Posted by : CanasOminous Jan 18, 2013


Tudo vai ficar bem, não há mal algum em visitar o Distortion World para aqueles de coração bom. É um lugar onde os conflitos de sua mente se evidenciam, ou seja, uma mente pacífica gerará apenas pensamentos pacíficos. Por conta disso os fortes não têm o que temer. O que é bom torna-se melhor, e o que é ruim torna-se ainda pior.”

Lukas mantinha em mente as palavras que Palkia dissera, portanto, aguardava pacientemente o retorno de seu irmão daquele universo paralelo, mas já fazia horas desde que eles estavam naquela situação e seu retorno parecia nunca chegar. Os Galactics já tinham se dispersado, e o que restara do suntuoso Spear Pillar eram colunas e monumentos destruídos retratando o fim de uma terrível batalha que quase custara a existência da humanidade.
Marshall permanecia apoiada em um dos imensos pilares caídos, Glenn ainda revirava os destroços à procura de sobreviventes enquanto todos os outros permaneciam em silêncio. Dawn estava mais apreensiva do que o normal, Cynthia estava ao seu lado pois não poderia perder a chance de conversar com alguém que visitou o Mundo Inverso e retornou, com ou sem vida. De fato ela ainda não acreditava que aquilo era possível, mas as últimas horas haviam provado tantas coisas que sua mente trabalhava num turbilhão de ideias sobre assuntos que ela jamais imaginou poder levar em seus próximos livros. Quando retornasse para a Liga, Cynthia teria muitas histórias para escrever e contar.
— Querido, acha mesmo que nosso filho está bem? — perguntou Melyssa do outro lado.
Walter passava a mão em seus olhos, aquele sinal demonstrava claramente que ele estava preocupado ou apreensivo com algo. Lukas continuava de pé sobre o triângulo equilátero onde fora feita a oferenda, e agora apenas aguardava a abertura daquele portal negro para receber seu irmão de volta. Ele tinha de acreditar que Luke estava bem, Paula dissera aquilo, então ele tinha de acreditar.
— Por favor, por favor. — rogava enquanto segurava o colar perolado em seu pescoço.
De repente, um turbilhão barulhento soou e o vento soprou com mais intensidade. Dawn levantou-se imediatamente correndo para onde Lukas estava, e juntos eles aguardaram o retorno do último componente de sua trindade. Luke em breve estaria de volta, quanto tempo fazia que eles não tinham um momento juntos? A garota desejava abraçá-lo, beijá-lo, e simplesmente amá-lo mais do que nunca. Não suportaria a sensação de perder um de seus amigos mais uma vez, tudo que acontecera nos últimos dias já a fizera sofrer demais e ela tinha esperanças de que a tormenta havia passado. Não havia mais o que temer.
— Ele está aqui, ele voltou! — anunciou a menina.
Chegava a ser uma situação cômica, parecia que todos estavam ansiosos pela volta de um ente querido num aeroporto, quando na verdade Luke praticamente retornava com vida de um inferno inacessível até então. O jovem teria muitas histórias para contar, toda sua família desejava revê-lo da mesma maneira que Cynthia adoraria ouvir mais sobre tudo que ele vira. Melyssa chamou a atenção de seu marido, e somente então Walter levantou-se para aproximar-se do portal. Seu filho estava para retornar triunfalmente.
Houve um passo, seguindo de um caminhar lento e pesado. Assim que Luke colocou os dois pés para fora o portal desapareceu não dando chances para que ninguém sequer pensasse em se aproximar. Tudo acontecera tão rápido que foi como se o garoto sempre estivesse ali. Lukas esboçou um sorriso e descansou os ombros, finalmente poderia relaxar. Desejou abraçar seu irmão e vê-lo sorrir daquela maneira que ele tanto adorava, dizendo sua frase mais marcante:
Acabei com ele.
Mas não foi isso que aconteceu.
Luke estava sério, sério até demais. Tinha algumas marcas singelas de rugas em sua testa, e suas sobrancelhas demonstravam claramente que ele estava irritado com algo. O rosto estava baixo, a boca arqueada de forma indignada e os olhos exalavam um constrangimento anormal. Dawn hesitou ao correr em sua direção, mas não se conteve. Ao abraçá-lo Luke não respondeu, apenas ergueu o rosto e encarou todos de cima para baixo como se tivesse direito sobre qualquer um ali presente.
Algo estava muito errado, mas poucos foram os que perceberam.
— Luke, Luke, Luke! — repetia Dawn incansavelmente. — Você voltou, mal posso acreditar!!
— Eu nunca fui embora. — respondeu ele de forma seca, o que teria feito a garota rir se sua voz não soasse tão ameaçadora. O garoto virou-se para os lados à procura de algo, ou alguém. — Vocês já terminaram as coisas por aqui? Que pena, eu perdi a parte mais emocionante.
— Aee, pivete! Merece um troféu por esse feito hein, foi para o fim do mundo e voltou com vida! Esse é o meu garoto. — brincou Glenn.
Luke olhou atentamente para cada um ali presente. Ele não sabia que sua família estaria lá, e surpreendeu-se ao notar que até mesmo a atual campeã estava presente. Pelo visto, ele realmente tinha perdido muita coisa. Desviou seu olhar para Walter e por um momento os dois se encararam, mas nenhum deles sorriu. Lukas imediatamente notou aquilo, imaginou que a primeira reação do irmão fosse correr e abraçar o homem que fora seu herói durante toda a infância, mas no interior do garoto uma sensação diferente predominava. Ele havia prometido que só voltaria a ver seu pai quando fosse o maior treinador do mundo, e por um instante quis imaginar se havia chegado àquele nível.
Foi interrompido quando Dawn deu-lhe um beijo na bochecha.
— Nós sentimos saudade.
E ele se manteve quieto. Lukas observou cada ato de seu irmão com desconfiança.
— Luke, você está bem?
— Eu não poderia estar melhor. — respondeu de forma arrogante.
A maneira súbita como a resposta fora dada lembrou Lukas daquele jovem impiedoso que conhecera em Hearthome, chamado Lúcio. Lembrou-se de quando seu irmão o protegera da desonra, quando o derrotou com apenas dois Pokémons somente para acabar com a arrogância e estupidez daquele rapaz. Naquele instante, Luke pareceu ainda pior do que ele. Imediatamente Lukas afastou o pensamento de sua mente e correu para tentar conciliar-se com o moreno.
Nem parecia que ambos haviam se encontrado pela última vez num ritual de oferenda que quase custara suas vidas.
— O que pensou que ia fazer quando entrou no Distortion World? Eu pensei que eu iria te perder, nunca mais faça uma coisa dessas comigo... — disse Lukas de maneira gentil.
— Fui me vingar daquele Cyrus. — assentiu Luke.
— Vingança não é um sentimento que cultivamos em nossa família, meu jovem. — afirmou Marshall com os braços cruzados, um pouco cauteloso quanto aos atos do jovem nos últimos minutos. — O que fez com Cyrus?
— Ele caiu. — respondeu Luke, deixando aquele assunto morrer naquele instante. — Sabe, eu preciso de um descanso, não quero ficar para conversar. Agora, se vocês me derem licença...
O moreno afastou seu irmão e Dawn de sua frente, mas quando tentou ir mais além deparou-se com o paletó preto de seu pai, adornado com a gravata vermelha e um pouco sujo pelo pó da batalha há pouco travada. Apesar dos estranhos atos, Walter sorriu e demonstrou compaixão para seu filho abrindo os braços de forma paternal. As rugas demonstravam que ele era um homem que sorria muito, e o cavanhaque o deixava com uma aparência charmosa e simpática. Ao vê-lo, Luke imediatamente parou.
— Não vai me cumprimentar? — perguntou o velho homem.
Os olhos de Luke rodaram como daqueles jovens aborrecentes que são obrigados a passarem vergonha na frente dos pais. Luke nunca agira daquela maneira na infância, mas estranhamente o tempo parecia tê-lo mudado. Melyssa abraçou-o, mas Luke não demonstrou muito afeto. Sua mãe incomodou-se um pouco com aquilo ao repetir a pergunta de seu marido.
— Luke, tem certeza de que está passando bem?
— Eu já disse que sim, mãe. Vocês querem parar de tentar cuidar da minha vida? — respondeu de maneira rude e controversa.
Melyssa espantou-se de tal maneira que não conseguiu sentir raiva. Sentiu apenas... decepção. Educara seus filhos como verdadeiros reis, nenhum deles lhes levantara a voz uma única vez. A mulher afastou-se de forma encabulada e Walter tomou frente.
— O que disse? — perguntou o homem com certa tranquilidade e uma paciência divinal. Ele havia dado uma segunda chance para o garoto que desperdiçou-a da mesma maneira.
— Você ouviu bem. — ameaçou Luke.
A mão de Marshall involuntariamente foi até seu rosto, ele não podia acreditar que aquilo estava acontecendo. Glenn tirou seus óculos num ato raro demonstrando surpresa, e até mesmo seu irmão pareceu perplexo. Fazia muito tempo desde que Luke vira seu pai pela última vez, e agora, quando se reencontravam, era para discutir. Lukas correu em direção do irmão e o puxou num ato apreensivo.
— O que pensa que está fazendo, Luke? Ele é o nosso pai!
— Eu sei que é, mas eu também exijo respeito. Ele pode ter sido o campeão no passado, mas perdeu. Hoje eu estou bem próximo de me tornar um, e quero que me tratem da mesma forma.
Cynthia sentiu-se incomodada com aquilo, e não gostou muito da primeira impressão que aquele futuro desafiante lhe causara. Os olhos de Dawn se arregalaram, e as palavras de sua boca saíram de forma involuntária.
— Essa não, ela voltou.
A Megalomania, penso a garota. Há muito tempo aquela doença dava indícios de que tinha desaparecido, mas dessa vez retornava mais forte do que nunca. Luke já começara uma discussão com Lukas e seu pai esfregava uma das mãos em seus olhos demonstrando que sua paciência chegava aos limites. Dawn ajoelhou-se no chão. Como poderia ter deixado aquilo acontecer?
— Pare de ser egocêntrico, está ouvindo o que você mesmo está dizendo? O que aconteceu com você, meu irmão? Estávamos tão bem há poucas horas atrás!
— Esses dias ficaram no passado, eu acordei para a realidade. Vi e aprendi coisas que demorei muito tempo em despertar, mas agora sei qual caminho devo trilhar. Vou conseguir a droga dessas oito insígnias, entrar na Liga e virar o novo campeão, não preciso ficar perdendo tempo com vocês.
Lukas soltou o braço de seu irmão e finalmente percebeu o que havia acontecido. A doença, só podia ser ela. Paula dissera que o Distortion World não era nada para uma mente forte, porém, o que era ruim tornava-se ainda pior. Agora o estado de loucura de Luke chegava em seu nível mais poderoso. Melyssa também notou aquilo, de fato, todos notaram. Sua família conhecia a doença hereditária, mas davam graças à Arceus que nada havia acontecido com Lukas. Mas ainda assim, Luke não fora tão afortunado. Melyssa tapou sua boca em sinal de desapontamento enquanto Glenn assistia a cena revoltado.
— Meu filho, — disse Walter de forma severa, mas acolhedora — você não encontrou a paz interior. A megalomania se manifesta de modos terríveis. Você é arrogante excessivamente confiante. Carece de autocontrole e prudência.
— O que quer dizer com isso, velho? Está insinuando que sou doente?
Glenn teria morrido de rir na primeira vez que Luke chamasse seu pai de “velho”, mas naquele instante o apelido não soou tão amigável. Walter soltou um suspiro e ajeitou o paletó.
— Então você acha que é o todo poderoso?
— Eu tenho o direito. Nunca perdi, nunca fui derrotado. Quem vai me impedir?
— Então eu te desafio para uma batalha.
Luke olhou atentamente para os olhos de seu pai e sabia que ele não estava brincando. Há quanto tempo o ex-campeão não desafiava alguém por conta própria? Talvez fosse a primeira vez. Os treinadores iam até ele, mas nunca antes aquele homem se encontrara na posição de desafiar alguém com tamanha convicção. Melyssa segurou no braço de seu marido, mas Walter respondeu num gesto de carinho e compreensão. Ele tinha a situação sobre controle. Luke esticou as mãos para os alto e riu de maneira debochada:
— Qual é, acha mesmo que pode me derrotar em meu auge? Você está velho, pai, está enferrujado. Já não é capaz de batalhar como antigamente.
— Serei obrigado a dar-te uma lição, filho.
Lukas não acreditou que aquilo estava acontecendo. Até mesmo Glenn e Marshall saíram de suas posições para ir até onde Walter estava. O rapper tocou no ombro do amigo e ponderou sobre aquela situação.
— Waltão, ele está confuso, é a doença, não sabe o que diz. Não precisa se esforçar cara, deixe que eu dou um jeito nele.
— Não, Glenn. — respondeu o homem com um aceno gentil de sua cabeça. — Esta é uma lição que, como pai, apenas eu posso dar.
Glenn confirmou com a cabeça, e logo os dois se afastaram deixando Walter a sós com seu filho. Os monumentos destruídos formavam um belíssimo campo de batalha, digno de um confronto final. Pela primeira vez Luke retirava o blusão, suava pela testa e ofegava de excitação ao saber que pela primeira vez poderia testar seu pai e tirar a prova sua força. Do outro lado, Walter mantinha-se sério e paciente. Arrumava a gravata e transmitia a pose experiente, como se provocasse seu adversário por tamanha concentração.
— Saiba que tudo que você deixa são suas memórias e escolhas. No fim do jogo o rei e o peão vão para a mesma caixa. — disse Walter.
— Ao menos espero ter meus momentos de glória enquanto o jogo durar.
Walter esticou o braço e apontou em direção de Luke. O garoto ergueu a fronte e estranhou o gesto familiar ao ver que seu pai indicava o número “dois” com os dedos. Sentiu que já havia visto aquilo em algum lugar, mas sua mente estava conturbada demais para lembrar quando.
— Dois. Com dois Pokémons eu vou te dar uma lição.
Luke cerrou os punhos e gritou de raiva. Sua voz soou enraivecida e descontrolada, era como se outra pessoa assumisse sua posição. Sacou uma das pokébolas do bolso e não esperou para comandar seu primeiro integrante. Derrotá-lo com apenas dois Pokémons? Derrubar Aerus, o Garchomp que enfrentara o lendário Seth na Ilha de Ferro? Mikau, que foi até o inferno e voltou com vida? Vista, o espectro mecânico das sombras? Não, era impossível. Seu ego não deixou-lhe acreditar naquilo. Ele era invencível.
Seu grito ainda ecoava no topo da montanha quando Coffey foi lançado em combate. Ali estava o gigantesco Rhyhorn, uma figura grotesca e imensa diante de um simples humano tomado pela idade. Luke esboçou um sorriso, mas Walter manteve a calma. Ao lançar sua primeira pokébola o homem revelou um Gengar, uma das principais integrantes de sua equipe. A criatura entrava no campo de batalha com um sorriso malicioso e infame.
— Esta é Luna, ela esteve ao meu lado por muito tempo, e desde então têm se mostrado minha amiga. Ela já foi como você, sedenta por vitória, rancorosa e gananciosa; mas aprendeu a abaixar a cabeça e ouvir os conselhos mais experientes.
Lukas observava aquela batalha, desejando que ela nunca tivesse existido.
Ao piscar notou que algo acontecia. De frente a Luke estava um homem negro com correntes em suas mãos e calcanhares. Tinha braços muito definidos e seus músculos pareciam saltar para fora. Do outro, estava uma moça com um olhar macabro e uma risada cínica em seu rosto. Vestia roupas apertadas e um blusão preto, tinha chifres saindo de seus cabelos roxos e tatuagens de rituais em volta de todo o corpo.
Era assim que Lukas começara a ver Pokémons nos últimos tempos. Desde que conhecera Paula ele sentia que podia comunicar-se com eles, sentia que podia ouvi-los e entendê-los como algo além de instrumentos de batalha. Luke queria usá-los como armas, mas ele sabia que Walter não os via da mesma coisa. Para seu velho pai eram tratados como verdadeiros Guerreiros.
— Vai assumir o primeiro golpe, velhote?
— Eu lhe dou as honras, iniciante.
Luke pôde sentir uma veia saltar em sua testa e imediatamente ordenou que Coffey mergulhasse contra a Gengar indefesa. O gigante correu, correu e correu. O chão tremia. As montanhas teriam abrido espaço para o titã de pedra domado pelo sentimento de luta. Cada vez ganhava mais velocidade, quando levantou seu braço na direção de Luna seus olhos ainda exalavam uma certa tristeza em fazer aquilo. Lukas via isso claramente.
— Me desculpa, moça. São ordens do chefe. — disse Coffey.
Coffey mergulhou um soco como um martelo em direção da bigorna de aço,acertando-a com seu golpe mais destrutivo, o Mega Horn. Porém, era possível ver que a Gengar defendia-se com um único dedo. Um único dedo fora o suficiente para impedir o colosso de enterrá-la na tela. Walter daria a sua primeira lição.
— Você obriga seus Pokémons a cumprirem o que você deseja contra suas vontades. Eles pagam seus pecados por sua culpa, eles sofrem por sua casa.
Luna esticou a mão direita que tinha uma estrela tatuada, e ao encostar no abdômen de Coffey uma explosão foi inserida em seu interior. O imenso Rhyhorn levitou no ar como se fosse uma pena, lançado como um foguete para longe até cair exatamente de frente a Luke que encarou a derrota de sua montanha com um único polegar. Terra e pedras foram espalhadas para todos os lados, e uma cratera ficou estampada no chão onde o gigante caíra. Coffey estava completamente inconsciente, seus olhos estavam brancos e no peitoral ele tinha uma grave ferida que sangrava muito. Um de seus enormes braços pareciam ter sido massacrados pelos poderes de Luna. A primeira casa havia falhado.
— Então você quer um jogo de poderes? — indagou o garoto, sério. — Dessa vez está na hora de jogar pra valer.
Luke lançou a pokébola seguinte e dessa vez seu Porygon-Z entrou em campo. Lukas viu uma figura inspiradora, era uma linda moça de cabelos curtos e olhos hipnotizantes. Vestia roupas coladas e sua mão carregava um disco de três pontas. Ela era Wiki, a única mulher presente na equipe de Luke e, sem sombra de dúvidas, sua guerreira preferida. Ela era leal aos dizeres de seu mestre, e encarava sua oponente Gengar com determinação.
— Então você é o último desafio que se estende diante de meu querido rumo ao topo? Desculpe-me, mas eu sou a única mulher que pode se vestir dessa maneira na frente dele. — disse Wiki para Luna.
Walter agora colocou as mãos no bolso e preparou-se para a segunda lição.
— Você não sabe lidar com tipos, não sabe lidar com a confiança. Você envia sua arma mais forte quando perde o controle, e ignora completamente o que seus Pokémons também sentem. Você só se preocupa consigo próprio.
Luke balançou a cabeça como se lutasse para não ouvir aquelas palavras.
— Chega, chega, chega!! Utilize o Hyper Beam, acabe com ela!!
Sua falha foi dada no instante que Luke pensou que seu golpe mais poderoso não poderia ser impedido. Wiki concentrou suas forças e do fluxo de energia em seu peito um raio luminoso partiu em direção de Luna, mas nada a acertou. Ela era uma fantasma, golpes como aquele não surtiriam efeito, e Walter não precisou ordenar um contra ataque para finalizar aquela partida.
A Gengar esticou a mão para frente e atirou. Um risco foi feito no céu em direção de Wiki, e os olhos da moça trincaram ao sentir algo em seu peito. Um único poder foi desferido contra o busto da garota, acertando exatamente em seu peito onde o fluxo de energia se localizava. Wiki cambaleou e caiu para trás sem pulsações, os olhos amarelados apagaram e a boca semiaberta permaneceu estática. O corpo da guerreira que mais prestigiava estava caído em sua frente, o fluxo rompeu-se e causou um curto circuito na região do coração da guerreira lançando faíscas e um raios para todos os lados. Subitamente, ela parou.
— NÃO!!! — gritou Luke desesperado.
Vista saiu de sua pokébola sem sequer receber ordens. Ele sentia que Wiki fora derrotada, ele sentia que aquele golpe havia sido fatal até mesmo para ela. Lukas viu um espectro muito maior do que um Metang normal, tinha braços enormes e na cabeça carregava uma coroa de ferro radiante por entre um véu negro que lhe ocultava a visão. Um único olho vermelho brilhava em uma fúria indomável. Vista partiu como um torpedo para cima de Luna, e finalmente alguém havia sido capaz de golpeá-la. O soldado mecânico lhe deu um soco tão forte que o rosto de sua oponente foi enterrado na terra e por um momento ela foi obrigada a parar de sorrir. Walter o olhou admirado, aquela havia sido a primeira investida de seu filho. As esperanças de Luke voltavam a correr.
— Acabe com ela!! Destrua-o!! — gritou Luke.
Luna trocava golpes com o imenso ciborgue e defendia-se das garras de aço de Vista. Seus braços eram imensos, e com muita dificuldade a Gengar conseguia manter o controle da disputa. A fantasma utilizou de seus truques para ferir o corpo mecânico de seu oponente com magia negra. Vista nunca tinha recebido golpes obscuros há muito esquecidos pelo tempo e que apenas os mais sábios podiam dominar.
— O aprendizado é conhecimento, e conhecimento é liberdade e poder. — continuou Walter.
Um dos braços de Vista mergulhou como um foguete e Luna desviou, teve um milésimo de segundo para desenhar o estranho símbolo no peito do guerreiro, e de repente, o Cavaleiro Negro parou. Ficou estático na mesma posição que fora deixado, seus braços se soltaram e o corpo caiu para frente, inativo. Luna aproveitou a falha em seus circuitos e golpeou-o de tal maneira que um buraco ficou aberto de um lado ao outro em seu peito. Fios saltaram e uma explosão saiu do corpo do imenso guerreiro conforme sua capa era manchada pelo óleo que escorria anunciando sua inutilização e derrota. Nem mesmo o mais experiente dos combatentes poderiam ter feito melhor. A coroa de ferro rolou até parar de frente a Luke que caiu de joelhos vendo que três de seus Pokémons mais poderosos haviam sido derrotados. Walter continuava a encará-lo de maneira séria.
— Filho, já aprendeu sua lição? Você não precisa ir até o fim, liberte-se daquilo que o incomoda, retorne para nós.
Nunca. — dizia a voz na cabeça de Luke, travando uma batalha interna em meio aos seus pensamentos. — Eles querem tirar a sua glória, eles querem vê-lo cair e jamais seguir os seus sonhos. Eles não passam de um tormento, nenhum deles confia em você. Não desista. Você é invencível.
Luke voltou a levantar-se, mas dessa vez estava mais acabado e confuso. Suor escorria de seu rosto e sua camisa já estava encharcada, parecia que era ele quem lutava no lugar de seus Pokémons. Dessa vez apressou-se em pegar uma pokébola tão aguardada, uma Dusk Ball, e agora era possível dizer que ele lutaria para valer com tudo que lhe restara.
Walter observou seus atos, e percebeu que estava na hora de mudar suas estratégias.
— Luna, retorne por hora.
— Só porque sabe que vou procurar um Pokémon que tenha vantagem contra o seu agora você vai recuar? — provocou Luke.
— Ela não foi derrotada, estou apenas cumprindo o que eu disse e utilizando meus dois Pokémons. Não pense que recuar é fugir, pois o sábio é aquele que evita as perdas, e não quem leva seus soldados rumo à queda iminente.
O próximo guerreiro de Luke teria adorado ouvir aquelas palavras, e assim, um Dusclops entrou em campo. Lukas o reconheceu como um dos grandes, seu nome era General Castelo Branco, e acima de tantas intrigas sua honra superava qualquer barreira.
— Meu senhor, — disse o General com a voz entristecida, voltando-se para seu treinador — como pudemos deixar que você chegasse a esse estado?
Walter sentiu aquilo, sentiu o lamento no coração de seu oponente. O próximo guerreiro escolhido assumira o posto para finalizar a batalha, Marshall e Glenn até chegaram a surpreender-se com a atitude do velho campeão. No campo do conflito surgiu um dragão azulado e de asas tingidas pelo vinho mais puro. Aquele era Ereon, o Salamence, líder reconhecido da maior e mais proeminente guilda da história.
Lukas sentiu que ele compartilhava traços muito semelhantes com seu pai, pareciam ser uma única pessoa. O General Dusclops sentiria-se honrado por tombar diante da espada de um guerreiro tão respeitado. Sim, ele sabia que não havia vitória, sabia desde o começo, e de certo, torcia pela derrota de seu mestre. Aquela doença havia chegado longe demais.
— Ereon, das terras do leste. Senhor dos Dragões. É uma honra encontrá-lo em batalha, embora lamento por estarmos em lados opostos. — disse o General.
— Lados tratam-se de uma mera ilusão dos humanos. Não é preciso estar de um mesmo lado para lutar por mesmos ideais. — respondeu o Salamence.
— Enfrentar-nos-emos em batalha, meu senhor. Foi uma enorme honra conhecê-lo.
O fantasma renegado imediatamente partiu para cima do dragão, e diante dos olhos de Lukas era como se Ereon brandisse uma larga espada e combatesse o General que utilizava de suas próprias mãos. Os dois eram guerreiros fenomenais, porém, Luke tinha a desvantagem de não ter sequer a confiança de seus membros. A voz de seu treinador escapava aos ouvidos do General, e Walter continuava as lições para seu filho negligente .
— Percebe seu erro, Luke? Percebe que você não é invencível? Nunca devemos temer a verdade, mesmo quando ela nos magoa.
Luke gritou novamente, balançando a cabeça enquanto suas mãos tentavam arrancar fosse o que houvesse preso lá dentro. A luta entre Ereon e o General estendia-se, o militar tinha um soco de direita que chegava a fazer uma lâmina tremer sem machucá-lo. Porém, de súbito o dragão enfiou sua espada no peito do militar que arregalou os olhos e cuspiu sangue. Ele já estava debilitado, sofria terrivelmente do veneno aplicado por Atomico e já esperava sua derrota.
— Por favor, faça-o voltar ao normal. É tudo que lhe peço. — rogou o General.
O guerreiro dracônico retirou sua espada e o corpo do homem cambaleou, porém, inesperadamente, Ereon deu apoio para Castelo e lentamente depositou-o no chão de forma digna e notória. Aquela era a quarta lição que Walter passara: Respeito e Honra.
Luke manteve-se em silêncio, vendo que sua situação já era preocupante.
— Pensa que acabou? — disse o garoto com uma risada. — Pensa que vou me dar por vencido? Pensa que vou pedir desculpas?
— É o que espero. — respondeu Walter.
— Bem, então isso não vai acontecer.
Luke preparou seu penúltimo guerreiro, e ali estava Mikau, o atirador. Os dois compartilhavam os mesmos pensamentos, tinham as mesmas atitudes, um não desapontaria o outro. Luke riu de forma eufórica e sinistra quando Mikau entrou em campo, e o atirador imediatamente colocou-se em posição de ataque. Se ele derrotasse Ereon com seus projéteis gélidos seria reconhecido como o guerreiro mais poderoso de todos. Ele provaria que seu oponente não passava de uma lenda sem fundamento.
— Seus atos são tão imprudentes que eles influenciam até mesmo as pessoas ao seu redor. Você carece de autocontrole, filho. Seria preciso perder tudo que já teve para um dia aprender a respeitá-lo. Você precisa cair.
— Eu nunca vou cair!! Mikau, atire, atire nele! AGORA!!
Mikau ergueu o punho e mirou, não no Salamence, mas voluntariamente foi em direção do homem que o comandava. Walter não protestou e percebeu o ato no mesmo instante. Se o atirador havia matado um homem uma vez não seria problema matar de novo. Atirou com tamanha precisão que jamais errava, porém, Ereon atirou-se na frente de seu treinador e o protegeu fielmente. Walter sequer se moveu, não mudou a feição séria em seu rosto. Ali, treinador e Pokémon compartilhavam uma sincronia onde um protegia o outro. Um daria a vida pelo outro.
— Há três regras no Mundo dos Pokémons que não devem ser quebradas, e todos os guerreiros recrutados por um humano devem conhecê-las — disse Ereon. — A primeira é fugir de seu treinador sem que ele o liberte; a segunda é especializar-se em mais de quatro movimentos; e a terceira é ferir um humano voluntariamente. Isso irá lhe custar caro, meu garoto. 
— Garoto? — indagou Mikau com certa arrogância e ironia, sua voz soou ameaçadora. — Eu matei o último homem que me disse isso.
— Palavras corajosas, garoto, mas apenas palavras.
— Então deixe-me colocar as palavras em ação.
Abriu fogo e começou a disparar em sua direção, mas o dragão esquivava-se agilmente de cada projétil, e mesmo que diversos atingissem seu corpo e o perfurassem, ele não parava. O atirador desesperou-se e apressou seus tiros, quando o Salamence estava perto o suficiente Mikau sentiu algo que não sentia desde a infância: Medo. Medo por saber que estava errado o tempo todo, medo por saber que sua hora havia chegado e ele teria de pagar.
Ereon ergueu a espada, e tendo sua capa perfurada pelos tiros de gelo mergulhou a lâmina e cortou o peito de Mikau de uma ponta a outra. O corte fora desferido de tal forma que o a tirador foi lançado para trás cuspindo sangue enquanto o líquido vermelho lhe escorria pela boca. Mikau tentou levantar a cabeça, mas caiu sem ter forças sequer para defender-se. Esperava uma punição pior do que tudo de ruim que ele já fizera para os outros, mas Ereon se conteve. Deixou que ele fosse consumido por sua própria loucura, era ela quem havia sido ferida.
Lukas arregalou os olhos ao ver a cena, e involuntariamente sentiu a pokébola de Milena vibrar. Sua Milotic saiu e imediatamente correu em direção do rapaz caído. Milena olhou para o amante e entrou em desespero por sua situação. Mikau ergueu seu punho e viu sangue manchado nele. Sua voz rouca e debilitada saiu como um lamento.
— Sangue? Eu estou sangrando? Mas os deuses não pode sangrar... Isso não pode estar acontecendo...
— Shh... Fique em silêncio, eu estou aqui. Tudo vai ficar bem. — sussurrou Milena em seu ouvido.
Mikau voltou-se para a mulher e uma lágrima escorreu em seu rosto.
— Mesmo sendo derrotado, humilhado, você me amaria pelo que sou?
— Eu te amaria de qualquer maneira. Este sangramento é o que salvou sua vida, pois ele provou que você tem um coração.
Mikau levou sua mão até o Mystic Water que lhe pendia o pescoço. Estava coberto de sangue, e em seu peito ele agora via uma cicatriz que jamais seria completamente curada. Seus olhos aos poucos foram se fechando, até que ele encostasse o rosto debilitado nas pernas de Milena e admitisse a derrota para seu ego.
Luke tinha apenas um guerreiro em mãos.
— Filho, volte para nós. — rogou Walter com a voz cansada.
 A resposta foi curta e decisiva: Nunca.
Agora estava na hora do duelo final, e Walter viu no bolso de seu filho uma pokébola que lhe era muito familiar. Era a Dusk Ball que ele lhe dera com um pequeno e brincalhão Gible. Estava velha e surrada, devia ter sido tão usada que aquilo poderia ser levado como sinal de orgulho. Luke lançou-a depositando todas as suas esperanças, fazendo com que todos ali presentes contemplassem a magnificência de seu Garchomp.
Aerus era o líder dos Fire Tales, e viu a cena onde cada um de seus amigos estavam caídos, cada um de seus melhores amigos derrotados. Desviou o olhar para seus companheiros perdidos naquela batalha tola e sem significado algum. Ao olhar para frente viu Ereon estender-se com sua majestade, a capa que ocultava suas asas esvoaçavam ao vento e os cabelos azulados do velho assemelhavam-se muito aos dele agora que havia crescido.
— Faz um bom tempo que não nos vemos, velho. — disse Aerus.
— Você cresceu bastante, filho. — continuou Ereon com um sorriso terno de memórias límpidas e inocentes de um passado que parecia ser tão distante.

Flashback On

Ereon caminhava sozinho pelos corredores sinuosos da Wayward Cave. Ele estava à procura de um jovem que pudesse recrutar segundo as intenções de seu Mestre, ele queria um guerreiro que fosse capaz de representar a equipe do filho do lendário campeão. Enquanto caminhava na semi-escuridão da caverna sentiu que alguém o seguia. Ao virar-se para trás viu uma silhueta esconder-se entre as pedras, e de repente, atirar uma pedra em sua direção que caiu no chão de forma simplória ecoando por toda a parte.
Ereon foi até a pequena figura escondida atrás das pedras e puxou-a pelo blusão. Era um garotinho da raça dos Gibles, parecia muito frustrado. O rapaz tentava socá-lo e imediatamente começou a contorcer-se quando foi agarrado. Ereon riu com a cena.
— E o que temos aqui? — sorriu o velho.
— Qual é mano, eu só tava zuando, não vai acabar comigo, vai?
O homem sorriu.
— Estou à procura de guerreiros novatos, gostaria de sair em uma demanda?
— Epa, não sou um novato, sou experiente! O senhor está diante de Aerus, o incrível defensor dessa caverna, o líder absoluto deste lugar, eu sou simplesmente o ícone de minha geração. Vai encarar?
— Hm, desculpe pela intromissão, filho. — brincou Ereon, largando-o no chão. — Poderia me dizer então onde encontro outros de sua raça? Sei que Dragões são ávidos guerreiros e grandes promessas para o futuro quando se empenham. Sou a prova disso.
— Opa, sou a figura mais descolada da parada, estou sempre repleto de uma galera e amigos, as fêmeas nunca me deixam em paz! Mas não vou deixar tu levar nenhum deles não, coroa, vai ter que passar por mim.
Ereon olhou ao seu redor e notou o silêncio absoluto.
— Não tenho tempo para brincar, criança.
— Qual é, tio! Só uma batalha, vai!
— Desculpe, mas estou muito ocupado. Espero vê-lo algum dia, meu jovem. Cuide-se.
Ereon continuou seu caminho pela Wayward Cave e logo notou que tudo andava tranquilo demais. Onde estavam aqueles amigos daquele jovem Gible? Estaria ele falando a verdade? Se fosse um líder nato, seria uma grande ajuda para o início de jornada dos meninos. Logo, Ereon voltou para onde o encontrara da última vez, mas Aerus não estava mais lá.
De repente, sentiu alguém atirar uma pedrinha em sua cabeça.
A pedra logo formou um galo onde acertara sua cabeça.
Ereon virou-se frustrado e puxou o garoto de seu esconderijo.
— Você está encrencado, moleque.
— Foi mal ae tio, só estou procurando diversão!
— Por que não se diverte com seus “amiguinhos”? — insinuou Ereon ao apontar para a escuridão vazia da caverna.
Ereon parou para pensar naquilo, e percebeu que em quase duas horas de busca não encontrara nenhum outro Gible na caverna, era apenas Aerus. Chegou a conclusão de que ele era um jovem solitário, que criava amigos imaginários e imaginava-se saindo em lutas contra criaturas mitológicas. Sonhador. Ah, sim. Sonhador. Ele seria o companheiro perfeito.
— Ei, garoto. Quer sair em uma aventura? — repetiu Ereon com entonação dessa vez.
Era possível ver os olhos de Aerus brilharem numa intensidade nunca antes vista, porém, ele tentou se cuidar e demonstrar a posição de macho alfa que tinha de manter. Estufou o peito e negou de primeira instância.
— Sou uma ajuda muito poderosa para qualquer time, mas tenho uma fraqueza. A luz do sol, se eu pudesse eu já teria saído dessa caverna há muito tempo, sabe como é, qualquer guilda no mundo gostaria de me ter como guerreiro e até mesmo como líder!
Ereon pareceu pensativo com aquilo. Retirou do bolso um par de Blackglasses que levava consigo e entregou-o nas mãos do pequeno Gible que mordeu-o sem querer.
— Que parada é essa, mano? Que muito louco!
— Coloque nos olhos, e você não será afetado pela luz do sol.
Aerus fez conforme ordenado.
— Mas essa parada deixa tudo ainda mais escuro, djow!
— É porque você tem que usar lá fora, garoto. — respondeu Ereon com uma risada. — Por Arceus, será que eu estaria fazendo a escolha certa em levar esse garoto?
— Pode contar comigo pai, vou fazer o que tu precisar.
— Pai? — perguntou o Salamence um pouco surpreso.
O Gible recuou acanhado.
— Putz, foi mal ae, tio. Foi mal mesmo, saiu sem querer. É que faz muito tempo desde que... desde que eu não vejo alguém.
Ereon olhou para o jovem e riu, acenando com as mãos.
— Venha logo, filho. Está na hora de começar sua aventura.

Flashback Off

Ereon riu daquelas lembranças, e certamente estava orgulhoso por encontrar o pequeno guerreiro solitário que recrutara como um renomado líder. Ele estava cercado de amigos, com uma força insuperável, e agora o confrontava no campo de batalha.
— Que ironia do destino, não? — comentou Ereon.
— Pai e filho, cada qual lutando por um ideal. Quem iria imaginar. — assentiu Aerus. — A verdade é que não desejo combatê-lo, essa nunca foi a minha intenção. Respeito-o como ninguém, e o admiro como meu mestre. Que chance eu teria contra aquele que me incentivou a continuar seguindo em frente?
— Admiro que você não tenha sido dominado pela loucura, Aerus, o admiro de verdade. Isso provou que naquele dia em que o recrutei eu fiz a escolha certa.
— Pai... Bem, não sei se ainda posso te chamar assim, mas, poderia me fazer um favor? — indagou Aerus em direção do velho Salamence que assentiu com a cabeça. — Lute comigo, lute como nunca, teste minha força, e me derrote.
Ereon ficou quieto, mas deu apenas um sinal compreensivo. Aerus voltou-se para Luke e o encarou, e diante do estado de frenesi e loucura do menino, seu mais antigo companheiro teve de lhe dar uma lição como todas as outras.
— Vou entrar nessa batalha por você, Luke. Porém, se você não melhorar, eu irei embora para nunca mais voltar.
Luke engoliu seco ao ouvir aquilo vindo de seu Pokémon mais importante, de seu amigo mais antigo. Aerus preparou suas lâminas e partiu para cima de Ereon que golpeou-o com um chute direito. O dragão alado teve tempo de banhar sua espada, e assim deu início à uma intensa luta onde a força e vitalidade de cada um poderia desencadear aquele duelo.
Luke permaneceu em silêncio dessa vez, apenas trocando olhares com seu pai. No campo de batalha Garchomp e Salamence se enfrentavam, e ambos também pareciam ser pai e filho. Seus cabelos eram parecidos, e até as técnicas de batalha eram semelhantes. Era como se eles tivessem treinado juntos a vida inteira.
Um corte foi feito no braço de Aerus com a espada de duas mãos de Ereon, o homem a ergueu, mas Aerus foi mais rápido a ponto de cortar sua capa e revelar as magníficas asas que ficavam ocultadas pelos panos desgastados. Os dois continuaram os golpes, não desferiam ataques especiais e provavam apenas suas habilidades frente a frente, como soldados da linha de ataque.
— Você está ficando velho, tio. — brincou Aerus.
— Que falta de respeito, moleque. Vou lhe ensinar a sentar e aprender com os mais experientes. Enfrente-me, se puder. — respondeu o Salamence num ar paternal.
Ereon derrubou-o no chão com uma rasteira, e assim que Aerus caiu a espada mergulhou em sua direção e foi bloqueada por pouco com as lâminas que carregava em seus braços. O Garchomp rolou e recuperou sua postura, dessa vez avançou com tudo para cima de seu oponente de modo que suas lâminas se encontrassem no campo de batalha. Um empurrava o outro, revelando um teste de resistência.
— Esse moleque é tudo para mim. — disse Aerus a respeito de Luke, encarando os olhos de Ereon num ar confiante e esperançoso. — Eu queria o meu velho amigo de volta.
— E o você o terá. É uma pena que todos tenham de ter pago pelo erro de apenas um, mas foi necessário que tudo isso acontecesse para que seu Mestre aprenda uma lição que jamais irá esquecer. Ninguém é invencível. — afirmou Ereon, enquanto brandia sua espada em direção do rapaz e ganhava impacto com a força de seus músculos — Adeus, Aerus. Viva a nova Era!
O dragão alado desarmou seu jovem aprendiz e Aerus se viu tendo duas lâminas lançadas para longe. O rapaz riu, já estava muito machucado e mal podia continuar. Para que aquilo terminasse seria necessário o golpe final, mas mesmo assim, depois de tudo aquilo ele sabia que estaria em paz, pois despertaria numa nova Era naquela região onde todos os acontecimentos ruins seriam deixados no passado.
Ereon enfiou a lâmina no peito de Aerus que cambaleou e soltou um murmúrio ao sentir a lâmina de prata do oponente. O guerreiro de óculos escuros ajoelhou e olhou em direção do velho, ambos sorriam, definindo aquele como o fim de uma intensa batalha. Aerus sorriu mais uma vez, demonstrando claramente e felicidade por aquela derrota. Quando fechou os olhos escorregou para o lado e debruçou-se sobre o chão com a lâmina em seu peito. Seus olhos encaravam o vazio e foram aos poucos sendo apagados, mas ninguém poderia tirar o sorriso que não lhe cabia no rosto. Ele havia sido derrotado, Luke havia sido derrotado.
— Está terminado, filho. — disse Walter. — Você perdeu.
O garoto ficou estático em seu lado da arena. Todos seus Pokémons jaziam derrotados diante de seus olhos, cada um deles, os melhores. Ele havia fracassado, havia perdido tudo que sonhara, jamais poderia ser o melhor. A voz da loucura ainda o chamava em sua mente, mas ele estava exausto demais para responder. Caiu de joelhos com os olhos fixos na escuridão, mal ouviu quando seu pai parou exatamente ao seu lado e o olhou de baixo para cima. Agora era ele quem estava naquela situação humilhante, era ele quem havia sido derrotado mesmo dando tudo que tinha a oferecer.
Esperou que seu pai o repreendesse, mas surpreendeu-se ao vê-lo ajoelhar-se da mesma maneira até que os dois ficassem na mesma altura, de igual para igual. Eles trocaram olhares e finalmente Walter o abraçou como há muito desejara. Os olhos de Luke se encheram de lágrimas.
— Eu estou orgulhoso de você.
— Pai... — murmurou a criança, de volta à sua consciência.
— Acabou, meu filho. Tudo vai ficar bem agora.
Luke fechou os olhos e dessa vez chorou mais alto. Chorou tão alto que a montanha inteira ficaria sabendo, mas não se importou. Que se dane a reputação, que se foda seu egocentrismo. Ele agora chorava pela felicidade em ser aceito, pedia desculpas entre sussurros e soluços, por ter se livrado de um peso que o incomodara por tanto tempo.
Lukas imediatamente correu para onde os dois estavam e os abraçaram, Melyssa fez o mesmo. A pequena família de campeões estava ali reunida, todos aliviados por terem conquistado de volta a criança que tanto amavam. Glenn insinuou abraçar Marshall ao comover-se pela cena, mas o policial adiou o ato. Dawn também os observava, e não escondeu a felicidade ao ver Luke esticar a mão em sua direção. Com os olhos vermelhos e as maças do rosto coradas o jovem implorou por perdão.
— Obrigado por sempre estar ao meu lado, Dawn. Obrigado por nunca desistir de mim.
A garota o abraçou e chorou enquanto Cynthia observava a cena de longe. A moça comoveu-se pela situação e logo decidiu partir. Não queria mais pedir para que Luke contasse tudo que vira no Distortion World, afinal, ele era apenas uma criança... A pesquisadora preferiu acreditar que ninguém jamais visitaria aquela região tão obscura outra vez, e simplesmente partiu. Ansiava pelo dia que o encontrasse e ambos travassem uma luta tão intensa quanto aquela, se é que um dia ela acontecesse. Ao olhar para trás desejou a melhor da sorte para os Irmãos Wallers, acreditando que eles teriam um futuro brilhante pela frente.
— Pai? Mãe? — chamou o menino. — Me desculpem, me desculpem por tudo. E principalmente você, pivete. Você é quem mais sofreu com tudo isso. Me perdoe por ser um panaca.
— Qual é, não se deve pedir perdão por ser você mesmo! — respondeu Lukas com um sorriso, não perdendo o espírito brincalhão de seu irmão.
Luke enxugou algumas lágrimas e falou:
— Não foi minha intenção causar tudo isso, eu estava fora de mim. Eu só queria ser lembrado, queria deixar a minha marca na história...
— Todas as boas histórias merecem ser imortalizadas. — respondeu Walter.
Luke abraçou seu pai com mais força ao redimir-se de tudo de ruim que já fizera. Sentiu um estranho vazio em sua mente, mas era um vazio que lhe trazia uma tranquilidade que há muito não sentia. No final, Luke não fora capaz de mudar o mundo, mas, pelo menos, mudara a si mesmo. Nem sempre fora um bom homem, mas tentou ser um homem melhor.
— Vocês estão no caminho certo. — disse o velho Walter. — Continuem seguindo em frente.


FIM DA SAGA DIAMANTE



      

{ 24 comments... read them below or Comment }

  1. Pela primeira vez em minha vida, fico sem muito o que dizer! (e isso é muito raro! kkk). Que chega no meu quarto só vê um Moacyr parado na frente do computador, viajando. E isso é muito bom! kkk!
    Gente, sério, nunca pensei que um final de temporada poderia ser assim, como dizer, ÉPICO! Como assim? Sério, muito fodástico o capítulo... Capítulo não, muito fodástica a obra como um todo. Quem imaginaria que de um episódio com uma menina que não sabe cozinhar chegaríamos a isso? Com isso, me refiro a uma batalha destruidora e perfeita e linda e perfeita e foda e perfeita...
    Como assim? Agora, expresso meus humildes desejos: quero muito ver os Gijinkas dos bixinhos do Waltão! Não esquecendo dos da Melyssinha, Glenn e Marshall, obviamente. Sim, é uma coisa a mais. Sei que é difícil, mas please? kkk!
    Tô falando demais, sei, logo já tô acabando...kkk!
    Uma ciosa tenho que deixar bem claro, sendo que espero por esse momento desde o início: AT YOUR FACE, MIKAU! kkk! Ele mereceu e muito! Agora se ficar sábio e respeitoso, tem minha permissão pra virar um Kingdra. kkk!
    Por fim, vou sair com uma pergunta que se não tivesse, não seria eu: Sexta-que-vem tem mais? kkkk!
    Tô doido pela Platina já! kkk!
    Adios,
    Moacyr

    ReplyDelete
  2. Belo final de temporada! Gostei muito do capítulo, a forma como você trabalha com a loucura é muito boa. Não vou esconder que meu personagem favorito é o Mikau e o casal é Mikau e Milena, adoro muito os dois, e a cena em que eles se abraçam foi perfeita. Mikau pode ser doido de nascença, mas todos merecem segundas chances. Também adorei essa relação de pai e filho com o Aerus e Ereon, muito boa. Também gostei da Luna, quero ve-la em seu gijinka. Então também já pergunto como foi falado antes: sexta que vem Platina já começa? Seria muito legal.

    ReplyDelete
  3. Diga ae, people! Poxa galera, pior que sexta que vem não tem capítulo... Mas só porque não tem capítulo não quer dizer que não tem nada de novo. Qual é, ainda não lancei o Omascar dessa temporada! kkkkkkk Vou fazer uma postagem explicando certinho como tudo será feito daqui para frente, num mesclado de notícias boas com ruins. A Saga Diamante termina aqui e por um tempo terei que dar um tempo na escrita, minha cabeça está explodindo kkk Mas não pensem que vou ficar parado só olhando, você viu quantos personagens ainda precisam aparecer? Só aqui comigo tenho guardado 10 deles, mais uns 8 Supports, 15 músicas e a premiação do Omascar. Então acredite, por um bom tempo teremos bastante entretenimento aqui em Sinnoh antes da Saga Platina kkkkkkk

    Grande Moa, quando o capítulo terminou eu também fiquei meio... Mano, o que faço agora? Será que desligo o computador e vou ver se o sol ainda brilha? Fiquei muito tempo para planejar tudo isso, mas valeu a pena, com certeza valeu. Quero que esse capítulo quebre todos os recordes e exploda de comentários, que seja premiado como uma Saga surpreendente repleta de emoções e reviravoltas. Reservo algumas coisas interessantes para o FT 25, até porque com essa derrota incrível todos eles precisarão de sérios reparos e treinamento, isso se algum deles não bata as botas antes da hora, porque tiveram alguns que chegaram bem perto kkkkk O Mikau vai ser um que vai deixar a todos surpresos com o que vai acontecer, coisa de dar um soco no meio do PC e querer mandar uma bomba pela janela kkkk Estejam ligados, estejam ligados. Ainda não terminei de escrever, mas em breve vocês verão.

    Obrigado por todo o apoio nesse longo fim de temporada galera, mas acho que não precisamos de despedidas quando segunda feira já estou de volta com coisas novas kkkkkkkk Não gosto de despedidas, eu me emociono... Mas valeu Moa, valeu Abyssal. Obrigado pelos elogios, pela paciência em me acompanhar nesse longo período, valeu por tudo pessoal. Logo mais estamos de volta, a Saga Platina ainda pode estar meio longe, mas teremos tantas coisas nesse meio tempo que nem vai dar pra notar a falta! Abraços.

    ReplyDelete
  4. CANAS!k capitolo fodastico mano!kkk gostei das liçoes k o jovem luky aprendeu e principalmente quando o tio salamrnce batalhou contra meu amado Aeurus.Eh uma pena k ele teve k fazer isso quando o luke estava no momento de loucura.... :( mas tudo bem tambem gostei da luna^^-a proposito nao demore pra postar o ginka ein?Ò_Ó! ^^ adorei o capitolo e espero k ele vença como o capitolo mais fod@ de todos ^^-da saga diamante eh claro kk
    WV

    ReplyDelete
  5. Diga, WV! Eae, acha que o capítulo tem chances de vencer como o melhor da Saga Diamante? Ele garantiu meu voto, mas houveram tantos outros momentos épicos no Arco da Ilha de Ferro que vai até ficar difícil de escolher... O problema é que foi o todo que tornou esses capítulos fodas, não foi obra de um único. Mas certamente, espero que esse receba indicações para concorrer nessa categoria, aposto que todos vão se divertir com a nova mecânica do Omascar que agora está mais interativo e convidativo. Ele tem imagens! Então fica mais fácil de votar né, tá show de bola. Obrigado pelo comment querida, pelo menos agora sabemos que a loucura do Luke foi embora e ele voltará com tudo pra chutar algumas nádegas na Saga Platina. Fiquem de olho, porque a Luna foi uma de minhas personagens preferidas dessa nova leva, vocês vão adorar sua aparência e sua história kkkkkk Beijitoss!

    ReplyDelete
  6. Incríveeeeeeeel!! *------*
    Walter vs Luke? Wow, a batalha do século! Maldito Distortion World, fazendo com que a loucura do Luke voltasse. Mas acho que agora, acabou de vez.
    Quero saber se esses ferimentos nos Pokemons do Luke são curáveis, se eles vão ficar bem. Se um deles morrer, Canas será o próximo (zoa).
    A batalha que eu mais gostei foi a do Vista, e a do Aerus também foi emocionante. Será que o Mikau vai ser alguém melhor depois disso, mas sem perder o jeito de bad boy? 'u' Ah, tomara que sim. Acho que isso serviu de lição pra ele e pro Luke.
    Não poderia estar mais feliz, Canas! Este é o fim definitivo da saga Diamante, e foi incrível. Na boa, o Walter sempre será o melhor, não importa se perdeu o posto de campeão, ele é uma lenda viva e o admiro muito.
    E as habilidades do Lukas, que incrível! *-----*' Desejo que o relacionamento dele com a Paula seja muito bom, hehe.
    Vou ficando por aqui, Canas. E que venha a premiação!! XD' Beijinhos!

    ReplyDelete
  7. Minha primeira reação: NÃÃO, SHITAAAAAAAAA! A LOUCURA DE NOVO NÃÃO!
    Minha segunda reação: Vai, Waltão! Bota pra ferrar nesse moleque (Maus ae Luke, mas tu tava merecendo.)!
    Minha Terceira reação: WAWAWAWANNNNNNNNNN, A FAMÍLIA DE CAMPEÕES REUNIDAS *_*


    Putz, LOUCURA, LOUCURA LOUCUUURA! E Aerus, botando ordem na bagaça! FUCK AERUS! *PALMAS* E eu quase chorando (Hai, Sou emotiva >.<) por que não consegui baixar Castle Crashers no meu PC, agora temos um divho final para a SAGA DIAMANTE!

    Sério, susto faz bem pro coração? Porque eu tô vendo SlenderTubbies. Sorte que é de manhã. Nem que a Miltank tussa que eu vou ver essa budega de noite. Eu gosto mais do Slender original.

    Mas chega de falar de minha depressiva vida. QUERO VER UM GIJINKA DA LUNA, viu? Parece ser linda... Muito legal, mas acho que já tinha gritado uma dezena de palavrões se estivesse lá quando o Luke foi arrogante com o pessoal. E tinha dado um tapa tão grande, que todo mundo acharia que ele virou um Pidgey gigante que aprendeu Fly.

    Não tenho nada pra falar, mas... Andei imaginando: Como seria o AeSlender? Tenso, hein? Ah, mais uma coisita: A TIH VOLTA NESSE ARCO, LAZARENTO? (Versão educada: A Steelix que se chama Titânia voltará no próximo arco, seu escritor de grandes proporções?)

    SAYONARA, TINK WINK SLENDER!

    ReplyDelete
  8. ohayooo!!!! Enfim o tão esperado e aguardado capítulo mega fodastico e que finaliza a saga diamante *----*
    Irei resumir meu comentário (preciso aprender a me expressar em poucas palavras o.o )
    Sério, agora estou em dúvida sobre qual o episódio que vai ganhar no Omascar, esse ou o anterior, será complicado decidir (na vdd eu ja me decidi rsrsrsrs)
    Luna, vc derrubou o Coffey, a Wiki e o Vista enfurecido, do que vc é feita bruxa maldita????? (fugindo para as montanhas em 3..2..1.. rsrsrs
    Capítulo mega foderástico e surpreendente, mt mt mt mt boooooooom. só faltava um desenho final ali com todos os personagens e ai ficaria ainda mais show (se fosse possível ficar melhor *o* ) e tbm to feliz por saber q não sou a única que joga slendytubbies [eu vendo os comentários acima rsrsrsrsrs]).
    Enfim, que a saga platina venha e comece com um esplendor magnífico e que venha para ficar. Bye

    ReplyDelete
  9. Opa, as princesas de Sinnoh vieram todas ao mesmo tempo? kk Diga ae, meninas, muita coisa pra contar, não? Vamos aos poucos porque fica até difícil se concentrar pra responder tantas coisas kkkk Olha Laísa, juro que eu adoraria ter feito essa ilustração no final do capítulo. Sério, quanto a esse ponto eu falhei com vocês, teria sido lindo, mas acabei não conseguindo tirar um tempinho para bolar uma cena tão emotiva e tocante... Teria feito toda a diferença mesmo, mas vou ter que deixar para a próxima. Eu também tinha planos de já apresentar a Luna e o Ereon nesse episódio, mas acho que nesse caso os desenhos roubariam a cena, e eu queria que as palavras fossem as mais importantes dessa vez. Olha, e para eu aceitar alguém derrubar a Wiki e o Vista esse personagem tem que ser foda. esse Walter sempre será uma lenda mesmo kkk Conto com a aparição de vocês quando os personagens forem lançados, hein?

    Bem, bem... A Kohai comentou uma parada bem interessante também. Será que essas feridas são curáveis? Vish, vamos ter que esperar pra ver, porque tenho certeza que algumas jamais serão. O próprio General já têm andado com o veneno no corpo desde a luta contra o Atomico, e aposto que o Mikau vai ganhar uma cicatriz no peito até o fim da vida (Cicatrizes em bad boys é FODA!! Babem pelo Mikau, meninas kkkk) Mas nesse próximo Fire Tales são tantas coisas para acontecer que fico até com receio da recepção de vocês. Sério, sinto que... Sinto que posso ser o próximo a ser lançado pela janela kkkkkkk Qual é, vocês precisam ver que uma guilda como a Fire Tales também sofre perdas. É, será surpreendente! A vida desses seis que batalharam pelo menos mudará para sempre.

    Poxa, e eu não posso dizer que conheço Slendytubbies pra seguir com a conversa, mas procurei saber o que era. Sério, bagulho treta mano, se eu não dormir de noite volto aqui pra culpar vocês duas que me deram a ideia kkkkkkk Que foda, a criatividade da galera não tem limites para essas coisas! E minha querida Júlia, a Saga Platina é o Arco da Titânia, a Platina é quase que o símbolo dessa serpente de aço. Pode ter certeza que na hora certa ela vai voltar pra acabar com todo mundo, mas é bom o Luke começar a treinar porque depois da surra que levou do Walter ele terá que se esforçar pra provar para a Titânia que é digno dela kkkkkk Queridas, muito obrigado pelos comentários e pelos elogios, acho até engraçado pensar que no começo do ano eu reclamava que não havia nenhuma leitora mulher por aqui, e agora penso o que aconteceu para a situação inverter kkkkkkkk Tenho que agradecer os galãs da Fire Tales, acho que eles foram os responsáveis. Valeu galera, até mais ver!

    ReplyDelete
  10. "Legau, çua fãfiq é muitu xou"

    Cara, você não sabe o quanto eu odeio os finais de saga. Motivos? Eu não sei ao certo. Talvez o maior deles seja ter que esperar você tirar suas benditas férias. Por que você não é um robô? Férias é para os fracos, anime-se. *risos* É, eu entendo, mas ainda assim, eu odeio que você tire férias, rapaz. Mas deixando meus gostos e desgostos por fora do assunto...

    Mano, que capítulo SHOW! Essas batalhas épica me deixam sempre de queixo caído, ainda mais quando são representadas por descrições perfeitas. Você não sabe o quanto eu aprecio a sua forma de descrever batalhas pokémon. Não sei, acho que pelo fato de você transformá-las em verdadeiros duelos de gladiadores e acima de tudo, conseguir transmitir várias mensagens através de suas descrições. É muito empolgante ver essas criaturinhas magníficas deixarem de ser armas de batalha e se tornarem algo acima disso.

    Acho que eu sempre deixei claro que a minha maior empolgação é ver os pokémon. As personalidades diferentes, os estilos de batalha, as aparências e nesse arco você conseguiu surpreender-me ainda mais. (Ok criança fácil de ser surpreendida, sossegue) A inclusão dos pokémon dos membros da Ex-Elite foi fantástica, eu realmente não conseguia imaginar o Walter tendo uma Gengar. Uma Gengar.

    Sim, essa fantasminha conquistou-me. Eu nunca fui muito fã de Gengars, mas a Luna parece ser diferente, acho que pela maneira que você descreveu ela, não sei exatamente. Eu nunca sei. Além de poderosa, nas descrições você criou expectativas de ela ser bela. Então preste muita atenção! Se você fizer uma gijinka parecida com a Agatha da Elite de Kanto, alguém certamente irá morrer.

    Agora vamos ao que realmente importa. Acho que esse auge da Megalomania do Luke já era esperado por muitos a muito tempo, mas eu confesso que estava esperando vê-la nos arredores da Liga Pokémon. Acredito que esse fim tenha sido um dos seus melhores golpes, digamos assim. Acho que prosseguir mais uma temporada com esse mesmo enredo de apreensão sobre quando o Luke seria "curado", poderia ser um pouco cansativo. Com essa cartada final, você intitulou a saga Platina como nada mais, nada menos do que: "O recomeço". Nessa última cena o Luke pareceu um garotinho frágil que busca o conforto familiar, mas eu ainda espero que ele não demore muito para sair dessa situação. Kolé Luke, e as piadas?

    Pra finalizar, vamos ao quadro: "Coisa que o burrão não entendeu". Se não me engano, lembro que no inicio da fanfic, foi mencionado que o Aerus estava destinado a ser o inicial do Lukas, então diga-me, por que o Ereon menciona que ele estava destinado ao Luke?

    É, por enquanto é isso. Esse não foi um dos melhores comentários, eu sei.

    See ya.

    ReplyDelete
  11. bom vou ser bem curto pq cheguei da minha tia e vim correendo pro pc para ver esse capitulo e se meu pai chegar e ver q a casa ta bagunçada eu vou por a culpa em vc CANAS por deixar a gente sempre querendo ler mais e mais os seus capitulos.

    CANAS, vc vai me matar um dia... como vc consegue fazer capitulos tao fodástico??

    Eu preciso ver a forma gijinka da gengar, pq os gengars sao meus pokemons fantasmas preferidos entao veja lá como vc vai fazer a Luna em...

    eu como sempre tenho q fazer uma pergunta se nao pode crer q fui clonado kkkkk mais enfim vc vai tirar umas ferias dos capitulos mais vc vai continuar a postar no fire tales ou tambem vai dar umas ferias???

    Ops portao se abrindo to saindo...
    xau Canas (rezo para nao ser meu pai)

    ReplyDelete

  12. ops esqueci de avisar é o Biel.... ;)
    e para minha alegria é meu primo cabeças nao serao cortadas kkk.(por enquanto...)

    ReplyDelete
  13. Cara esse capitulo é muito foda e tu é um autor nato caro ... To ate sem palavras to de boca aberta .

    Man eu queria dizer q em breve faço parceria com seu blog.
    Entra ai eu ainda to construindo: animeevolucao.blogspot.com

    ReplyDelete
  14. Cara, o que comentar??? Não vou vir com os adjetivos hoje por que não tenho um novo, mas se tivesse... Bem, a luta foi perfeita, imagino como foi para você escrever a sena da Wiki (para mim seria tipo: escrever a sena de um venusaur sendo torturado por um charizard, é impossivel) sobre o Ereon, eu tinha um salamence ele era fodão, mas troquei ele por um registeel... sobre a Luna, eu tenho um Gengar (fodão tambem) e eu imaginei a Luna parecida com a Flare Corona (FT) por causa o sorriso. Mas em fim, espero muito ansioso pela saga Pt e pelo FT 25 (esse promete) Até a próxima!!!

    ReplyDelete
  15. Se eu falar que Esse Capitulo Não foi totalmente extraordinario, alguem me mataria?(facas levantadas) HAHAHAHHA Melhor não arriscar, né? No Coments, Capitulo Foda, vai ficar pra historia, Candidato Numero 1 para o Omascar, Pelos menos pra mim é.Sinceramente, Eu Tambem não sei como você faz capitulos tão Espetaculares,só de ver que tem um capitulo novo, Meu coração ja começa a bater mais forte.

    Imagina uma revanche? melhor nem pensar vou ter um ataque cardiaco. O Walter deve ter vencido a Elite 4 em um segund quando virou campeão, detono o Luke com DOIS Pokemons(Será que eles são fortes?HEHEHHEHEH).

    Mikau vai ficar alguns anos indo no consultorio Doctor Knife pra deixar de ser loouco né? Se Yoshiki cobrace por cada consulta, ele provavelmente compraria a Mansão da Milady bem facil e A Vista.

    Não vou poder ler o Capitulo que o Luke enfrenta a Cynthia( Outro Ataque Cardiaco),

    Não vai aparecer mais Lendario? Eu queria que A Cresselia e o Darkray aparececem. Vou ficar na espectativa!!!

    Abraço Canas.

    ReplyDelete
  16. capitulo fantastico, inesquecivel, memoravel, para mim o melhor capitulo de aventuras em sinnoh até agora.agora vamos ao comentario: ver uma luta de igual para igual do luke e seu pai seria otimo, mas nesse estado o luke merecia essa derrota sem chance de vitoria.os pokemons do walter:primeiramente vamos a luna, nossa aquela mulher parecia uma manada de tauros esmagando um caterpie indefeso com todo aquele poder, agora ereon como compara-lo? já sei um rei disimando erxercitos com um golpe de uma espada lendaria.
    e por fim mas não menos importante a expectativa de vida do canas bom agora as chances de alguem te matar são 0 se você matar o duke elas continuam em 0 mas se matar um dos personagens preferidos dos fire tales suas chances de ficar vivo são essas 0,00000000000000000001 portanto cuidado com o que você vai fazer! kkkkkkk

    ReplyDelete
  17. Nossa a quanto tempo eu não apareço em Sinnoh , hein?Essas minhas ferias estão bem agitadas e ai só sobra tempo de ler os capitulos na segunda.

    Meu Deus já terminou a Saga Diamante?Parece que foi ontem que eu comecei a ler essa fanfiction maravilhosa e ainda estava nos principios dessa fantastica saga.

    Eu tava olhando a minha bola de cristal esses dias e tive um previsão sobre o Omascar.O vencedor de melhor vilão sera: Megalomania!Nossa essa doença nos pertubou durante toda a saga e quando pensamos que ela tinha evaporado, ela ressurgi das profundezas do inferno para atormentar a nossa familia(esses personagens ja fazem tão parte da minha vida que ja considero eles da minha familia).

    Se antes contamos com a nossa gloriosa Titânia para cabar com essa doneça, agora temos o glorioso "Waltão" para extinguir ela do universo(assim espero).

    E meu Lukinhas agora tem o dom de ver os pokemons como eles realmente são, adorei!Mas tenho que lhe informa que por mais que eu goste da Paula, eu quase ia na sua residencia lhe matar a tiros por voce ter posto a Paula como par romantico do Lukas ao inves da Vivian.

    Acho que poderiamos ter mais um pouco de Melyssa ai, não?E já ta no hora da Dawn tomar mais algumas atitudes tambem.Mas vamos dar tempo ao tempo.

    E nesse capitulo você revolucionou as batalhas pokemon.Eu me sentia no meio de uma guerra, e ficava pensando se as batalhas desses monstrinhos eram realmente assim, alem dos olhos humanos.

    A terceira e ultima saga está chegando.A saga que dara o desfecho, que fechara as cortinas, que nos trara o ponto finmal dessa magnifica estoria que voce nos proporcionou, Canas.O que serão das minhas tardes de sextas quando o The End chegar?E e o meu Lukinhas e a minha Vivian eu nunca mais irei ve-los?Acho que eu ainda não estou pronto para folhear a ultima pagina do meu "livro" preferido.

    ReplyDelete
  18. Diga ae, pessoas! Poxa, eu queria poder responder todo mundo com um comentário decente, mas vou acabar tendo que ir direto para as dúvidas para não deixar o pessoal confuso e não tornar esse comentário ainda mias confuso de se ler kkk Mas já deixo avisado que agradeço todos vocês por essa incrível repercussão! Ainda tenho esperanças de que com o tempo esse seja o capítulo mais visualizado e comentado da temporada, o detentor do recorde ainda é o Capítulo 26 da Saga Pérola né, mas creio que seja só uma questão de tempo até conseguirmos passar aquele em questão de leitores.

    Bem, meu primeiro ilustre convidado é você, caro Léo de Coroa. Bem, onde o Ereon disse que o Aerus ia para o Luke? Se eu bem me lembro ele comentou algo do tipo: "Ei, filho, quer sair em uma aventura?" E ele não chegou a comentar para qual dos jovens ele iria, eu fiquei pensando nisso enquanto escrevia... kkkkkkk Mas falando a verdade agora. Acho que esse meu começo foi um dos mais toscos e mal pensados de todos. Muita gente elogia e fala como adorava aquele clima de início dado pelos primeiros episódios, mas hoje vejo como algumas falhas foram bobas e que espero concertá-las numa possível revisão. Essa troca de Pokémons feita pelo Walter e pela Melyssa mostra o quão distante eles eram dos filhos. Errar o gosto dos próprios filhos? Ainda mais esses dois? Sério, essa foi uma das sacadas mais bobas que tive, e eu gostaria sinceramente que vocês a esquecessem. Vejo o Walter como um pai que tem os filhos na palma da mão, pode não ter tido muito contato, mas ainda entende perfeitamente o gosto e vontades deles. Vamos fingir que isso nunca aconteceu, embora mudar o que já está lido seja impossível.

    Mas sério cara, quem me dera eu fosse um robô... Acho que se eu fosse pago pra escrever essa maldita história eu seria o cara mais feliz do mundo. Não fico aqui o dia inteiro porque isso é uma fanfiction né, e tenho que cuidar de algumas coisas lá fora uma vez que uma história como essa não vai pagar a conta de luz. Ahh, mas quando eu escrever meu livro... Quando eu escrever meu livro e começar a ver a repercussão aí vocês poderão saber que sou um cara que escreve por paixão, e que se foda as contas de luz, meu livro poderá pagá-las kkkkkk Esse dia ainda chegará, ainda chegará.... Eu prevejo isso como a Wiki, minha rainha.

    OH GOD! E falando em minha musa eterna... Venusaur Jr, foi tu que comentou sobre a tristeza de escrever aquela cena de tortura para a Wiki??? Cara, eu nunca me senti tão triste, foi como ver a minha garota perfeita tendo o peito perfurado por uma lança e os olhos de vidro trincarem de dor na minha frente, e eu ser o responsável por essa dor. Sério cara, foi muito triste, adoro todos meus personagens, mas com ela foi especialmente traumatizante. Acho que gosto um pouco de ver a Wiki sofrer, faz parte da natureza dela, mas no fim sempre a recompenso em dobro com algo melhor. Espero que ela me perdoe, mas deixo avisado que muitas coisas boas ainda virão para esses que apanharam, e descrever essa cena foi um dos momentos mais decisivos do capítulo. O Grande Rei Théoden, de Rohan, já dizia que nenhum pai tem de ver seu filho morrer... Aqui vejo como é triste para um escritor ver seus adorados personagens sofrendo por sua culpa. Espero recompensá-los com algo em breve... E irei. Mas antes vamos fazer essa minha rainha sofrer mais um pouco, ela gosta! ♥ kkkkk

    Continua no próximo comentário... Esse já está longo demais, será que alguém vai ler as bobeiras que posto aqui? kk

    ReplyDelete
  19. Ei, Biel! Fica tranquilo porque vou estar aqui tooooodo santo dia pra encher o saco de vocês kkkkk Okay, mentira. Vou dar um tempinho porque agora vou voltar pra academia, e preciso tirar umas horas pra malhar meu peito definido e procurar uma mina de calça colada e cabelo curto que esteja interessada em um mestiço c/ cabelo de nerd e jeito de intelectual. Alguma candidata tipo a Wiki por aí? kkkkkkk (Brincadeira, não adianta fazer esse tipo de pergunta no meio de macho...) Enfim, como você pode ver darei um tempo nos capítulos, mas tenho dois Fire Tales para postar e alguns episódios de Support. Logo, posso adiantar que enquanto esse estoque não terminar eu continuarei postando! Vamos torcer para que nunca acabe, e essas férias passarão mais depressa do que imaginamos! kkkkkkk

    O Master Titan comentou sobre algo que não vi ninguém citar... Alguém percebeu que a forma como o Walter venceu o Luke foi exatamente a mesma quando o Luke enfrentou o Lúcio pela primeira vez? Foram praticamente as primeiras palavras: Dois. Com dois Pokémons eu vou acabar com você/dar uma lição. Bem, e infelizmente eu adianto que não haverão mais lendários. (AMÉM!!) Não me levem a mal, mas já trabalhei tanto com eles que não aguento mais. Dê uma olhada em Dark Curse se curtir o Darkrai e a Cresselia, mas essa vou ter que deixar passar cara. Fica para a próxima.

    Ei, Alan. Vou ter que ficar em olho nas tentativas de bomba enviados pelo correio, prevejo muita raiva daqui para frente kkkk
    Gabriel, quem me dera a Megalomania competisse como vilão. Eu pensei em colocar, juro que pensei, mas aí acabaria com a chance dos outros né, vamos acirrar essa competição para aqueles menos capacitados da fanfic. Cara, entenda uma cosia sobre a Dawn: Ela sempre será uma inútil na história. Eu tentei mudar isso, e não deu certo, e já vou anunciando que ela está prestes a cair intencionalmente no ramo de desuso do Duke. Okay, tenho uma ou outra coisa reservada para ela e a Cynthia na Saga Platina, mas nada demais. Os fãs mais assíduos dessa duas vão gostar bastante. Quem realmente ama a da Dawn do Anime ficará triste, mas é a verdade... Aqui na fanfiction entraram personagens melhores do que ela, e ela perdeu seu brilho! kkkkkkk Sorry Dawn, o Duke te manda um "olá" do campo da discórdia. Tá a dona e tá o Pokémon...

    Sério galera, agora aproveito para agradecer mais uma vez por todos esses comentários. Eu me divirto com as ideias, dos erros que dou e da forma como todos vocês vêm o roteiro que venho trabalhando. Todo capítulo é um teste para mim, sou obrigado a sempre dar o melhor de mim, mas fico feliz só de saber que na Saga Diamante atingi meu objetivo com esses capítulos e leitores incríveis que surgiram e voltaram. Estarei no aguardo de todos vocês na Saga Platina, e espero que ainda possamos ir mantendo um contato daqui para frente. O velho Canas sempre estará em Sinnoh, não precisa nem pegar um avião para chegar nessa região, uma vez que ela fica mais perto do que vocês imaginam. Aqui, no coração e na mente de cada um é onde ela existe. e continuará existindo enquanto vocês desejarem. Valeu, galera.

    ReplyDelete
  20. Ohhh. Myyy. Gooooood. (entendedores de Friends entenderão)
    Manolo, você sabe como acabar uma temporada em grande estilo! kkk A cena que o Walter fez o "dois" com os dedos, igual o Luke no capítulo Irmandade foi épico, sem dúvidas. A emoção, o frio na barriga de ver a primeira derrota oficial do Luke. Ver o cara que ganhou tudo, sempre (com exceção da pequena batalha contra o Lukas em Pastoria) ficar impotente. Ver seis dos guerreiros mais poderosos da história caírem na frente de duas lendas. Duas.

    O brilho das descrições e dos diálogos, cara. Você não jogou palavras desnecessárias, colocou apenas o essencial, deixando tudo ainda mais tenso durante a batalha. Agora o esquema de sair correndo para o Pokémon Center terminou, virou uma verdadeira guerra. Tenho que dizer que foi triste, cara. Ver um prisioneiro pagar pelos pecados de seu mestre, ver uma linda androide se desativar, ver um espectro metálico lendário cair, ver o general fantasmagórico mais épico sucumbir ao outro lado, ver o atirador mais frio de todos mostrar suas fraquezas, e ver o dragão mais importante da fanfiction perder. Mas não foi uma derrota ruim. Foi uma derrota boa, apesar de pagarem o preço para que seu treinador entenda o que fez de errado. Você arrasou, em cada pequeno detalhe. Eu me esqueci de que era escrita, pensei que fosse um verdadeiro filme. Duvido que eu vá ver a fanfiction com os mesmos olhos, mas finalmente acabou. A loucura acabou. Agora resta a liga, onde haverá um caminho ainda mais tenso, onde ninguém quer ensinar o Luke a nada, mas sim derrotar todos os seus guerreiros. Chegou a hora do verdadeiro brilho de Sinnoh, a última temporada. Meus parabéns por ter chego até aqui, cara, simplesmente detonou. Parabéns mesmo.

    AVENTURAS EM SINNOH. 2/3. COMPLETA

    ReplyDelete
  21. Canas, mais uma vez você fez um belo fim de temporada. Eu acho que me esqueci de comentar sobre a volta da loucura do Luke no último capítulo, mas perdoe um ser com a cabeça mais vaga que a carga horária de trabalho de Delia Ketchum, kkkkkkkk. Bem, fico com a sensação de que a megalomania não volta mais, embora eu sempre tenha um pé atrás coma AES, pois se tratando de uma história sua nós não podemos duvidar de nada.

    Eu realmente pensei que Luke e Walter só iriam se enfrentar no fim da fanfic, mas você resolveu adiantar esse encontro fantástico! E digo que não errou em fazer isso, mas saiba que terá a responsabilidade de criar uma batalha fantástica entre ele e a Cynthia. Cara, como estou doido pra ver a Saga Platina! De volta à velha rotina de jornada, já sinto até certa nostalgia de quando eles apenas enfrentavam Ginásios e Contests.

    Já que pai e filho se enfrentaram, ainda poderíamos sonhar em ver Lukas e Melyssa competindo entre si em um Contest? Sonhar não custa nada, afinal. Bem, ainda no assunto família, gostei de como você bolou uma história entre o Aerus e o Ereon. Eu nem imaginaria que eles seriam tão íntimos!

    Cara, ver você terminando mais uma temporada traz inspiração para todos os escritores que acompanham sua história. Me sinto na obrigação de fazer o meu melhor também, e procurar formas de desenvolver meus pontos fortes e fracos. Pois é isso que as suas histórias nos ensinam.

    É isso. Parabéns mais uma vez, e aguarde meus votos no Oscar!

    E QUE VENHA A SAGA PLATINA!

    ReplyDelete
  22. A mais ou menos um ano atrás, me lembro de estar lendo as ultimas linhas da saga pérola (atrasado como sempre), e agora, depois de todo este tempo eu percebi como você evoluiu.
    Não me lembro dos detalhes, mas do ultimo capitulo da saga passada comparada com esta a diferença de escrita e dominância do assunto é gritante.
    Um era composto por uma festa, com musica e fogos de artifícios, e este foi simplesmente uma das melhores batalhas já travadas. Não por quesito de golpes e estratégia, mas por questão de crenças. Pai contra Filho.
    Cada frase que o Walter proferia era épica, que podem ser usadas até em nossas vidas e não só uma fic de Pokémon.
    Guri eu tremi quando vi a cena que o Walter esticou os dois dedos dizendo que iria derrotar o Luke da mesma maneira que ele havia derrotado o Lúcio há capítulos atrás. Esta cena foi simplesmente histórica.
    Fiquei intrigado com algo... cada Pokémon foi seriamente ferido, e julgando pelos prejuízos, acredito que o final desta saga mudou o curso da história... O Coffey perdeu um braço, a Wiki foi derrotada e o Vista destroçado... e vi claramente a coroa dele caindo, e o tilintar do toque no chão
    O duelo entre o Ereon e o Castelo deu um aperto forte, pois o fantasma sabia que seu mestre estava louco, mas mesmo assim não deixou seu cargo, enfrentando o dragão até ter uma lamina enfiada em seu peito.
    O Mikau como sempre estava insano, ele não lutava contra o Pokémon e sim contra outro humano com o intuito de mata-lo, mas uma coisa que até então eu não tinha percebido, era o medo!
    E foi justamente o medo que o fez ajoelhar-se em frente ao seu destino, e a sucumbir-se como um deus que achava que não podia sangrar.
    Mas o mais tocante foi à batalha do Aerus contra o Salamence, pois não bastava a luta... você tinha que colocar as lembranças... e foram justamente elas que deram uma essência insubstituível ao contexto.
    Enfim... foi colocado um ponto final numa saga que mudou a história das fics de Pokémon.. e agora... dentro de alguns meses nós teremos o fim de uma história de leitores e escritor!
    E não me importo de chegar atrasado mais um ano... irei comentar com o mesmo entusiasmo de uma criança que busca aventuras em sua imaginação infinita!
    Parabéns Canas, pelo excelente trabalho!
    Rumo à saga Platina
    Flw

    ReplyDelete
  23. CARACOLES!

    Mano, que que foi isso?! Que final de temporada espetacular! Fiquei impressionado aqui lendo! Foi tipo, muito foda! Tudo mesmo, cada detalhe! Não precisou nem de imagens para impressionar... Só posso te parabenizar! E fico até sem saber por onde começar... Manolo, é um turbilhão de emoções! KKKKKK'

    Luke e sua megalomania! Uma trama muito boa! Quem diria que ele chegaria a tal ponto de arrogância? Tratou todo mundo tão mal, e estavam esperando ansiosos por sua volta e que estivesse bem! Eu não esperava menos da reação de cada um, e principalmente do Walter! Rapaz, eu esperava um dia ver esses dois lutando, mas não aqui, não nessa situação! E essa batalha foi de arrepiar! Quando o Waltão diz que vai derrotar o filho com só 2 Pokémons... PUTA MERDA!

    Luna, essa sim já chegou chegando! Derrotou os Pokémons sem muito esforço, um atrás do outro! Adorei a aparição dela, e o modo como você descreveu cada movimento da luta foi demais também! Me lembrou as cenas de anime, tipo, Fairy Tail! Muito bom cara! Nunca imaginei que uma batalha de tamanha magnitude aconteceria agora! KKKKKKK'

    Ereon... Esse cara marcou história! O flashback dele foi muito bom cara, a batalha contra o Aerus então nem se fala! Foi simplesmente incrível. Pai contra filho, dos dois lados! E no final, o Luke aprendeu que não era invencível! É... Aqui acaba uma temporada em grande estilo. Agora é partir para a última temporada! Mal posso esperar *----*

    See ya Canas.

    ReplyDelete
  24. Eu nao tenho mt oq falar, já falaram td aqui em cima, mas obg por me proporcionar essa aventura épica cm os irmãos Wallers e todos os outros personagens <3

    eu n tenho mt mais oq falar, adorei esses capitulos desde a grande criação até essa investida da Team Galactic ^^

    ReplyDelete

- Copyright © 2011-2017 Aventuras em Sinnoh - Escrito por Canas Ominous (Nícolas) - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -