Posted by : CanasOminous Dec 20, 2013

Quando uma História Termina


Finalmente havia chegado o momento.
— Luuuuuuuuuuuuuuuke Walleeeeeers!!
Ali estava ele, no topo do mundo, onde jamais imaginou ter chegado. Na realidade não estava de fato no topo, ainda, porém, sabia bem que era aquele o caminho. Acreditava plenamente naquilo, por muitas vezes duvidou, mas agora acreditava.
A melhor parte da Liga Pokémon estaria começando efetivamente com seu primeiro duelo de peso. Seu adversário, Lúcio, estava do outro lado. Era o garoto de Hearthome que humilhara seu irmão e terminou por ser dizimado pela equipe de Luke quando este lhe provou que jamais deveria mexer com sua família.
Era o primeiro desafio a caminho de seu título tão almejado, o primeiro de tantos outros. Um começo esperado marcado por seu caminho sem volta. Havia lutado para estar ali e sentia orgulho de cada decisão, mas após tanto tempo uma voz passou zunindo em seu ouvido: Será que você realmente está pronto para isso?
Só podia ser loucura, era claro que estava. Ouvia os aplausos e o grito das pessoas. A voz dos locutores era alta e bem clara no microfone. A luz forte ofuscava sua visão e o portão atrás de si estava fechado, sentiu-se em um campo de batalha entre gladiadores encarando o oponente enlouquecido que já exalava raiva, era como se apenas um tivesse a chance de continuar vivo depois de derrotar seu inimigo.
— Lúcio, da cidade Veilstone! Um dos primeiros treinadores a conquistarem todas as 8 insígnias na temporada deste ano, tanto que foi o quarto treinador a se inscrever na Liga. Deixou sua marca ao lado de uma equipe versátil e bem estruturada, conquistando o respeito de seus inimigos pela tirania de seus atos!
Ouviu-se uma saraivada de palmas que percorriam o cenário como uma dança de flechas sem donos no ar. A mente de Luke continuava dispersa. Parecia nem acreditar que havia finalmente chegado ali, por mais que insistisse a ficha não caía. Será que justo naquele instante sentiria receio de agarrar sua espada e enfrentar seus inimigos?
O locutor continuou:
— E do outro, o garoto que surpreendeu toda uma nação em suas batalhas de ginásio... Que derrubou Byron em Canalave e pouco depois envolveu-se em um sequestro que quase custou a sua vida.
Era ele.
— ...o garoto que conquistou uma legião de fãs pela maneira como compreendeu sua equipe de Pokémons. Que não se importou com vantagens e nem desvantagens, que não preparou estratégias e deixou que o momento o levasse até a fama, pois ele simplesmente nasceu assim.
Era ele.
— ...um dos filhos do eterno campeão.
Luke Wallers esticou os dois braços para os lados, e conforme suas mãos se levantaram foi como se toda a plateia se levantasse junto e gritasse num coro incrível de ansiedade. Nem mesmo o rapaz esperava por aquilo, e naquele instante aquela dúvida tão besta de que ele “não estava pronto”, simplesmente desaparecera. Estava mais do que pronto, treinara seis meses com Erick para isso, e estava ali para ganhar. Estava ali para vencer.
Não havia outra opção.
— Filho do campeão, hm? Não se cansa de se esconder atrás de um sobrenome? — caçoou Lúcio de longe.
— O que posso fazer? Esse nome está associado ao sucesso, e já bem acostumado com o título. Em breve deixarei de ser o filho para me tornar “O Campeão”. — Luke respondeu com um sorriso no rosto, não demonstrando nenhuma preocupação com o adversário que permanecia apreensivo.
— Convencido e egocêntrico, como sempre. É uma pena que você tenha sido meu adversário logo de cara, porque terei de liquidar esse seu sonho bobinho mais depressa.
— Não se preocupe, Lúcio meu amigo. No futuro você ainda será muito conhecido pelo fato de ter sido um dos rivais do grandioso e supremo campeão deste continente. Veja pelo lado bom! Você vai poder gabar-se de ter sido eliminado por mim.
Lúcio cerrou os punhos.
Como Luke estava tão calmo? Tão cínico e autoconfiante? Ele estava em um estado tão pleno de espírito que chegava a assustar. O que será que havia feito naqueles seis meses de treino que todos viviam falando? O barulho não o incomodava, as pessoas não o atrapalhavam. Parecia que Luke estava ali cumprindo aquilo que estava escrito em seu livro do destino com final já passado à caneta.
— Farei os seus Pokémons sofrerem, filho do campeão — disse Lúcio sentindo inveja da atenção e serenidade de seu oponente.
— Marquemos esta batalha como a sua despedida da Liga, caro amigo! E meu primeiro passo na escadaria da glória em direção da vitória — respondeu Luke sacando uma Dusk Ball de seu bolso. — É melhor não ficar na minha frente, porque eu não vou parar.


Pokémons P.O.V. (Point of View)

O Torneio das Guildas tinha finalmente começado. A arena de batalha fora preparada para receber lutas entre Pokémons poderosos de ataques colossais e impactos titânicos, feita justamente para aguentar tudo que fosse necessário. Além de humanos nas arquibancadas, era possível notar criaturas que também assistiam ao espetáculo, mas à sua própria maneira. Era impossível dizer se viam a mesma coisa, mas claramente a interpretavam da mesma maneira.
— Cavalheiros e donzelas, estamos aqui para iniciar o primeiro turno de batalhas que classificará o nosso TOP 8. Somente as maiores guildas chegaram até aqui, mas apenas uma delas chegará ao pódio do sucesso! Este é o Torneio de Guildas, eu sou Pepé Le Pew, e esta é minha companheira Penélope Pussycat! — narrava um Stunky de cabelos bem arrumados e ar charmoso junto de sua companheira Glameow. Eles fariam a cobertura do campeonato naquele ano.
— A Throne of Kings veio preparada com seu exército para prestar apoio, e somente seis guerreiros serão escolhidos para a batalha — continuou Penélope, a Glameow. — Serão realizadas lutas de um contra um, com limitações para golpes que sacrifiquem o usuário, movimentos de cura e ataques que possam matar o adversário ou arrancar fora seus membros. Ninguém vai querer alguém morto por aqui como na temporada passada, não é mesmo, Pepé Le Pew?
— It was One-Hit KO! — respondeu o Stunky. — Sem contar que este ano entra em vigor uma nova regra exatamente para evitar que aquele triste episódio se repita: O Pokémon que for nocauteado para fora do cenário, também está fora do jogo!
— Se o guerreiro for desarmado, ou colocar os pés para fora da arena de batalha, então o vencedor já está declarado! Só acho que os Flying-type e aqueles especializados em habilidades como o Levitate ou golpes como Magnet Rise levarão uma bela vantagem, não acha?
— Com toda certeza, Penélope! Estou muito ansioso para ver como será esse ano, e... W-Woah, e olha só ali!! A Fire Tales já decidiu quem serão os seis guerreiros a batalharem!! Quem aí está morrendo de ansiedade para ver qual foi o resultado do treino desses caras?
A empolgação tanto dos humanos quanto de Pokémons era tremenda. Eles tinham sua própria maneira de aproveitar o campeonato, e enquanto seus treinadores competiam pela Liga, eles competiam pelo Torneio. Não se tratava de apenas receber um troféu, era o nome que importava. Serem eternizados, reconhecidos, vistos como lendas. Até mesmo os Pokémons queriam atenção.
Aerus foi entrando na frente, assumindo seu posto como líder. Queria ter entrado ali ao lado de Watt Fuarrint, seu sub-administrador e também seu melhor amigo. Só de imaginar que o pequeno Pachirisu estaria participando do torneio seus pensamentos já ficavam turvos, mas não podia preocupar-se com aquilo agora. Tinha uma batalha para decidir, uma legião de admiradores para impressionar.
— É ele, um dos dragões mais poderosos de nosso tempo, Aerus Draconeon! — disse o Stunky que narrava cada movimento.
— E ele é mesmo um charme com aqueles óculos escuros, não acha? — continuou Penélope. — Veja só, aquele ali atrás não é Mikau, o atirador? E também está ali o General Castelo Branco, o Fantasma da Liderança; Chaud, o defensor dos tempos antigos! Minha nossa, essa Fire Tales realmente faz jus ao título da guilda com os homens mais sexy do ano!
— E as mulheres não ficam para trás, veja só a Wiki, nossa Sexy Machine! E também Glaciallis, a princesa de gelo! Sophie, a curandeira! O gigantesco Coffey, e a dupla dinâmica composta por Jade e Yoshiki, nada consegue parar aqueles dois! São os guerreiros da equipe de Luke Wallers, onze dos mais poderosos da Fire Tales!
— E-Espera — falou a Glameow. — ...Mas quem é aquele décimo segundo integrante?
Toda a atenção das câmeras e telas de Magnemites se dirigiram a um sujeito de cabelos negros e olhos brancos. Estava todo vestido de preto com roupas surradas e improvisadas. Tinha a pele morena, e de sua cabeça saíam dois chifres marcantes que o tornavam reconhecível onde quer que estivesse.
— Aquele é Beliel, um dos guardiões dos portões do inferno?!! Da extinta C.L.O.N.Y.! — berrou Pepé Le Lew.
— A Clony Guild? — Penélope estava incrédula. — Uma das piores e mais maléficas guildas dos últimos meses, que desencadeou uma guerra e corrompeu Pokémons à sua causa utilizando métodos proibidos! Eles foram excluídos e considerados um perigo pelo Governo, e acabamos de descobrir que a Fire Tales tem ao seu lado um deles!
— Isso é incriiiiiiiiiiiivel!! — berrou o Stunky ainda mais alto. — Essa será a melhor luta de todas!
Aerus alongava as pernas, e o mesmo fazia seus companheiros que-se preparavam para a batalha. Todos eles faziam os últimos reparos antes de subirem naquela arena e enfrentar os componentes da Throne of Kings, que por sinal não recebia nenhuma atenção depois do alvoroço causado pela guilda rival. Aquilo causava um ódio ainda mais intenso em Conde, o Empoleon que liderava a equipe oposta.
— O povo está bem agitado com a sua presença — comentou Aerus.
— Não é todo dia que se vê alguém voltar do mundo dos mortos — respondeu Beliel. — Mas deixe a repercussão seguir como deve. Vamos dar a eles o verdadeiro show quando chegar a hora.
O dragão encarou o Empoleon com um olhar discreto e desafiador. O imperador tirano era um adversário perigoso, eles precisavam enfrentá-lo com cautela.
— Cara, estou louco para chutar a bunda dele! — Aerus esticava seus ombros alongando os braços para cima com um estalo. — Rapaz, nunca me senti tão bem! Acho que eu seria capaz de derrubar um exército inteiro.
Mikau acariciava suas próprias mãos como se estivesse lustrando sua arma.
— Pena que agora tem aquela regra que não permite matar o oponente...
— É para a nossa segurança, Mikau — respondeu General. — E para a sua também, junto de nossa guilda. O que acontecer aqui pode comprometer nossa imagem nos próximos anos, e até mesmo gerações.
Mikau ergueu o dedo indicador e apontou na cabeça de um Seviper da guilda inimiga.
— Bastava um tiro, e boom! Acabou-se todo este torneio.
— Mas você não faria uma coisa dessas, não é, Mikauzinho? — sorriu Wiki abraçando-o por trás e acariciando seu pescoço. — Não se preocupe, logo você poderá descontar sua raiva nos nossos inimigos, você vai acabar com todos eles e nos deixar orgulhosos!
— Não invente de fazer aquela brincadeira sua, a tal de roleta russa... — comentou Chaud em voz alta, ajeitando seu escudo e vestindo a armadura de ferro no corpo. — Nada de assustar as pessoas, nada de ir além do limite previsto pelo concebível.
— Gente, gente, sou um guerreiro como qualquer outro! — Mikau esticou os braços dando uma risada sarcástica, insinuando como se não soubesse o motivo pelo qual todos seus amigos estavam apreensivos com o que o atirador poderia fazer. — Por que não dão essas dicas para o Coffey ou o Vista? Qualquer outro? Eu não sou o único monstro por aqui.
— Mas você é o pior deles, cara — assentiu Aerus voltando-se para seu amigo com um tapinha no ombro. — E leve isso como um elogio, parceiro.
As duas guildas se colocaram de frente uma para a outra diante da arena principal. Os espectadores berravam e gritavam alto, estavam muito animados. Conde foi na frente acompanhado de seu exército com mais de cem Pokémons, mas apenas cinco deles subiram na arena junto com seu comandante. Era um homem muito alto e de pose elegante, mas carregava no olhar os traços de ódio e rancor, de impaciência e imprudência. Seus soldados o temiam e ele liderava sua guilda com punhos de ferro. Quando tivesse o seu trono de ouro, não iria compartilhá-lo com mais ninguém.


Aerus e todos os seus companheiros continuaram unidos. O Garchomp tomou frente quando foi requisitado a falar:
— Rapaz, fazia um tempão que não nos víamos, hein? Quando foi a última vez? Foi quando derrotamos vocês em Pastoria, ou em Hearthome?
— Em nenhum destes casos, jovem Aerus. Certamente foi no inferno, pois eu farei questão de enviá-lo de volta para lá quando tudo isso terminar — respondeu Conde de maneira ríspida.
Aerus olhou para Beliel e deu uma risada.
— Cara, você ficaria tristinho se eu dissesse que tenho passagem livre por lá? De qualquer maneira, temos de nos cumprimentar, beleza? É só apertar a mão um do outro, prometo que não vai doer.
Aerus esticou o braço, e assim fez o Conde.
— Não posso garantir o mesmo para você, Draconeon.
Assim que cada uma das guildas voltou para seus respectivos lugares, Aerus certificou-se de selecionar quem seria seu primeiro guerreiro a encarar o oponente da Throne of Kings.
— General, acha que poder ir lá e mostrar para eles como se faz?
O homem deu uma risada rasteira.
— Acho justo que um líder inicie a onda de ataque, para que em seguida o restante do exército possa seguir em frente e batalhar por seus ideais. Agradeço a oportunidade da batalha, jovem Aerus. Retornarei com a vitória em mãos.
Glaciallis foi em direção do militar e beijou-lhe o rosto como um sinal de boa sorte. Mikau continuou sentado em seu canto, resmungando sozinho.
— Aerus, eu serei o próximo.
— Não, não, não — o dragão negou várias vezes. — Você vai continuar aí se comportando direitinho, tudo bem? Olhe e veja como deve fazer. Tente não sair muito disso.
— Não preciso ficar tendo aula com vocês. Já aprendemos o suficiente com a Akagi nos últimos seis meses.
— Uh, nem me diga. Você aprendeu mais do que qualquer outro... Quando se trata de você, não sei mais o que pensar — disse Aerus com uma risada. — Mas vamos com calma cara, logo chega a sua vez. Como guildmaster da equipe, eu também preciso preparar minha guilda e fazer com que ela aguente firme até as finais, são quatro longos turnos até lá. De que adianta usarmos nossa arma secreta logo de cara? Surpreender o inimigo é mais legal.
— É... Pode ser.
Mikau gostou do elogio, e principalmente de ser considerado a “arma secreta”. Pelo menos naquela hora Aerus foi inteligente, porque seu amigo aquietou-se. Vista preparava seus canhões ali perto.
— I want to blow someone — disse a máquina. — Boom, boom, boom... I’m going to make them suffer.
— Calma cara, calma... Será que vocês não pensam em outra coisa que não seja acabar com seus adversários? Rapaz, estou começando a ficar com pena da Throne of Kings... Vamos ver como o General se sai nessa.
O Dusknoir tomou seu lugar na arena, e seu primeiro adversário seria um Abomasnow troncudo e de braços largos. Conde mantinha um sorriso discreto do outro lado. General era musculoso e definido, mas seu oponente tinha quase o dobro do tamanho. Ele precisava olhar para cima. Ambos se encaravam com respeito, até que o sinal foi dado e a voz dos locutores foi ouvida:
— E começa a batalha!
O primeiro golpe veio por parte do Abomasnow que mergulhou seu braço contra o chão com o uso do Wood Hammer. General esquivou-se com apenas um passo para trás, e aproveitando a distração de seu inimigo golpeou-o na nuca o que o fez cair no chão como um saco de lixo.
— Ouch, essa doeu! Um golpe bem dado e planejado — narrou a Glameow.
General continuava sério e de braços erguidos na defensiva como um lutador. Suas técnicas em batalha envolviam apenas socos, esperava terminar aquela luta sem nem começar a suar.
O Abomasnow viu que aquela seria uma luta física, e então começou a trocar socos e chutes contra o militar. General defendia-se com o próprio corpo, mas mal parecia sentir. Os seis meses o tornaram rígido, e cada vez que seu punho mergulhava era como um tiro de uma bala de ferro na barriga do oponente que lamuriava-se de dor. Outro Wood Hammer, mas dessa vez Castelo evitou o golpe com o antebraço esquerdo. Os dois trocaram olhares assustadores.
— O que é você?! — bradou o Abomasnow apavorado.
— Sue pior pesadelo.
General deu-lhe uma rasteira, derrubando-o no chão. Assim que sua capa esvoaçou ele revelou o braço direito e o pressionou para trás carregando o impacto que seria dado. Seu punho se fechou e uma aura negra o envolveu como se todas as energias de medo e tensão fossem drenadas ali. Seu tom fúnebre ecoou, mas sua voz galanteadora não perdeu o charme em momento algum.
O soco foi dado com muita força, o rosto do soldado inimigo foi atirado no chão, criando rachaduras ao redor da arena que começava a ser destruída em seu primeiro turno. O Abomasnow derrotado permaneceu desacordado e os locutores não perdiam nem um minuto da ansiedade do público.
— Que golpe fantásticoooo!! Tenho a ligeira impressão de que as câmeras capturaram a presença de espíritos saindo das mãos de Castelo Branco! Vocês viram isso, vocês viram isso? — narrava a Glameow.
General ajeitou sua capa e olhou para a tela. Fez um aceno ligeiro para a câmera dos Magnemites, e somente com aquele olhar muitas garotas se derreteram, era muito charme! A primeira vitória ia para a Fire Tales que a adquirira por K.O.
— Knock out! — disse Wiki animada, pulando de alegria. — Chefe, posso ser a próxima entrar? Estou começando a ficar animada!
— Vai na fé, princesa — respondeu Aerus, sentindo-se bem ao ver a disposição e força de vontade de seus companheiros.
Conde não poderia aturar aquela provocação, e certificou-se de que a próxima luta não seria resolvida com tanta facilidade. Mandou entrar uma de suas capitãs do segundo batalhão, alta e formosa, carregava consigo o espírito dos Pokémons do tipo fogo. Wiki enfrentaria ali uma Rapidash, uma mulher fogosa com velocidade incrível e ataques flamejantes capazes de derreter a mais dura das pedras.
O segundo round logo veio, e as duas se acertavam como numa dança sensual que deixava para trás somente as brasas e o movimento atenuado de suas curvas. A galera adorava, e mesmo em meio à batalha, Wiki não perdia seu charme.
— Iuhuul, rapazes! Quem quer ver algo especial hoje? — disse ela, ficando na ponta da arena e escorregando suas mãos pelo corpo. — Minha oponente é tão ardente! Só que aqui está ficando meio calor, não acham?
— Tira a blusa pra gente!! Tira, tira, tira!! — gritou um soldado da guilda de Conde, mas que logo foi repreendido por outro que lhe deu uma cotovelada.
— Cala a boca, mano... O chefe tá olhando.
Conde sacou a espada e causou alvoroço entre os membros de sua guilda.
— O primeiro que repetir isso para a guerreira inimiga, terá seu mais importante membro arrancado fora.
Mas, para sua surpresa, as garotas também pareciam animadas.
— Mostra tudo, Wiki! Mostra pra essa gente que as garotas devem fazer o que quiserem!! Nossa, como adoro essa moça!
Conde guardou a espada, cruzando os braços ao notar que realmente não tinha como manter o controle da situação. Wiki era tão sedutora que todos queriam mais. Quando ela preparava-se para abrir suas vestes, por ter se desconcentrado da luta a Rapidash pulou em suas costas e prendeu seu pescoço com uma faca.
— Você está encrencada, mocinha.
Wiki estava encurralada, mas pressionou um botão na região de seu peito e dali saíram três armas automáticas desenvolvidas por Vista. E as três miravam na cabeça da Rapidash.
— Ou você solta, ou estouro essa sua cabecinha fogosa. E aí? Vai desistir, ou eliminar nós duas do torneio?
A Rapidash de nada podia fazer, e quando tentou afastar-se com um pulo foi o suficiente para que Wiki revirasse e apontasse em sua direção, disparando uma energia tripla com cada um dos elementos vitais.
O golpe acertou a Rapidash que ao tentar mover-se viu que seus pés haviam sido congelados. Wiki a derrubou no chão, deitando-se sobre o corpo da mulher, apontou um de seus dispositivos no rosto dela e sorriu de maneira graciosa.
— Você perdeu, querida. — Wiki chegou bem perto de seu ouvido. — Mas depois que todas as lutas terminarem, me encontre no meu camarim. Vou estar te esperando! 
Era a segunda vitória para a Fire Tales. As veias de Conde já começavam a pulsar, e ele ficava claramente mais e mais irritado com a incompetência de seus membros. Gritava alto com eles, desorientando seus próprios soldados e assustando a plateia. Aerus esperava tirar vantagem daquilo.
— Posso ir agora? — perguntou Mikau.
— Calma cara, muita calma nessa hora. Vamos deixar o Coffey subir lá e arrebentar alguns crânios.
O gigante percebeu que havia sido chamado, mas ainda estava meio acanhado com toda aquela atenção que recebia. Ele uniu suas duas mãozinhas singelas, sempre olhando para os lados de maneira assustada.
— Chefe, o que eu devo fazer?
— Faz o que bem entender, amigão. É só chegar lá e detonar todo mundo — explicou Aerus na maior naturalidade possível.
— Ganhar?
— Ganhar.
— Mas eu não quero machucar eles... — disse Coffey de maneira triste.
— Não precisa cara, se quiser pode até levantar os caras e tirar eles da arena!
— Verdade?
— Verdade.
— Obrigado, chefe —  agradeceu Coffey já se sentindo mais aliviado. — O senhor é um homem bom.
O gigante enfrentou um Magnezone, e o pobrezinho nem mesmo conseguiu fazer com que o imenso Rhyperior sentisse cócegas com seus golpes elétricos. Coffey fez o máximo de esforço para não machucá-lo, como havia dito. Chegou bem pertinho dele com seu punho esquerdo fechado e o canhão no direito. Ele encarou bem o pobre coitado debaixo para cima, e falou:
— Com licença.
Coffey deu um peteleco tão forte na testa do inimigo que o mesmo veio a ser lançado para fora da arena, destruindo paredes e levantando muita poeira antes de tropeçar, derrubar caixotes, e despencar um muro junto do telhado em cima dele. Até mesmo os locutores ficaram sem fala diante do golpe, mas Coffey quase começou a chorar dizendo que tinha sido “sem querer”.
— Posso ir agora? — perguntou Mikau.
— Não. — Aerus já respondia com pressa. — Daqui a pouco você vai. Tem alguém na sua frente antes. É a sua vez, Vista.
O Metagross subiu na arena, e aquela provavelmente seria a luta mais inusitada de todas. Muitos estavam no aguardo do suposto Mensageiro da Morte, se Vista já era conhecido por ter feito parte da guilda Mithril no passado, então como será que ele estaria agora após os Seis Meses de treino? Seu adversário seria um Alakazam, sábios poderosos e reconhecidos por sua extrema inteligência e altos níveis de Sp. Attack. Aquele seria um duelo de dois gênios da ciência.
— Hmmm, sim, sim. Eu previ sua chegada, oh, Cavaleiro das Trevas! Seus poderes alcançam até mesmo o íntimo de meus pensamentos, — dizia o Alakazam de olhos fechados — mas ainda não é o suficiente para derrotar-me.
— Shut the fuck up. Você fala muito.
O Alakazam riu com ironia.
— Irei tornar a sua tecnologia ultrapassada. Provarei o motivo pelo qual a Throne of Kings é a guilda dos imperadores, e que treinando sob supervisão de meu chefe, eu me tornei o Pokémon mais sábio dessa terra.
O Alakazam fazia movimentos rápidos com as mãos, parecia ser capaz de compreender a linha de pensamentos do oponente e manter-se calmo mesmo diante daquela situação.
— Posso prevê-lo. Posso ver o futuro. Posso ver o que vai acontecer, ver minha vitória iminente no fim desta batalha, e eu serei eternizado pela história! Venha, máquina, pois irei provar que o cérebro natural ainda é superior ao tecnológico.
Vista disparou contra o Alakazam assim que o gongo soou. Somente então seu adversário notou como ele era imenso e assustador, quando estava em sua frente prestes a dizimá-lo. Vista ergueu um de seus braços mecânicos, e assim, o Metagross mergulhou no chão como um canhão afundando o inimigo da mesma maneira que General fizera, mas com maior intensidade e muito mais poder.
As beiradas da arena trincaram, dessa vez todo o solo cedeu de forma que algumas paredes caíssem e uma energia negativa fosse sentida por todos os espectadores. O Meteor Mash de Vista fora tão rápido e intenso que só se podia ver um buraco profundo no meio das pedras, e as silhuetas de um Alakazam que desaparecera dali. Também havia duas colheres caídas no chão
— Pelo visto ele era bom de mágicas mesmo, até desapareceu. — disse Vista de maneira irônica, voltando para seu lugar junto dos demais membros da guilda. — Pronto, Aerus. I already scared them. Agora trate de só me chamar quando for para resolver algo realmente importante, got it?
— Falou, valeu pela força, grandão! — O dragão acenou com a mão. — Quatro vitórias, faltando apenas dois oponentes para derrubarmos esses caras. E aí? Yoshiki, Jade, algum de vocês querem ir na próxima?
Mikau já estava em silêncio, sem nem se manifestar. Aerus deu uma risadinha, e dando um forte tapa em suas costas, confirmou o que ele já esperava.
— Tô de brinks, mano. Entra lá e ferra com a vida de alguém.
O atirador só estava esperando aquela confirmação.
Quando sua vez chegou ficou ainda mais contente em saber que enfrentaria um Pokémon aquático, um Floatzel, alto capitão dos exércitos da Throne of Kings de grande influência e respeito.
Mikau estalou os dedos. Suas mãos coçavam. Sua mente ignorou todo o barulho do local enquanto ele prestava atenção apenas no sinal do início da luta. Estava ansioso pelo alarme, pelo som da disputa e de sua vitória. Queria que os aplausos fossem só para ele.
A luta mal começou e dois tiros foram ouvidos. Era como aquelas batalhas do velho oeste onde o mais veloz tinha a chance de continuar vivo, mas aquilo foi insano. Ao mesmo tempo que o “Comece!” foi anunciado, seu inimigo já estava caído no chão com um tiro no ombro direito e outro na perna esquerda. Dois projéteis de gelo haviam o perfurado, deixando-o completamente fora de combate.
— Mais uma vitória para a Fire Tales?! — gritou Penélope agitada, sem saber se era uma pergunta ou uma afirmação. — Eu adoro esse atirador, adoro esse cara! Eu nem consegui acompanhar o ritmo de seus disparos!!
Mikau estava incrédulo que a luta terminara.
— Você está brincando que esperei tanto só por isso?
— Bastardo!! — gritava o Floatzel se remoendo no chão enquanto o resgate de duas Chanseys enfermeiras chegava para atendê-lo. — Você quase me matou, nunca senti tanta dor ao ser perfurado por uma bala de gelo! Auugh!! Seu maldito, desgraçado, vá para o inferno!!
Mikau foi obrigado a voltar para seu canto onde Aerus já o esperava.
— Bom trabalho.
Mikau ia dizer algo, mas tentou se conter.
— Aquilo foi... Aquilo foi ridículo, não foi uma luta. — Mikau parecia estressado por ter vencido seu inimigo com apenas um golpe. Aerus deu de ombros.
— O que posso fazer? Estamos num nível acima dos demais. É como nosso treinador já dizia: Não treinamos apenas para sermos mais poderosos, viemos aqui para vencer.
Mikau fechou o punho, por um instante Aerus imaginou que seria o próximo saco de pancadas do Kingdra para aliviar o stress incontido, mas o atirador se conteve. Coçou a cabeça e arrumou sua pequena malinha, já estava farto daquele lugar.
Eram cinco vitórias, e absolutamente nenhuma para a Throne of Kings. Os cabelos de Conde já estavam despenteados e ele havia perdido sua postura como líder. Seus exércitos o temiam quando ele ficava irado, e aquele era um momento propenso a isso. Ninguém continuava perto dele.
O imperador ergueu sua voz e gritou com todas as suas forças:
— Draconeon!!
Aerus virou-se para ele com um dos dedos no ouvido.
— Ehh? Não precisa falar tão alto cara, todo mundo está te ouvindo.
— Você me humilhou na primeira vez que nos encontramos junto daquela serpente metálica amaldiçoada, enfrentou e derrubou meus exércitos em Pastoria, e desde então todas as vezes que nos deparamos, sou ocultado diante de seus atos e humilhado na frente daqueles em que um dia eu tive respeito. Você é a minha maior maldição, Draconeon, e irá pagar caro por isso. Eu ainda terei a sua cabeça.
Aerus deu uma risada antes de concordar.
— Ihh, rapaz. Então entra na fila, tem um bocado de gente na sua frente — ele terminou de lustrar sua lâmina oculta, e por fim ajeitou os óculos escuro. — Mas é bom ir se preparando, porque seu próximo adversário sou eu.
Estava tudo organizado para a última batalha. Aerus voltou a alongar seus braços, afinal, também estava muito ansioso para entrar lá e lutar contra alguém; mas sabia que como líder estava fadado a sempre encarar o pior.
Mikau levantou-se e bateu no ombro de Vista.
— Chega aí, grandão. Bora treinar. 1x1. Eu e você. Vou ganhar mais com isso do que ficando aqui até o final.
— Got it. — Correspondeu a máquina.
— Oba, não vou perder essa luta por nada! — e até Wiki parecia animada.
Aerus virou-se para seus amigos que já se distanciavam.
— Calma ae, galera! Ninguém vai ver a minha luta?
— Pra quê? — Mikau nem olhou para trás. — Já sei como vai terminar mesmo... Fica tranquilo, sei que você me ama, mas daqui a pouco a gente volta. Nas finais do torneio, talvez. Quando precisarem mesmo da gente...
— Ei, Jade — chamou Yoshiki. — Vamos dar uma volta também, podemos treinar alguns golpes novos com cordas.
— Você disse cordas? — a pequena parecia animada, logo saindo junto de seu parceiro.
— Err, senhor Aerus, se não se importa, quero ver como o meu querido Karl, a Lyndis e o Al Capone estão se saindo em seu preparo para a luta de amanhã. Isso se não se importar, claro — continuou Sophie, indo embora sem uma chance de resposta. Coffey viu que Mikau e os demais estavam se afastando, e ainda que olhasse algumas vezes para trás de maneira confusa, decidiu ir também.
Beliel já nem estava mais ali. Ninguém tinha visto quando ele tinha desaparecido.
Logo Aerus percebeu que começava a ficar sozinho.
— Poxa, vocês vão me deixar no vácuo mesmo? Que mancada... — o dragão olhou para seus membros remanescentes, entre eles Chaud, General e Glaciallis. — Bom, pelo menos aqui estão vocês! Que orgulho dessa minha família fragmentada! Alguém vai continuar na minha torcida, pelo menos?
 — Não se preocupe, nós ficamos — acenou General. — Agora é melhor o senhor ir, ou alguém vai arrancar todos os cabelos se ter de continuar esperando.
Aerus subiu na arena e muitos o aplaudiram. Havia ali Pokémons que ele nunca conhecera, mas percebia com isso que sua fama já chegava nas alturas. Perguntava-se até mesmo se Titânia o estaria observando, e torcia sinceramente que estivesse. Queria mostrar para ela como estava mais forte e se igualara ao seu nível.
— Perdeu alguma coisa, Draconeon? — indagou Conde, um pouco irritado com o fato de não receber a atenção que queria de seu adversário.
Aerus teve de ser bem sincero.
— Pra falar a verdade, sim... Tô vendo se acho outra cara pra você, porque com essa sua atual vai ser difícil não cair na risada no meio da batalha! Hah, hah, hah...
O Empoleon imediatamente sacou uma espada e a apontou na garganta do dragão.
— Mais respeito, moleque.
— Uhh, cuidado, galera! Ele está armado! — murmurou Aerus com uma risada da maneira mais irônica que conseguiu. Empurrou a ponta da espada para o lado e colocou-se em posição de combate. — Espero que saiba que isso não é um brinquedo, e que gente como você não merece a honra de empunhar uma.
O sinal foi dado, e logo a luta começou. Ambos os líderes de suas guildas se enfrentariam para decidir um lugar entre o TOP 8. Aerus já tinha visto Titânia derrotar o Conde uma vez, mas sabia que não podia vacilar. Brincava com seus inimigos para fazer com que perdessem a concentração, pois conhecia bem o tipinho do grande imperador. Só não podia fazer feio na frente de seus amigos. Não podia brincar.
A luta havia começado.
Aerus só precisou piscar para ver uma espada enorme ser atirada em sua direção. Ele ativou as lâminas escondidas em seu antebraço com pressa, e defendeu-se ao fazer desviar a espada arremessada direto para o chão.
— Tu é louco?! Agora está desarmado!!
— Quem disse que eu só tinha aquela?
Conde esticou seus dois braços, e de repente uma parede de gelo começou a assumir forma em seus músculos, criando ali duas espadas de gelo anexadas ao seu corpo. Era o elemento que Conde bem sabia que seu oponente tinha total desvantagem. Aerus era conhecido por sua técnica de lutar bem próximo de seu inimigo, carregava lâminas de curta distância, então aquela luta seria feita entre olhos e dentes.
— Venha, Draconeon. Ou teme enfrentar a minha fúria?
Aerus fincou o braço direito no chão, e com um movimento para o alto ele criou uma rachadura que estendeu-se em direção do Conde arremessando pedras gigantes como uma ponte em sua direção.
 Stone Edge! — gritou o Garchomp. — É você quem está com medinho de chegar perto, sabe que vou furar essa toalhinha que sua avó costurou pra você prender no pescoço.
Com as espadas de gelo em seus dois braços, o Empoleon avançou e Aerus o confrontou diretamente. Ambos trocaram olhares e movimentos rápidos, sempre se defendendo da investida do outro. O Empoleon tinha um porte ereto e movimentos suaves dos aquáticos, logo as espadas de gelo ganharam um aspecto metálico e ele bradou:
— Metal Claw!
As lâminas de metal se encontraram com as de Aerus, de maneira que o dragão tivesse que esquivar-se sempre que o Conde tentava acertá-lo com um golpe especial. Uma vez que as armas de seu adversário eram seu próprio corpo, seria impossível desarmá-lo e finalizar a lutar. Seria preciso pensar em outra estratégia.
— Está sentindo este frio, Draconeon?
— Frio? Mas tá um calor da porra cara, tô tendo que ligar o ventilador toda anoite antes de dormir. Como é que tu pode pensar em frio numa hora dessas? Meu sangue está só esquentando.
Conde ficou irritado pelo fato do oponente não sacar sua piada.
— Imprestável. Blizzard.
Suas espadas de gelo cortaram o ar, e uma rajada de vento foi lançada em direção do dragão. Aerus cortava os facões de gelo que eram lançados, mas não conseguiu impedir que alguns acertassem sua coxa e seu peito. Aquilo machucava bastante, pois de todos os elementos do Mundo Pokémon, gelo era o que tinha a maior desvantagem.
— Isso não é bom — comentou Chaud. — O Aerus precisa finalizar logo essa batalha, ou o Conde terá força para diminuir a temperatura e lutar em seu próprio território.
Aerus estava com os braços protegendo seu rosto. Ouviu-se uma risada. Ele abriu os olhos e encarou o imperador de longe.
— Tu melhorou bastante. Devo elogiá-lo por isso — admitiu o Garchomp. — Mas tem uma coisa que tu faz que eu simplesmente odeio. Odeio. Você trata seus companheiros como lixo, não liga para eles e não pensa duas vezes em substituí-los. Você é forte, folgado, temido... Eu adoraria ter você na minha equipe. Mas você não dá o devido respeito aos seus amigos, e por isso vou acabar com a sua espécie.
Vendo que Aerus ainda não havia se dado por vencido, o imperador falou:
— Diga, de onde vem a sua força? Sou muito mais poderoso do que você.
— Sim, é verdade, mas você se ergue sozinho. Minha força é apenas uma fração do que sou. Minha moral, empenho e vontade vêm de meus aliados.
O Conde arqueou uma das sobrancelhas. Aerus retirou os pedaços de gelo que perfuraram seu corpo, mas em momento algum demonstrou fraqueza. Encarou o imperador de longe, e Conde recuou um passo involuntariamente.
O dragão retirou seus óculos de escuro e uma aura negra tomou conta do campo. Um clima mais intenso foi sentido, e quando Conde avistou de longe aqueles olhos dourados sentiu que suas pernas não se mexiam, estava imóvel. Aerus parecia estar à beira do descontrole, o campo ao seu redor começou a ceder destruindo de vez todo o cenário que fora preparada para a Liga. Ele parecia drenar todas as forças para si, e quando delimitou quem seria seu alvo, partiu sem pensar.
Aerus avançou como um míssil e fez um corte superior com a lâmina direita. O vento derrubou Conde no chão, e o mesmo com olhos pregados viu uma segunda lâmina chegar perto de seu nariz e quase arrancá-lo fora. Pensou que iria morrer. Toda a plateia ficou em silêncio, pois sabiam bem que o Outrage era uma marca dos dragões, mas fora praticamente banido seu aprendizado pelo fato de que o usuário ganhava uma força descomunal e incontrolável.
Aerus continuou ali, com seu inimigo caído no chão, numa posição que se ele pensasse em tossir, teria seu olho direito perfurado. O dragão ainda estava com o rosto baixo, mas quando ergueu o olhar e encarou bem a feição assustada do Conde chegou até a sentir pena dele. Sorriu e desativou a lâmina retrátil de volta ao seu antebraço.
— Te enganei, né? Pensou que eu ia arrancar sua cabeça? Hah, hah, hah... Eu até podia, mas a Liga é a Liga. Eles possuem suas próprias regras — explicou Aerus. — E você está fora, parceiro.
Toda a multidão se levantou, aplaudindo aquele espetáculo. Aerus voltou pulando em direção de seus amigos, e os locutores continuavam a narrar cada ato com empolgação. O Conde continuou ali deitado, com os olhos encarando o céu azul e percebendo que agora que seu corpo descansara as feridas e cortes causados pelo rival começavam a doer.
— Ahh, moleque!! Essa foi demais, fala aí!! — gritava Aerus, pulando de alegria.
— Certamente, foi uma luta fenomenal — concordou Chaud. — Você lidou com um elemento que tem total desvantagem, e ainda soube fazer bom uso de suas habilidades. O senhor colocou aquele sujeito no lugar que deveria ficar.
— Ele não mais irá tratar seus amigos com desrespeito... — comentou Glaciallis bem baixinho.
— Ahh, nem sei... Tem coisa que nunca muda, não acho que uma derrota seria o suficiente pra fazer esse cara aprender uma lição — respondeu Aerus. — Essa é a parte triste da Liga. Alguém sempre sai perdendo. Não serão todos que nesse dia terão seus sonhos realizados, mas, só espero que esse cara saiba que poderá tentar numa próxima vez...
O Conde começou a ser cercado por seus companheiros. Seus soldados o observavam pasmos, não acreditavam que seu líder havia sido derrotado. Ninguém ousou dizer nada, ninguém quis ajudá-lo a levantar. O imperador levantou-se sozinho e ainda escorregou no gelo que ele próprio havia criado. Olhou bem para ver se alguém ria, mas todos continuavam em silêncio. Em seguida, observou Aerus uma última vez, e voltou a afastar-se para longe em direção dos portões dos esquecidos e ignorados, sendo acompanhado por seus exércitos sem pensar e nem planejar nada.
Estava de cabeça erguida e porte elegante ao caminhar. De maneira alguma saiu dali como um perdedor e, para sua surpresa, foi aplaudido por muitos que assistiam ao espetáculo.
— Meu senhor — comentou a Rapidash. — Você deu o seu melhor. Obrigado por guiar-nos até aqui, nós fizemos o possível para ganhar.
— Nossa história terminou — disse Conde sem olhar para trás. — E a deles, continua.
Sentiu-se revigorado por ainda poder contar com o apoio de seus súditos, por saber que tinha dado tudo de si sem arrependimentos.
— Ei, parceiro — chamou Aerus de longe, divertindo-se com todos os holofotes e câmeras em sua direção. — Lembre-se cara, tu já é um vencedor por ter chegado até aqui.
— Eu sempre fui, meu caro Draconeon. — O imperador deu um sorriso raro de compaixão por si mesmo. — Eu sempre fui.

Pokémons P.O.V. Off

Luke festejava sua vitória que o classificava para o TOP 8 da Liga Pokémon. Sabia que os desafios dali para frente seriam ainda mais intensos, mas não tinha ideia do que esperar das próximas lutas. Seu Garchomp continuaria a liderar sua equipe praticamente imbatível, cada vez mais sentia que o título estava ao seu alcance.
Quando viu Lúcio retornar pelo mesmo portão que havia entrado, viu de relance um flashback por tudo que tinha passado. Não era somente ele que tinha conquistado as oito insígnias. Se Luke dera tudo de si para estar ali, imaginou como seria decepcionante se fosse ele quem estivesse em seu lugar. Deixar o campo de batalha derrotado, desorientado e com seu sonho destruído. Os vencedores costumavam dar uma festa com seus familiares e amigos no camarote para comemorar a vitória, e antes de retornar para seu camarim o jovem acenou para o rival.
— Ei, Lúcio, tá afim de entrar lá com a gente? Tipo, não quero que você tenha uma lembrança ruins da Liga, e muito menos que fique aí de cara fechada pela derrota. Chega mais, parceiro! Vai ter refrigerante de graça e muita mulher bonita, o que me diz?
Lúcio enfiou as mãos no bolso e encarou o chão um pouco incomodado.
— Não se preocupe, pois eu jamais ficaria triste por uma simples derrota. É como você mesmo disse, todos nós temos sonhos, todos nós almejamos alcançá-los — explicou o rapaz. — Agradeço por tentar ser gentil comigo, mas eu tenho meus ideais como qualquer outro. Não sairei daqui como um perdedor, e sim, com um homem que virá a erguer-se e regressar de cabeça erguida na próxima vez.
Lúcio ajeitou a mochila em um dos ombros dirigindo-se à saída, mas antes de deixar a Liga Pokémon voltou a olhar para trás e sorrir em direção de Luke.
— Você foi o rival mais poderoso que já encontrei. Vou ter que me contentar em dizer para as pessoas: Se perdi para alguém, então digo que perdi para o campeão.
Luke coçou a cabeça, contente pelo elogio.
— Foi mal socar sua cara aquela vez.
— Na próxima nem pense em chamar o segurança do papai para te proteger, filhinho do campeão.  — Lúcio caiu na risada ao virar-se e acenar. — A gente se vê por aí.
Luke deu uma gargalhada ao ouvir aquilo, e continuou encarando aquele corredor tão profundo e escuro que dava caminho para os derrotados. Esperava sinceramente nunca ter de passar por ele.
Lá estava alguém que certamente fora essencial em sua vida! Lúcio podia trazer-lhe lembranças de brigas e desavenças, mas sem elas, Luke jamais teria aprendido a lidar com o Mundo da maneira como o via.
Ele não sabia se voltaria a ver Lúcio dali em diante, e por conta disso sentiu um vazio incomparável. Daqueles de fim de ano, de quando passamos de série e não sabemos absolutamente nada do que esperar, de quando um amigo é despedido do trabalho ou somos obrigados a seguir nosso próprio caminho sem aquele colega que já fazia parte de sua rotina vital.
— É... A gente se vê por aí... — Luke sussurrou para si mesmo e saiu para festejar.


      

{ 15 comments... read them below or Comment }

  1. Simplesmente Foda
    sem mais comentários

    ReplyDelete
  2. E o que falar desse trem?
    Talvez falar que meu F5 deve ter estragado de ter sido apertado desde de manhã! kkk!
    Lúcio, you're down! Que foda! Que super fodástico! kkk!
    Queria falar não, mas o General é muito modesto e não ficou muito diferente do Mikau não. Podia ter acabado tudo com um simples Fire Punch, mas concordo que, como era o primeiro, tinha que impor respeito. E como impôs esse respeito! kkkk!
    Wiki ainda foi tranquila! Fez maior showzão só pra destruir a menina ardente (not you, Katniss) com um tiro só. kkkk!
    Vista nem teve graça direito. Destruiu facilmente o jovem Alakazam. Sinto que esse aí queria se igualar ao Machado, mas sinto em dizer que nunca conseguirá, sujeitinho metido à besta! Toma uma na cara e vai pro canto chorar! kkkk!
    Coffey, com um peteleco, mandou o pobre bicho metálico voando. Isso simplesmente foi super foda! kkkk! Tô doido pra ver quando ele for brincar sério. Simplesmente vai destruir tudo. kkk!
    Mikau, sádico, desturiu um Pokemon de água com um Ice Beam.... Modesto ele, não? kkk! Simplesmente duas balinhas. Certeza que nem eram as arminhas mais fortes que ele podia fazer! kkkk!
    E Aerus, you never disappoint me. Certeza que esse Blizzard nada foi para você, s´p uma lufada de vento mais frio. kkk! E ainda passou lição com a vitória esmagadora que teve! Não é para qualquer um, garanto! kkk!
    Beliel, you're back! But, if you're back to ruin Kyndis (Karl+Lyndis), I'll make sure you will be back to hell in one instant! kkkk! Mas que bom que temos alguém de foguinho no time do Luke! Certeza que mal não fará (tá, fará mal pros adversários! kkkk!).
    E seria que a última sombra sem nome a ocupar cargo na 12º posição de senhorito Lukas seria o Dragãozinho? Aquele lá que voa, tem Earthquake e gosta de andar com Iron Ball só pra fazer piada com o resto do povo? kkkk! Nossinhora, essa Liga vai pegar fogo! kkk!
    E a batalha de Lukas? Não será transmitida ao resto da população? Acho que deveriam ser em horas diferentes, para que os irmãos Wallers tenham a devida atenção! kkk! Tô doido ainda para ver a final Luke x Lukas. será MUITO foda! E com certeza, quando ocorrer estarei super nostálgico e muito animado e, claro, muito chato! kkkkkk!
    Agora só resta esperar pelos gijinkas de Beliel e do novo integrante e esperar pelo capítulo de semana e que vem e, talvez, com muita sorte, esperar para ver os conteúdos de meio de semana, que são fodas sempre! kkkk!
    Então vou me indo tendo noção que falei muito! kkk!
    Adios, Canas.
    Moacyr

    ReplyDelete
  3. Simplesmente demais. Agora fiquei ansiosa pra ver as outras lutas. Foi muito bom ver a luta pelo sob o olhar dos pokémons. saber o que eles estão pensando, como reagem ao longo da batalha, como apoiam um ao outro, etc.. Se bem que no final, poucos ficaram pra apoiar o líder, foi até engraçado. E droga, droga, droga, Nícolas!!! Você me fez ter pena dele nessa hora e está me fazendo ganhar admiração por ele. Não estou gostando nada disso. kkkk.

    E quem realmente fez uma mágica e sumiu sem ninguém perceber foi o Coffey, grande daquele, fico só imaginando como ele conseguiu essa proeza. kkk.

    E Pepé Le Pew, cara, ri muito quando li esse nome. Voltei lá pra infância e me lembrei desse gambá apaixonado. Ele é a prova de que o amor é cego.

    O que gostei também foi o modo como o Lúcio e os seus pokémons reagiram, mesmo perdendo, eles não baixaram a cabeça e não saíram por ai xingando todo mundo nem agiram como um criança mimada, pelo contrário, agiram como bons perdedores e trataram seu adversário com respeito. mas é triste mesmo ver alguém perder, mas fazer o quê? Não se pode baixar a cabeça e deixar a peteca cair diante de um obstáculo. Tem que continuar tentando até conseguir realizar o sonho.

    Agora na espera pra ver a luta do Lukas.

    Beijos!

    Luana.

    ReplyDelete
  4. Ehh, meus bons amigos, é estranho chegar a esse estágio da Liga Pokémon... É apenas a primeira batalha, mas já sinto como se já tivesse ultrapassado o meu limite. É um sentimento bom e ruim, quem iria imaginar que nossos personagens chegariam tão longe! E ao mesmo tempo começamos a ver alguns deles sendo derrotados, perdendo, nos deixando... Essa deve ser a maior lição que o capítulo e a Liga Pokémon vai nos deixar. Alguém SEMPRE vai perder, mas não cabe a nós abaixar a cabeça e descontar a raiva nos outros ou desistir de nossos objetivos... Ainda não é hora! Falta pouco, vamos chegar lá.

    Espero sinceramente que vocês não tenham achado que a luta foi fraca pelo fato do Luke ganhar de lavada. Nenhuma luta será fácil aqui, vamos pensar em todos os treinos e o suor derramado nos Seis Meses de preparo, agora sabemos melhor do que nunca que a Fire Tales se tornou uma gigante de Sinnoh! Estou pensando sinceramente se irei transmitir a luta do Lukas, meu caro Moa... Tenho os meus motivos para não transmitir, mas com o resultado da enquete também tenho todo o motivo para mostrar. Bem, não se preocupem porque de uma maneira ou de outra eu irei mostrar os dois Irmãos Wallers batalhando, e ambos terão lutas magníficas. Tanto o Luke quanto o Lukas terão o seu momento, seja num capítulo especial ou nas finais da Liga. Não vou esconder e dizer que eles não irão se enfrentar, porque eles vão. E quando essa hora chegar, não quero nem ver como vai ser kkkkkkk Simplesmente IRADO!!

    Poxa, Luana, o Aerus pode parecer o típico personagenzinho protagonista de história, mas ele consegue mostrar que consegue ser bacana do jeito dele. Não é do tipo que tem gente que odeia, e quando alguém não gosta dele, juro que o Aerus faz de tudo para essa pessoa mudar de ideia! Até o final ainda farei você gostar dele, pelo menos um pouquinho kkkk Ahh, foi uma baita falha minha esquecer de mencionar o Coffey naquela cena, deixa que eu já arrumo. E já emendando o assunto, acho que durante essa semana terei uma notícia muito interessante para dar você... Algo que você vêm esperando há bastante tempo... Se as coisas não ficarem corridas com a chegada do Natal, creio que podemos conferir algumas postagens especiais sobre um certo líder de ginásio que todos nós gostamos muito kkk Vamos ver no que isso vai dar.

    Galera, fico muito feliz que tenham aprovado este primeiro turno da Liga Pokémon, e continuem de olho porque vem muito mais! Se o movimento continuar bom durante a semana creio que conseguirei trarei umas postagens muito divertidas como o próprio Moa disse, então, é só continuarem de olho! Muito obrigado mesmo, pessoal. Estamos chegando perto dos últimos 10 capítulos do Aventuras em Sinnoh. Caramba, como o tempo passa...

    ReplyDelete
  5. Olá!
    Sempre li e gostei de sua história desde o capítulo 11 ou algo próximo (fui eu que sugeri o support do Marco com o Yoshiki devido aos problemas da mariposa com fogo) e venho acompanhando de forma oculta, mas não poderia deixar de comentar na liga. Curti o capítulo e achei muito interessante a escolha pelo Pokémon P.O.V. nas batalhas. Para mim foi algo inesperado, mas que tornou a leitura mais atrativa. A liga com as lutas dos guerreiros foi bem melhor do que com dois garotos, cuja rivalidade já é conhecida por todos, dando ordens aos seus monstrinhos. Fizeste um bom trabalho!
    Apenas gostaria de citar um fato que me deixou confuso: a Sophie saiu para ver como seu grupo (Al, Lyndis e Karl) se saía em batalha naquele momento, porém na tabela do capítulo anterior é mostrado que os irmãos batalhariam na mesma arena em dias diferentes.
    Aguardo ansioso o próximo capítulo.
    Agradeço desde já a compreensão e continue com o bom trabalho!
    Boa noite!

    ReplyDelete
  6. Olá, companheiro! Desde o Capítulo 11? Esse é antigo hein, da época em que eu ainda escrevia no Nyah com o Little Celeby! Fico feliz que tenha decidido comentar mais vezes, sua ideia para o Support entre o Marco e o Yoshiki foi demais, o episódio já foi escrito e eu estou só esperando a hora certa de postá-lo, mas foi muito divertido trabalhar em mais um Doctor Knife com essa galerinha. Agradeço também o toque que me deu para acertar esse trecho, foi falha minha mesmo. Acontece que algumas coisinhas acabem saindo diferentes do planejado, afinal, a diferença de tempo que escrevi o Capítulo 88 e o 89 foi de quase um mês! Eles já estavam preparados há bastante tempo, mas eu sempre acabo esquecendo uma coisinha ou outra entre o período de adaptação, escrita, revisão e o de postagem e dependo dos leitores para dar uma ajustada. Graças à vocês posso melhorar a leitura aos próximos que forem ler, e por isso os agradeço! (:

    Irei continuar dando o meu melhor, e espero que curta as novas batalhas que virão, a tendência é que elas só melhorem com os novos oponentes e guildas que forem aparecendo. Essa coisa de P.O.V. é uma das que eu mais adoro fazer, ela realmente deixa de focar a batalha naquela lutinha simplória de treinadores e rivalidades para ir a um nível muito mais intenso. A Liga e a Elite trarão os melhores Pokémons que lutarão como guerreiros, um verdadeiro RPG! Obrigado pela presença meu caro, espero vê-lo mais vezes e fique de olho para dar uma conferida no seu Support. Abração!

    ReplyDelete
  7. Meus parabéns cara! Aqui é rápido kk, porque o tempo é pouco, mas sinceramente ficou perfeito. Sabe-se lá porquê eu senti uma nostalgia imensa na primeira parte do capítulo, e só agora fui lembrar do que estava lembrando ('-')... Espero pelo próximo!

    ReplyDelete
  8. como eu não deduzi isso antes? ai você se pergunta o que? seth tem que ficar com o Lukas pro aerus poder acabar com ele, e assim beliel fica com Luke pela falta do tipo fire. Isso até parece que foi planejado desde a batalha da ilha de ferro, muito épico Canas. eu so espero por Deus que as outras batalhas não levem TANTO tempo, por que levou quase um século para o Luke acabar com o Lúcio, tudo culpa do Aerus que levou uns 10 minutos, mas faze o que? Agora só nos resta esperar até sexta que vem para ter outro massacre ai ai... ah, continue com esse negocio dos golpes que ta muito épico.
    Bye

    Thomas

    ReplyDelete
  9. voltei eu esqueci de falar uma coisinha, como a votação ja se encerrou marca mais um voto pro Lukas que pra tentar faze o Luke vencer eu tirei meu voto pra ele rsrsrs.
    Bye, agora sim.

    Thomas

    ReplyDelete
  10. Velho, d+!!!!!! E a emoção: "um sujeito de cabelos negros e olhos brancos. Estava todo vestido de preto com roupas surradas e improvisadas. Tinha a pele morena, e de sua cabeça saíam dois chifres marcantes que o tornavam reconhecível onde quer que estivesse.", velho o Luke completou a equipe dele e com um houndoom, Beliel, o houndoom!

    ReplyDelete
  11. Cara,simplesmente perfeito! Acompanho a AeS desde o seu capítulo 3,e é com grande prazer que venho lhe dar os parabéns primeiramente pela sua grande(enorme kkk) evolução e também por este incrível capítulo.
    Parecia realmente que eu estava na arquibancada do estádio,que pude presenciar essa incrível batalha com os mais perfeitos golpes. Adorei a parte da Wiki, amo essa mulher, se ela fosse real eu casava com ela kkkk.
    Quando começou a parte do Pokemon P.O.V, me senti como se fizesse parte de uma das guildas.Deu pra sentir todas as emoções que você queria transparecer para nós.
    Me sinto honrado em acompanhar o andamento desse blog, e ficaria mais ainda se pudesse acompanhar as batalhas do Lukas( acho ele incrível u.u).

    Sanderson.

    ReplyDelete
  12. Olá, companheiros! É muito bom saber que o P.O.V. foi uma das melhores partes, se essa mecânica tinha feito sucesso na última temporada era mais do que válido eu reprisar a experiência. Admito que para mim, como autor, também é mil vezes melhor trabalhar assim. Posso usar os personagens que criei para desenvolver a batalha do melhor jeito possível, e não apenas colocar duas pessoas gritando nomes de ataques um para o outro. Eu acabei por anunciar o Beliel nesse episódio, mas juro que na verdade era para ele só ter entrado no FT 37 kk Eu acabei atrasando algumas coisas, mas já estava na hora de descobrirmos quem era o último Pokémon do Luke. Céus, o Coffey e o Vista entraram lá para o Capítulo 50, e só depois de quase 40 episódios o último integrante foi entrar! Demorou, mas certamente valeu a pena, não? kkkkkk

    É muito bom ver vocês se importando com o Lukas, com o resultado da enquete pude notar que ele realmente merece muito mais atenção. Eu já o coloquei na Liga porque eu sabia que vocês queriam ver mais dele, e não apenas o Grande Festival. Agora é minha obrigação também mostrar que o cara veio aqui para ser lembrado kkkk Não se preocupem, eu vou sim mostrar algumas lutas dele. Fico muito feliz também quando ouço que o pessoal lá das antigas decide aparecer, é até engraçado imaginar que esses leitores decidem aparecer repentinamente, e o mais importante é saber que mesmo depois de tanto tempo vocês continuam aqui!

    No ano que vem continuaremos seguindo com a Liga Pokémon, e teremos algumas surpresas logo em Janeiro! Vou continuar me esforçando para dar meu melhor. Fim de ano todos nós ficamos nessa correria e eu estou aproveitando também para descansar, mas sempre que possível estarei dando uma passada aqui para responder comentários e ouvir sugestões. Abração ae, galera!

    ReplyDelete
  13. Mano, mano, mano... Desculpa, não tem outra palavra. Foi FODA! kkkkkkk Nossa, eu sabia que a Liga ia ser de alto nível, mas você superou ainda mais minhas expectativas! Uou, os Pokémons do Luke ficaram ainda mais fodásticos que antes... Tipo, até ri do Coffey fazendo o adversário atravessar as paredes com um peteleco kkkkkkkk São OS MELHORES mesmo, sem dúvidas. E o mais interessante é que eles não perdem a personalidade. O Castelo com sua pose de general, a Wiki sensualizando até para as garotas do outro time, Coffey destruindo tudo mesmo tentando ser bonzinho, Vista botando pra quebrar, Mikau simplesmente sendo o atirador foda que é, e o Aerus mostrando ser o verdadeiro líder dos Fire Tales. Mano, sério, não poderia ser melhor. Quero ver como os outros Pokémons evoluíram também, no quesito de terem melhorado. E o Beliel... Nossa, estou louco para ver ele em ação! kkkk A derrota do Conde foi aquilo que todo mundo esperava. Aposto que todos queriam ver o Luke limpando o chão com a cara do Lúcio, e fico feliz que tenha sido assim mesmo kkkk É, com o filho do Campeão não se brinca. Ou deveríamos dizer futuro Campeão?

    ReplyDelete
  14. Cara, não sei se fico feliz por poder ler capítulos com batalhas tão épicas, ou se fico chateado por AES já estar chegando ao fim! Mesmo atrasando um pouco de vez em quando, não consigo mais imaginar minha vida com essa história fora da minha lista de leitura! Pô, bem que você ainda podia mandar alguns pequenos capítulos de vez em quando, nem que fossem aventuras aleatórias dos Fire Tales ou até mesmo dos Wallers.

    Bom, falando da batalha, você sabe que esse é o meu ponto fraco. Sempre quis ler uma fanfic que já estivesse na Liga Pokémon, mas em momento algum eu imaginei que veria as batalhas da mesma serem travadas como se os Pokémons fossem guerreiros e a arena fosse um Coliseu! Absurdamente impressionante! É, parece que estamos vendo mesmo cada um chegar perto de seu merecido título. O Luke perto de ser o Campeão da Liga, o Lukas na Liga também, porém objetivando ser Campeão do Grande Festival, e você próximo de ser o Campeão das Fanfictions, não é verdade? O rapper-japa de três anos atrás, que dizia não querer mais nada com fics de Pokémon, agora está aí, pronto para pisar no solo sagrado onde nenhum outro mortal já chegou antes. O Hall daqueles que encararam o desafio de escrever uma longa e trabalhosa fic de jornada, e mesmo assim conseguiu chegar até o final. E em breve eu com certeza quero estar lá. Então já que você vai chegar primeiro, a responsabilidade de preparar o café é sua. Gosto do café bem forte, então capricha nele para aproveitarmos bem a prosa, auhauhauhuahuahuahuhau.

    É cara... Nostálgico. E pensar que há dois anos a gente viu isso tudo começar. Não fique chateado com o que eu vou dizer agora, pois digo na melhor das intenções, mas eu sinceramente não queria que acabasse. UHAHUAHUHAUHAUHUAHUAHUA Por mim ainda veríamos um pouco mais.

    Sendo assim, me resta ver você terminar seu trabalho como autor, e cumprir minha promessa de terminar meu trabalho como seu leitor fiel. E quem sabe um dia, quando você estiver de bobeira, entrará no seu PC e vai olhar esse velho blog? E então vai dar um tempo da aposentadoria e nos trazer alguma surpresa, por menor que seja?

    ReplyDelete
  15. OH, POR GIRATINA! espera um pouco enquanto recupero o ar que se perdeu nessa adrenalina ~respira, respira, respira~
    Okay. POR GIRATINA! QUE LUTA MAIS QUE DEMAIS! Cara, eu já disse como amo isso de Pokémon PoV? ;u; É a coisa mais linda da vida! E legal é que muda totalmente a maneira como vê até os jogos, mesmo agora que estou com uma equipe completamente diferente no Y eu ainda vejo todos como uma guilda, as batalhas ainda assumem uma perspectiva totalmente diferente..... E, mano, os narradores! Achei tão maneiro os pokés terem sua própria "Liga"! (no caso, o Torneio das Guildas (e, btw, ainda bem que colocaram essa regra, eu tava com um medo de que..... ah, deixa pra lá, essa hipótese já foi descartada))
    Só lamentei as batalhas terem sido tão rápidas..... (eu disse que entendo o Mikau aehauehauehauehu) Mas também, né, como comparar a Fire Tales a essa ralézada? (e senti falta de meu bbzo entrar em ação, vdd, mas não vamos desperdiçar seus ataques fodásticos naqueles manés, né?) Mas, sabe, apesar do Conde continuar desprezível, acho que o Lúcio cresceu um pouco. Não antes da batalha, foi ridículo o que ele falou pro Luke e-e Mas senti que algo mudou depois da derrota.... Hm, talvez seja só impressão.

    ReplyDelete

- Copyright © 2011-2017 Aventuras em Sinnoh - Escrito por Canas Ominous (Nícolas) - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -