Archive for January 2012

Resumos

O tempo é o inimigo de grande parte dos leitores, muitas vezes é difícil encontrar disponibilidade para fazermos algo que gostamos, ou até mesmo para ler um bom livro na correria diária. Então, para comemorar a expansão do blog e o crescimento contínuo da Aliança Aventuras, estarei lançando um resumo de todos os episódios principais da história. A leitura completa dos capítulos é o fator mais aconselhável, mas estes resumos são excelentes para relembrarem alguns fatos importantes e para os novos leitores terem a chance de ler as temporadas mais atuais como todos os outros. Boa leitura!

Escolha a Saga correspondente para acessar os resumos!


Resumo - Saga Pérola

Esta é a história de Luke e Lukas, dois irmãos gêmeos que saem em uma imaginável aventura em busca de seus sonhos. Os dois são filhos do campeão de Sinnoh Walter Wallers, e da famosa coordenadora Melyssa. No início de suas jornadas eles se depararam com um grande problema: A falta de Pokémons iniciais. Após estudarem mais três anos até melhorarem suas técnicas, deparar-se com a falta de um Pokémon lhes partiria o coração. Enviada sob ordem do Professor Rowan, sua assistente Dawn vai ao encontro dos pais dos garotos para lhes dizer da falta dos Pokémons, e apesar do choque, os atenciosos pais saem em busca de iniciais para seus filhos antes que os mesmos viessem a voltar, deixando a pequena garota sozinha para cuidar da casa. Será que Dawn conseguirá preparar um almoço sem nem mesmo saber cozinhar?


Desesperada com o almoço a ser preparado, Dawn acaba por fracassar com um prato de batatas queimadas, rapidamente procurando uma forma de fugir da casa, e pelo acaso, deparando-se com os protagonistas nas proximidades do Lake Verity. Luke e Lukas pareciam ter problemas com um bando de Starlys, e após receber a ajuda da garota, acabam retornando para sua casa. Os pais dos jovens chegam na mesma hora com os Pokémons em mãos, e apesar do almoço queimado da garota, eles ainda a acolhem de forma carinhosa. Dawn parte de volta para sua cidade, e na manhã seguinte, seria o grande dia dos garotos receberem seus Pokémons iniciais, embora um tanto quanto... Convencionais.


Apesar do susto e da tristeza em saber que não haveriam Pokémons disponíveis, os jovens Luke e Lukas recebem como presente um Gible e um Pachirisu. Luke sempre teve a ambição de tornar-se o campeão da Liga como seu pai, enquanto Lukas pretendia seguir os passos da mãe como um Coordenador. Os dois decidem por trocar os Pokémons, deixando o dragão sob posse de Luke e o esquilo aos cuidados de Lukas, e mal sabiam os dois garotos que tais Pokémons viriam a tornar-se seus maiores parceiros em jornada.


Saindo em suas jornadas, os garotos decidem por visitar a garota que lhes fizera o almoço quando retornaram à Sandgem. Dawn é surpreendida ao chegar no laboratório de seu Professor e saber que as pokéagendas foram roubadas por alguém, rapidamente tomando sua bicicleta e correndo atrás dos impostores. Luke e Lukas se trombam com os ladrões, e descobrem que eles fazem parte de uma facção conhecida como Team Galactic, que após terem sido vencidos, deixam as pokéagendas para trás levando somente um dos exemplares. Os aventureiros retornam para Sandgem e recomeçam sua jornada, deparando-se logo de cara com uma forte tempestade de neve pela frente e um pequeno Burmy indefeso no caminho.


Com a ambição de salvar o pequeno Burmy, Lukas entra na tempestade de neve para levá-lo ao centro Pokémon. Dawn decide por correr atrás de seus sonhos, e assim começa a seguir jornada na companhia dos garotos com a ambição de tornar-se uma grande Pesquisadora. Lukas acaba por entrar no domínio de um grande Ursaring, mas por sorte ele recebe auxílio de seus amigos para derrotá-lo, e por fim, capturar o pequeno Burmy. A viagem logo retoma seu percurso.


Os Pokémons têm agido de forma estranha nos últimos tempos, e por isso, a trilha de nossos heróis pela Rota 202 torna-se ainda mais complicada. Luke é acidentalmente deixado para trás enquanto dormia, e acaba por meter-se em encrenca quando é atacado por um imenso grupo de Bidoofs desesperados. Luke acaba por conhecer uma nova coordenadora chamada Vivian, e reencontrar seu antigo rival, o treinador Stanley. Um passado misterioso cerca essa amizade, mas ambos os personagens prometem tornar-se grandes rivais para nossos aventureiros em suas jornadas.


Seguindo seu caminho pela Rota 202, Lukas almeja capturar uma pequena Budew, mas é surpreendido quando um enorme incêndio afeta a floresta. Os Rangers são acionados, e o fogo controlado. Porém, enquanto tentavam salvar os Pokémons, Dawn depara-se com um estranho vulto de uniformes negros, sendo ele o possível causador do incêndio. A sombra permanece desconhecida por muito tempo, mas Dawn guarda aquela imagem em sua memória por vários dias. Lukas finalmente consegue capturar sua Budew, ganhando uma enorme potência e vantagem para sua equipe no torneio que seria realizado em Jubilife.


Apesar do choque em saber que a competição fora cancelada, Lukas acaba cedendo em partirem rumo à Oreburgh para a primeira batalha oficial de Luke. Dawn é convocada pela polícia nacional a descobrir os veradeiros rumos dos Galactics na região, e descobre que uma outra facção também parece estar atuando. Ela torna-se uma detetive secreta que trabalha em companhia do famoso Observador. Após uma briga familiar, Dawn acaba sendo envolvida e empurrada por Lukas, o que faz a garota chorar. Arrependido pelo ato, o garoto foge para a floresta e reencontra-se com Vivian. A garota logo de cara se mostra interessada no menino, e após derrotá-lo em uma batalha, o encoraja a continuar seguindo em frente e nunca desistir. Lukas percebe a importância de nunca dar-se por vencido, e promete nunca mais brigar com seu irmão.


Trilhando as tortuosas rotas do Oreburgh Gate, Luke depara-se com um poderoso Onix extremamente fora do normal. O nível da criatura era muito avançado, e apesar do esforço, o garoto acaba por adquirir uma enorme potência em sua equipe após capturá-lo. A serpente de pedra era um Onix fêmea, conhecida como Titânia. A criatura tem a capacidade de conversar frequentemente com seu treinador, dando conselhos e agindo como sua professora. Titânia fora a princípio soltada por algum treinador muito poderoso, embora ela nunca tenha dito quem realmente era.


Seguindo os treinos para o ginásio e a competição, Luke e Lukas seguem seu caminho preparando seus novos membros. Titânia mostra-se extremamente desobediente, enquanto Gible parece melhorar cada vez mais. As apresentações de Lukas tornam-se belas, enquanto Dawn acaba acidentalmente capturando um Machop quando o mesmo veio a deparar-se com a garota banhando-se em uma piscina natural. Os treinos seguem pela noite inteira.


Chegando à cidade, Luke depara-se com o líder Roark. Os dois se tornam amigos por conta de gostos familiares por Pokémons antigos, e assim, o garoto o desafia em uma batalha pela insígnia. Luke mostra-se negligente quando pensa que somente Titânia daria conta da disputa, mas é salvo pelo momento em que Gible evolui e torna-se um poderoso Gabite, derrotando o Rampardos de Roark no último instante.


Antes de deixarem a cidade de Oreburgh nossos heróis se deparam com uma série de problemas. Desentendimentos, brigas... Dawn termina por dar um tapa no rosto de Luke que fica extremamente irritado, após um auxílio de Roark ele trás uma flor para a garota, mas é enganado quando descobre que o significado dos lírios eram o de casamento. Uma possível relação começa a ser formada entre os dois jovens, e no fim do dia, Luke é presenteado com um Shieldon na equipe.


Enfrentando sua primeira competição, Lukas depara-se com o problema de sua baixa estima e sua timidez. Batalhando e iniciando a disputa ao lado de sua amiga Vivian, o garoto consegue arquivar a vitória e exibir toda a sua elegância para a veterana Fantina, conquistando sua primeira fita em sua jornada. Demonstrando sua tamanha felicidade e dedicação para com o treinador, Burmy evolui para Mothim e evidencia toda a sua força. Tal vitória mostra ao garoto que mesmo que haja derrota, o mais importante é tentar mais uma vez.


Com uma rápida parada pela Rota 204 nossos aventureiros seguem jornada na companhia de Vivian. Os Pokémons aproveitam para divertir-se na floresta, e no momento em que Luke é desafiado por um treinador novato ele percebe que ainda precisa de muito esforço para treinar Titânia, que a cada dia mostra-se mais desobediente. Os jovens chegam à Floaroma e se despedem de Vivian, preparando-se para iniciar um novo dia na manhã seguinte.


Dawn é surpreendida por um sonho, ou então uma visão, de sua infância. A garota acorda aos prantos e lembra-se de sua família por um instante, e nesse momento, é revelado que Dawn perdeu seus pais aos dez anos, embora nenhum dos garotos saiba de tal fato.


Acordando logo cedo na manhã seguinte, nossos jovens chegam ao Valley Windworks com o intuito de aprender sobre os ventos, mas são surpreendidos com a presença dos Galactics no local. Os jovens recebem a ajuda de Stanley Tycoon, o rival de Luke, e após entrarem no laboratório, eles se deparam com uma das Comandantes da facção. Os jovens ficam surpresos ao descobrirem que sua Tia era na realidade a Comandante Mars, e com isso acabam ganhando amizade com os Galactics, A partir deste momento surge uma enorme dúvida: Seriam os Galactics realmente maldosos?


A Comandante Mars retorna à sua corporação e alerta seu chefe dos atuais planos. Cyrus é o homem responsável pelos planos dos Galactics, e com isso, é revelado mais sobre os ideiais de tais pessoas. É evidenciado que os Rockets começaram a atuar na região de Sinnoh, e com isso, eles chegam à conclusão de que era Proton, um dos Executivos inimigos, que planejara o incêndio na Rota 202. O fogo destruiu uma base dos Galactics, e por isso, é notável que eles são inimigos desde o princípio. Embora a mídia e a população pense que ambas as facções atuem em equipe.


Apesar de entrarem  na escuridão da Floresta Eterna contra a vontade, Luke guia seus companheiros durante a noite pelas tortuosas alamedas do local. Os jovens assustam-se com um vulto na escuridão, e acabam por se separarem acidentalmente. Dawn encontra-se com uma mulher chamada Cheryl, que os guia para fora da Floresta sem maiores perigos.


Dawn acorda logo cedo e reencontra-se com o detetive Observador, e os dois começam aos poucos desconfiar ainda mais dos planos dos Galactics na região. Luke descobre que Cheryl é a líder temporária do ginásio de grama, devido ao fato de Gardenia estar hospitalizada. Apesar das brigas e controvérsias os dois se entendem e Luke a desafia para uma batalha. Com a derrota de Titânia por estar em total desvantagem, o garoto mostra sua inexperiência em não saber como utilizar de todos os seus Pokémons e estratégias. A batalha leva a vitória de Luke que utiliza dos golpes de seu Shieldon para derrotar o Tangrowth de Cheryl, conquistando sua segunda insígnia.


Lukas parece treinar duro para conseguir conquistar sua segunda fita na próxima cidade, e aos poucos ele vai mostrando seu maior afeto e carinho pelos Pokémons. Sua Budew evolui para Roselia e ele termina por capturar um Shellos. Pelo lado de Luke, vemos que o garoto se encontra com um antigo membro da Elite dos 4 e também seu tio de criação, o famoso Glenn Combs. Os jovens muito conversam e o homem acaba por ajudá-los a chegar até a cidade de Hearthome dando-lhes novas bicicletas. A noite termina no momento em que Luke parte novamente para a Floresta Eterna em busca de um Pokémon.


Luke encontra alguns problemas enquanto parte em busca de seu almejado Pokémon. Ele adentra o assombrado Old Chateau, e descobre que um espírito habita em suas salas hediondas, mas no fim das contas, ele descobre que era apenas uma pequena Froslass causando confusão. Ou será que havia algo a mais?


Quando os jovens se preparavam para deixar Eterna eles se deparam com uma grande explosão nas redondezas. Após verificar o ocorrido, eles encontram os Galactics sendo atacados novamente pelos Rockets. Os jovens salvam a Comandante Mars de um ataque de Proton, passando assim a influenciar-se ainda mais com os Galactics apesar do envolvimento de Dawn com a Polícia Internacional. A Comandante Mars presenteia seus sobrinhos com TMs e em seguida continua seus afazeres ao lado do Comandante Saturn, seu atual namorado. 


Seguindo pela Rota 206, 207 e 208. Os jovens deparam-se com imagináveis encontros; desde a aparição de uma misteriosa mulher que entrega um Ovo Pokémon para Lukas, até o reencontro com os rivais Vivian e Stanley. Luke acidentalmente beija Dawn com o anseio de fazer uma respiração boca a boca quando o mesmo veio a jogá-la de uma ponte em um riacho. Por fim, os cinco integrantes se reúnem e começam a seguir jornada juntos até seus próximos desafios em Hearthome.


Um flashback mostra toda a relação entre Luke e seu rival Stanley nos tempos de escola, explicando o motivo de seu ódio mortal. Por fim, Luke vence seu orgulho e pede perdão para seu amigo, recuperando a antiga amizade que era formada pelos dois companheiros de bagunça no tempo de infância.


Os jovens chegam à cidade de Hearthome, e nesse momento, Luke diz para seu amigos que o famoso Glenn Combs lhes dera convites para que se alojassem em um hotel cinco estrelas. O local era frequentado por famosas pessoas, e entre eles até mesmo os membros da atual elite, e após muitos desencontros, todos os membros da equipe conhecem a Liga Pokémon de Sinnoh. Porém, algo estranho parecia aproximar-se do hotel, assaltantes pareciam planejar uma invasão naquela mesma noite.


Durante a noite, um estranho homem entra no quarto. Ele era Marshall, um ex-membro da Elite dos 4, assim como Glenn. Ele protege os jovens protagonistas enquanto Stanley, Dawn e Vivian fogem em busca de abrigo pelo hotel, mas todos são salvos pela ação da Elite, que protege o Hotel apesar de destruir praticamente um andar inteiro. Proton e Petrel, dois membros dos Rockets, são presos. Mas eles afirmam terem conquistado a vitória. Marshall é o responsável pela polícia de Sinnoh, e com isso descobre que os Rockets usaram o hotel somente como forma de distração.


Lukas prepara-se para competir por sua segunda fita, e enquanto caminha por Hearthome conhece Marley, uma garota que virá a tornar-se a rival de Vivian. O jovem consegue mais um ovo em seu quarto, mas este vindo de Marshall, que diz ser uma criatura que o garoto sempre almejou. Lukas e Vivian se inscrevem em competições diferentes e com isso, começa a segunda disputa pelas fitas dos Contests.


Seguindo o caminho dos membros da Liga Pokémon de Sinnoh; Allen, Mark, Lins, Kyle e Ike encontram-se em uma importante reunião para o rumo que a região deve tomar, embora nenhum deles pareça estar realmente interessado em qualquer atividade sem a presença do campeão, que não seria ninguém menos do que Cynthia. Cada um dos integrantes seguem seus caminhos almejando estarem sempre unidos e visando as melhorias para o continente.


Lukas conquista a vitória em sua segunda competição, por outro lado, Vivian encontra dificuldades para derrotar a veterana Marley, que também possuí uma equipe equilibrada de Pokémons. As duas garotas acabam por ser derrotadas, mas Vivian afirma ter ganhado uma rival nos torneios e no amor, dizendo que Marley an verdade tenta roubar Lukas de sua posse, mesmo que o garoto as tenha somente como amigas.


Na manhã seguinte, Lukas e Vivian saem pela cidade para relaxar, mas são surpreendidos por um garoto arrogante chamado Lúcio, que humilha Lukas e diz que ele não é digno de ganhar uma competição. Luke chega subitamente e lhe dá um soco na cara, desafiando-o para uma tensa batalha, que levou a vitória de Luke com apenas dois Pokémons contra o garoto que já possuía quatro insígnias. A amizade dos irmãos é ainda mais fortalecida. O Capítulo 24 foi o vencedor do Oscar e eleito como o melhor capítulo da temporada.


batalha de Luke e Stanley contra Fantina. Stanley é derrotado pelos golpes fantasmagóricos de sua oponente, e após muito pensar, Luke usa do amor da própria líder para derrotá-la. Fantina era apaixonada por Wwalter, o pai de Luke, e por isso encontra uma certa atracão no pequeno garoto, apesar dele ser somente uma criança. Luke conquista sua terceira insígnia e ganha Fantina como amante, embora Dawn quase mate o garoto por tal feito.


Os jovens continuam divertindo-se no Hotel Deluxe Heart. Durante uma noite, todos decidem ir às casas de banho, e são surpreendidos quando Luke tenta espionar as garotas. Luke é derrotado após receber uma sequência de golpes poderosos de Pokémons que nem sequer havia visto. Ele torna a perguntar para Dawn de onde ele tirara um Lairon em sua equipe, e a garota explica que pertencia ao seu pai, sendo então revelado para os protagonistas que os pais da garota faleceram.


O último capítulo da Saga é marcado por vários acontecimentos, desde o nascimento de um dos ovos de Lukas em um Togepi até a Gardevoir que Luke recebera de Fantina. Os jovens também ganham um Horsea e uma Feebas de Glenn, que marcara um show na noite. Os protagonistas se reúnem no estágio local e assistem ao show de Glenn, que canta uma linda música que pertencia à uma amiga dos irmãos. Os jovens preparam-se para separar-se de Stanley e Vivian e assim seguir sua jornada numa nova aventura. A Saga Pérola está finalizada com uma grande festa e uma despedida acompanhada de beijos e fogos de artifício.

Notas do Autor (Especial Elite)

Eu gostaria se ser muito breve nesse momento, para que desse modo vocês tenham mais tempo para compartilhar do último episódio do especial da Elite. Perdoem a demora, eu tenho isto escrito há mais de dois meses, mas estive guardando para o momento certo de sua postagem. Espero que não tenham se esquecido do enredo, e se me permitem a sugestão, leiam os antigos para sentir algo maior. Este último episódio trará o desfecho da antiga elite, quero que leiam cada palavra e sintam a melancolia e a dor dos personagens, leiam na companhia do silêncio... Eu não sei como está o clima na cidade de vocês, mas aqui faz muito frio, seguido do suave depositar das gotas da chuva... Muito semelhante aos momentos finais de nosso episódio, não haveria um dia melhor para que fosse postado para mim. O capítulo falará por si mesmo, então sem mais delongas, despeço-me de vocês por hora. Boa leitura.

Legacy

Ex-Elite 4: O Fim de um Legado - Parte 3

Um único homem permanecia de pé na terceira arena de batalha da Liga Sinnoh, encarando o imenso vazio em sua frente. O estágio estava extremamente vazio, não haviam mais gritos animados e nem torcidas por conta do desafiante que viera. Algumas câmeras estavam posicionadas para a batalha que estava para acontecer, mas ninguém parecia disposto a assisti-la.
Por um momento Glenn direcionou seu olhar para cima de modo que pudesse ver o céu nublado que o cobria. Seu coração suplicava pelo fim daquela dor que sentia, mas os passos do adversário aos poucos aproximava-se. A Elite dos 4 deveria manter seu cargo e aceitar o desafio de novos treinadores, mas aquela batalha estava agendada há muito tempo, e no fim acabou por cair exatamente no dia do enterro de Selena.  Os jovens não entendiam os problemas dos adultos, para eles o que realmente importava era batalhar e ser o melhor. Erick já havia sido derrotado pelo desafiante que aos poucos chegava nas próximas salas da liga, Glenn seria seu próximo adversário.
            Glenn notara que o desafiante era apenas uma criança aos seus olhos, provavelmente mais um daqueles em busca dos seus sonhos. Glenn soltou um breve suspirou olhando para o céu novamente, seus óculos escuros não demonstravam em nenhum momento a sua feição de tristeza, o sorriso de outrora não cobria mais sua face, era como se o velho Glenn tivesse partido junto com Selena.
          — Você passou da segunda sala. — concluiu ele de modo pensativo.
            — Ela estava vazia. — afirmou o desafiante.
            Era Selena quem ocupava a segunda sala, e ninguém passava quando ela estava disposta a defendê-la. Erick era jovem, e ainda tinha muito a aprender com as derrotas. O céu continuava nublado pela chuva que a pouco cobrira Sinnoh. Era como se o céu lamentasse a perda em conjunto de todos aqueles que perderam alguém que amavam.
Glenn sentia um aperto em seu coração, mas não queria demonstrar. Seus óculos escondiam sua tristeza como uma máscara, mas agora ele deveria mostrar sua força em uma batalha. O homem pegou uma de suas pokébolas e observou nitidamente seu reflexo. Estava úmida. Provavelmente das lágrimas que o céu deixara escapar. O homem apertou-a com força, mas tornou a guardá-la.
— Passa logo, garoto. — disse Glenn quase que em um sussurro.
O desafiante arregalou seus olhos surpreso, essa seria sua segunda vitória na Elite por W.O., mas quem não estaria disposto a aproveitar uma oportunidade daquelas? O garoto ainda estava incrédulo, mas Glenn não direcionou-lhe mais nenhuma palavra e parecia convicto do que dissera.
— O Senhor tem certeza?
— Vá antes que eu mude de ideia.
O desafiante recuou por um momento, mas em seguida partiu às pressas para o último membro da Elite. Todos ali presentes haviam notado o desinteresse de Glenn na batalha, mas ninguém o criticara pela ação, pois sabiam a tristeza que cada membro sentia em seu coração. Glenn sentou-se em um pequeno banco da sala e retirou seus óculos escuros, deixando-os cair no chão. Ele estava confuso, não encontrava mais a paz. Estava decepcionado, e não tinha mais esperança.

• • •

            Maldita chuva. Nunca pensei que eu passaria a ter tanto ódio de você. Como eu poderia expressar meus sentimentos naquele momento? Desde então os dias e as noites parecem todos iguais. Eu não tinha nem mesmo coragem de tirar meus óculos, e sei que quando eu chegar em casa irei chorar. Como explicar aquela sensação? Um túmulo de mármore jazia em minha frente. Nunca imaginei como seria ruim ver todos os meus amigos cobertos pela tristeza, não seria a minha função animá-los? Cara, não estou afim de ficar feliz.
O sorriso que Melyssa tinha em seu rosto já não estava presente, eu apenas podia notar Walter segurando um guarda chuva para seus filhos e sua esposa. O silêncio era tanto que eu podia ouvir a respiração de Marshall ao meu lado. Eu nunca havia visto o Erick chorar tanto, nem parecia o mesmo garotão que sempre dizia ter se tornado “um homem” ao entrar na elite. Eu queria ter a mesma coragem que ele, mas acho que sou um covarde, não consegui nem chorar em público. Ver meus amigos passar por momentos ruins era difícil, mas acho que o pior era ver o marido da Selena em frente ao seu túmulo. Eu o só o vi de costas, segurando em uma de suas mãos os dois anéis de sua aliança de casamento. Eu não tinha coragem de encará-lo de frente, eu não sabia nem o que dizer.
            Que se dane a chuva. Não ligo de ficar molhado, eu perdi muito mais do que uma amiga, a Selena era como uma irmã. Todos nós havíamos perdido alguém especial. Já se sentiu culpado por não ter tido tempo para dizer tudo que sente para quem ama? Olhei para o céu cinzento, mas não encontrei um refúgio. Como foi rápido, mesmo depois ainda não consigo me concentrar em minhas boas lembranças. Não tenho vontade de rir e nem de me divertir. Não tenho vontade de cantar, porque quando ouço minhas músicas lembro que ela sempre tentava me ajudar nas canções. Maldita chuva.


• • •

            Marshall permanecia sentado em um dos assentos da última sala, ele olhava no relógio hora ou outra para saber se demoraria para tudo aquilo acabar. Seus braços estavam cruzados enquanto ele ouvia atentamente os passos que se aproximavam da sala. Se Marshall quisesse lutar a sério, já o teria feito há tempos, mas ninguém lhe tirava uma pergunta da mente: O que estou fazendo aqui? Por quê ainda estou lutando?
O garoto caminhava com receio para dentro da quarta sala, Marshall era o líder da elite, e o fazia por merecer tal mérito. Ele levantou-se, e ainda ocultando seus olhos na sombra de seu chapéu, aceitou o desafio.
            — O Glenn não batalhou, não é? — perguntou ele, como se já soubesse a resposta.
            O desafiante apenas confirmou a pergunta.
— Vou batalhar por respeito ao meu superior e amigo, pois sei que seria falta de consideração se você alcançasse o campeão derrotando um único membro da elite.
Marshall se manteve quieto por um momento, ao pegar a pokébola de seu Pokémon a lembrança do enterro de manhã lhe viera à tona. Como batalhar por fora se ainda sofria tanto por dentro? O treinador lançou um poderoso Tyranitar na arena e em seguida pediu para que seu desafiante escolhesse uma criatura. O garoto parecia confuso, pois desse modo ele teria total vantagem em saber quais tipos seriam mais efetivos contra o Tyranitar. Um Machamp foi lançado na arena de batalha, de modo Marshall tivesse total desvantagem. Mas que diferença fazia? Ele nem sequer entendia porque continuava naquele cargo.


• • •

            As árvores escondiam uma cor fúnebre marcada pelo vento gélido daquela manhã. Há anos eu não via um frio tão rigoroso, meu sobretudo pesava pelas finas gota que caiam sobre meu corpo. O Glenn estava do meu lado, nós dois éramos os únicos que não tinham um guarda chuva, o meu estava com o pequeno Erick que esquecera o seu em casa. Por um momento olhei para os lados para ver meus amigos, eu não sabia dizer se o Glenn chorava ou se era apenas a chuva a escorrer pelos seus óculos escuros. Não se ouvia absolutamente nenhum comentário por parte dos poucos ali presentes, somente os choros e suspiros vindos do lamento humano.
Talvez a chuva anunciasse a perda irreparável que a natureza sofria, ela teimava em cobrir-nos de melancolia naquela manhã. Dentro de mim, eu não queria acreditar, mas infelizmente em alguns momentos precisamos nos contentar com a realidade. Fiquei pensando em como a vida é injusta com as pessoas, percebi como a justiça da vida era falha, e desde então nunca mais acreditei na Justiça. Senti um ódio naquele momento, mas não havia nada que pudéssemos fazer. Desde que nascera, Selena tinha seu destino traçado.
Walter mantinha-se quieto como se não acreditasse na situação, tenho certeza que para ele era o mesmo sentimento de perder um filho. Os pequenos não entendiam o que acontecia, mas era evidente que estavam tristes por ver sua mãe aos prantos.
            — Mamãe, o que está acontecendo? Por que você está chorando? Eu não quero te ver triste. — disse o pequeno Lukas, segurando-se na mão de Melyssa.
            — Não é nada, querido. Não é nada. — ela mentia com tristeza.
            O pequeno Luke mantinha seus olhos fixados no caixão a sua frente, ele não entendia o motivo daquilo e nem porque todos estavam tristes. Ver o Glenn chateado significava que algo realmente ruim aconteceu, acho que as crianças são tão inocentes nesse ponto que nem mesmo a tristeza pode atingi-las.
            — Mamãe, por que estão colocando a tia Selena naquele buraco? — perguntou Luke assustado — Não deixem eles levarem a Tia Selena, mamãe! Eles querem levar ela embora!!
            Melyssa não pôde conter o choro após ouvir seu filho, ela tentou tampar sua própria boca em vão para abafar o som dos soluços naquele momento. Ninguém sabia como explicar aquilo para os pequenos. Walter abraçou sua esposa que continuava a derramar rios de lágrimas, pela primeira vez eu não sabia o que responder, eu estava dominado pela angústia de presenciar aquela cena.
            — Pegue as crianças e volte para casa. — disse Walter, dando um leve beijo sobre o rosto de Melyssa.
Pouco a pouco mais pessoas iam embora, logo seria a nossa vez, pois havíamos agendado um mês antes uma batalha com um garoto que terminou por não querer desmarcar a disputa de forma alguma. Sei que ele tinha seus motivos, afinal todos lutam muito para conquistar algo. Acho que eu perdi minha vontade por lutar, não tenho motivos para continuar na elite. Sinto como se minha hora houvesse chegado.
Arrumei meu chapéu e ajeitei meu sobretudo, dentro de meia hora estaríamos defendendo nosso título, mas enquanto eu me distanciava pude ver o Ike parado em frente ao túmulo. Desde que ele chegara estava naquela posição, com suas duas alianças em uma de suas mãos. Eu não compreendia a dor que ele sentia, talvez aquele sentimento de amor fosse demais para mim. Seria bom deixá-lo sozinho por um tempo, pois há momentos em que apenas a solidão e o silêncio são capazes de nos dar a liberdade.


• • •

            O desafiante agora chegava próximo de seu último desafio para tornar-se um campeão definitivo, para qualquer um seria uma honra poder deparar-se com Walter Wallers, o até então imbatível campeão que defendera seu título por cinco anos consecutivos. Não havia um grande número de pessoas assistindo a batalha, e os poucos que haviam mantinham-se em um silêncio absoluto. Walter estava sem o seu blazer, e toda sua roupa estava encharcada. Provavelmente ele estivera na chuva há pouco tempo. Ele arrumou seus cabelos castanhos brevemente e se pôs a observar o garoto que o desafiava.
            — Você está a um passo de tornar-se o novo campeão, meu jovem. — disse Walter com uma voz cansada com suas frases decoradas, diferente daquela sensação ameaçadora que demonstrava com todos os outros desafiantes.
            Walter suspirou e preparou sua pokébola, ele não queria ficar mais tempo naquele lugar, pois já estava cheio disso. A batalha seria de um contra um, utilizando de seus Pokémons mais fortes. Walter hesitou ao lançar seu Salamence, fazendo uma breve pergunta na sequência:
            — Antes de começarmos nossa batalha, diga-me uma coisa garoto, você tem um sonho?
            — Tenho sim, Senhor. Lutei muito para chegar até aqui! Quero me tornar um Mestre Pokémon!
            Walter deu um leve sorriso. Inocência. Sonhos. Vontade.
            Talvez já fosse dado o tempo de abandonar seu cargo e permitir que uma nova geração seguisse seus sonhos. Walter lançou seu Salamence que batalharia contra um Torterra. Porém, até mesmo seu Pokémon parecia alterado. Era como se o dragão compartilhasse a dor com seu treinador. Walter sofrera com a morte de Selena mais do que ninguém, era como se sua filha tivesse falecido, e que pai gostaria de ver seus filhos morrerem antes de si próprio?
            Walter não precisava dizer muito para que Salamence começasse a agir, o dragão era poderoso e com facilidade quebraria a defesa do Torterra adversário. Mas diferente de qualquer outra batalha que Walter realizara, era notável que ele estava impaciente. Constantemente Walter distanciava seu pensamento da batalha, a todo momento ele olhava para o relógio como se implorasse para que as horas passassem mais depressa. O desafiante não era muito habilidoso, mas o campeão não queria lutar.
Não demorou para que Salamence olhasse para seu treinador e visse a tristeza em seu olhar, o dragão recuou, e desistiu da batalha. Não havia mais motivo para batalhar. O desafiante não acreditava que havia ganhado a disputa, e por um momento manteve-se incrédulo do que acontecera.
Walter andou até o jovem e colocou a mão em seu ombro, dizendo com sua voz cansada:
            — Parabéns, você é o novo campeão.
            O garoto quase deu um grito de alegria, estando ansioso para anunciar a vitória que conquistou para todo o mundo. O título não duraria muito tempo em suas mãos, afinal, haviam dezenas de treinadores dispostos a ainda lutar, principalmente agora que o ex-campeão e sua muralha de ferro haviam caído.

Walter pegou o blazer de seu terno e seguiu pelo caminho oposto da entrada. Fazia tempo que não passava por lá, aquele era o caminho que os derrotados em batalha tomavam. Erick continuava a aguardar ansiosamente na primeira sala, talvez na esperança de ver Selena com seu lindo sorriso, dizendo: Você não ganhou dessa vez Erick, mas garanto que na próxima vai sair-se muito bem! Ele tinha esperança de ver o desafiante regressar com a derrota, mas dessa vez, quem voltava era Walter, na companhia de Marshall e Glenn logo atrás.
Erick não queria acreditar no que via. Teriam todos realmente perdido? Não foi preciso que ninguém perguntasse nada, Walter apenas continuou seu caminho até cruzar-se com Erick, parando ao lado do pequeno. O homem sorriu com sua feição desgastada e passou a mão nos cabelos azuis do garoto.
            — Eu perdi.
Erick não acreditava que o homem que mais apreciara durante a infância havia sido derrotado. Ele lembrava-se do tempo em que ele mesmo fora derrotado por Walter, em seguida recebendo um certificado para a participação da elite. Era muito melhor do que ter se tornado o campeão, pois na época ele seria um membro definitivo da equipe. Com apenas quatorze anos assumindo um cargo de tamanha importância. Para Erick, eles nunca poderiam ser derrotados, mas aquela notícia abrira seus olhos pela primeira vez.

Walter vestiu seu blazer e saiu da grande Liga Pokémon, seguido de seus três companheiros remanescentes. Eles queriam dar um último adeus à Selena naquela tarde, partindo em direção do cemitério mais nobre de Sinnoh. Um portão de mármore marcava o local que servia como casa de descanso para grandes nomes daquele continente. Já não estava mais chovendo, e todos já haviam voltado para casa, mas que surpresa não foi ao depararem-se com Ike, que nem sequer mexera um músculo.
Walter andou até a lápide e colocou sua mão sobre a pedra que esculpia o formato de um anjo de ferro. Dizendo serenamente como se conversasse com o defunto:
— Nós perdemos, Selena.
Ike virou-se para Walter como se também não acreditasse no que ele dizia. O enterro de manhã com toda certeza havia comprometido a atenção e a vontade de batalhar dos integrantes. Era Walter quem na verdade havia sido derrotado, mas isso não mudava nada a situação dos remanescentes membros da elite dos 4. Porém, era como se todos tivessem sofrido uma derrota. A elite era uma família, e a derrota na elite não queria dizer nada. O que lhes machucava o coração era a morte de Selena.
— Vocês perderam...? — perguntou Ike novamente.
Walter acenou brevemente com sua cabeça. Ike apertou ainda mais as duas alianças em suas mãos, agora ele se sentia culpado pela morte de Selena e pela derrota das pessoas que mais apreciara durante a vida. Ele sentia um vazio incomparável em seu coração, mas seu rosto ainda estampava um olhar forte como um verdadeiro discípulo de sua Mestra.
— O que nós vamos fazer agora que o Walter perdeu? — perguntou Erick.
— Seguiremos nossos próprios caminhos, meu jovem. — respondeu Marshall, retirando seu chapéu — Não vejo mais motivos para continuar na Elite. Nossa Era acabou.
— Espere um pouco Marshall, você está falando sério? Como você pode desistir só porque o Walter perdeu?! Devemos continuar nosso cargo na elite, a Selena ficaria triste se soubesse que nós desistimos de tudo por causa dela!!
— Muita coisa que a Selena queria que acontecesse, não aconteceu. — continuou Marshall, colocando seu chapéu novamente — Não tenho mais motivos para lutar. Estou pedindo demissão.
— Marshall... — suspirou Erick.
O garoto olhou em seguida para Glenn, que se mantinha apoiado em uma árvore com suas mãos em seu bolso. Os óculos escuros ainda escondiam seu olhar. Erick esperava ter o apoio de seu amigo para continuar na elite, mas podia sentir a angústia naquelas palavras proferidas:
— Tô fora.
Glenn seguiu de volta para seu carro e não tornou a olhar para trás. Ele sofrera muito com a morte de Selena, assim como todos ali presentes. Erick tinha um sentimento de raiva misturado com tristeza. A Elite não deveria ter acabado daquele jeito, pois lá estavam presentes os sonhos de todos.
— Vocês vão desistir de tudo?! Esse era nosso sonho, nossa família!! — gritou Erick.
Walter colocou sua mão no ombro do garoto, mas dessa vez não sorriu.
— Erick, é melhor voltar para sua casa. Você é muito novo para compreender. Se quiser continuar na elite, faça o que julgar certo, mas a nossa Era acabou.
Walter deixou o cemitério, Erick partira na direção oposta como se sentisse uma raiva imensa de todos lá presentes. Apenas Ike e Marshall continuavam no lugar. O rapaz continuava a fitar o túmulo de sua esposa de forma desolada. Não havia expressão em seu rosto, era como se durante todo aquele tempo ele houvesse guardado algo em seu coração que não pudesse mostrar.
Marshall suspirou e olhou para o céu. A chuva logo recomeçaria. Mas antes de continuar seu caminho o homem tornou a dizer.
— Chorar não é sinal de fraqueza. É sinal de que tudo até agora valeu a pena.
      Não demorou para que o rapaz se ajoelhasse no chão e caisse em lágrimas. Ike agora chorava tudo que guardara durante todo o enterro, talvez durante toda a sua amarga vida. Todos os dias que havia se sentido culpado pelas derrotas nas vidas dos outros. Cada um naquele local havia perdido uma parte de suas vidas. A solidão seria a companhia de Ike naquele momento, e tudo que Marshall podia fazer era deixá-lo sozinho.

• • •

Por muito tempo pensei que as pessoas que passavam a minha volta rindo faziam graça de mim. Por quê ainda estou respirando? Se pelo menos eu pudesse parar de respirar dolorosamente e trazer à vida a pessoa que mais amei. Por favor, alguém me ajude. Meu coração não almeja a solidão, e mesmo quando eu fingir ser forte, eu gostaria que alguém me encontrasse.
Por quê meu coração ainda se sente sozinho? Se eu tivesse que desaparecer desse mundo amanhã, tenho certeza que não haveria ninguém para chorar por mim. Eu quero alguém importante para mim, alguém que sorria e chore comigo. Eu gostaria de deixar essa vida e começar uma nova. Ainda estou hesitante. Em seu reflexo no espelho de meu coração, será que ainda poderei encontrá-la sorrindo? Prometi sempre estar ao seu lado, e apenas saiba que eu estarei sempre olhando por você.

      

- Copyright © 2011-2017 Aventuras em Sinnoh - Escrito por Canas Ominous (Nícolas Eroles) - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -