos encontrassem com os dela, levou seus lábios gentilmente até as lágrimas da moça beijando cada uma que caia. — Te deixei preocupada, não é?
 — Eu vou te bater, Drinian.
 Os dois se abraçaram, e de pouco em pouco os soluços e as lágrimas paravam. As Chanseys e Blisseys que entravam no quarto apenas sorriam com a situação e voltavam a fechar a porta dando mais tempo aos amantes que se aconchegavam. E ficaram assim, o tempo que fosse necessário.
 — Primia, onde está o Stan? Ele está bem? E a senhorita Vivian?
 A moça sorriu.
 “Sempre se preocupando mais com os outros do que com ele mesmo.
 — A Vivi veio algumas horas atrás para levar o Stanley. Ele não dormia há alguns dias e ficou ao seu lado o tempo todo, só concordou em ir quando eu dei minha palavra de que te protegeria. Ele está bem, são e salvo graças a você.
 Ao ouvir isso pareceu que um peso sumiu das costas do Torterra. Drinian era um guerreiro honrado e daria sua vida pela de seu mestre sem hesitar, e assim como Primia amava Vivian, ele sentia o mesmo por Stanley.
 — Quero vê-lo, me ajude a levantar-se daqui.
 Primia concordou e ajudou o Torterra a retirar alguns equipamentos que ainda estavam em seu corpo. Primia levantou-se e foi até a porta, mas parou quando ouviu um barulho atrás de si. Virou-se depressa e viu que Drinian estava no chão, tão assustado quanto ela. A Scizor correu em sua direção para auxilia-lo.
 — O que aconteceu? Você está bem?
 Drinian ainda permanecia com os olhos arregalados, olhou-a e em um sussurro disse:
 — Não sinto uma de minhas pernas.
 “O mundo simplesmente parou.

 Naquela tarde, as enfermeiras, juntamente com Stanley e Vivian, foram verificar o estado de saúde do grande Torterra. Constaram que ele nunca mais conseguiria mexer com facilidade a perna direita, os estilhaços da bomba haviam ferido gravemente o homem, deixando assim um ferimento permanente de paralisia. Todos ficaram em choque, Stanley se culpava, mas Vivian tentava acalmá-lo. Primia estava desolada, o guerreiro observou todo o alvoroço com uma feição decepcionada quanto a seus próprios esforços, mas mesmo diante de tal notícia ele sabia que sua obrigação era manter-se forte para seus amigos, e não piorar ainda mais a situação ao redor deles. Apenas sorriu e abaixou a cabeça como se pensasse, em seguida olhou para seu treinador e sorriu de forma confortante:
 “Isso é uma prova de que protegerei você para sempre, não se culpe por isso, nenhum de vocês. Tenho orgulho de dizer que ganhei esse machucado protegendo pessoas preciosas para mim.
 A coragem, a honra e o amor de Drinian eram enormes, e Primia sabia disso. Sorriu concordando com que seu companheiro dissera através de um breve sorriso, e sabia que este também era seu dever. Ela bem perto do guerreiro e segurou em sua mão enquanto a outra se dirigia até o rosto do maior, levou seus lábios até a boca de Drinian, dando um selinho gentil, apenas um roçar, mesmo assim o Torterra ainda corava com aqueles súbitos atos da companheira. Ela encostou sua testa com a dele e respondeu com aquele sorriso que tanto o cativava.

 “Você será a Muralha. Eu serei a sua arma e suas pernas.
E o carregarei se for preciso.

{ 2 comments... read them below or Comment }

  1. k jistoria linda..... :) :)!!
    ele ainda luta por seus amigos.... aww
    WV

    ReplyDelete
  2. Poxa cara, admito que o Drinian era um Torterra "normal" para mim, mas agora tudo mudou. Novamente a Leeca arrasou com o romance! Veja só, ele é um verdadeiro guerreiro honrado. E a Primia, uma Vivian da vida. Combinaram perfeitamente. O fato da perna dele ter sido paralisada foi tensa, cara. Com certeza quando ele estar na Liga, se estiver, será uma batalha foda, visto que ele tem mais objetivos do que simplesmente ganhar um título. Mandaram bem (:

    ReplyDelete

- Copyright © 2011-2017 Aventuras em Sinnoh - Escrito por Canas Ominous (Nícolas) - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -