Posted by : CanasOminous May 3, 2013



“As portas de Regigigas, Senhor dos Continentes. 
Sejas um amigo, e entres.”

O Templo de Snowpoint era um local sagrado e misterioso para toda uma nação. Com paredes espessas e monumentos antigos, provavelmente ele fora construído ali para adorações, muito antes que qualquer civilização decidisse estabelecer seu domínio nas redondezas. Nem mesmo os mais velhos saberiam contar histórias sobre aquele lugar que permaneceu oculto em mistério e mitos por tantas gerações.
Porém, recentemente, expedições de arqueólogos e cientistas passaram a desbravara os salões mais antigos, em contrapartida com os primeiros andares que começaram a ter a permissão de acesso aos turistas de Snowpoint...
E aquilo não agradava o lendário guardião do templo. Não agradava mesmo.

O céu estava nublado, finos flocos de neve caíam das alturas de forma mansa nas paredes de rocha sólida que erguiam-se até o alto, como uma muralha intransponível até mesmo pelos maiores exércitos. A líder Candice guiara Dawn, Riley e os Irmãos Wallers até o portão de entrada daquele santuário. Ele era muito antigo, mas sua grandiosidade só era realçada pelo tempo que apenas o tornava ainda mais suntuoso.
— Eu sou a guardiã do Templo de Snowpoint, um local enaltecido pelas gerações, um universo paralelo que muitos treinadores jamais imaginaram ver. Poucos são aqueles que já tiveram a oportunidade de saber o que há lá dentro, dizem que apenas os escolhidos podem fazer seu caminho através dele — explicou Candice.
— Qual exatamente é a urgência para este chamado? — perguntou Riley.
— Como vocês devem saber, diz a lenda que no andar mais profundo deste santuário habita a criatura que laçou continentes com os próprios punhos. Ele é o senhor da força, a criatura continental, o Lendário Regigigas.
Luke riu com aquela situação, lembrando que já tivera muito de Pokémons Lendários nos últimos meses.
— Vocês não têm intenções de despertá-lo, juntar os outros líderes de ginásio, criar uma facção criminosa e conquistar o mundo, não é? — brincou Luke.
— Líderes não brincam em serviço, meu jovem. Posso garantir ao menos em Sinnoh todos sempre levaram suas funções muito a sério — respondeu Riley.
          — Tão a sério que quatro vezes nós tivemos de lutar contra um líder não-oficial por ausência... — comentou Luke em voz baixa, logo emendando o assunto. — Okay, acreditem, entrar nesse campo de lendários nunca foi uma tarefa muito divertida. Nós já nos metemos com três deles há pouco tempo, sério mesmo que vocês tentarão começar outro problema com mais um?
          — O problema em si não está em despertar o lendário, e sim, protegê-lo. Os humanos tentaram estudar os mistérios dessas criaturas por incontáveis anos, como o motivo pelo qual nenhum deles possuem evoluções até então, e os Pokémons não gostam da maneira como essa sabedoria está progredindo.



Candice caminhou em direção dos portões de rocha sólida na entrada, apalpando as antigas runas na linguagem dos Unowns. Ela logo voltou sua atenção aos companheiros e mencionou o ocorrid
— Este portão nunca havia sido fechado até então. Na realidade, duvido também que alguém nesse mundo fosse capaz de mover essas enormes portas.
— Qual a altura? Talvez quatro metros? Seja lá o que tenha movido isso, sua força deve ser impressionante, e o ranger da rocha poderia ter sido ouvido até do ginásio — comentou Lukas.
Candice assentiu, pensativa. Ela logo continuou sua história:
— Quando vim até aqui noite passada, eu notei que a passagem estava bloqueada, e nada que eu faça conseguiu mudar isso.
— Nada? Será mesmo possível? Nem mesmo a força dos mais poderosos Pokémons? — questionou Dawn.
— Eu já tentei de tudo... — assentiu a líder.
Luke aprontou-se, sacando uma Great Ball de sua bolsa.
— Vamos ver se isso é verdade. Se o portão aguentar o impacto do meu amigo grandão, então pode ter certeza que ele não vai ser derrubado por nada mesmo. Rhydon, venha!
Luke lançou seu Pokémon de rocha em meio à neve. Coffey parou de frente ao santuário, e utilizou a furadeira para tentar destruir o portão que bloqueava sua passagem, mas ainda assim, nada adiantava. Era como se ele estivesse lacrado por dentro, por alguma força sobrenatural. Algum tipo de magia muito antiga, esquecida até mesmo pelos maiores feiticeiros do passado. Eles chegaram à conclusão de que nem mesmo o gigantesco Rhydon de Luke poderia destruir aquilo.
— É... Bem resistente mesmo. — assumiu o garoto, impressionado.
— Os humanos são audaciosos demais... Se este local foi fechado, quer dizer que as divindades não querem que interfiram nele. — Aconselhou Riley, com o intuito de que eles não seguissem adiante com aquele plano.
— Esse é um dos motivos que pedi a ajuda de vocês — respondeu Candice. —Não tenho como ambição saciar minha curiosidade, ou invadir e descobrir o que há lá dentro. Mas este local é especial para mim, tudo nessa cidade faz parte daquilo que construí para minha vida. É como se cada floco de neve representasse um pedacinho meu, presente em cada canto. Eu protejo esse lugar há anos, Riley, vivi muito tempo nessa cidade... E as pessoas querem destruir isso de mim. Eu não permitirei que aconteça de novo.
— E você não tem medo do que um Pokémon lendário poderia fazer com a senhorita?
Candice parou, direcionando um olhar sério para Riley.
— Acredite, eu sei o suficiente sobre Pokémons lendários.

Riley arqueou os ombros, satisfeito com a resposta. Ao decidir ajudar a comitiva, Candice sabia que teria ao seu lado alguém com um conhecimento avançado para qualquer área. Ao tocar nas runas, Riley pôde perceber marcas na parede antes cobertas pela neve.
— Há algo escrito aqui...
— E você consegue ler? — perguntou a líder.
— Sim — assentiu de maneira breve. — Mas está em latim. Eu posso interessar-me muito por coisas antigas, mas ser poliglota é outra história...
Lukas também sempre teve muito interesse na área de história e geografia. Ele podia não ser tão inteligente quanto seu companheiro veterano, mas era curioso, e tinha contatos. O jovem retirou um colar de seu pescoço, o que fez seus dois amigos de viagem se empolgarem.
— Eu adoro quando você usa esse negócio — brincou Luke.
— E o que isto seria? — perguntou Riley.
— Eu conheço alguém que muito provavelmente conhece latim. Ou melhor, alguém que estava vivo antes mesmo dessa língua ser criada. Só não se assustem, ela costuma ser um pouco... excêntrica.
Lukas tocou no colar de maneira carinhosa, e um brilho róseo despertou daquela pérola. O colar flutuou em sua frente, o que chamou a atenção de Riley e Candice que nunca haviam visto algo parecido. De repente, uma voz pôde ser ouvida.
— Quem me chama?
— Paula, Paula? Você consegue me ouvir?
Demorou um pouco para que o sinal com o colar de pérolas fosse restabelecido, mas logo ele começou a brilhar com uma coloração tranquilizante e conversa pôde fluir.
 Oi, querido. Estou te ouvindo, sim. Como foi a caminhada até o templo? Desculpe não ir com vocês, eu tinha um compromisso... Você já chegou à pousada?
— N-Não, ainda estamos resolvendo umas coisas com a Candice...
— Cara, ela parece a mãe falando com você — emendou Luke com uma risada, mas seu irmão preferiu não dar ouvidos.
— Está ocupada?
— Bem, estou sim, mas pode falar. Shhhhhh, Gilbert e Diego, será que vocês dois não conseguem ficar quietos só por um minuto?! Estou no telefone... Ah. Precisa de alguma coisa, querido?
— Estamos com alguns problemas em frente ao Snowpoint Temple, imagino que seu conhecimento de repente possa ajudar-nos a... descobrir algumas coisas.
De repente, Paula apareceu ao lado do garoto. Seus amigos deram um pulo para longe.
          — Olá.
— WAAH!! Você pode surgir em qualquer lugar quando você quiser?! — indagou Dawn, assustada.
— I-Incrível... — comentou Riley, impressionado.
Paula lançou um rápido olhar para um templo que era tão conhecido seu, mas entre os tantos mistérios que aquele lugar transmitia, ela sabia principalmente que humanos não eram muito bem vindos.
— O que estão fazendo aqui? Este não é um lugar muito interessante para vocês passarem a noite, e já está escurecendo... Digamos que o morador do templo é um velho carrancudo e mal humorado... Quando anoitece, ele se torna ainda mais insuportável.
— Está falando do Regigigas? — quesitonou Lukas.
— Sim, sim, digamos que ele seja um conhecido meu... — comentou Paula, não muito disposta a revelar mais informações. — Oh, e ele aprendeu a deixar a porta fechada agora? Antigamente ele vivia reclamando que sempre vinham alguns humanos encher-lhe a paciência...
— Vocês, Lendários, têm uma maneira interessante de falar sobre os humanos... — disse Lukas com uma risada, mas deixando toda a conversação de lado ele foi direto ao ponto. — Paula, você saberia informar o motivo pelo qual a porta foi fechada? É isso que estamos querendo descobrir, será que a visita frequente de turistas e exploradores têm incomodado o senhor Regigigas?
— Aposto que sim — confirmou Paula, cruzando os braços. — Mas... Não era para estar fechado.
— De repente após alguns milhões de anos ele aprendeu a trancar — brincou Luke.
— Eu costumava visitar o templo com meu irmão todos os anos bissextos, quando tirávamos uma folguinha do trabalho... Sempre éramos bem recebidos pelo senhor Gigas, ele apenas não têm grande intimidade com humanos. Mas, por algum motivo, não estou sentindo sua presença no santuário neste exato momento.
Paula voltou-se para a equipe com um olhar frustrado.
— O que vocês humanos andaram aprontando?
— N-Nós estamos tentando ajudar, também não sabemos o que aconteceu! O portão simplesmente foi fechado, ninguém aqui teria forças para movê-lo! — explicou Candice.
— Tudo bem... Vou deixar para que vocês resolvam isso por si sós... Vocês podem me dar alguns minutos?
Paula foi em direção do portão, apalpando as runas cobertas pela neve e parecendo interpretar toda aquela linguagem em questão de segundos. Neste meio tempo, Lukas sentou-se sobre uma pedra ali próximo para explicar seu envolvimento com Paula para Candice e Riley. Logo a moça voltou sua atenção para o garoto, que perguntou-lhe:
— E então? Conseguiu descobrir algo?
— “Ostia Regigigas, domine continentia. Tu es amicus, et entres.” Na língua de vocês, diz: As portas de Regigigas, senhor dos continentes. Sejas um amigo, e entres.
— É uma charada — presumiu Riley. — De algum filme, sinto eu já vi isso em algum lugar...
— É uma charada que eu não tenho resposta. Aquele velho coroca, tem tanto tempo para dormir e roncar que fica pensando em charadas sem nexos, como se todos tivessem a obrigação de gostar delas. — disse Paula, um pouco revoltada ao virar-se para seus amigos. — M-Mas eu vou tentar descobrir, só me deem mais algumas horas. Maldição, houve um tempo que eu tinha conhecimento de todos os encantamentos e segredos deste mundo, por que minha memória têm andado tão deplorável?
Assim que Paula sentou de frente ao portão, Lukas sabia que eles teriam de esperar algumas horas até que ela encontrasse uma resposta. De fato, chegava a ser engraçado a forma como uma criatura “lendária” também conseguia ser iludida por outras criaturas lendárias. Descobrir a resposta da charada agora era mais uma questão de honra para Paula do que qualquer outra coisa.
Os jovens prepararam um acampamento ali perto, Riley e Dawn conversavam sobre sua jornada enquanto Lukas permanecia ao longe, apenas observando sua parceira de maneira preocupada. De fato, nos últimos dias ao seu lado o jovem pensara que a Guardiã do Espaço tinha a resposta para tudo naquele mundo, e era uma cena estranha vê-la sem a resposta para algo, repleta de dúvidas sem conclusões. Na realidade, aquilo a tornava cada vez mais humana ao seu ver.
— Paula, você...
— Não fale comigo.
— Desculpa.
A moça virou-se no mesmo instante que percebeu o que dissera.
— Oh, mil perdões querido, e-eu não deveria ter dito isso. Eu só estou frustrada, não consigo me lembrar da resposta de maneira alguma... E isso vai perturbar meu sono enquanto eu não resolvê-la.
— Está bem, eu só... Queria passar um pouco mais de tempo com você — disse Lukas de maneira entristecida. — Mas podemos fazer isso depois.
No acampamento, Luke aproveitava um instante sozinho para conversar com Candice, e conhecer um pouco mais sobre sua vida como líder de ginásio e sua aproximação com lendários. A moça tentava manter uma pose animada, ainda que o enigma do portão mantivesse seus pensamentos ocupados.
— E a propósito, Candice, o que você pretende fazer após essa porta ser aberta?
— Na realidade, nas últimas semanas tenho recebido notícias de grandes empresas responsáveis pela manutenção do continente de que os três golens lendários têm agido de maneira estranha e equívoca.
— Os três golens? Você está falando de Regirock, Regice e Registeel?
— Sim, o Museu de Oreburgh alertou que o Regirock despertou de seu sono profundo e, ocasionalmente, se debatia. Não para causar males, mas é como se ele estivesse tentando prevenir alguma coisa. Por isso combinei com os três detentores destes Pokémons em Sinnoh, para que encontremos uma solução.
— E quem seriam?
— Bem, o Regice atualmente encontra-se comigo.
Os olhos de Luke brilharam.
— Cara, isso é demais! Poxa, só nos últimos meses vi mais lendários do que os livros de história!
— Ah, mas não garanto que ele me traga boas lembranças... O Regice não é um Pokémon de batalha, eu apenas exerci controle sobre ele, por um tempo. Digamos que isso tenha haver com muitas coisas que aconteceram no passado, coisas envolvendo pessoas importantes... É uma longa história.
Luke ajeitou-se para mais próximo da moça, mas preferiu ser discreto quanto aos mistérios que Candice guardava.
— E com quem estão os outros dois?
— Bem, creio que um deles você conheça, seu nome é Roark Rockenbach.
— Tá brincando? Ele é meu brother, tipo, amigão mesmo. Poxa, o cara tinha um lendário esse tempo todo e não disse nada?
Candice revelou um sorriso meigo.
— É como eu havia dito, nós temos os Pokémons, mas não exercemos controle sobre eles. Não gosto de pessoas que se gabam por possuírem lendários, como se eles fossem armas secretas. Me impressionou muito quando seu irmão disse que...
— Namorava um Pokémon Lendário. Tipo isso. Meio bizarro, né? — brincou o moreno.
Candice ajeitou-se em seu canto com uma risada discreta, logo continuando o assunto sobre os três golens.
— E quanto ao Registeel, bem, vocês ficarão perplexos se souberem com quem ele está.
— Ah, vai ficar de suspense agora? Qual é!
Luke desviou sua atenção quando ouviu algo sendo atirado em uma lagoa ali perto. Paula havia chutado uma pedra que caiu na água com força, quicando algumas vezes e fazendo as ondas tremularem até a outra costa. A moça praguejava em voz alta.
— Maldição, por que não consigo lembrar?!
— Talvez seja algo tão simples, e você não esteja conseguindo concentrar-se nisso... — disse Lukas, tentando aconselhá-la de maneira mansa.
A mulher virou-se com uma expressão revoltada, mas procurou manter o controle e expressar sua maneira gentil e carinhosa de lidar com as coisas. Ela ajeitou seus fios de cabelo atrás da orelha, e o mais interessante é que naquele instante eles estavam curtos, quase na altura dos ombros. O cabelo de Paula demonstrava o poder de sua força, concentração e espírito. E naquele momento não era dos melhores.
— Fique tranquilo, eu vou pensar na resposta, eu vou descobrir.


Mais uma hora se passou, e agora já havia escurecido por completo. Faziam duas horas desde que a jovem comitiva formada por Luke, Lukas, Dawn, Candice, Riley e Paula haviam montado uma base em frente ao Templo de Snowpoint. Por sorte o movimento estava fraco, e não muitos aventureiros ousavam aproximar-se do santuário. A imagem do oceano era linda, e o encontro das águas salinas com a floresta de coníferas coberta pela neve tornava aquela uma cena a ser contemplada.
          De repente, foi possível notar que alguns passos se aproximavam, tornando-se mais pesados a cada minuto. Luke sacou uma pokébola junto de Riley. Os dois estavam dispostos a proteger as mulheres de qualquer perigo.
Porém, uma voz muito familiar foi ouvida:
— Woah, olha só quem nós encontramos por aqui!
Um enorme Rampardos vinha caminhando na neve, deixando imensas pegadas para trás enquanto um líder de ginásio abanava os braços de maneira alegre e descontraída. Roark havia chegado, trazendo muitas malas e kits para exploração como se estivesse prestes a entrar na escavação mais importante de sua vida. Era melhor que o rapaz se livrasse daquilo o quanto antes, ou o grandioso Regigigas não ficaria nem um pouco contente com mais uma exploração humana em sua residência.
O rapaz pulou de cima de seu Pokémon, estendendo os braços que eram cobertos por tantas blusas de frio que o deixavam gigante, mas pelo menos, aquecido. Luke levantou-se, estendendo os braços da mesma maneira para seu velho amigo. Os dois não se viam desde o incidente na Ilha de Ferro.
— E aeeeeeee, manolo! — gritou Luke, fazendo uns acenos estranhos.
— Diga aeeeee, companheiro! — respondeu Roark, com acenos mais estranhos ainda.
Lukas virou-se para os dois apontando o indicador.
— Shhhh, sem barulho, galera! A Paula está pensando!
— Quem é Paula? — argumentou Roark, olhando para os cabelos róseos da moça e as curvas tão belas que o deixaram sem palavras. Roark ajeitou os óculos no rosto e quase teve um sangramento nasal. — P-Pelas asas de um Aerodactyl, de onde surgiu essa deusa?
— Acho que tu vai ficar meio perplexo quando souber que ela é uma deusa de verdade — disse Luke com uma risada, colocando os braços em volta do ombro do companheiro e fazendo-o sentar-se próximo à fogueira. — Chega aí, companheiro. Vamos colocar as fofocas em dia.
Mais um longo tempo se passou, e cada vez que os Irmãos Wallers se deparavam com alguém novo eles eram obrigados a explicar quem era aquela atraente figura de cabelos róseos. Roark adorou ouvir a história, ela parecia ter saído diretamente de um livro de romance. O rapaz cruzou os braços num movimento de compreensão, ajeitando seus óculos na sequência.
— Nunca imaginei que vocês teriam passado por tanta coisa nesse tempo, mesmo após terem enfrentado aquela avalanche de perigos na Ilha de Ferro. É, no fim das contas vocês sempre se metem confusão!
— Cara, isso deve ser de família. E eu que pensei que quando fosse velho não teria nada de bacana para contar para os meus filhos — disse Luke com uma risada. — Falando em filhos... É, parceiro, sabia que agora você é o único na fita sem uma parceira?
— Do que você está falando? — perguntou Roark, não acreditando naquilo. — Não vai me dizer que... Você e a Dawn... Você... Pegou...
Luke acenava com a cabeça, sentindo-se vitorioso. Roark soltou um grito de emoção.
— Noooooossa, você conseguiu, cara! Depois de quase uma década, depois de mais de cinquenta episódios, oitocentas páginas!! Mas poxa, o que será da liga dos nerds sem a sua presença? Não acredito, acabo de perder um soldado para as tardes de sabadão jogando League of Legends com a galera... Você traiu nossa sociedade.
— Qual é, eu não posso mais jogar com vocês só porque tenho namorada? E se ela jogar também? A Dawn é boa nisso, afinal de contas, estamos precisando de uma healer que não faz nada!
— Boa, boa, boa! Você é foda, Luke. Por isso eu te adoro!
A conversa entre os velhos amigos era tão complexa que nem mesmo Riley parecia compreendê-la. O barulho atrapalhava a concentração de Paula que quase perdia a paciência, mas a moça permanecia determinada a descobrir a resposta. Dawn observa Lukas pentear os pelos de sua Eevee, o mais novo Riolu também se divertia ali próximo atentando a pequena raposinha a sair correndo dali atrás dele. Dawn sentou-se ao lado do amigo e sorriu na tentativa de buscar assunto.
— Você pretende evoluir sua Eevee para o que, Lukas?
          A Eevee deu um salto do colo de seu treinador, indo atrás do Riolu. Lukas deixou que ela se divertisse, pois adorava ver a jovem raposinha aproveitar ao máximo sua infância.
— Ah, isso é tão complicado... Já mudei de ideia várias vezes. Adoro Jolteons, mas já tenho o Pachirisu como elétrico. Dispenso novos aquáticos como um Vaporeon, e não preciso de uma Flareon pelo mesmo motivo. Não quero ter uma Glaceon ou um Leafeon como você, então estou na dúvida entre Umbreon e Espeon.
— Eles só evoluem assim por felicidade, não?
— Sim, eu adoro minha Eevee, mas estou segurando sua evolução porque quero que ela se torne o que deseja ser, e não o que eu quero. É por isso estou dando tempo a ela para pensar. Realmente, é preciso laços de amizade muito forte para que ela evolua...
Dawn voltou-se para trás, observando a lua cheia que brilhava no céu. De repente, um momento eureka veio-lhe em sua mente. A moça aproximou-se do portão de pedra e perguntou para a Guardiã do Espaço:
— Paula, qual o nome da evolução do Eevee, do tipo noturno e que apenas evolui por felicidade?
— Umbreon.
As portas permaneceram fechadas. Dawn cruzou os braços um pouco decepcionada.
— Hm, talvez Espeon?
E nada aconteceu.
— Droga, pensei que esse fosse o meu momento de fazer algo útil! — respondeu ela frustrada, chutando mais uma pedra em direção da lagoa.
Pelo menos aquela tentativa da garota havia trazido um clarão de respostas para a mente de Paula. Milhares de lembranças surgiram, e ela sabia que em uma delas havia um velho Regigigas sentado em seu trono de pedras preciosas, fumando um cachimbo confeccionado por suas próprias mãos e chamando as crianças que corriam pelo salão do Templo de Snowpoint.

Flashback On

— Paula, minha pequena Paula... Venha cá, deixe o velho Gigas dar um beijo nessas suas imensas bochechas rosadas!
— Não, titio, para! Você sempre me faz cócegas! Hah, hah, hah! — ria a menininha que divertia-se com o velho.
— Eu só vou deixar você voltar a brincar com o Diego se responder minha charada. Se você não responder, eu vou dar outro beijão e te fazer cócegas! — sorria o velho Regigigas, ajeitando os longos bigodes como um troféu. Ele colocou a garotinha em cima de seu joelho e recitou: — Então minha charadinha é a seguinte... Meu nome é Regigigas, senhor dos continentes, qual a melhor dádiva aos amigos confidentes?
— É a sorte! Porque eles são sortudos de terem os melhores amigos do mundo! Você me conta isso toda semana, tio. Esqueceu?
— Essa é a minha netinha...

Flashback Off

Lucky.
Luke chegou até a virar-se quando ouviu alguém chamar seu velho apelido de infância, mas o que realmente chamou sua atenção foi que os portões de pedra do templo começaram a ranger. O chão tremeu, as montanhas pareceram abrir um caminho que dava passagem ao desconhecido  Todos os demais membros se levantaram, impressionados. Parecia que a resposta para o enigma havia finalmente sido encontrada.
— Como pude esquecer uma charada tão fácil quanto essa? — sorriu Paula de maneira aliviada, sendo tomada pela nostalgia de algo que ouvira há pelo menos trezentos anos.
— Oba, então acho que está na hora de explorar e desvendar! — disse Roark animado, sendo repreendido pela velha amiga, Candice.
— Nem pense nisso, garotão. Não viemos aqui para interferir ou descobrir nada sobre o Mundo dos Lendários, viemos desvendar apenas por qual motivo o Regigigas parece não demonstrar sinais de vida. Mas ainda falta a chegada de um último integrante, só poderemos entrar quando ele chegar, pois precisamos do Registeel.
— E quem seria essa pessoa? — perguntou Luke, ainda curioso.
De repente, enormes tentáculos vermelhos surgiram da água em direção da equipe. Riley puxou Dawn para próximo de si, impedindo que aquilo o acertasse. Estava escuro, e a fogueira havia sido apagada devido à beira do mar que começava a transbordar conforme a maré subia em questão de segundos. Tudo tornou-se assustador quando os jovens perceberam que alguma criatura misteriosa os atacava de dentro das águas profundas quase congeladas na costa. Algo muito antigo havia sido despertado.
— Woah, o que é essa coisa gigante?! — gritou Roark apavorado, caindo em cima de Candice.
— Eca, são tentáculos nojentos! De onde isso surgiu? — indagou ela.
Paula colocou-se em posição de batalha, trazendo Lukas para mais perto de si na tentativa de protegê-lo.
— Ele é o Vigilante dos portões, um Octillery. Eu me lembro dele quando era apenas uma criatura pequenina que morava em um dos aquários oceânicos do meu tio Regigigas... Pelo visto ele cresceu um pouco nas últimas décadas.
— M-Mas me explica uma coisa... Como é que isso foi nos encontrar? — perguntou Lukas.
— Algum infeliz ficou jogando pedrinhas na água. — Paula virou-se de maneira ameaçadora para seus companheiros. — Espera, fui eu mesma que joguei...
Da água, oito imensos tentáculos saíam e atacavam os treinadores ao redor. Eles estavam despreparados, e consequentemente, suas pokébolas estavam dispersas. Luke correu para pegar a Dusk Ball de Garchomp, mas soltou um grito quando ela rolou pela neve e caiu na água, em direção daquela criatura assustadora.
— NÃO!! — gritou Luke, inconformado.
Aquele Octillery era assustador. Sua pele não era mole e grudenta, e sim, grossa e grotesca. Sua cabeça era protegida por um capacete de pedras que deveriam ter endurecido através de um sono de mil anos. Os tentáculos se moviam com pressa, destruindo as colunas do templo e quase trazendo-o abaixo se não fosse sua arquitetura invejável. Paula segurou Lukas pelos braços, gritando para seus companheiros:
— Entrem!! Entrem no templo, agora!! Se o período de abertura do portal expirar, não poderemos entrar nas próximas vinte e quatro horas!
— Que tipo de velho louco cria projetos de proteção tão ridículos para sua casa??! — indagou Lukas.
— Não se questiona um velho com o tamanho do Regigigas, agora ENTREM!

Riley guiou Dawn até o local, enquanto Candice e Roark também seguiam até o portal que lentamente começava a fechar-se. Mas Luke não poderia simplesmente abandonar a Dusk Ball mais importante de sua vida, era ali onde estava o maior presente de seu pai, era ali onde estava Aerus Draconeon, também o seu melhor amigo.
— Luke, vem logo! — gritou seu irmão.
— Cara, minha Dusk Ball caiu na água! Eu não saio daqui sem ela!
Riley voltou-se para Paula e alertou-a de maneira determinada.
— Preciso de três minutos.
— Eu te dou cinco.
O veterano partiu novamente em direção da costa com o intuito de ajudar o jovem Luke que encontrava dificuldades em encontrar uma minúscula pokébola naquele meio. Roark também não estava disposto a deixar seu amigo passar por dificuldades, e correu em sua direção.
Paula estendeu os braços no meio do portão, segurando cada lado das paredes de rocha impedindo até mesmo que a magia que as movia pudesse ser cumprida. A mulher concentraria toda sua força para prevenir que o portão fosse fechado sem a presença de seus amigos.
Ao longe, Luke ainda era atacado pelo gigantesco Octillery que movia seus tentáculos mais depressa do que lanças afiadas. O jovem esquivava-se, sendo atirado para longe pelo impacto dos golpes. Aquela criatura era tão antiga que não se podia duvidar que sua experiência fosse equivalente à sua idade. Ele já devia ter lidado com muitos invasores, mas dessa vez, tratava-se da comitiva de invasores determinados. Um dos tentáculos agarraram Luke, chacoalhando-o para vários lados. O jovem gritava, não sendo capaz de alcançar sua bolsa com Pokémons que devia ter sido sugada para dentro da água em meio a euforia.
De repente, um corte metálico foi desferido com tanta força que o tentáculo do Octillery foi arrancado. O monstro gritou em fúria, espirrando uma tinta negra para todos os lados. Luke caiu do céu, mas surpreendeu-se ao notar que fora agarrado por mãos fortes e de uma leveza incomparável. Quando o garoto pôde limpar a tinta de seus olhos, soltou um grito impressionado:
— T-Titânia?
— Sentiu minha falta, senhor?

A enorme Steelix depositou Luke sobre o chão firme. Ali, em frente ao jovem, ele enxergava apenas aquela linda morena de olhos escuros e expressão deliberada. Titânia voltou-se para ele, arremessando a Dusk Ball perdida em suas mãos. Luke limpou a cápsula suja pela tinta, na mesma medida que Roark e Riley chegavam.
— É aquela sua Steelix novamente, Luke! Como ela está aqui?! — indagou Roark.
— Bem, creio que o detentor do Registeel tenha acabado de chegar — disse Luke com determinação. — Pelo visto, parece que a mais poderosa geração dos Pokémons antigos foi reunida.
— Interessante, há quanto tempo isso não acontecia? — perguntou Riley.
— Acho que vai ser a primeira e última vez — confirmou Luke. — Vamos detonar.
Três pokébolas foram lançadas para o alto, e dentro de cada uma delas um Pokémon grandioso tomou forma. Roark tinha em mãos seu Rampardos, Crano Bonecrusher, o Canhão de Vidro; Riley estava com seu Lucario, Fenrir; e Luke trazia consigo Aerus, um dos Dragões mais poderosos da região. Ali estava presente a trindade de líderes de suas guildas, os mais poderosos Pokémons do tipo Rock, Steel e Ground. Titânia juntou-se à companhia, e junto dos demais treinadores estava Ike Smithsonian, o atual campeão.
          — Deixem a surpresa e as apresentações para depois. Vamos resolver as coisas por aqui antes — disse Ike.
          — Entendido — assentiram os outros três.



          De maneira incrível e habilidosa cada um deles tomou frente e atacou com seus respectivos movimentos. Os quatro treinadores ergueram o braço e ordenaram que seus Pokémons lançassem em conjunto seus golpes mais poderosos. Crano Bonecrusher avançou na linha de frente com o impacto de um canhão, Fenrir permaneceu na retaguarda, lançando uma esfera de poder que seguiria seu alvo até o fim. Aerus olhou para Titânia de maneira breve, e a moça retribuiu. Mesmo que ambos desejassem encarar profundamente o companheiro, dizer tantas coisas que ficaram presas na garganta até então, eles perceberam que naquele instante deveriam apenas unir suas espadas e lutar por uma causa maior.

          Aerus não disse nada, mas preparou suas lâminas da mesma forma que Titânia brandia a espada de prata forjada pelos maiores ferreiros de sua nova guilda. A luta seguiu-se em silêncio, eles não precisavam ouvir a voz de seu companheiro para tomar atitudes, era como se seus pensamentos já estivessem conectados há muito tempo. O Garchomp retirou seus óculos escuros e atacou com o Outrage, enquanto Titânia certificou-se de utilizar seu golpe tão marcante para finalizar aquela luta e proteger seus amigos de uma vez por todas.
A partir daquele dia, aqueles quatro guerreiros seriam conhecidos como "A Vanguarda" de Sinnoh, e suas histórias ainda seriam ouvidas por incontáveis gerações.

Os ataques se uniram em um brilho de combinação e competência. Se a estrutura do Templo de Snowpoint não fosse tão forte ela jamais seria capaz de aguentar o impacto do terremoto causado por Titânia, mas certamente os habitantes em Snowpoint teriam sentido os tremores. Quando o Octillery foi atingido a criatura agoniou em sua fúria, seus olhos haviam sido cegados pelo brilho e num enorme frenesi ele tentou destruir tudo ao redor e levar o que pudesse para o fundo do oceano.
Os cinco minutos em breve se esgotariam, e nem mesmo os poderes de Paula poderiam fazer frente à força de Regigigas naquele portal. Era como se o gigantesco golem a pressionasse com seus próprios braços. O tempo chegava ao seu limite.
Com o Octillery derrotado, os quatro treinadores correram o máximo que podiam em direção da porta do templo. A distância era longa, mas com a ajuda de seus Pokémons eles seriam capazes. Porém, o Octillery não fora destruído por completo nem mesmo pela combinação dos quatro guerreiros da Velha Geração, e aquilo mostrava o quão poderoso poderiam ser as criaturas que habitavam no abismo do mundo. Com um de seus tentáculos a criatura agarrou a perna de Luke que caiu no chão, sendo arrastado para longe.
Lukas gritou de agonia. Ike apenas tocou em sua Steelix e ordenou-lhe:
— Vá buscá-lo, Titânia.
A serpente partiu em sua direção com uma velocidade incrível, e com um corte que arrancou o tentáculo da criatura, Luke pôde recuperar a consciência e voltar a correr. Seu irmão partiu em sua direção para ajudá-lo, mas por mais rápido que fossem parecia que o tempo limite de Paula já havia estourado.
Lukas correu em direção do irmão quando o portão de ferro começou a desmoronar e o suor pingava do rosto de Paula. Os braços da deusa tremiam, e aquilo demonstrava que quando a força de um lendário enfrentava a de outro, seus níveis de poder poderiam tornar-se iguais.
— Droga! Droga! Droga!! Não iremos conseguir!! — praguejava Luke, vendo que não teria tempo de salvar-se.
— Meu senhor!
Titânia avançou em direção do menino, cobrindo-o com seus braços fortes para que ele não fosse ferido pelas imensas pedras que caíam do templo. Lukas teve forças somente puxar seu irmão para dentro, sendo acompanhado pela serpente de metal.

A claridade desapareceu. Tudo se apagou quando a última pedra tampou até mesmo as minúsculas passagens de ar do templo. Não era possível enxergar nem um palmo a sua frente, e o silêncio prevaleceu por longos minutos que mais pareciam uma eternidade.
— Estão todos bem? — perguntou a voz grave de Ike.
— A-Acho que sim... — respondeu Candice em voz alta. — Dê um sinal de vida quem estiver presente!
— Presente. — disse Riley de maneira séria do outro lado.
— Ouch, tô aqui, só com algumas costelas quebradas, mas não estou sentindo minhas nádegas, e... Nossa, que pedra bacana — emendou Roark, já recuperado.
— Ai, quem apalpou a minha bunda?!
          — Percebe-se que a senhorita Dawn e o jovem Luke estão aqui. — respondeu Riley.
— Mano, mano, mano? Cadê tu?? — indagava o garoto, recebendo uma resposta de Lukas logo na sequência.
— Estou aqui também. Desculpe-me, Dawn. Fui eu que toquei sem querer... Mas, onde está a Paula?
Roark finalmente acendeu uma lanterna de seu kit de exploradores, observando o estrago causado agora que estavam dentro do templo. Por sorte o explorador sempre estava preparado para soterramentos e aquele tipo de ocasião. Enormes pedras cobriam a única entrada e saída, e lá de dentro nem mesmo o som do aterrorizante Vigilante podia ser ouvido.
— Essas pedras não caíram por vontade própria. É como se elas tivessem sido arremessadas por algo, ou alguém. E acreditem, nem mesmo nossos Pokémons poderão retirá-las daqui tão cedo — disse Roark. Por sorte, a comitiva poderia contar com sua especialidade debaixo da terra.
Riley agachou para examinar o ambiente.
— De fato, é um poder antigo... Veja, não é como se as pedras simplesmente tivessem caído, é como se eles tivessem sido moldadas aqui, parte por parte, é o mesmo material do portão de entrada. Acho que nossos Pokémons mais poderosos demorariam pelo menos uma semana para abrir passagem.
Lukas ainda olhava ao redor à procura de Paula. Os Pokémons de seus amigos estavam todos bem e a salvo; Aerus, Titânia, Crano e Fenrir auxiliavam seus donos a recuperar-se dos estragos, mas Paula não estava em nenhum lugar. Foi quando ele notou pequenos pontinhos brilhantes no chão.
— R-Roark, ilumine aqui, por favor!
O líder trouxe a lanterna, e era possível notar que aqueles pontinhos brilhantes eram do colar da Lustrous Orb que Lukas sempre levava consigo para manter contato com Paula. Ele estava completamente destruído, e seus estilhaços espalhados. Roark aproximou-se do garoto e observou a cena.
— Ela morreu?
— Pokémons Lendários não morrem, eu apenas perdi contato com ela... Era o único meio que eu tinha de sempre ouvi-la... — disse Lukas com a voz entristecida. — E agora? Como vou explicar o fato desse colar ter sido despedaçado?
Luke foi em direção do irmão, dando-lhe um toque no ombro.
— Calma aí, parceiro. Nós vamos dar um jeito de concertar, mas comece recolhendo os estilhaços que encontrar. Você conhece a Paula, ela vai dar um jeito de te encontrar numa fração de segundos!
— Porém, pelo que vejo aqui dentro o poder dos Pokémons é neutralizado — presumiu Riley. — A senhorita Paula não poderá encontrar-se conosco enquanto não fizermos nosso caminho até o lado de fora.
O colar de Lukas estava trincado, o que rompeu sua conexão com a Guardiã do Espaço. Sem a ajuda da mulher o grupo sentiu-se desprotegido, mas de uma maneira ou de outra, ali estavam reunidos setes dos treinadores mais poderosos da região, o que eles deveriam temer? Luke, Lukas, Dawn, Roark, Riley, Candice e Ike. Eles haviam formado uma comitiva, uma sociedade, e deveriam manter-se unidos se desejassem chegar até o subsolo do Templo de Snowpoint.
— Acho que estamos trancados aqui dentro agora — comentou Luke, pensativo.
          — Dizem que há outro meio de sair daqui, cruzando o subterrâneo até o outro lado do continente. Não posso provar nada pelo fato de poucos terem tido acesso do terceiro andar para os inferiores, e eu não sou uma delas. Mas dizem que o templo pode ser interligado com o subsolo de Sinnoh, e a partir daí o Roark seria capaz de encontrar uma saída para nós. — explicou Candice.
          — Então, só há uma saída... — presumiu Ike, virando-se para as escadarias que cada vez mais levavam para os andares profundos daquele ambiente hostil. — Enfrentar a longa escuridão do Templo de Snowpoint.


      

{ 14 comments... read them below or Comment }

  1. Depois de um capítulo desses, a gente até fica sem reação... só fica babando na frente do computador pensando o que tá por vir. Que será que ocorrerá? kkk!
    Capítulo fodástico como sempre. Canas, você nem tem noção da minha alegria de ver a Titâniazinha perfeita e foda de volta. Sério. Quero ver o FT que vai seguir. O encontro dessas guildas majestosas e destruidoras! kkk! Nó, imagina o naipe do encontro (que, depois que o Canas mencionou, tenho absoluta certeza e confio que ocorrerá) do Vista destruidor e do iDie (é, pelo nome não necessita de acresentar nada... kkk). Será perfeito!
    Ah, sem deixar de lado que, depois que você mencionou, sr. Ominous, você podeira voltar com o Stone Flower (nem que seja Flashback...). Seria um tanto quanto interessante! kkk!
    Ah, uma coisa que lembrei! Memória minha falha na maioria das vezes, mas tem hora que pega no tranco! kkk! Como tá a Gardenia? Melhorou de saúde? Lembrei dela na hora que entrei no site, sei lá por que. Ela já tem plena noção que o pedroso lá ama ela? Por favor, Support disso urgentemente. kkk!
    Tá, falei demais hoje de novo, pra variar.
    Adios,
    Moacyr

    ReplyDelete
  2. Cara, eu poderia não comentar, mas não tem como. Muitas partes desse capítulo me fizeram ficar pensativo, rir entre outras coisas. Não sei se você se lembra, mas no começo de minha estadia pelas áreas de Sinnoh, eu dizia que você conseguia mesclar os gêneros e em um mesmo capítulo, conseguia criar uma aventura com traços de comédia, suspense e ação. Pois bem, caro oriental, parece que agora você faz isso involuntariamente. (Ou será que eu sou um cara bobo de mais e com a imaginação muito fértil? rs)

    Vai dizer que aquela combinação de golpes foi tirada de uma triologia séria como Senhor dos Anéis? Qual é cara, eu acho que assisti muito Power Ranger, pois essa cena me lembrou muito! Na moral, só faltou o Octillery soltar faíscas com o impacto.

    Sobre a volta da Titânia eu não preciso comentar. Todo mundo sabe que eu sou quem mais curte ela e não aceito outra resposta, então, não há o que comentar. Controlem-se ai invejosos. rs

    A repetição da palavra "comitiva" ficou um pouco ruim, não sei bem o porque. Ficar lendo a mesma palavra a todo momento tornou-se um pouco cansativo pra mim, mas bobagem.

    São tantas coisas a comentar, mas a mais relevante era o negócio dos Power Rangers, eu fui obrigado a citar isso.

    Por enquanto, uma nova despedida. Eu ainda te manderei um e-mail, tenho apenas que me recompor de uma nota baixa no colégio. Maldita sociologia ;/

    Flw.

    ReplyDelete
  3. FOI POSTADOOOOOOOOOOOO, O CAPÍTULO NOVO FOI POSTADOOOOOOOOOOOOOOO! Tá, parei. Vamos organizar o meu comentário (Que vai ser bem grande, pode apostar!)!

    O Lucky e o Roa jogam Lol? QUE ÉPICO! Eu só não jogo porque meu PC é um lixo ;-; Sério, Canas-kun-sama-senpai, não avacalha a Dawn! Eu adoro ela, para de diminuir o brilho dela! #Xatiada #Bolada

    O cabelo é igual a concentração? Vish, durante as provas de matemática eu ficava CARECA! 'kkkkk Isso me lembrou a rapunzel da disney, o cabelo brilha quando ela canta, então é um poder similar... Sabe, estou odiando menos a Paula. Eu até GOSTO dela! Mas o par do Lukas é a Vivi, beleza? Falow, suave na nave, de boa na lagoa?

    Riley DIVHO! Nunca gostei da Candace, mas eu amo o Riley-sama! Eu até imagino uma cena épica: Ele jogando um HADUKEN DE AURA com o seu Lucario like a boss! Mas será que o Regigigas é mais? Hm... Vai ter confusão. Lendário + Irmãos Wallers + Dawn + Lugares misteriosos e legais = Encrenca DAS BRABAS! Posso apostar qualquer um, valendo minha Masterball de pelúcia com um Celebi imaginário dentro! 'kkkkkk

    Minha reação quando o Aerus-kun foi levado embora junto com sua pokébola: NÃÃÃÃO, MEU AMANTE! VOLTE AQUI, RAZÃO DO MEU VIVER! Tadim dele, e o Lucky entrando em desespero... Ain!

    TITÂNIA LINDA MARAVILHOSA RAINHA CORASSAUM COM CAPA LEGAL E TRANÇA LIKE A KATNISS EVERDEEN QUE ACABA COM A PAULA COM UM MERO E SIMPLES EARTHQUAKE! Você surgiu das profundezas, voltando pra nos visitar, yayayaya, e você veio com o...

    *Falando sarcasticamente e friamente.* Ike. Muito prazer em revê-lo. Não nos vemos faz tempos. E isso poderia continuar assim. Ah, você nunca vai se recuperar do que eu falei? Quero acrescentar que da mesma maneira, leitores nunca se recuperarão do fato que você pegou a Titânia. E sim, Sr.Canas, eu continuo não gostando do Ike, BICO FECHADO, BOCA DE SIRI!
    O.K, já odiei a memória do Ike em paz!

    "Ouch, tô aqui, só com algumas costelas quebradas, mas não estou sentindo minhas nádegas, e... Nossa, que pedra bacana!" Hahahaha, não é a toa que o Roark continua sendo meu líder predileto! Queria ver que pedra bacana era essa!

    Ah nãããão, A PAULA! Logo agora que eu estava começando a gostar dela... Como o Lukas vai falar com sua AMIGA, JÁ QUE SUA FUTURA NAMORADA SERÁ A VIV, agora? Que pena...

    WOW, não falei que esse coment ia ser comprido? Mas e aí, você deu umas boas risadas com esse comentário? Espero que sim, se não eu CUIDADOSAMENTE lhe assassinarei, já que você disse que curte receber umas ordens uma vez. :3

    SAYONARA, E BEIJOS DA SUA LEITORA, GAROTA ENDERMAN!

    ReplyDelete
  4. Diga ae, people. É meu caro Moa, eu disse para a galera que vira e mexe eu estaria tentando incluir a Titânia no caminho! Até o Léo decidiu das caras. A princípio minha ideia era utilizar o Roark, a Candice e o Byron com os três golens, seriam os três líderes de ginásio detentores das criaturas, mas no fim das contas percebi que o Ike abriria uma brecha muito mais épica com a Titânia e o iDie nesse meio, e ficou como ficou. Na realidade, o próximo Fire Tales será da apresentação do Tom Sawyer, e não dos integrantes da Vanguarda. A cena envolvendo o iDie dentro do Snowpoint Temple será apresentado na própria História Central, no Capítulo 72. Essa é uma cena tão importante que ela não poderia ter sido resumida a um simples FT! Está na hora de começar a ver o quanto esses Pokémons estão poderosos... Se a Titânia já era matadora, é porque vocês ainda não têm noção de como ela melhorou. E o iDie... Oh shit, esse personagem sim será ainda mais incrível! Quem curtiu o Presidente e o Vista vai adorar o estilão desse cara.

    Poxa, Moa, admito que antes eu realmente tinha interesse de trabalhar com o Stone Flower 2, mas com o término da Saga Diamante e a entrada do Templo não me sobraram mais muitas ideias... Acho que teremos que ficar somente com as cenas especiais mesmo, e quem sabe alguns momentos de romance entre o Roark e a Gardenia. Ah, e sim, ela já está bem melhor, e já retornou a sua tarefa como líder de ginásio! Vamos ver se pelo menos o Roark leva como empurrão a iniciativa do Luke em namorar a Dawn, quem sabe aí ele deixa essa timidez de lado e vai falar com a moça kkkkkkkkk

    Valeu pelo comentário ae, galera. Sei como esse episódio pode ter parecido confuso, mas era a inserção de todos os personagens né, sempre é mais difícil de compreender. Pelo menos agora já nos estabilizamos, e a história poderá continuar num ritmo mais tranquilo... Ou melhor, pelo menos até eles começarem a chegar fundo demais no Templo de Snowpoint... Quanto mais eles avançarem, mais perigoso tudo ficará. E em momento como esse nós percebemos que nem a Titânia ou o Aerus são capazes de fazer frente à essas criaturas hediondas.

    Léo, vou dar uma olhada nessa repetição de "comitiva", creio que falta de atenção minha mesmo, tenho notado que repeti muito as palavras. kkkkk E na maioria das partes nós vamos juntando inspiração de várias coisas né, só a ideia do portão e das Minas de Moria vieram de o Senhor dos Anéis, mas o resto foram surgindo coisas bizarras que ficam guardadas na mente. Shit, minha tentativa de fazer algo épico resumiu-se à uma cena tosca de Power Rangers kkkkkk Estarei no aguardo da mensagem, hein? Vou tentar continuar mantendo o ritmo das postagens galera, valeu pela força! Abraços.

    ReplyDelete
  5. Vish, os comments foram surgindo aos montes, toda hora eu tinha que voltar e ir atualizando a resposta, acho que vocês conseguiram ler e postar tudo ao mesmo tempo kkkkkkk Yeah, desculpa por não ter postado nada semana passada, Juh. Tava bem complicado... Vou ter que correr com o Capítulo 72, mas estou meio sem inspiração, acho que preciso assistir um filme para esfriar a cabeça antes de voltar a trabalhar na fanfiction. Muitas coisas acontecendo, muitas. Mas no geral, adoro quando chego nas sextas e encontro os comentários de vocês! É óbvio que adorei, gosto muito de sua presença por aqui, e curto muito essa maneira que cada leitor tem um jeito diferente de demonstrar as coisas. A personalidade de cada um fica tão bem evidenciada, é como se todos também fossem personagens de uma história, sacas? kk

    Ahh, fique de olho... É em Hearthome que o bicho vai pegar, é lá que a Vivian e o Stanley darão as caras, e também a Marley, e o Lúcio e a Clarisse... Aí começará uma guerra muito maior envolvendo a Paula em busca do coração do jovem Lukas kkkkkkkkk Isso se ele recuperar o colar, né... Não acho que a Paula vá aparecer tão cedo depois disso tudo. Mas no geral, bem, pelo menos temos a Vivian no Talk Show! Dá para matar a saudade dela de vez em quando kk Ah, eu achei engraçado a forma como você falou: Titânia, você veio com o Ike. É como se ela fosse a treinadora dele kkk Mas realmente é tipo isso, aposto que a Titânia é muito mais popular! Não precisamos gostar do treinador dela, a batalha final é entre Titânia e Aerus. Não existe Luke, não existe Ike. Vai ser uma treta de Pokémons, treinadores estão aí só para ocupar espaço, mas o brilho verdadeiro vêm desses caras!

    Nussssssss, quando eu disse que eu curto receber ordens? (Não adianta esconder, Canas, eu sei que você falou isso mesmo kkk) Ok, ok, acho que falei mesmo, mas vamos manter isso no sigilo, é um lado meio pessoal kkkk Vish, é melhor ir andando antes que eu me estenda muito nos comentários. Viu só? É tanta convivência com leitores que no fim das contas nós devemos ter escrito uma Biblía se juntarmos todos os comentários da fanfiction até hoje! Tenso, preciso controlar mais minhas palavras kkkkk See ya, people!

    ReplyDelete
  6. PEETA QUE PARIU!!Tih estilo Katniss com sua traça super fodastica!
    Cap mais incrivel **--**
    Uhuu a Tih e meu amor estao reunidos,juntos com tios fodasticos!!!^^
    Vei minha curiosidade estaá aumentando a cada cap^^
    Vovô Regis!!*minha prof é mais velha*kkk
    "Quem tocou na minha bunda?!"kkkkkkkkkkkkkk
    Mal posso esperar para ver "A Vanguarda"batalhando juntos novamente!
    WV

    ReplyDelete
  7. Rapaz, eu não sei nem o que comentar! E isso porque o Regigigas nem deu as caras ainda! Eu juro que você vai me matar de empolgação qualquer hora, porque não há coração que aguente!

    Vou te dizer que de início eu não gostava muito dos Regis. De nenhum dos quatro. Mas depois aprendi a gostar deles, e até os considero interessantes hoje. Mas me apaixonei quando soube que o Regigigas era do tipo normal. Aí sim eu passei a adorá-lo de verdade! Então vê se faz dele um grande personagem!

    Bom, eu li o que você comentou a respeito dos Regis de Hoenn nas notas desse capítulo. Fique à vontade para usar os Regis aí em Sinnoh, eu sei o quanto você se amarra neles. A princípio eu não tinha ideia para um arco com ele, mas você até que ativou minha mente para um certo projeto que discutirei com você em breve (risos do mal). Para ser sincero, não pretendia nem mesmo que o Brandon os tivesse sob sua posse. Acho lendários comandados por Treinadores algo muito apelão. Não quero que minha fic tenha Cérebros apelões. Quero que ela tenha Cérebros da Fronteira dignos de receber esse título, que sejam realmente poderosos.

    TITÂNIA! AI, MEU CORASSAUM! Ver essa moça lindosa novamente foi um presente para nós, leitores! Como diz aquele funk horroroso, "ela não anda, ela desfila". Linda! Vai lá e faz sua mágica!

    É rapaz, acho que agora sim poderemos conhecer um pouco mais sobre o Ike. Sei que é pela personalidade contida dele, mas acho que deveríamos conhecê-lo melhor como personagem. Até mesmo para incrementar o apelo que terá o arco da Liga Pokémon. E creio que esta será a nossa chance para conhecermos o novo Campeão de Sinnoh.

    Agora resta saber o que os aguarda nesse templo misterioso. Parabéns Canas. Até a próxima!

    ReplyDelete
  8. Diga ae, champz. Ué, voltou a utilizar o nome Kai? kk Depois de tanto tempo com Shadow Zangoose fica até estranho voltar para as origens. Mas enfim cara, fico feliz que você tenha curtido, e que pelo menos uma pessoa na terra ainda goste do Regigigas kk Todos o consideram o lendário mais fraco de todos, mas eu curto muito esse estilão dele e a ideia que ele passa. Realmente espero trabalhar muito mais com esse grandão, pode deixar que irei fazer o possível para envolvê-lo em uma trama bacana, tanto é que há dois episódios só se fala desse bicho.

    E a propósito cara, sobre essa questão dos três golens, foi mal mesmo. Não era minha intenção entrar nessa área de Hoenn, mas eu já tinha sse probleminha desde os primórdios da Aliança Aventuras kkkkk Lembro inclusive que nós tínhamos planos de mesclar tudo, mas não ia dar cara, isso atrasaria muito os meus projetos e iria acabar criando um enredo completamente diferente do que eu desejava. Sabe, no fim das contas não acho que eu ainda seja tão apaixonado pelos três regis. Curto muito eles, mas eles não aparecerão mais do que uma vez aqui na fanfiction. Sério, também não sou nem um pouco chegado em treinadores que possuem lendários. Vocês podem até achar estranho eu falar isso, mas não gosto kkk Quando vi aquele Tobias no Anime com um Latios e um Darkrai eu desliguei o Pc e fui embora. "Chega de Internet por hoje" kkkkkkk

    Sempre tratei a Paula como uma namorada a um Pokémon de batalha do Lukas. Tanto que ela dificilmente entra no meio dos Fire Tales. O Regirock, o Regice e o Registeel em momento algum batalharão. Eu irei utilizá-los para o ritual de invocação. Só. Eu poderia ter feito um baita projeto em cima deles, mas prefiro que eles sejam apenas máquinas de reparo, como amuletos de invocação do Regigigas. Meu foco aqui não são os três, e sim, o grandão. Ele sim é de Sinnoh. Não tenho nem intenções de entrar nessa área apelona de treinadores com lendários, e devo concordar que nossas histórias estão perfeitas com treinadores com Pokémons normais. Lendário é lendário, vamos deixá-los no mundo deles. Ah, e quando você quiser falar sobre esse projeto é só me dar um toque parceiro, irei ouvi-lo com grande entusiasmo.

    Um dos motivos de eu inserir o Ike nesse arco é exatamente para ele deixar de ter essa reputação "intocável". Qual é, ele é um treinador normal, o pessoal precisa conhecer mais o cara! kkk Eu inclui o Registeel só para o ritual de invocação mesmo, fora isso, quem realmente era importante aqui são a Titânia e o iDie. Nem quero colocar o Registeel como um membro da equipe do Ike, prefiro deixá-lo como uma peça de pesquisas de algum laboratório bem distante. Vou tentar ir melhorando essa relação dos personagens com o Ike, e preparando tudo cada vez mais para a Liga lá no fim do ano. Se eu conseguir fazer tudo certinho, creio que teremos batalhas incríveis kk Valeu pelo apoio ae, parceiro. Logo mais nos falamos.

    ReplyDelete
  9. Diz ae Canas! Tava precisando dar as caras aki nos comments e com um cap desses eu fui quase que obrigado! Esse romance entre o Lukas e a Paula está me cativando, soh aguardo a Vivian e a Marley saberem disso.=) (Pena q a Vivian ganhou meu apoio dps daquela entrevista q uma certa pessoa deu as Ilhas Laranjas com a presença da irmã da loira)^^ Coisas das quais nunca me esquecerei - Arquivando...
    Falando em casais, o mano Roark como q fica? De repente ele podia chegar junto na Fantina! kkkk Q casal mais bizarro!
    E vc armou outro enredo à parte para a Elite 4. Esse drama envolvendo os mortos(Presidente, General e Glaciallis) e a mafia italiana me animou bastante, principalmente pelos traços em comum que a familia do Scarface apresentou com Assassin's Creed.
    Essa Saga Platina esta tapando diversas rachaduras no enredo e gerando conteudo secundario q acaba tornando a obra ainda melhor, então estou aproveitando bastante toda semana.
    Tenho diversas coisas para acrescentar, mas terei minhas quartas e sextas livres a partir da semana q vem. Me conte como vai a faculdade, minha semana de prova acabou e, surpreendentemente eu fui bem em tudo! Infelizmente não consegui encontrar o livro de abril, "Steve Jobs, O homem que pensava diferente". Vou procurar na internet, mas não é a mesma coisa q ter o livro em mãos.
    Tenho uma coisa apenas para cobrar: q vc atualize o Portfolio, quero ver sua evolução! XD
    Eh soh, teh mais.

    ReplyDelete
  10. Caramba, Loks! É você mesmo? Cara, acho que não o vejo dar as caras por aí desde... o Capítulo 50, por volta de setembro do ano passado. Rapaz, fiquei muito feliz quando o vi aqui novamente por aqui, sério, bateu uma saudade daqueles tempos da história kkk O importante mesmo é que você continuou acompanhando e se divertindo, isso é o que mais importa para mim. Oh puxa, só se liga no Talk Show ensinando coisas erradas para os leitores desde sempre! kkkk Fala ae, depois de tudo aquilo acho que o pessoal nunca mais vai ver esses personagens da mesma maneira. Estou bolando uma trama bacana para quando a Vivian voltar ela ser ainda melhor e mais cativante. Até porque a quantidade de pessoas que curte ela é absurda!! Mas puderas... Ela foi a primeira menina desse estilo na aliança, no fim das contas acabamos guardando um carinho muito especial pela pequena.

    Fico feliz que você tenha curtido esse ponto da Saga Platina cara. Criar essas "histórias secundárias" são meu principal foco mesmo. É como se nós tivéssemos a vida dos protagonistas, mas aí comecei a elaborar outras aventuras menores que envolvem s Pokémons e tantas outras figuras. Isso me dá um repertório imenso para trabalhar, e todos realmente seguem um padrão. Assassin's Creed, fantasmas, games e filmes... Tudo isso serve de experiência e inspiração para ir criando cada vez mais e mais. FIco feliz que você tenha gostado. E sério mesmo que você está tentando ler os livros da lista? kkk Cara, esse do Steve Jobs é fantástico! Eu procuraria numa livraria qualquer na área de administração de empresas. O livro é bem recente, então talvez você encontre por uns 38 reais. Ler na net nunca é a mesma coisa cara... Mas eu recomendo! Esse Steve Jobs é um gênio.

    Olha cara, valeu mesmo por esse comentário, você não tem ideia de como fiquei feliz em ver uma galera das antigas voltar depois de tanto tempo. Esses dias até o Archie apareceu, acho que todos vocês combinaram de comentar ao mesmo tempo kk Infelizmente eu não poderei atualizar meu portfolio porque não tenho nada muito legal em mãos ainda... Alguns devem saber, mas eu tranquei o curso da saga e voltei para o começo. Eu não queria ficar atrasado da turma, então eu quis tentar de novo, logo, vou demorar até aprender alguma coisa "nova", mas pelo menos posso tentar mostrar alguns desenhos de cenário e a modelagem em massa quando eu concluir o módulo kk VOu continuar me esforçando para melhorar esse portfolio assim que possível. Apareça mais vezes, Loks. É sempre bacana encontrar mais uma vez aqueles leitores que tanto apreciávamos. See ya!

    ReplyDelete
  11. "— As portas de Dúrin, Senhor de Moria, diga amigo e entre.— Gandalf."
    (J.R.R. Tolkien O Senhor dos Anéis — A sociedade do Anel.)

    VOOOOLLLLTTTEEEEIIIIII!!!!! É meu caro, eu voltei, estava sentindo falta de um comentarista?(aposto que não...) Estava muito ocupado com diversas coisas para fazer e talz, mas eu voltei e dou meu primeiro comentário depois de muito tempo num capitulo muito parecido com o Senhor dos Anéis uma trilogia que eu acabei de ler a pouco tempo? Meu deus, é muita coincidência não? Pois bem deixando isto de lado vamos ao capitulo...

    Cara todos os capítulos até agora foram ótimos, não não não, perfeitos, não mais ainda, fodas pra caralho, não ainda não cheguei no nível... ELES FORAM SUPER HIPER MEGA FUKING FODAS MANOLO!!!!! Cara todos eles, os capítulos que incluíam os pokémons d'A Grande Criação foram excepcionais, meu deus cara nunca vi tanta ação em toda a minha vida... Cara todas as lutas foram excepcionais, eu não vou citar todas pois não posso me alongar muito (esse comentários ficam para outro dia), a luta entre Luke Wallers e Walter Wallers foi mui da hora cara, meu deus outra ótima batalha entre dois grandiosos titãs do mundo Pokémon, e a proposta do Walter foi muito parecida com a proposta que o Luke fez ao Lúcio no capitulo 24 - Irmandade, mas acho melhor começar a falar dos capítulos mais recentes por que senão...

    A batalha entre Luke e Riley também teve muita ação principalmente na luta entre os dois titãs Fenrir e Aerus.

    E finalmente chegando a este capítulo, cara as portas para o Templo de Snowpoint aqui no aventuras em Sinnoh são muito parecidas com a portas de Khazad - Dûm (ou Moria) no filme. E este Octillery, não vou nem comentar (por que você até já sabe o que ou vou falar mesmo...). A entrada triunfal da Titânia arrasando tudo cortando um tentáculo dele foi muito LIKE A BOSS, na moral cara adorei está parte, e a Paula parecia o Gandalf tentando descobrir a charada, e a Dawn o Frodo dando a dica master para a charada, a Paula tem uma força enorme, para conseguir segurar aquelas portas, mas agora eles entraram e devem seguir para as profundezas de Khazad - Dûm, aff, Khazad - Dûm não Templo de Snowpoint, Khazad - Dûm Templo de Snowpoint são muito fáceis de se confundir quando se está pensando trilogia Senhor dos Anéis.

    Mas,vou ficando por aqui.

    By: Shadow_Bellator (Depois de tanto tempo sem comentar colocar meu nick ao final de um comentário fez bater até uma certa nostalgia...)

    ReplyDelete
  12. SEM PALAVRAS! OU MELHOR, QUASE SEM PALAVRAS!

    Manolo, a imagem lá em cima com os Pokémons e uma das mais conhecidas figuras de "O Senhor dos Anéis" foram o suficiente para me deixar curioso quanto a esse capítulo! E olha, essa mistura de AeS e "O Senhor dos Anéis" foi uma loucura total! Muito foda cara! Épico define esse capítulo, apenas.

    Ih, o que será que rolou no Snowpoint Temple? Sinto que a coisa vai ficar beeeem séria... Quanto mistério! Esses velhos lendários sempre com seus enigmas! Se não fosse a Paula, né? E falando em Paula... Poxa, ela se foi! Por enquanto né... Agora o pessoal vai ter que se virar como pode. E rapaz, a Velha Vanguarda é um time daqueles! Temos o lendário dragão Aerus, o sábio Fenrir, o grandioso Crano e a indestrutível Titânia! Seja o que for que tenha ai dentro desse Templo vai ter problemas com essa equipe! Prepare-se Regigigas!

    Ficam os parabéns cara! vou partir pro próximo capítulo agora mesmo! Está muito foda *---*
    See ya

    ReplyDelete
  13. Oh God, que emoção *0*

    Canas, o enredo está muito agradável. Adoro mistérios, e todo aquele papo mitológico. Desta vez estamos falando de lendários cujo brilho não é exatamente o poder, mas sim a história. Os Regis e o Regigigas são mais antigos que não sei o quê, e tem um papel curioso na história (as eras, no caso). Você está trabalhando com eles muito bem, sim, meus parabéns.

    Não parece que foram tantos personagens, man, porque você trabalhou com eles de forma natural. Adorei todos estarem reunidos, e acabei rindo na cena em que a Dawn finalmente se pronunciou. E não é que eu também achei que seria a vez dela fazer a diferença fundamental? kkkkk Ok, Dawn, não foi desta vez. Está tudo muito show, man, e o retorno do Roark, da Titânia e do Ike foi muito épico. Este arco está muito legal *---*

    ReplyDelete
  14. Aquele sensor de VAI DAR MERDA VAI DAR MERDA VAI DAR MERDA
    Ah, esses humanos insolentes que ficam xeretando onde não devem.... Pior que pressinto que a treta será algo bem mais extenso do que um simples "ele finalmente aprendeu como trancar as portas" >.> Btw, achei hilário a Paula toda estressada por não conseguir resolver o enigma xD (eu a entendo, fico assim mesmo nessas situações -q (e deve ser tenso mesmo lembrar-se de tudo com séculos de existência, eu vivo me encrencando com minha memória tendo só 17 anos -q))
    E, bem, presumindo que você já leu o coment anterior, já sabe que vai vir surto, né?
    Não digo que fiquei surpresa pois algo me dizia que seria o Ike quem estava com o Registeel (convenhamos que eu tenho um pedaço da mente bem liferuiner, então coisas assim dá pra supor). E claro que ele estaria com a Titânia. Claro. Pra terminar de destruir meu coração, claro.
    OKAY CHEGA DESSAS LETRAS INEXPRESSIVAS SEM CAPS LOCK. EU TIVE UMA CRISE DE CHORO ABSURDA NO "SENTIU MINHA FALTA, SENHOR?" POAAR, CARA, ISSO FOI DIRETO NOS FEELS, É CLARO QUE SENTIMOS SUA FALTA, TIH ;-; POR ARCEUS POR GIRATINA POR TODOS OS DEUSES E DEUSAS, WHY?? Ç_____Ç E A PARTE DA LUTA EM QUE ELA OLHOU PRO AERUS E OS DOIS BATALHAM PERFEITAMENTE EM SINCRONIA E AINDA POR CIMA ANTES VEIO O COMENTÁRIO SOBRE COMO O QUE QUERIAM DIZER FOI MANTIDO QUIETO MDS CANAS QUE QUE OS LEITORES TE FIZERAM PRA VOCÊ FICAR FAZENDO ISSO COM A GENTE? ;-----; QUE QUE A TIH E O AERUS FIZERAM PRA MERECER ISSO?? ;------; WHY GOD WHY Ç_________________Ç EU LI A LUTA INTEIRA CHORANDO (NEM SEI COMO CONSEGUI LER, VDD), EM POSIÇÃO FETAL, EMITINDO SONS NÃO HUMANOS PQ NÃO DÁ Ç________________Ç
    Eu até ia ler mais hoje, mas preciso me recuperar. Preciso preparar meus feels PQ NÉ VOU VER TIH E AERUS LADO A LADO SENDO QUE DAQUI A ALGUNS CAPS TEREI QUE ENCARÁ-LOS SE MATANDO :D
    (btw, a playlist foi perfeita de novo e desde que a Tih apareceu só tocou música triste. EU NÃO MEREÇO ISSO Ç___________Ç )

    ReplyDelete

- Copyright © 2011-2017 Aventuras em Sinnoh - Escrito por Canas Ominous (Nícolas) - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -