Posted by : CanasOminous Oct 19, 2012


O primeiro setor era também a entrada principal, adornada em pedras preciosas e detalhadas com duas largas asas, seus portões davam acesso somente para aqueles com coragem o suficiente para desafiar o que houvesse no fim daqueles corredores. O setor trazia uma sensação rústica e medieval, tapetes esgueiravam-se como se convidassem os guerreiros à uma reunião de espadas sem final previsto. Estátuas esculpidas em mármore era o que mais chamava a atenção do pequeno Watt, o brilho do sol que passava por entre os feixes das vidraças criava uma ilusão de cores a trilhar seu caminho até o fim do longo salão. Nenhuma porta e nenhum desvio, era como um corredor que levava para a mais alta torre de um castelo. As escadarias em espiral pareciam nunca terminar, e quando chegavam ao fim iniciava-se outra leva como num jogo de paciência. 
O dragão e o esquilo continuaram subindo sem se dar conta de onde chegavam. Gabite percorria os corredores estrondosos da base dos Rockets com grande velocidade, enquanto Pachirisu lutava para manter o ritmo de seu companheiro; ele era rápido e lutava para não ser apenas um encosto aos ombros de Aerus. Desde a batalha de ginásio em Canalave Watt sentia-se cada vez menos importante, com a chegada de poderosos guerreiros na guilda ele não era mais capaz de fazer jus ao cargo que cumpria como o braço direito do líder. Dessa vez, seu maior anseio era provar sua força e mostrar tudo que era capaz. O pequeno esquilo teve seus pensamentos interrompidos ao alcançarem uma quarta leva de escadarias que erguiam-se em forma de espiral. Aerus encarou tudo com uma careta de desgosto, na mente do dragão as princesas sempre eram aprisionadas nas mais altas torres, então, seu treinador provavelmente estaria lá.
— Aerus... Acho que isso não faz muito sentido... — comentou Watt.
— Como você pode dizer isso, Bola-de-pêlos? É o lugar mais óbvio de se esconder um prisioneiro, aposto minhas escamas que o encontraremos antes que qualquer outro! — afirmava Aerus com um sorriso gracioso no rosto.
Pachirisu foi aos poucos atrasando seus passos até que ficasse ofegante e fosse obrigado a parar. Apoiou os braços sobre os joelhos recuperando o fôlego enquanto Gabite o examinava, soltando um suspiro na sequência.
— Pois é. Acho que essa coisa da torre mais alta não faz muito sentido. — disse o guerreiro com a mão na nuca.
 Que bom... — afirmou Pachirisu com a voz cansada, — Vamos fazer o caminho de volta e investigar outro lugar...  — mas o dragão soltou uma longa risada e colocando a mão na cabeça do amigo voltou a sorrir:
— Que nada! Nós vamos é dar a volta por cima e chegar no topo mais rápido! Daí de lá podemos ter uma visão panorâmica de tudo. Segura aí, Bola-de-pêlos, porque essa viagem vai ser de arrasar.
Aerus colocou o esquilo em seus ombros, e assim, ao quebrou uma das vidraças do corredor que permitiu acesso para o lado de fora da base. O dragão deu um pulo e esticou os braços se abrisse um par de asas e fosse capaz de voar, mas caiu. Foi escorregando pelas telhas e tentando segurar-se nas rochas e, quando estabilizou-se, ficou agarrado à uma parede encarando o abismo e rindo para seu companheiro que quase o enforcava de medo. O dragão continuou escalando as pedras como uma perigosa brincadeira que um erro poderia custar sua vida.
 A-Aerus!! Tome mais cuidado, eu vou cair!! — afirmou a criança.
— Vai nada Watt, se você cair eu caio junto, agora segura aí porque preciso alcançar um lugar mais alto pra enxergar tudo com mais calma!
Gabite continuou agarrado nas pedras e assim foi escalando a base secreta da ilha. Muito dela era construída sobre as montanhas, fazendo com que nem mesmo do mar fosse possível ver suas construções que poderiam ser vistas apenas do céu. Gabite ansiava por chegar à uma área elevada que julgasse perfeita para a ocasião, foi pulando de pedra e pedra, e mesmo que escorregasse e deslizasse, o que fazia seu companheiro felpudo estremecer de medo, ainda foi capaz de fazer seu caminho até o topo.
 Ao chegarem Watt ainda estava com a mão no coração na tentativa de impedi-lo de saltar para fora, Aerus ria de forma descontraída, e de certa foram divertia-se com as caras e bocas do pequeno esquilo. Logo o dragão virou-se para cima e observou o céu nublado e repleto de nuvens carregadas, estendeu a mão para o lado e presumiu a possível chegada da chuva.
 Esses dias têm sido muito frios... — afirmou Watt, afagando seus próprios braços na tentativa de evitar o frio.
— Os dias têm ficado mais obscuros. — continuou Aerus, lançando um vasto olhar pelo horizonte e encerrando a conversa naquele ponto. 
Aquele local era uma das poucas áreas da ilha que se podia ter uma visão completa dos arredores. Era possível ver apenas água cercada em água, ondulações eram provocadas pelo vento e hora ou outra um cardume de peixes fazia seu caminho fugindo de tubarões famintos. Na praia da Ilha de Ferroera possível ver um barco acoplado à costa. Era Marshall quem chegava à ilha descarregando suas tropas que já se infiltravam no local. Gabite e Pachirisu precisariam agir com pressa, cada vez mais a polícia internacional caía nas garras do plano dos criminosos. Por conseguinte, o esquilo apontou para o horizonte que era e afirmou:
— Veja, um outro barco está chegando.
 Torço para que sejam os nossos reforços! O grande Atros, o Chaud, a Akebia... Temos alguns bons guerreiros a caminho, e tenho certeza de que quando eles chegarem conseguiremos facilitar o trabalho aqui. — dizia Aerus com empolgação — Mal posso esperar para encontrar um adversário muito forte e testar minhas novas habilidades.
Ao terminar de falar o rapaz virou-se e foi andando no telhado. Era uma área plana que dava fácil acesso para quem fizesse seu caminho até lá. Haviam algumas chaminés que exalavam uma fumaça negra, e também era possível ver cada um dos setores da base, separados em cinco áreas distintas com alguma característica marcante. O Setor 1 era marcado por sua exuberância, era o mais detalhado e também mais cheio de adornos, móveis luxuosos e obras de arte; era provavelmente o setor principal, utilizado pelos líderes da facção em seus tempos de potência. 
O esquilinho debruçou-se sobre a beirada do telhado observando tudo com atenção. Gabite também o acompanhava com as mãos no bolso, mas teve sua atenção voltada para trás quando pôde sentir uma ventania muito forte aproximando-se, chegou até mesmo a cobrir o rosto e segurar seu companheiro para que o mesmo não viesse a ser derrubado.
 Aguenta aí, Bola-de-Pêlos, não seria nada legal cair de uma altura dessas!
 Seria este o vento sudoeste? São ventos da mudança, na natureza é sinal de chuva ou ressaca, e nas praia e são conhecidos por causarem enormes estragos e atingir os humanos de maneira inesperada! — explicou Watt.
 Esta ventania não é natural, ela foi causada por algo.
Gabite surpreendeu-se ao notar uma luz intensa saindo das nuvens escuras e brilhando com a mesma intensidade do sol, uma enorme sombra aproximou-se e fez um pouso triunfal sobre o telhado. Mesmo que as nuvens ocultassem o astro solar era como se a armadura daquele sujeito tivesse sua própria incandescência. Sua armadura era dourada com adornos de prata e detalhamentos únicos cravados com metais preciosos, era acompanhado de uma capa que esvoaçava triunfalmente, esgueirando-se ao vento com o bater de suas asas que lhe davam habilidade de vôo. Um lindo elmo brilhante lhe ocultava a face, era como um guerreiro da luz enviado do paraíso para a terra. O vento cessou assim que ele parou sobre o telhado ajoelhando-se num gesto honroso. Watt imediatamente colocou-se em posição de ataque, mas o homem nada fez. 

O guerreiro ergueu-se e foi caminhando em direção de Watt e Aerus, lentamente fez seu caminho até parar ao lado dos guerreiros, mas não lhes dirigiu palavra. Ficou apenas a observar o céu e a imensidão azul. Watt encarou aquele estranho sujeito por alguns segundos, e então perguntou:
— Quem é o senhor?
O guerreiro virou-se e olhou para baixo até conseguir encarar o esquilo. Apesar de seus olhos serem ocultados pelo elmo era possível ver os traços jovens e característicos da espécie dos dragões, a juventude eterna. Gabite recuou ao notar a imponência do homem, vendo-o de perto tinha certeza de quem era, apontou com o indicador e soltou um grito de estupefação:
 N-Não acredito!! Você é Seth, o primeiro grande Dragonite da região de Kanto!
O guerreiro ficou a examiná-los, e com educação tornou a falar:
 Me desculpe, acredito que tenha me confundido.
 Está brincando? — respondeu Aerus com indignação — Eu o reconheceria em qualquer lugar, você é um ídolo para a raça dos dragões, o pioneiro e detentor de poder inigualável, o guerreiro supremo das batalhas, o herói das histórias de minha infância! Seth, é mesmo o senhor. Não acredito que encontrei um dos primeiros dragões de nossa Era...!
 Seth... — o guerreiro sussurrou, caindo em profundos devaneios ao ouvir aquele nome ser citado. Ele voltou-se para Aerus e alertou-o com educação: — Então você está falando do verdadeiro Seth, eu sou apenas um clone criado pelos Rockets.
Gabite calou-se, aquietando sua empolgação.
 Clone? — indagou Aerus indignado.
 Sim, eu não sou o Seth de quem você fala. Não carrego atos heróicos e a honra desses feitos, sou apenas um experimento articulado como um imenso sucesso, e o Número 10 na contagem desses humanos miseráveis. Peço-lhe perdão, não sou quem você desejaria que fosse. — respondeu o dragão dourado.
 M-Mas o que aconteceu com o verdadeiro Seth? Você é idêntico à ele, em todos os traços, voz, aparência... Sabe dizer se ele ainda está aqui? — perguntou Aerus.
 Os Rockets nunca seriam capazes de capturar um dragão tão poderoso, eles foram capazes de recolher apenas o DNA e completar seus experimentos como a maior criação deles. Sou o Número 10 pela perfeição, sou exatamente como minha forma verdadeira. Eles me chamaram de... Perfeição. — disse Seth com certa relutância — Mas diga-me, e quem seria os senhores?
 Meu nome Aerus, sou líder dos Fire Tales, e o guerreiro que irá tornar-se o dragão mais poderoso de toda Sinnoh! Senhor Seth, é uma honra conhecê-lo, fui seu ídolo durante toda a minha infância, e encontrá-lo repentinamente é um verdadeiro sonho!
Pachirisu estava feliz por ver seu amigo em todo seu entusiasmo, mas não pôde conter uma dúvida repentina e sua mente, um tanto quanto ofensiva:
 Você é um clone dos Rockets? Então deveríamos ser inimigos.
Seth voltou sua atenção para o pequeno, explicando de foram mansa:
— Aqueles que se intitulam como A Grande Criação são marcados pela criação de emoções, eu também sou um deles, fui o décimo experimento e o mais perfeito deles. Carrego exatamente os mesmos pensamentos de minha forma verdadeira e sei julgar o que é certo e o que é errado.
 Então o cara já está do nosso lado! — presumiu Aerus com animação — Watt, ele é o dragão mais poderoso de todos, é impossível vencer uma batalha quando se é seu inimigo. “Um guerreiro solitário trajado em vestes douradas e elmo cintilante, símbolo da coragem e determinação!” É ele, é uma lenda que toma vida! Sou seu fã cara, de verdade.
Seth não escondeu uma risada, iniciando uma conversa longa e prazerosa com os dois guerreiros. Os Rockets aperfeiçoavam cada vez mais suas clonagens, conforme os números subiam suas cópias tornavam-se mais poderosas até atingir o imbatível. Se Seth fosse um adversário dos Fire Tales eles teriam de enfrentar uma lenda reconhecida por jamais ter sido derrotada, mas por sorte, aquele clone se mostrava carismático e compreensivo, inclusive apreciava conhecer aqueles jovens guerreiros da Nova Geração. A conversa se estendia:
 Uma guilda? O que é uma guilda? — perguntou Seth.
 É uma corporação em que a equipe de um treinador com determinados objetivos ou habilidades se unem para compartilhar dos mesmos interesses profissionais e econômicos. — explicou o Pachirisu.
 Compreendo, sou de uma época mais antiga e em meu tempo não existiam corporações deste oficio. Servíamos nossos treinadores com uma única determinação, mas aparentemente essa nova geração também é cheia de suas ideias mirabolantes.
 Senhor Seth!! Me desculpe se estiver sendo muito oportuno, mas gostaria de unir-se à minha equipe? Seríamos a maior guilda da história ao lado do Dragão Dourado! Por favor cara, ou pelo menos me dê a oportunidade de levá-lo a conhecer minha guilda quando nos encontrarmos ao término dessa guerra. Seria uma enorme honra para mim!
Seth voltou a encarar o horizonte, soltando um longo suspiro.
 Perdoe-me jovem Aerus, mas não sabemos como essa luta pode terminar, nem como será o dia de amanhã. Ainda desejo encontrar minha verdadeira forma, quero batalhar até que só reste o mais forte, ou que isso acarrete na destruição de ambos. É o único objetivo pelo qual vivo. — explicou o dragão dourado.
 Mas por quê? — interrompeu Pachirisu — Por que não podem existir dois de você? 
O Dragonite parou, virando-se para o esquilo e fitando-o por um longo tempo. Seth era sábio, era reconhecido por ser um dos dragões mais antigos do mundo, consequentemente, também um dos mais sábios. Tinha a força, inteligência, e todos os outros adjetivos que as lendas mitológicas do mundo fitassem, mas ao ouvir a inocente pergunta do esquilo pronunciou de forma pacífica:
          — Por quê a pergunta?
          — Eu... Bem... é triste pensar que você existe apenas para destruir e ser destruído. Então, por que não podem existir os dois? — comentou a criança em voz baixa.
          Dragonite ainda pensou por um tempo, e respondeu:
— Eu não sei.
Os três ficaram em silêncio por um tempo e Seth logo tornou a falar:
 Eu realmente não sei. Por um momento senti como se esse sentimento tivesse sido imposto em minha mente, pois sou um clone. Mas, se meu objetivo não é tornar-se mais forte, então qual o meu dever nesse mundo?
 Entrar em minha equipe! Por favor Seth, podemos nos tornar a maior dupla da história, quero que você me treine e me mostre seus segredos para que eu descubra como tornar-me tão poderoso quanto você! — repetia Aerus.
O Dragonite voltou-se para o guerreiro ao seu lado e cruzou os braços, demonstrando um sorriso de pretensioso e decidido.
 Você quer alcançar a força? — perguntou o Dragonite.
 Este é o maior desejo. — assentiu Gabite com firmeza.
 Então irei torná-lo o dragão mais poderoso desse mundo.
Seth começou a atacar de maneira tão inesperada que, em sua euforia, Aerus mal pudera esquivar-se. O Dragonite avançou utilizando um Dragon Rush de imensa força que arremessou o Gabite para muito longe, ele virou-se e bateu suas asas em direção de Pachirisu que fez o pequeno ser levado para alto como um tornado. Aerus saiu dos escombros, limpou o sangue que lhe escorria pela boca e sibilou um sorriso.
— Muito bom...! Terei a oportunidade de contemplar a força de uma lenda. Vamos lá, Seth, mostre-me tudo que você é capaz. Dragon Claw!
Gabite avançou contra o dragão dourado disposto a atacá-lo com as lâminas em seus braços, gritou com enorme força e intonação o nome de seu movimento, mas Seth segurou as duas lâminas como se ignorasse o fato delas serem capazes de cortar. Apertou-as até que trincassem e quase fossem destruídas por completo, Gabite caiu no chão pasmo.
 C-Como foi que você...?
 Você ainda é lento. Você ainda é fraco. Se não erguer-se será derrotado.
Dragonite avançou novamente, e o único método de esquivar-se de um guerreiro que dominava os céus e a terra era entrando no subsolo. Gabite cavou um buraco com o Dig para esquivar-se, na sequência imediatamente saiu do solo para mais próximo de Pachirisu de modo que eles pudessem atacá-lo em conjunto. O dragão azulado ainda não perdia seu ânimo
 Cara, esse treino vai entrar para a história. Ele realmente não tem misericórdia quando está levando uma luta a sério.
 Aerus, acho que isso deixou de ser um treino... — comentou Watt em seu silêncio.
Seth permaneceu sem mover um músculo, insinuando para que seu pupilo viesse e o atacasse. Aerus avançou com suas lâminas cortando a armadura dourada de seu oponente com o Slash, mas ela parecia rebater todos os movimentos como a própria luz é refletida. Dragonite levantou o braço e em uma velocidade surpreendente afundou o rosto de Gabite no chão.
 A-Aerus! — gritou Watt em sua agonia— Thunderbolt!!
O choque elétrico foi desferido diretamente no dragão dourada que teve sua atenção voltada para o esquilo. Seth atacou-o, mas o pequeno fora capaz de esquivar-se antes e com manobras rápidas correu para auxiliar seu amigo. O rapaz estava com rosto muito machucado, e seu adorado par de óculos escuros estavam trincados.
 Agora eu também vou levar essa batalha a sério. — disse Aerus tentando recuperar-se.
 Você libera sua raiva por um mero objeto ser quebrado? Materialismo. Aerus, eu esperava mais de você. — respondeu Seth com desdém.
 Ei, esses óculos escuros são importantes para mim, e agora você sofrerá minha fúria! Dragon Claw!!
Aerus avançou com suas lâminas, mas dessa vez Seth ergueu seu braço direito para o alto com a mesma intensidade que se brande uma espada. Fez um corte tão rápido em direção de Aerus que foi arremessado contra o chão apenas pelo vento, causando-lhe cortes profundos e rasgando sua blusa de uma ponta a outra. Gabite tivera seu mais poderoso movimento impedido pela simples ação do vento causado pelo golpe de Seth, e quando notou, suas lâminas haviam sido despedaçadas. Gabite soltou um grunhido de raiva, mas o Dragonite tornava-se cada vez mais sério e obscuro fazendo desaparecer aquela figura heroica que eles haviam acabado de conhecer.
 Como espera que eu entre em sua equipe se mal é capaz de atacar-me? Desejo ver toda sua força, Aerus. Desejo treiná-lo como ninguém nunca conseguiu de forma que seja capaz de perceber a verdadeira força da raça dos dragões, ainda dormente dentro de você. Não são lâminas, espadas ou garras que o tornarão forte, é o espírito dentro de sua alma. Mostre-me sua força!!
Eu vou te mostrar minhas técnicas mais poderosas, Seth. E quando eu derrotá-lo, você irá entrar na minha equipe. Rock Slide!
Aerus lançou enormes pedras em direção do dragão dourado que as rebateu como se fossem insetos indesejados. Suas asas serviram de impacto e ele desferiu outro chute no rosto de Gabite. Pachirisu avançou disposto a utilizar seu Super Fang, que ao acertar a armadura indestrutível do dragão dourado chegou a trincá-la na região do braço.
 Você é poderoso, pequeno. — afirmou Seth — Seus propósitos em uma batalha o tornam muito mais poderoso do que seu companheiro, pois você têm um motivo para continuar lutando.
 Eu sempre tive um motivo, luto para protegê-los! — continuou o Pachirisu.
 E o que você faz quando não há ninguém que deseje o mesmo?
Watt ficou em silêncio mergulhando na dúvida da indagação feita pelo guerreiro. Enquanto Seth lutava contra o esquilo Aerus levantou-se e posicionou-se com os braços próximos ao peito e as pernas pressionadas contra o chão. Watt virou-se para seu amigo e gritou:
 A-Aerus!! Você ainda não é capaz de utilizar o Earthquake!
 Não importa. Eu sei que o Seth é um Pokémon voador, mas eu destruirei toda essa ilha e mostrarei para ele como posso ser um dragão poderoso, vou derrotá-lo e honrar a raça dos dragões, serei a próxima lenda deste continente!
 Earthquake
Seth encarou o jovem rapaz com certa relutância, mas em seguida soltou uma longa risada debochada.
 Um guerreiro terrestre que ainda não sabe o golpe marca de sua espécie? — provocou, sacando de dentro de seu manto uma esfera negra — Está vendo este objeto? É uma Iron Ball, ela torna guerreiros voadores sucessíveis à golpes terrestres, então você será capaz de acertar-me com o terremoto. Vamos lá, Aerus. Mostre-me a sua técnica suprema.
— Eu te respeito como ninguém, mas você implorou pela derrota.
Aerus concentrou-se profundamente no movimento, ainda não tinha aperfeiçoado seu ataque, mas com aquele estímulo sentia que não poderia deixar a desejar na frente de seu maior ídolo. Então, proferiu as seguintes palavras com determinação e socou o chão com enorme potência.
Um tremor intenso foi sentido no telhado, as telhas foram lançadas para longe e a terra pareceu criar vida partindo em direção de Seth. O Dragonite chegou a impedir o ataque com suas próprias mãos, lançou o terremoto de volta em direção de Gabite e cancelou todos os tremores ali presentes. Pachirisu caiu para trás, por sorte estava ao lado do dragão dourado e não sofreu nenhum dano, mas Aerus quase fora arremessado para fora do telhado, estava com os olhos arregalados e uma expressão desastrosa. Seu poderoso movimento havia falhado quando ele mais precisou.
 V-Você cancelou o meu terremoto... — disse Aerus surpreendido.
 Chama aquilo de Earthquake? É assim que você deseja honrar a sua espécie?
Seth desferiu um soco no abdômen de Pachirisu que fez com que o pequeno esquilo caísse no chão com seus gemidos. Seth agarrou a cabeça da criança e ergueu-o em frente à Aerus enquanto Watt gritava e lamentava em vão. O rapaz apertou o punho com imensa raiva e delírio ao ouvir a ameaça vinda de Seth. Soltou um grunhido de ódio mortal, finalmente havia percebido que seu ídolo não o treinava, e sim, o enfrentava como seu oponente.
 Já que hipóteses não funcionam com você, vamos partir para a prática. Vamos, Aerus, utilize o Earthquake. Se você não suceder, ele morre. A vida do seu amigo está em suas mãos.
          — Desgraçado...!



Era uma área pouco movimentada da construção. Mikau e Milena aproximavam-se de um local com grades e correntes que transmitiam cada vez mais a sensação de que era uma zona proibida  e quanto mais o atirador aquático da equipe seguia por aqueles corredores, mais sentia a vontade de descobrir o que haveria no final. Era uma prisão, de imediato Milena ergueu a possibilidade de ser o local onde Luke estaria aprisionado, e o medo das circunstâncias que poderiam cobrir-lhes erguia-se como uma sombra pronta a cobri-los.
 Pouco a pouco eles desejavam nunca ter seguido aquele portão. O corredor era tenebrosamente assombroso, as sala pareciam cada vez mais estreitar-se até que não fosse possível seguir caminho lado a lado, a mente tornava-se confusa por conta de uma ilusão transtornada em sofrimento corroído em cada tijolo entreposto. Milena engoliu seco, segurou em um dos braços de Mikau que nada temia, e de fato ficava apenas mais entretido com aquela chocante cena. Haviam marcas nas paredes, marcas de garras e lamento em uma linguagem ilegível que não pode ser identificada, pois exalam todo o medo daqueles que ali foram arrastados até os aposentos sem retorno. Milena atentou-se ao piso, agachou-se para verificá-lo, e comentou:
 Alguém estava aqui. Um humano, aparentemente. — disse ela, virando-se para Mikau que olhava tudo ao seu redor com desconfiança — Não sei dizer se essas são marcas deixadas pelo Mestre Luke, mas... Se nós tivéssemos chegado um pouco mais cedo poderíamos ter encontrado-o...
Mikau chutou um capacete de ferro que estava no chão e gritou com enorme fúria. Milena aproximou-se dele e o encarou frustrada.
 O que pensa que está fazendo?
 Estamos andando por esses corredores há horas e não encontramos nada. Onde eles se escondem? Por quê não aparecem? Será que têm medo de enfrentar-nos?
 Não se trata de medo, trata-se apenas de cumprirmos nossos objetivos. Por quê você almeja a destruição? Viemos aqui para resgatarmos o seu treinador, e cabe a nós continuar essa busca antes que o pior aconteça. Esse lugar me assusta.
Mikau balançou a cabeça negativamente, apenas encarando o salão destruído. Era uma área enorme, de fato parecia ser muito maior do que a própria costa que leva a caminho da praia do lado de fora. Oito pilares distribuídos erguiam-se em forma circular, e entrelaçados em cada um deles uma corrente, corroída, enferrujada e destruída. Algo ali havia sido libertado. Mikau caminhou até um dos pilares e examinou a corrente, imaginando a monstruosidade que estivera acorrentado à elas para evitar uma possível destruição. Ficou perdido em seus devaneios almejando encontrá-la, apenas pressentindo a possibilidade de uma criatura tão terrível pudesse estar fazendo a solta. Aquilo o excitava.
Na sala ao lado Milena examinava cuidadosamente grades entrepostas e arrebentadas. Ali realmente tratava-se de uma prisão, só não se sabia do que. Haviam pegadas enormes no chão, e as pedras que ficavam no caminho eram trituradas até transformarem-se em farelos. Ela caminhou até uma mesa e examinou alguns papéis que continham prováveis anotações sobre o local. Ela logo chamou pelo parceiro:
 Faz falta alguém que tenha conhecimento da língua dos humanos... — comentou a serpente marinha.
 Você não consegue entender absolutamente nada do que está escrito? — continuou Mikau.
 Um pouco, coisa ou outra, mas nada muito definido. Bem, eu posso até tentar, mas não garanto que seja este o significado literal.
Milena atentava-se aos rabiscos, pareciam ter sido feitos com enorme pressa. Ela cerrava os olhos naquela escuridão tentando assimilar cada código e juntá-los para tornar um significado, mas não parecia obter muito sucesso, e Mikau logo perdia a paciência. Ela afastou as folhas e passou a mão em seus cabelos admitindo a derrota para os panfletos.
 Continuamos viagem, então?
 Acho que sim, não há nada que possamos fazer aqui, apesar desses manuscritos me intrigarem.
— Alguma informação útil?
— Dentre as poucas frases que consegui assimilar, uma delas chamou minha atenção exclusiva...




Mikau e Milena saíram daquela sala lado a lado. Caminhavam pensativos em direção do salão dos oito pilares, foi então que começaram a ouvir estranhos sons vindos dos corredores. Eram pisos fortes e pesados, soavam como tambores nas profundezas carregados de uma perseguição eterna de sofrimento. Correntes podiam ser ouvidas com a mesma intensidade, tilintando e corroendo-se até virarem pó em meio à ferrugem avermelhada de ferro e sangue. Mikau parou, colocou a mão na frente de Milena com o intuito de protegê-la, pois tinha certeza que o que vinha em sua direção era perigoso. Eles ficaram em silêncio. Não havia saída. O monstro se aproximava.
Os tambores ficavam mais próximos, os pilares estremeciam a ponto de tombarem somente pela aproximação daquela temerosa figura, e de dentro das sombras os dois guerreiros puderam notar um gigante que caminhava em sua direção. Milena estava abismada, nunca tinha visto algo tão grande. Estava acorrentado até o pescoço, braços e pernas da mesma maneira, de forma que seus passos fossem lentos  e profundos a cada pisada. Se o gigante desejasse teria destruído as correntes ali mesmo, seu pescoço era tão grande que parecia ser capaz de estourar o ferro se ele respirasse com mais força. De cada um dos lados havia um Sneasel de olhos esbranquiçados e uma feição estática, seguravam a corrente sem muito esforço parecendo mais guiar aquele monstro do que impedi-lo de qualquer maldade. 
Na realidade, aquela monstruosidade era um Rhyhorn, estranhamente maior do que qualquer outro Pokémon que já haviam visto. Provavelmente uma clonagem feita nos laboratórios mais profundos da base dos Rockets, era considerado uma verdadeira ameaça por sua força descomunal. Era negro, cabeça raspada, tinha mãos gigantescas capazes de carregar continentes com cordas, vestia uma armadura que mal fitava seu corpo porque sua própria pele tinha a resistência de uma rocha. Tinha o olhar baixo, em momento algum levantara os olhos para examinar para onde caminhava. As mãos juntas eram prendidas pelas correntes, mas obviamente elas podiam ser partidas como uma criança rasga uma folha desnecessária. Mas não o fez, ficou apenas quieto, fitando o chão perdido em seus devaneios.
Mikau encarou os dois Sneasels guardiões e cerrou os punhos revelando um sorriso ameaçador. Finalmente uma batalha havia chegado. Não sabia o que era aquilo e não fazia questão de medir suas vontades e pretextos, por um momento até mesmo esqueceu-se da missão de resgatar seu Mestre. Foi apenas levado pela ansiedade do instante ao deparar-se com uma criatura tão humilhada em sua frente.
 Homem morto caminhando. — disse um dos soldados Sneasels de forma estática, sem piscar os olhos sequer por um segundo.
 Temos aqui um curioso achado. O que pretendem fazer com esta gigantesca aberração? Pretendem levá-lo para o mesmo local em que encontra-se meu mestre? — indagou Mikau, mas os soldados inimigos nada responderam, apenas repetiram de forma incansável:
 Homem morto caminhando.
Mikau soltou um suspiro de desprezo, preparou sua pistola manual com as mãos, mas sentiu um toque de Milena em seu ombro indagando de forma assustada e sigilosa:
 Tome cuidado, eles não são normais.
 Que diferença faz?
Examinou-os com cautela, mas notou que eles balbuciavam, murmuravam palavras sem sentidos e lamentavam em sua tranquilidade. Dentre as muitas palavras que não podiam ser entendidas, haviam algumas que eram repetidas com insistência na mente de Milena:

Colossus. Clonagem. Número 7.
Homem morto caminhando.

Subitamente, ouviu-se disparos com uma arma a disparar jatos d’água com a pressão de uma bala de chumbo. Dois disparos, dois acertos. Os soldados que carregavam as correntes do gigante tombaram para trás completamente debilitados, eles não haviam sequer dado o gosto de uma disputa de verdade para Mikau que sentiu-se ofendido com a fraqueza de seus oponentes. Ainda era possível ouvi-los gemendo e repetindo sua frase automática: Homem... Morto... Caminhando... 
Porém, o gigantesco Rhyhorn não mexeu sequer um músculo, apenas continuou a fitar o chão com olhos perdidos, o rosto manchado pelo suor, olhos avermelhados e tristonhos, de forma que sua liberdade parecia nunca ter sido entregue. Milena voltou-se para Mikau e comentou:
 Ele não devia ser um prisioneiro. — presumiu Milena — Se fosse um, esta teria sido a oportunidade perfeita para escapar.
 Talvez ele seja só um idiota que ainda não se deu conta disso.
Mikau foi caminhando em direção à figura do homem com as mãos balançando sobre o ar demonstrando total desinteresse. Ao aproximar-se notou como ele realmente era imenso, o guerreiro aquático já era alto, mas aquela figura era pelo menos duas vezes maior. Milena apenas observava a distância, Mikau cruzou os punhos e encarou o prisioneiro acorrentado com desdém.
 E então, grandalhão? Vai se mover ou me obrigar a tirá-lo daí?
O homem não se mexeu de primeira instância, mas aos poucos foi relaxando vendo que não tinha mais perigo ao redor. Relaxou as mãos tensas que estavam acorrentadas, e na única vez em que mexeu seu rosto foi para encarar os olhos de Mikau que piscaram imediatamente como se tentasse proteger-se de algo. O gigante despertara. Cerrou os punhos e puxou-os para os lados trincando as enormes correntes de aço como se fossem cordas. Seus braços eram adornados em faixas fétidas, as unhas amarronzados e uma feição de tamanha fúria não pôde ser contida.


O homem negro abaixou o rosto, a escuridão na sala ainda era tão presente que era impossível enxergar seus olhos, mas sua voz estrondosa soou como um motor ao ser ligado, como montanhas que são partidas por obra de divindades e ruem até cair no abismo. Foi a pior ameaça que Mikau poderia ter ouvido:
— Os maus devem ser punidos.
O movimento foi lento, mas o atirador aquático não conseguiu recuperar-se do susto que levara. Um soco foi desferido com tanta força que lançou o guerreiro contra o teto que ruiu em pedaços caindo aos montes em cima do gigantesco prisioneiro que mal sentira, e agora, revelava-se como um inimigo. Mikau recuperou-se do impacto, deu um mortal para trás com a mesma facilidade que os nadadores fazem suas acrobacias nas águas, parando assim ao lado de Milena que encontrava-se estupefata. A moça imediatamente utilizou um poder para curar a ferida em seu companheiro, mas o gigante Colossus seguia-os, e parecia disposto a repetir a doze.
 Que abominação é essa? — indagou Mikau.
 Eu não sei, mas certamente, se ficarmos aqui seremos massacrados!
 E está disposta a fugir, Milena? — repetiu ele frustrado.
Mikau não pôde ouvir uma resposta, pois o gigante avançou para cima de seus oponentes com uma cabeçada tão forte que destruiu um pilares em pedaços, aparentando não sentir absolutamente nada em seu crânio de ferro.
 Aquele movimento foi um Mega Horn, lento e demasiado, facilmente esquivado, mas se por ventura tivesse acertado seria o suficiente para acabar conosco! — afirmou Milena.
 Aparentemente o grandalhão é bom de briga, mas não tem velocidade, será um alvo fácil para meus projéteis. Essa luta já está garantida.
Mikau preparou suas mãos, mas dessa vez posicionou o braço como uma arma de maior porte com a mão esquerda. Puxou a direta para trás como se a carregasse, e assim pronunciou de forma tranquila fechando um dos olhos para ter certeza de seu alvo:
 Hydro Pump.
A explosão de água foi lançada com um impacto tão surpreendente que até mesmo Milena precisou segurar-se para não ser arrastada. O tiro foi em direção do colosso que comprimiu o estômago em uma dor agoniante, mas não caiu, não recuou sequer um passo. Permaneceu parado naquela posição recuperando o fôlego enquanto o suor e a água escorriam por seu corpo anormalmente esculpido. Mikau ficou impressionado pela resistência do adversário.
 E-Ele ainda está de pé! — afirmou Milena.
Colossus logo recompôs sua postura, mas dessa vez olhou para o teto que cobria sua visão do céu e da natureza. Pareceu ignorar completamente a situação que encontrava-se, e apenas sussurrou algumas palavras com sua voz assustadora.
 O céu. O céu tá coberto... — sua pronuncia era simples e humilde.
Milena virou a cabeça estranhando aquilo, mas Mikau pouco ligou, preparava-se para dar outro disparo ao sentir a mão da moça em seu braço.
 Espere, não atire. Ele... Ele me parece suspeito.
— Suspeito, assustador e terrível; porém, tolo. É deveras estranho, mas é só mais um dos falhos elementos que circundam a natureza. Eu já saquei, ele é um clone, e esse aí foi estranhamente afortunado com uma força descomunal e duas vezes seu tamanho natural. Nada além de uma armadura sem personalidade, sem alma, sem nada. Uma verdadeira aberração da natureza que deve ser exterminada.
 Mas, se ele é apenas um clone... Por que eu sinto como se ele estivesse triste? Os clones não deveriam ter sentimentos.
Quando Milena voltou sua atenção, Colossus parecia preparar mais um golpe, mas dessa vez não para acertá-los, e sim, para atingir o salão. Ele pisou no solo com tanta força que todo o andar estremeceu, causando assim um terremoto. Era um Earthquake. O golpe estremeceu todas as paredes e pilares, e inclusive derrubou mais dois e um pedaço do teto que caiu exatamente no crânio do Rhyhorn gigantesco que nada sentiu. Ele apenas continuou fitando o teto, ainda inconsolado com algo.
 O céu. O céu ainda tá coberto... — disse Colossus com a voz entristecida.
 O que você está tentando descobrir?— perguntou Milena, tentando aproximar-se lentamente e pronunciando palavras em tons suaves, porém, Mikau a impediu de continuar seguindo.
 Vai com calma, ele ainda é perigoso.
 Não se nós não o atacarmos.
 Você está de brincadeira? Ele desceu o braço em mim agora a pouco, e aquele soco teria sido o suficiente para me separar em dois obrigando que você juntasse meus restos se desejasse ver-me novamente. É isso que você quer?
Milena não questionou a frustração de Mikau, mas voltou-se para o gigante e o encarou por longo segundos. Na sequência tornou a repetir:
— O que procura no céu?
Colossus voltou sua atenção para Milena e permaneceu parado. Metade de seu corpo era ocultado pela escuridão, sendo possível ver apenas o contorno de suas pernas e seus pés que mal cabiam nas vestes que lhe foram dadas. Das profundezas do salão sua voz grossa ecoava como o lamento de uma montanha.
 Luz. Tô procurando a luz, porque às vezes eu tenho medo do escuro quando tô num lugar que num conheço...
Milena estranhou aquelas palavras mais do qualquer outra, Mikau sentiu apenas ironia. Preparou o canhão de bomba novamente, e dessa vez não deu nem tempo de Milena impedi-lo, disparou na direção de Colossus que não foi capaz de aguentar o impacto sendo arremessado até a outra parede. Mikau correu para cima do gigante e posicionou-se sobre o ele, apoiou o pé sobre seu abdômen e apontou a pistola manual na cabeça da criatura disposto a disparar a qualquer momento, porém foi impedido por um grito de sua mulher que avançou em sua direção. Milena puxou o braço de Mikau com tanta força que no mesmo instante ele virou e apontou a arma na cabeça da moça. Na cabeça da única mulher que se importava com ele naquele mundo.
Milena ficou quieta, em momento algum sentiu medo, apenas encarou os olhos quase transparentes de  Mikau que pareciam exalar uma fúria repentina de loucura demasiada.
 Você já apontou mesmo. Atira agora. Eu sou mais uma nesse seu mundinho, não é? — ela afirmou.
O rapaz imediatamente deu conta do ato que fizera e largou a posição de sua mão como alguém que se queima. Milena era a única pessoa que ainda se importava com Mikau, e ele praticamente havia perdido seu apresso por um ato tolo e descuidado como aquele. Levou a mão até a boca em sinal de desgosto, pedindo para que ela se afastasse e desse um tempo para a mente conturbada do rapaz.
 M-Milena, eu não...
 Nunca mais faça isso na minha frente. Nunca.
Mikau virou o rosto, ele era um guerreiro tão misterioso e vulgar que não se podia dizer se estava completamente arrependido da ameaça que fizera à mulher que amava. No fundo era possível dizer que Milena tinha em mãos um bandido, um mercenário, uma figura enlouquecida em estado de frenesi que deve ser tratada com cuidado para não perder o controle, mas haviam outros problemas a serem tratados, e Mikau era o menor deles, pelo menos naquele instante. 
Ela correu em direção do gigante Colossus que agora recobrava a sua consciência. Havia recebido um segundo tiro do ataque mais poderoso dos Pokémons aquáticos, e ainda aguentava ficar de pé. O homem tentou afastar-se, parecia estar com medo de ser machucado, mas apenas gemeu em silêncio murmurando sons sem significados. A mulher tentou esboçar um sorriso, posicionou suas duas mãos contra seu peito, e assim criou uma esfera luminescente utilizando seu Recover. Era uma pequena esfera que exalava luz, dessa forma, sendo possível ver o rosto assustado do Rhyhorn em sua frente.
De longe era um gigante assombroso, mas vendo-o de perto parecia inofensivo. Tinha o olhar disperso, olhos amendoados e umedecidos. A boca estava sempre triste e a testa franzida com as sobrancelhas em um sinal melancólico. O suor escorria por seu rosto, mas em momento algum Milena sentiu repugnância ou medo. Tocou levemente sobre as imensas mãos cheias de cicatrizes e correntes, e então sussurrou bem baixinho.
 Você sabe falar, não é?
 Sim senhora, patroa, falo. — respondeu. Sua voz era um troar grave e baixo. Não parecia ser muito inteligente, e tão pouco parecia ter instrução. Na sua maneira de falar, como em tantas outras coisas, ele era um mistério. E eram sobretudo seus olhos que perturbavam Milena, eles tinham uma ausência pacífica, como se ele estivesse flutuando longe, muito longe. E seu olhar permanecia fixado na luz criada por Milotic, como a única conciliação que tivesse naquele mundo de desespero.
 Seu nome é Colossus, estou certa disso? Como veio parar aqui? Digo, o que estava fazendo acorrentado em um lugar como esse? — dizia Milena enchendo o sujeito com uma série de perguntas que não levariam a lugar algum. 
O gigante apenas a fitava de forma assustada espremido em seu canto. Ela esboçou um sorriso, desculpando-se na sequência.
 Eu não devia fazer tantas perguntas para você, sua mente deve estar muito conturbada mesmo, e...
 Eu num gosto que me chamem de Colossus...
Milena voltou sua atenção para o gigante que agora a encarava com um olhar sereno. Mikau estava quieto, de sobrancelhas franzidas e um olhar de nojo estampado em seu rosto. Mas a moça não notou maldade alguma naquilo que o gigante dissera, ela apenas segurou novamente sobre uma das imensas crostas que formavam a mão do indivíduo e ergueu seu rosto para conseguir encará-lo de forma suave.
O homem parou, olhou para os lados de forma desconfiada e lambeou os beiços ressecados pelo suor salgado. Permaneceu imóvel, assim abaixando os olhos tristonhos para não fitar os da mulher como se tivesse vergonha em admitir o nome verdadeiro, mas deixou o esplendor de sua voz ser ouvida como um eco baixo de uma afirmação pessoal.
          — Então, como devemos chamá-lo?
 ...Coffey.

      

{ 23 comments... read them below or Comment }

  1. "-...Coffey." nuss com um rhyhorn desse no time n demora para resgatar o Luke!!!

    ReplyDelete
  2. Eae Canas, blz?
    Quase fui o primeiro a comentar, droga!!kk Bom, mas um capítulo fabuloso desse Arco. Novamente as descrições foram ótimas, mas ainda me impressiono com os diálogos. Cada frase tem que ser muito bem lida com atenção. Apesar de eu curti mais batalhas do que descrições e diálogos, nesse capítulo nem dei muita importância para as mesmas. Mas vamos lá!

    Aerus e Watt: O dragão mais poderoso do mundo reconhecido por ser herói, uma verdadeira lenda, que tem como um fãn um outro dragão que busca praticamente o mesmo, fantástico. Tenho que dizer que essa primeira parte foi muito boa mesmo, tanto pelo desenrolar dela. O Seth tem todas as emoções pelo que eu senti, certo? Por isso a personalidade dele está muito boa também. Mas na real, ele quer ajudar mesmo o Gabite ou destruir? kkk Não sei se você quis realmente destacar mais o Aerus, ou é só impressão minha, mas senti o Watt um pouco apagado desse capítulo. Mas tambéma acho que você tem algo maior para ele na segunda parte e acredito que o Gabite irá evoluir.

    Mikau e Milena: Milena é demais! Vou casar com uma garota com esse mesmo nome, podem apostar. kkk Eu li as notas antes de comentar e está confirmado que eu li esse capítulo e percebi os fatos tudo certinho. Esse Colossus, digo Coffey(se ele estivesse deo meu lado, agora eu estava morto), me lembrou muitos seres: um colossu do Shadow of the Colossus, o próprio Frankenstein, mas com certeza o Grandalhão do grande e clássico filme A espera de um milagre. Gostei muito mesmo desse personagem e, no momento, é que eu mais aguardo para ver novamente. Não quero falar muito sobre Mikau e Milena, apenas que Mikau é um bobo e Milena a sereia mais pura do mundo Pokémon.

    É isso, rapaz, fico aguardando aguardadamente(?) pelo próximo capítulo. Até mais!

    ReplyDelete
  3. LOL!!eu queria tanto ver uma batalha do Aerus e agora ele vai lutar contra o dragão mais poderoso!eu não tenho dúvidas que o Aerus vai evoluir!Canas parabéns pelo maravilhoso capitulo e só uma pergunta:na próxima sexta você vai continuar com a batalha do Aerus e a do mikau ou vai ser dos outros setores???quero muito terminar de ver a batalha do Aerus,vlw Canas

    ReplyDelete
  4. Eu sabia que era o Coffey, pura e simplismente: o último integrante da Elite do Luke é um Rhyhorn, esperado depois da charada no Form Sinnoh.

    Agora, o que eu espero: uma luta de dragões, fantasmas vs ácido e a volta do barão. Espero ansioso o próx cap

    ReplyDelete
  5. Putz... Não tenho muito o que comentar sobre a primeira parte, só espero que o Aerus consiga dominar logo o Earthquake, porque ele mereceria ser massacrado caso algo acontecesse com o Watt...
    Agora, a segunda parte... Tipo, oh my Voldy! Não sei o motivo, mas eu imaginei que seria um Rhyperior, acho que pelas colunas,correntes, paredes e tal, só sei que cheguei perto...
    Eu fiquei com uma dúvida: esse é o clone ou o Rhyhorn real???
    Porque tipo, sei lá, eu juraria por tudo existente na face da Terra que era o real, achei que ele tinha sobrevivido à experiência e agora estava sendo mantido como prisioneiro. Porém o que me chamou a atenção foram os olhos dele, porque você havia dito que todos os clones escondiam eles de alguma forma, porém eu não notei ele os escondendo...
    Sabia que a descrição dele me lembrava alguém, mas não tava conseguindo descobrir quem era, só fui descobrir depois de ler as Notas... #MemóriaFail
    Bom, acho que com essa grande ajuda (literalmente) eles vão conseguir vencer mais facilmente essa guerra...

    Só eu acho que no outro barco que tá chegando não são os reforços?? Não sei o porque, mas acho que não é... Mas amaria se fosse, ainda mais porque o meu favorito está lá (Chaud)...

    Bom, acho que esse foi o capítulo que me deu mais vontade de ler o próximo, quer dizer, todos são vontade, mas esse foi o que me deixou mais ansioso... *O*

    Tog_Tognetti

    ReplyDelete
  6. PORRA!!! Chique! Tá de noite, li o cap. hoje mais tarde (por motivos de escola, BLERGH!) mas valeu a pena esperar! Muito foda!!!ME WANT MORE!(tô falando errado de propósito, so haters gonna hate! kkkk). Vamos, então, à revisão do fantástico-maravilhoso-incrível-fodástico que esse foi! kkkk
    Aerus e Watt vs Dragonite(Seth): Primeiro, por que Seth? Eu lembro do personagem da mitologia egípcia que é deus da desordem,violência,guerra...será que tem algo a ver? kkkk. Agora de volta à batalha: Muito foda!!! O Dragonite é o mais foda de todos! Ele agrada-me muito, saiba disso, Canas! Logo, dê a ele uma batalha digna. Por favor!
    Second battle: (não posso escrever tudo que quero pois a luz aqui tá pra acabar!kkkk). Virei amigo do Colossus (sei que ele tem nome de Coffey, mas agradei mais do outro nome sendo esse mais imponente. kkkkk. Muito foda ele! E já percebo uma possível junção dele na equipe do Luke. Será? Será? kkkkk. Gostei!

    Agora, correndo, um recado: Igual minha prof. de redação diz, caro Canas:Mesmo com preguiça e sem inspiração, nunca pare de escrever! Prety please with sugar on top? kkkk. I want more chapters! And as soon as possible! kkkkk
    Vou me ir-me agora pois a luz tá quase caindo e necessito na Internet! kkkk
    Adios,
    Moacyr

    ReplyDelete
  7. Eu já sabia que o Grande Coffey seria um Rhyhorn(ou evoluções) mas não sabia que seria tão grande.

    ReplyDelete
  8. GENIAL!
    O melhor capítulo do Arco sem sombra de duvidas. Isso porque eu estou comentando nele é claro! Bem, brincadeiras á parte, não estou mentindo com esta afirmação, o capítulo trouxe dois dos bosses da Saga, e mano, se você vier com um personagem melhor que eles eu te dou uma Tekpix de presente!! >__<
    Haha, começar falando do Seth, que aliás ficou muito bem feito (meus créditos para quem o criou e o desenhou, e rezo para que não tenha sido você, Canas é na verdade um pervertido nintendista, dados do BGS e Petróleo xD), ele ficou com um tom de lorde medieval, e aquele tecido que parece plástico bolha e juro por Deus não saber o nome é um detalhe que eu não teria lembrado (para isso servem irmãos ^___^ Ou Não o__O).
    Nessa quarta eu fui a um encontro de jogos, animes ou qualquer coisa que já foi moda no passado (mas lembre-se, são coisas relacionadas a jogos e não perucas) e revi muitas coisas da minha infância, e o evento teve diversos momentos interessantes e divertidos (nada que se compare ao BGS sabe, esse povo metido de hoje em dia -rs). Bem, agora eu dei de ficar associando qualquer porcaria que vejo na rua com meu passado e logo que vi o Seth lembrei de uma carta minha de Yugi-oh! muito semelhante a ele(ao qual foi jogada no lixo sob acusação de ser 'coisa do demônio'). Porém, entretanto, todavia, no momento em que você (isso mesmo, VOCÊ) relatou um movimento em que nosso dragão alado utilizou seu braço como espada, foi impossível associar com Saint Seiya (Cavaleiros do Zodíaco para os que estão pouco se importando com o nome, como eu), a armadura, os membros do ante-braço e do ombro além do helmo dão toda a característica de um guerreiro de alto nível, sem contar nos adornos que dão um ar mais formal a ele. Alguns detalhes que passam despercebidos o peitoral que lhe dá um porte físico avantajado, as asas que possuem tamanhos diferentes (não sei se foi por querer, mas deu a sensação de que ele já esteve em diversas batalhas), a gola que o torna praticamente um soberano, a sincronia das cores,sem acrescentar uma sequer e logicamente a capa magistral que lhe foi atribuído (e rezo para que o Seth seja o Dragonite do Lance, para o qual eu babo seco, um comentário cheio de informações inéditas hihi).
    Aew, vou dividir em duas partes porque ficou muito grande, mas tudo bem, o importante é superar as barreiras (não essa seu idiota!)

    ReplyDelete
  9. II Parte – Mikau e Milena
    Essa batalha foi divina, principalmente a personalidade do Seth (eu não consigo parar de babar cara, insano!), ele pareceu bem poderoso, acho que demora para os líderes FT derrotarem ele. Esse novo nome do Watt (já aderi a moda -rs) é fácil de memorizar, além de se parecer com ele (porém, prefiro bola-de-pelos, tenho que tomar cuidado para não cometer bullyng com o menino). O felpudo alias, esta acompanhando o mestre neste Arco, parece mais forte, decidido. Mas, tenho uma única crítica para o Aerus. Ele continua muito engraçado e determinado porém, me parece que ele se estaguinou(?) neste nível de força e não o supera. Se trata mais de uma impressão minha ,mas não vejo muitas diferenças nele desde o capítulo 41. Estou esperando um up nele nessa batalha.
    Agora vamos a parte II, com o mais novo Gunslinger da equipe, e quando digo 'novo' me refiro ao fato de antes não ser possível apresentá-lo como tal, e isso é mais uma vantagem dessa nova forma de combate, ele torna as conversas mais intrigantes e você deve continuar utilizando-o, tenho certeza que ele é revolucionário e vai virar moda, Canas sempre inovando. Bem, o fato é que eu posicionei o Mikau ao lado do Yoshiki entre os melhores Fire Tales, e como bem sabe, essa posição é de muito respeito mas ele possui seus méritos. O cara se tornou arrogante e debocha de tudo, vive procurando um adversário a altura e a melhor parte, sai atitando em tudo. Eu sou fissurado por justiceiros e sempre gostei de coisas como faroeste, etc. Eu sei que ele ficou muito top nessas narrativas e esse Hydro Pump foi insano. E a Milena se parece cada vez mais com a Sophie, eles estão se tornando o melhor casal dos Fire Tales enquanto o Aerus continua forever alone, tadim. E Canas, sério, a primeira coisa que pensei quando vi o Coffey foi nesse filme. Eu já estava procurando o nome para comentar sobre ele, mas quando fui ler as notas já estava lá. A personalidade ficou muito parecida o que é um grande feito, afinal passar de humano para pokemon é brabo. Só sei que ele vai ser uma grande ajuda e eu estou mordendo os lábios para ver o passado desses carinha que prometem. E será que ele entra para a equipe? Oh sim, as notas também tiraram uma dúvida minha com a questão da numeração, no começo pensei o Nº1 seria o mais forte pelo fato do Nº3 ter sido o oponente do Vista, então você me vem com o Seth como Nº10 e acabei ficando confuso. Mas, pensando agora até que faz sentido, ele é o mais desenvolvido entre os clones, só não entendi um pouco a numeração do Barão, ele me parece tão desenvolvido quanto nosso lendário dragão não?
    Bem, já vi que semana que vem é seu aniversário, que tal te consagrarmos com muitos comentários? Ou o dia com mais visits do site? Talvez com imagens e textos? Bem, não sei mas desde já lhe desejo um bom aniversário (e nem pense em não postar o capítulo porque senão o único presente que vai ganhar é um carro bomba, carro de brinquedo pela aumento dos preços), flw.

    ReplyDelete
  10. Diga ae, crazy people!! Ohh, hoje até voltei mais cedo da facul (na real, eu não fui kkkk), e me deparar com um baita presentão de comentários de vocês já foi fantástico! O Coffey cara, nem consegui acreditar que eu finalmente o coloquei na história, vai chegando no final da fic e tantas personalidades distintas já surgiram que fica até difícil criar novas, e para algum personagem novo chamar atenção ele tem que ser MUITO fodástico. Meu caro Tog Tognetti, essa questão dos olhos foi muito bem notada, pensei que ninguém perceberia! Isso é de grande importância, e o passado do Coffey em si é um segredo. Ele é realmente um clone? O que ele fazia naquele lugar? Por que é um gigante prisioneiro, e aparentemente sem nenhuma memória? Simplificando tudo, o que ele é? São apenas algumas das muitas perguntas que podemos formar, e não é por menos que esse grandalhão chegou para chamar toda a atenção com uma das melhores equipes dos Fire Tales!

    Na real, eu não imaginei que a luta do Mikau fosse chamar tanta atenção. Eu tinha minhas previsões para a batalha do Seth e o Aerus, mas a segunda foi melhor recebida do que eu esperava. O Poke100 chegou a me perguntar se o próximo capítulo dará continuidade às lutas desse episódio. Não meu caro, eu estou tentando distribuir todas as lutas de maneira que elas não se repitam sucessivas vezes, acho que no próximo capítulo está na hora de alguns "Reforços" chegarem, mas e a partir disso? Será que eles vão dar conta?? E tu, meu caro Moa, pode ter absoluta certeza de que farei algo extremamente épico para o Seth. Ele é o Número 10 bicho, e a Leeca iria me executar se eu vacilasse nessa batalha, então se depender dela a luta acabará sendo a mais acirrada desse segundo round. Não se preocupem caros companheiros, eu sei perceber quando mus personagens estão ficando para trás, e percebo claramente como o Watt têm ficado na sombra de seus companheiros mais forte. Está na hora do nosso amiguinho felpudo provar que é o líder de sua equipe.

    O primeiro round teve seu término aqui, e notamos que os Fire Tales sofreram muito mais derrotas do que vitórias. Loks, o que você comentou sobre o Aerus foi fantástico. Ele estagnou, essa palavra fitou perfeitamente o perfil dele! Ele chegou a um nível que não consegue mais melhorar, ele está poderosíssimo, mas não forte o bastante para vencer os adversários que virão daqui para frente. Eu precisarei de outra descrição para o Seth? Acho que posso usar o que você falou na própria ficha do cara kkkkkkk O Seth é uma junçaõ de muitos acontecimentos épicos de nossa infância, desde o Yugi-Oh do demônio (quem não passou por isso? kkk) Até os Cavaleiros do Zodíaco, nota-se o Shura pelo movimento da espada. Eu não afirmo que ele é o Dragonite do Lance porque Kanto não é minha região e não posso me meter em uma área que não é minha, mas é questão de sentar e conversar com o Jean e Marina e verificar essa possibilidade. Já pensou chegar no finalzinho da fanfiction de Johto e encontrar o campeão Lance falando: Vamos terminar essa batalha, Seth. Aí sim os fãs da Aliança Aventuras ficariam sem palavras!!!!

    Ahh, preciso de mais espaço nos comentários...

    ReplyDelete
  11. Seguindo nosso rumo de pensamentos, Loks... Cara, para mim o Seth fita um perfil importante demais para meu estilo de personagens. Eu nunca costumo gostar dos principais kk Ele é o clone perfeito, ele é tão perfeito que não tem como colocar defeito. Eu tinha certeza de que ele seria o favorito do pessoal então aproveitei para caprichar no desenho e na batalha, isso porque essa foi apenas a primeira, e cabe agora ao Aerus derrubar seu oponente antes que seja tarde demais. Ahh, as asas tortas são um erro da produção, eu não consegui arrumar direito kkkkkk Mithril!! É o nome do plástico bolha esquisitão kkk Devo o belo sombreado à Litos, foi ela quem fez esse trabalho espetacular.

    Bem, a questão do Barão. Como você pode ter percebido na batalha, ele é um Pokémon com muita personalidade e força, porém, se compararmos o Barão com os quatro Números na frente dele perceberemos que ele carrega muito mais traços de um clone. A emoção dele é a Decepção, ele tem ódio dos humanos e ainda assim os serve com devoção, e isso revela seus sentimentos ainda confusos e perdidos. O Barão é o único vilão da Grande Criação que terá sua história mostrada no próprio capítulo. Não apenas como um bloco de anotações, mas como uma narrativa. Poderemos ver como ele veio a ser clonado, por que sofreu tanto e por que odeia os humanos. Ele é o Número 6, mas ainda é muito poderoso. É como eu disse cara, não é o número que determinará a fora deles. O barão recebeu essa numeração porque seus sentimentos não foram tão perfeitos quanto dos outros, mas ele é especial cara. É um vilão que chega a nos deixar com pena, que nos faz sofrer e desejar de todo coração que ele não perca. Veremos tudo na hora certa, e podem ter certeza que para o magnífico Barão já trarei uma disputa fantástica.

    E por fim, o fato do Mikau ter se tornado o Gungsliger da equipe. Eu venho trabalhando essa técnica dele desde o Fire Tales 22, e certamente, ele tornou-se o atirador da guilda. O Mikau é o protegido da Litos, e cara, até em mim chegou a subir um arrepio enquanto descrevia a cena sublime em que o Coffey encontrou-se com ele pela primeira vez. Cara, só o fato de dar personalidade para um Pokémon já é incrível, quem não lembrará de um Ryhorn imenso? Imagine só quando ele voltar em Rhyperior, deixo apenas o vislumbre de como será, mas vocês sabem que eu tendo a melhorar meus personagens a cada novo desenho, certo? Ahh cara, eu não preparei nada muito fodástico para meu aniversário, mas receber o comentário e o apoio de vocês já seria um baita de um presente! poxa cara, só de ver que você tinha comentado nesse capítulo eu cheguei a falar em voz alta: Aeee mano, a galera tá de volta!! Ainda faltam alguns para completar a equipe dinâmica de comentaristas, mas sempre que vejo algumas carinhas novas e até mesmo o pessoal que comenta pouco mas com muita intonação já fico agradecido.

    A postagem dos aniversários cara, foi muito comédia ver todo mundo participando! Oxi, aniversário não é dia de descansar não, semana que vem tem CAPÍTULO! CAPÍTULOOO!! E adivinhem QUEM está chegando? Na realidade a próxima batalha contará com alguns guerreiros estranhos, praticamente esquecidos, mas pela primeira vez esses simples e bobos Pokémons terão a sua chance de brilhar. Sabem de quem estou falando, não sabem? kkkkkkkkk Valeu pelos comentários aí galera, olha só, se vocês vão me dando corda eu vou falando e falando sem parar! Loks, acho que não vai dar para quebrar nosso recorde de incríveis 759 visitas num único dia, mas podemos quebrar um recorde de... felicidade? kkkkk Não se esqueçam que eu tenho a "Parte do Leitor" no site, então quem desejar mandar qualquer coisa o e-mail fica online 12 horas por dia. As outras 12 são para um bom sonhinho kkkkkkkk (Cruzes, é brincadeira, eu não durmo feito um Snorlax, não!) Eu estarei feliz de qualquer maneira, pois toda sexta feira sei que posso me divertir, e estarei no aguardo da galera aqui no site. O Coffey, o Seth, novos Gijinkas, se tudo der certo fecharemos Outubro com chave de ouro. Abração ae, pessoal!

    ReplyDelete
  12. Eu não prometo o melhor dos comentários, uma vez que eu não consegui resistir à curiosidade e vim ler o capítulo. São tantas coisas que eu gostaria de comentar, desde o capítulo anterior, mas parece que não terei muito tempo para isso.

    Oque me chamou a atenção no capítulo em si, foi a apresentação de personagens tão fantásticos. Inicialmente foi apresentado um pokémon que eu particularmente odeio, por ser considerado um "rei" por muitas pessoas, embora eu ainda ache que ele não tenha tanta moral assim, porém, eu gostei muito desse Dragonite em si, você soube trabalhar perfeitamente com sua personalidade e criou um sábio guerreiro. É incrível saber que você sempre consegue mudar minha opinião, rapaz.

    Ainda na batalha, eu gostei da maneira em que você trabalhou com a dupla de líderes. Embora o Fua não seja um exímio guerreiro, ele é o melhor suporte para o capitão draconico. Oh, finalmente voltamos a falar do Earthquake... Será que essa técnica continuará atormentando o Aerus? Uma das maiores lembranças da Tih, decepcionando tanto assim? Oh exuberante Tih, aonde você está? Será que eu sou o único bobão que sente tanto a sua falta?

    COFFEY! Seria esse grandão o destinado a ocupar o lugar da bela Tih? Sim, essa foi minha primeira pergunta ao descobrir que esse cara tratava-se de um Rhyhorn. Na verdade eu pensava que fosse um Rhydon, *risos*. É claro que não, a bela Titania será eterna e ninguém será capaz de substitui-la, mas nem por isso, esse gigante pokémon não será bem vindo na equipe, muito pelo contrário, eu, um dos maiores fãs da belíssima serpente, faço questão de acolher esse pokémon que em apenas um capítulo, fez com que eu me lembrasse de tantas coisas.

    Ainda lembro da primeira vez que assisti o filme "A espera de um milagre". Cara, eu tinha aproximadamente uns dez anos, era novinho de tudo. Era uma noite chuvosa, assisti o fantástico filme em um desses canais manipuladores a qual prefiro não citar nomes. Mano, eu cheguei a chorar, pois aquele havia sido um dos melhores filmes em que eu ja tinha assistido. Ver aquela montanha coberta de ingenuidade interagindo com o pequeno ratinho, fazendo tantas bondades, era de mais. Criar um personagem em homenagem à outro, foi um dos seus melhores atos, uma vez que esse tornou-se uma recordação para os fãs do ator. Hoje, após ler esse capítulo, eu posso sim dizer que esse carinha só não ocupa o lugar da Tih no meu coração, porque ele não tem peitos, *risos*, mas ele é sim um dos meus favoritos. Valeu a pena esperar cada dia, cada mês por esse incrível personagem.

    Parabéns, Canas!

    See ya!

    ReplyDelete
  13. Canas, vc realmente não tem medo de morrer não??? Parar a luta do Aerus num momento crítico desse, e parece q eu estava errado no meu enigma mesmo, pensei q era um magnemite ou magneton, não apostaria no magnezone pois acho q a evolução chegaria com o tempo, avalie bem o enigma, o terceiro verso "sem tocar o chão ele abala os ventos" qria dizer sobre o fato do magnemite (ou magneton) levitar e a parte "ele abala os ventos" faz uma ligação ao fato dos voadores serem associados ao vento (pelo menos pra mim) e o tipo elétrico é forte contra esse tipo. Mas pelo jeito vai ser o Rhyhorn mesmo xD

    ReplyDelete
  14. Cara, fiquei incrivelmente feliz quando li este capítulo. Meu pokémon favorito desde a primeira geração é minha Dragonite e do meu irmão gêmeo é o Rhyperior. Tenho ambos no nível máximo no meu jogo. Não acho que tenha sido o capítulo mais emocionante, mas foi com certeza meu capítulo favorito das Aventuras em sinnoh.
    Abraços!

    ReplyDelete
  15. Mother of God, aquele Seth parecia ser indestrutivel, parece que o Earthquake do Aerus nem fez cócegas no Seth. O Rhyhorn e forma de gijinka me lembra aqueels golems (mitologia judaica) enormes, são muitas duvidas que tenho sobre os próximso cápiutlos, espero novidades. Meus parabéns por este cápitulo Canas

    ReplyDelete
  16. outro capitulo memoravel,pro gabite superar essa muralha que e o dragonite ele tera que se superar COM ALGUM GOLPE NOVO,FORÇA DE VONTADE ou...
    EVOLUIR.

    ReplyDelete
  17. Canas, como sempre você faz capítulos magníficos! Bom, pelo título que li para o capítulo 56 na página de capítulos, pode ser que as coisas agora se acalmem, certo? Mas ainda prevejo muita pancadaria nesse arco, que com certeza vai encerrar a Saga Diamante em alta!

    O mistério por trás do Seth e do Coffey... Quem serão eles de verdade? Cada um parece ter sua própria história, uma vez que, ao contrário dos outros frutos da Grande Criação, não são seres dominados pela loucura e pela insanidade maligna de assassinos. O Seth parece ter a sabedoria e a capacidade de distinção do bem e do mal, enquanto o Coffey, mesmo com seu poder colossal, tem sentimentos e procura o fim de uma vida angustiada.

    Parabéns pelo capítulo, cara. Espero que você ainda traga muito mais para podermos nos ver por aqui de novo!

    ReplyDelete
  18. Olá, Canas! Resolvi comentar mais fielmente -q Você merece, afinal é um grande escritor e um amor de pessoa.
    Começando, finalmente os líderes das equipes apareceram! Watt, seu fofo! *-* E como sempre, me divirto muito com o jeito aventureiro do Aerus. Ele é o cara! kk' Ooh, quem diria que o número 10 dA Grande Criação seria um Dragonite? Seth!! Adoro esse nome *__*' Que linda a gijinka dele, ficou impressionante, Canas! Eu acreditei que ele seria um aliado nisso tudo, que droga, parce que me enganei. É, como dizem, as aparências enganam (e as personalidades também). Não creio, o Aerus conseguiu usar o Earthquake finalmente! ...é, mas teve seu momento de glória despedaçado pelo Seth kkk' Tadinho do Aerus, justo quando ele consegue, vem de brinde um epic fail. Nãoo, solte o Watt, Seth!! @.@ Solte, agora mesmo!!~
    Weeeee, Mikauuu!! *___*' Eu queria te ver, meu querido <3 Finalmente, o Mikau apareceu, ao lado da linda Milena. Ti fofos, eles são um casal tão bonitinho e ao mesmo tempo sensual. Estranho, ser bonitinho e sensual ao mesmo tempo (?) Ooh, Coffey! Eu achei que ele era um cara da pesada, um cara totalmente do mal, mas acabo me deparando com um cara enorme, mas inofensivo que nem um gatinho. Ti bunitin, o Coffey parece ser muito fofo (em personalidade! Q). Oown, ele só queria achar a luz, tadinho dele! ;0; Por que te deixaram sozinho com esses Sneasels pra lá de estranhos, Coffey-kun? Não vou mais permitir u.u
    Oown, eu adorei os dois que apareceram dessa vez, mas se o Seth machucar o Watt, eu mesma vou matá-lo u_u
    Até mais, Canas ^^

    ReplyDelete
  19. Olá, Kohai! Puxa, então isso quer dizer que ganharei uma leitora fiel nos comentários? E uma mulher ainda por cima?? Por Arceus, pensei que todas as moças tivessem desaparecido do mundo me largando aqui com esse bando de macho! kkkkkkk Brincadeira galera, adoro o comentário de todos, mas nosso dever como cavalheiros é dar as boas vindas e cortesias à nossas damas kk Admito muitas vezes sentir falta da visão de mulheres, acabo tendo de criar minhas histórias somente para um público masculino, mas quando sei que as mulheres estão surgindo posso começar a pensar em caminhos diferentes e expandir nossos caminhos.

    Isso é bom, tenho visto seus comentários e por viver ao lado de tantas mulheres na família sei bem que tipo de personagem, gênero e cenas elas pedem. Sou um escritor, minha obrigação é adequar-se à todos e, sinceramente, creio que eu não tenha preconceito com nenhum gênero. Vendo você comentar tanto do Watt e do Seth tenho a ligeira impressão de que você irá amar a próxima batalha deles querida, então esteja ligada, porque tive ajuda da Leeca para bolar tudo e tenho certeza que as moças irão adorar! (:

    E devo dizer uma coisa minha jovem, vê-la chamar esse Rhyhorn assustador de Coffey-kun me fez sibilar um sorriso, isso prova que meus personagens por mais estranhos que sejam podem conquistar as moças, e isso para mim é uma meta cumprida! Bem, bem, no Capítulo 58 teremos a continuação dessas duas partes, então tenho certeza que você gostará da loucura do Mikau e da fofura do Watt. Muito obrigado por ter comentado aqui ultimamente, admito que os leitores em Novembro são bem raros, e com os comentários em baixa esse seu apoio serviu como uma fonte de inspiração! Um grande beijo, até mais! ;)

    ReplyDelete
  20. A Verdadeira Força
    Opa, outro esboço que eu lembro *-* Velho... Esse Seth é fantástico! Ele não é como os outros clones (não os desmerecendo, porque todos merecem meu respeito) que sai destruindo tudo e todos, ele é desafiador, sério, e extremamente habilidoso. Um verdadeiro líder, pois acho que seria difícil acreditar em um líder que sai por aí chutando o balde. Enfim, quando as provocações começaram foi como se aquela tranquilidade começasse a acabar. Os dois estavam tão amigos e depois... Vish cara, quando o Seth pegou o Watt foi como se levássemos um susto, porque ele até então parecia tão prestativo... Mas afinal, se fossem todos amiguinhos não teríamos batalhas tão fodas quanto as que estamos vendo agora, não é? O que será que vem em seguida? Mal posso esperar pra ver a continuação!

    O Labirinto da Besta
    COFFEY! OMG minhas espectativas estavam certas, era um Rhyhorn! Uma coisa que tenho que dizer que você é mestre, seria que você consegue nos dar uma ideia de tremenda "fodisse". Por exemplo: O Duskull é um dos mais fodas, um verdadeiro general... E está apenas em sua primeira forma. Imagina o cara na última evolução! O.O' Mesma coisa para o Vista, ele era ainda mais foda na primeira forma, quando evoluiu ficou matador, e imagina como Metagross! E agora o Coffey gigante, imagina esse maluco como Rhyperior. º______º ~le medo. Esqueci de te dizer, mas há algumas semanas eu assisti "À espera de um Milagre", e agora que esse personagem apareceu é como realmente ver o ator fazendo um segundo papel. A personalidade dos membros dA Grande Criação são algumas das melhores sacadas suas. Veja só, o Coffey é um cara capaz de botar medo em qualquer um, mas é totalmente inocente e até ingênuo as vezes. Isso é muito criativo, não dá aquela ideia de que todos os clones são maus e com personalidade igual. A diversidade está mandando! Boras para o próximo capítulo! (:

    ReplyDelete
  21. Canas, que capítulo show!
    Bem, decidi que farei como o pessoal e comentarei por partes, se não acaba virando uma mistureba indecifrável... KKKKKKKKKK'

    Seth vs Aerus e Watt

    Caraca mano, quer dizer que o número 10 da Grande Criação é um Dragonite? E ele é o clone de uma lenda no mundo dos dragões! Que foda mano. Lembro daquelas primeiras sombras que tu publicou num capítulo e eu via a do Seth e pensava: é um Pidgeot, só pode. E veio algo melhor do que pensei! Os dois líderes da equipe dos protagonistas vão passar por apuros agora, e é bom que estejam preparados. Sinto que finalmente o Aerus vai mostrar sua verdadeira força draconica. Diante de uma situação como essa a coisa vai ficar feia. Watt mostre para o Seth quem manda aqui e use sua força para honrar os Pokémons elétricos! Acredito em você! E cara, o Seth não é só um vilão foda, ele tem uma moral. Não é daqueles que chega batendo e pronto. Adorei ele!

    O grande Colossus

    Cara, sinceramente, o Mikau tá me dando nojo. Manolo, o que houve com esse cara? Eu sabia que ele tava ficando arrogante, mas a ponto de agir desse modo? Tipo, tá merecendo perder a Milena para sempre e aprender a dar valor em quem realmente se importa com ele. Para mim, a sala mais interessante dos setores até agora foi a do Coffey e da Eleanor. E cara, esse Coffey é bem misterioso né? Será que é mesmo um clone? E essa frase "homem morto caminhando"? Quantos misterios em um só personagem mano. E aliás, um grandalhão que pode arrebentar geral que tem medo do escuro foi demais! Épico demais! Canas, você sempre faz alguma coisa foda. E será mesmo que o grandalhão com alma de criança poderá se juntar ao grupo? Tomara que sim, e tomara que ele fique com a Milena! Sim, isso mermo, to revoltado com o Mikau baka! Ò_Ó

    Canas, parabéns por mais um ótimo capítulo. Agora vamos ver que emoções me esperam. Ja nee

    ReplyDelete
  22. Você é foda hein Canas... quando eu li a ultima linha deste capitulo eu simplesmente larguei as minhas anotações e o “livro” e suspirei fundo... Fui no banheiro aliviei um pouco a minha bexiga e fiquei pensando... Que foda!
    Após um tempo... aki estou eu... perdido nas palavras... sem reação e sem saber o que escrever.
    Fico passando a mão no meu cabelo e bagunçando ele... Minha mãe até já falou que estou com cara de louco... mas logo em seguida veio um comentário dela que eu preciso transcrever “a historia ta boa né filho” “este cara é foda mãe” ... “olha a boca moleque”
    Kkkkkkk
    Mas comecemos meu verdadeiro comentário
    A VERDADEIRA FORÇA – SETOR 1
    O mais forte dos guerreiros... Seth. Fui com a cara deste dragão. O fato histórico que contorna sua pessoa me fascina, imagino que ele é uma lenda viva e o mais forte dos dragões me deixou bem empolgado, e nem passa pela minha cabeça como o Gabite irá derrotá-lo (se o derrotar)
    Uma simples característica que foi mencionada “a juventude eterna” me deixou emocionado, imagina as possíveis historias que este guerreiro já viveu.
    A luta entre Seth e Aerus foi surpreendente e me deixou sem fôlego...
    Não consigo ver maldade nele, e a luta não foi tensa como a do General ou do Karl, e principalmente do Beliel.
    Percebi nesta primeira parte que houve muita ação e surpresas, mas acredito que algo muito melhor está para vir no decorrer dessas páginas, porem algo que me chamou a atenção foi a situação que o Gabite se encontra agora
    “Utilize o earthquake. Se você não conseguir, ele morre”
    Perfeito

    ReplyDelete
  23. O LABIRINRO DA BESTA – SETOR 3
    Foi esta parte do capitulo que me deixou sem reação... e graças a ela que eu não tive uma idéia muito organizadas para dar inicio ao meu comentário.
    Desculpa Gabite e Pachirisu, mas eu prefiro o Mikau... e para melhorar com o Coffey, mas é melhor eu conter minha ansiedade e organizar as idéias. Seremos redundantes... comecemos pelo inicio... Uma palavra que foi utilizada... simples... mas que fez completa diferença “arrastado até o aposento sem retorno”
    Esta frase teve um encaixe perfeito, e eu senti um arrepio ao imaginar o local que adentraram. Todo o setor 3 foi excelente.
    A excitação que o Mikau sentiu frente a malicia e o mal da sala foi excelente. E uma frase que eu estremeci ao ler foi “Homem morto caminhando” “deadman Walking”.Finalmente... depois de meses de espera, cá estou eu, de frente com uma das coisas que mais me deixaram curioso e animado. Coffey.
    O modo peculiar e simples dele falar, junto com seus atos faz com que apareça em minha mente a imagem de Duncan atuando no “Green Mile”... “ Deadman walking”...
    Cara eu estou maravilhado.. como um personagem pode me intrigar tanto?
    Quando você falou que iria colocar o Coffey na sua história eu cheguei a pensar...”como ele vai traduzir as frases do inglês... e como ele vai relatar a ignorância e a simplicidade do personagem?”
    Mas cara, você me deixou de queixo caído.
    As palavras que você utilizou para falar sobre os sentimentos dele, e a busca insaciável dele pela luz me deu um aperto no peito... meu amigo perdemos um grande astro, que por sinal você está traduzindo muito bem.
    Nesta pequena aparição do Coffey já fiquei impressionado e eu tenho certeza que o decorrer da historia não vai tirar o brilho dos meus olhos.
    Falemos do Mikau, que após tanta maldade, continua quebrando paradigmas
    “Dois disparos, dois acertos...” simples.... perfeito.
    Uma cena que achei perfeita foi a do Hydro Pump. A movimentação dos braços, e o ataque saindo junto com a movimentação da boca para proferir o ataque me fizeram gritar “que foda” ( o capitulo inteiro era eu gritando e minha mãe só me xingando kkkkkkk)
    Outro detalhe que não posso deixar passar em branco foi a parte que o Miaku apontou para a cabeça da Milena
    Analisando as palavras que foram utilizadas e o ato do rapaz, eu presumo que ele não atirou por pouco. Pois assim mesmo como você disse, o Mikau é misterioso e vulgar e a Milena tem em mãos um bandido, um mercenário que pode perder o controle.
    Canas!! Parabéns, você não esta deixando nada a desejar.
    Na minha opinião o Mikau e Coffey brilharam.
    Flw

    ReplyDelete

- Copyright © 2011-2017 Aventuras em Sinnoh - Escrito por Canas Ominous (Nícolas) - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -