Posted by : CanasOminous Jan 4, 2013

Support Conversation (Julia x Vivian)
Gênero: Amizade, Comédia, Shoujo-ai;
Tema: A Família de Azalea;
Homenagem à: Thiago Rosendo (Ilhas Laranja).

Azalea Town. Isolada na península meridional de Johto, é um pequeno vilarejo conhecido por situar-se na passagem da Floresta Ilex e da Fonte dos Slowpoke. Porém, mesmo sendo um local esquecido pelo restante da humanidade, ainda há uma família de garotas que teima em meter-se em encrencas na medida que buscam diversão para suas próprias vontades. Afinal, morar em cidade pequena resulta nisso, todo mundo conhece todo mundo, e qualquer besteira resulta na cidade inteira tendo conhecimento disso.
— Vamos lá, Julia... Você consegue pular. — disse a voz de uma mocinha ruiva de cabelos curtos e presilhas em um tom ciano da juventude.
A moça loira ao lado respondeu com uma tranquilidade anormal.
— É muito longe.
Ali estava Vivian Chevalier e Julia Merkel’s, primas nascidas em Azalea, com alguns anos de diferença, mas que compartilhavam do mesmo entusiasmo em vida por aventuras. No momento elas se encontravam de frente a uma ponte de madeira construída na Fonte dos Slowpokes que dava passagem para o local onde ruídos e ouvintes afirmavam terem encontrado um objeto raro do passado. A ponte era curta e mal trabalhada, e a queda resultaria no tombo dentro de um riacho mal cheiroso e repleto de Pokémons asquerosos.
Julia olhou para o abismo em sua frente e pensou no objeto que a aguardava do outro lado. Voltou-se para sua prima, quase que uma irmã mais nova de saia rodada e cabelos curtinhos na altura dos ombros. Uma verdadeira boneca de porcelana que requer os devidos cuidados para não cair e se despedaçar no chão. Julia segurou no pulso da menina ao seu lado e sorriu de maneira inspiradora enquanto entrelaçava seus braços nos ombros da pequena.
— Eu vou te jogar. — afirmou.
— Como é?
Vivian não teve nem tempo de gritar, e mais do que de repente viu que era arremessada como uma bomba para o outro lado do barranco pelos braços fortes da loira. Julia pegou impulso e foi correndo pela ponte enquanto a madeira ia se desgastando e caindo diante de seus pés. Quando fez seu caminho até o outro lado viu que Vivian estava bem, e as duas haviam finalmente conseguido atravessar uma das fossas da Fonte dos Slowpoke. Os olhos de Vivian estavam arregalados e ela ainda tentava recuperar–se do susto, mas quando viu que tudo dera certo não escondeu uma risada. Ao tentar levantar-se Julia enficou o rosto da garota na lama e saiu correndo.
— Vem logo, Vivi! Vamos pegar o nosso prêmio!
As roupas da ruiva já estavam todas sujas, após limpar-se ela correu para ver o que sua prima tinha em mãos e surpreendeu-se ao notar uma King’s Rock, um item raro muito famoso na região. Os olhos de crianças das duas jovens brilharam, e no momento que Julia tentou tirar o barro de cima do artefato ele se desmanchou e resumiu-se à poeira.
— Só isso? — perguntou Vivian olhando para a expressão de aventureira de sua prima desaparecer em meio à frustração de uma falha na demanda. Julia jogou a lama no chão e virou-se para sua prima forçando um sorriso sem graça.
— Bem, acho que sim. Vamos embora, então?
— Podemos sim, mas agora quero ver como faremos para voltar pelo mesmo caminho, já que você destruiu a ponte. Vamos embora logo Ju-chan, esse lugar é medonho... Me lembra o poço que aquela menina morreu, já ouviu essa história?
— Nem me fale, o vilarejo inteiro ficou falando disso durante semanas! Só agora diminuiu o assunto porque eles acharam outra coisa pra falar... — respondeu Julia enquanto pensava numa maneira delas saírem dali.
— Nós nem chegamos a pensar na possibilidade dela ter morrido nesse mesmo poço, não é...? — indagou Vivian um pouco assustada, voltando para aquele assunto na medida que puxava a camisa da prima — J-Julia, vamos embora daqui logo, esse lugar começa ficar assustador ao entardecer...
De repente as moças puderam ver um par de mãos levantar-se da fossa que jazia debaixo delas. Viram claramente um rosto coberto por um manto negro levantar-se e ir em direção delas como um corpo sem alma e desprovido de espírito. As duas mal tiveram tempo de observar melhor o que era, o grito das meninas mal saiu e se a dificuldade era atravessar aquele barranco então por um momento elas tiveram a capacidade de voar sobre ele e fazer seu caminho para fora da amaldiçoada Fonte dos Slowpokes. O grito agudo de duas garotas teria sido ouvido por todo o vilarejo, e logo começaram novas lendas à respeito do retorno da menina que morreu no poço na semana passada e levou outras duas meninas consigo. Cidade pequena é assim, qualquer história é fonte de conversa para seus moradores. A fofoca corre feito o vento...

— Bem, e foi assim que regressamos com vida, e sem nenhum tesouro! — anunciou Julia.
Logo toda a mesa de jantar comemorou e parabenizou a incrível aventura que suas representantes da família acabaram de contar. Ali estavam presentes todas as primas da família, uma mesa completa que estendia-se até os confins da sala de jantar composta apenas por garotas. Suas tias iam traziam novos pratos que eram servidos para as guerreiras que se banqueteavam e devoravam tudo como verdadeiras amazonas. Julia estava sentada na ponta, por ser a mais velha comandava a todas as outras com mãos de ferro; e ao seu lado permanecia vazia a cadeira de Vivian, seu braço direito, e também a segunda mais velha no comando. Uma das priminhas na mesa levantou o garfo para o alto e perguntou:
— Onde está a Vivi-chan? Por que ela ainda não voltou?
— A Vivian não aguenta uma aventura, desse jeito ela nunca conseguirá ser a líder quando eu deixar essa casa! — respondeu Julia com orgulho de seus atos.
Não demorou muito para que uma mulher mais velha chegasse na sala de jantar, ela ainda secava os finos fios de cabelo ruivos de Vivian que antes estavam embaraçados e mal-cheirosos pela aventura realizada ainda naquela tarde. A garotinha parecia muito acanhada, mas quando viu todas suas primas reunidas na enorme mesa não escondeu a alegria e imediatamente correu para sua cadeira nomeada onde sentou-se ao lado direito de Julia com enorme pompa e glória. A loira ainda fez questão de bagunçar o cabelo recém arrumado da pequena, mas pôde ouvir sua tia reclamar:
— Julia! Não fique levando a Vivian para esse mal caminho, ela é uma mocinha! Tive que deixar suas roupas de molho e demorei uma hora para tirar toda essa sujeira do cabelo dela!
— Não esquenta tia, a Vivian só está escolhendo o bom caminho da vida! — respondeu, afagando sua prima em seu peito enquanto lhe dava um cascudo na cabeça.
— Eu quero ser igual você quando crescer, Ju-chan! — respondeu Vivian animada.
— Isso mesmo, já temos eleita a nossa segunda mandante!! Atenção suas macacas desengonçadas, eu exijo atenção total nesse momento!! Prestem atenção em mim, suas pangarés debilitadas!! AGORA!! — gritou Julia, levantando-se de sua cadeira na medida que todas suas primas se aquietavam.
A moça caminhou até a outra ponta da mesa, e por fim anunciou:
— Vocês sabem que no mês que vem viajarei para fora de Azalea, certo? Eu estou indo para as Ilhas Laranja, seguirei meu sonho e me tornarei uma famosa pesquisadora. E é claro, irei atrás de meu príncipe encantado. — disse Julia esbanjando charme com seus longos cabelos dourados e a feição angelical.
As garotas confirmaram em uníssono:
— SIM!!
— Foi um tempo muito curto que pude compartilhar ao lado de primas tão maravilhosas quanto vocês. Em breve a Vivian estará no comando, e ordeno que todas vocês cumpram as vontades dela, da mesma maneira que faziam comigo.
— Isso não é justo, ela é quem governará por ter nascido dois dias mais cedo?! — gritou uma moça.
— Cale-se, Melody. Sou eu quem faço as regras nessa família. Quero que sigam a Vivian e ajudem sempre que necessário, e principalmente, que fiquem unidas. — disse Julia olhando para toda sua família e demonstrando uma clara feição de choro e orgulho — Por favor, nunca se esqueçam disso, sempre fiquem unidas. É isso que torna nossa família tão maravilhosa.
Julia levou as mãos até o rosto não contendo a emoção e desabando em lágrimas. Todas as garotas levantaram-se da mesa e correram para abraçá-la num gesto de confraternização e união. Era raro encontrar moças tão unidas, e mesmo de idades, culturas, hábitos e gostos tão diferentes, ainda continuavam unidas. Julia apontou para o alto e silencio-as, gritando subitamente de maneira eufórica:
— TÁ NA HORA DO BANHO!
O movimento foi tamanho que logo todas as garotas se empurravam e iam para fora da sala de jantar onde seus pais haviam construído uma enorme banheira ao ar livre que recebia água quente das termas locais e ainda era iluminada por tochas e pela luz das estrelas em noites claras. Julia logo corria para o encontro das amigas, mas voltou-se para trás quando viu uma ruiva caída no chão pisoteada e quase inconsciente  Julia soltou um suspiro e voltou para ajudá-la, não escondendo uma risada ao ver o rosto sujo da garota.
— Você sempre foi a mais lerdinha, não é, Vivian?
— Elas me empurram... — respondeu a ruiva acanhada — Vocês vão tomar banho? Mas eu acabei de tomar!
— Então vai tomar de novo, — disse Julia bagunçando os cabelos da menina — já está uma bagunça! É assim que eu gosto, nossa família não é composta de princesas, e sim, de guerreiras.
Julia riu ao levar a pequena menina em seu colo em direção das termas. Chegando lá não se deu nem ao trabalho de tirar a roupa, e simplesmente pulou na água levando tudo ao redor consigo. Sua mãe é que ficaria uma fera, mas agora seria obrigação da representante só sair dali depois que todas tivessem terminado seu banho. Dentre as funções da mais velha estava limpar, cozinhar e cuidar da casa; mas aquilo nunca era levado muito a sério, nenhuma das garotas ali presentes cozinhavam tão bem, suas perícias eram outras.
Julia estava sentada logo atrás de Vivian enquanto enxaguava os cabelos da pequena que parecia não gostar muito daquilo. Vivian divertia-se com o Ledyba da prima molhando suas asas e vendo-a sendo incapaz de voar. Era uma brincadeira fúnebre, mas divertia a todos. Logo a ruiva voltou-se para trás e perguntou esperançosa:
— Ju-chan, você vai levar só o Ledyba mesmo? Não quer nenhum Pokémon emprestado?
— Eu não quero ser treinadora, essa é a sua função! E diga-me, como anda aquela sua Sycther? Já conseguiu passar do segundo ginásio?
— É impossível! Aquele Falkner é um ignorante, já o enfrentei cinco vezes, e nunca consegui derrotá-lo! O que eu faço, Ju-chan? Não sou uma boa treinadora, eu nunca serei capaz de me tornar uma verdadeira campeã...
— Talvez você apenas não tenha encontrado sua vocação certa. — respondeu a loira com um sorriso, terminando de enxaguar os cabelos da prima ao jogar um balde de água fria em sua cabeça — É sério, já pensou em tentar outra coisa? Estou saindo nessa viagem para encontrar o que procuro, eu só não sei o que é. Quero que você também saia em busca disso, um dia todos nós teremos de deixar essa casa, e amanhã pode ser você!
— A-Amanhã? — perguntou a pequena.
— Você me entendeu, bobinha. — respondeu Julia, afundando a cara da menina na água enquanto caía na risada.
Assim que Vivian saiu seus cabelos estavam ainda mais bagunçados e repicados. Eles eram curtinhos e Julia os adorava, mas a ruivinha desejava que seus cabelos fossem tão longos e sedosos quanto os da prima. Seu maior ídolo, o ícone feminino para sua vida, queria ser exatamente como ela quando chegasse a sua idade.
Julia foi escorregando a mão pelas costas da pequena e sentiu sua maciez, logo Vivian virou-se e o olhar das duas se encontraram de forma que elas permanecessem assim por alguns segundos. O barulho infernal de suas primas mais novas já havia diminuído na medida que uma por uma elas saíam da banheira, até que restaram apenas as duas. Julia encarou os olhos de Vivian e aproximou-se de seu rosto gentilmente, até que soltou um longo suspiro pensativo e desviou seus pensamentos.
— Essa cidade precisa de mais homens, não acha?
— Ah, em Azalea só tem velho e aquele Bugsy esquisitão... E ainda nem sei se ele é um garoto de verdade. Ainda acho que ele me deixou ganhar aquela insígnia... — comentou Vivian bem baixinho.
— Hm, isso é coisa boa, ele está dando em cima de você, hein! — respondeu Julia com um sorriso, abraçando a prima e quase sufocando-a, mas Vivian dessa vez foi mais esperta e logo a derrubou na banheira de forma que as duas caíssem lá dentro, rindo e se divertindo.
— Quando eu crescer eu quero ser que nem você. — disse a pequena Vivian, entrelaçando seus dedos nas mãos de Julia na medida que encostava sua testa no ombro da mais velha. Julia a envolveu com seus braços, por fim fechando os olhos num gesto de carinho.
— E você será.
— Eu ouvi direito? — indagou uma voz distante. Quando as duas viraram puderam notar que Melody as espionava, e não escondia uma risada sarcástica em seu rosto — Está querendo dizer que o esquisito do Busgy está apaixonado pela Vivian?
— É-É mentira!! — gritou a ruiva em vão, pois já era tarde demais.
Melody já havia saído dali e provavelmente contado para todas as primas da família. Cidade pequena é assim, qualquer história é fonte de conversa para seus moradores. A fofoca corre feito o vento...

{ 5 comments... read them below or Comment }

  1. O capitulo foi muito bom!!!
    "Cidade pequena é assim, qualquer historia é fonte de conversa para seus moradores. A fofoca corre feito o vento..." realmente, aqui na minha cidadesinha é assim mesmo.

    ReplyDelete
  2. o.o" simplesmente hilário shuashuashua. Ta aparecendo ate a minha cidade desse jeito, qualquer coisa que acontece dois minutos depois a cidade inteira ja ta comentando e aumentando a história. Enfim, é assim que era a vida dessas duas antes de irem em suas respectivas jornadas, simplesmente uma vida mt emocionante mesmo shuashuashua. Quem diria que antes a Vivian era menos extrovertida, e uma coisa q notei e me deixou meio encabulada foi que a Vivian não estava com seu sotaque que é quase marca registrada dela, mas tirando isso achei mt incrível e demais. E posso dizer que o Support Conversation fez sua estreia com chave de ouro. E acredito que daqui para a frente só tende a melhorar. Estarei esperando pelos próximo (e não vou mentir, estou mt ansiosa para ver a minha sugestão virando realidade shuashuashua). Só uma perguntinha, os capítulos do SP (abreviando shuahsua) serão postados uma vez por semana, assim que forem feitos ou serão postados em que período de tempo?

    ReplyDelete
  3. Olá, Laísa! Vou ter que dizer que eu também estranhei a Vivian desse jeito tão meiguinha e singela, gosto da Vivi animada e problemática, e conforme fui escrevendo até eu estranhei a minha personagem! Mas faz parte né, ela era muito novinha nessa época, acho que tinha 10 ou 11 anos, e posso dizer que foi graças a Julia e a essa família turbulenta que essa garota se tornou o que ela é hoje aqui em Sinnoh. Deve ser coisa hereditária, oxi! kkkkkkk

    Na verdade esse foi um de meus maiores Support Conversations (vou usar a sigla SP também kk) ele beirou 2000 palavras, que é o máximo que estou pretendendo usar. Os outros são bem mais curtos, mas garanto que são tão interessantes quanto este. Sobre essa questão de postagem, infelizmente eu não saberia te dar uma resposta precisa... Agora no começo do ano estou meio atrasado com tudo, pois desde Dezembro não entro em meu computador, meu adorado quarto/escritório onde todas as minhas ferramentas ficaram! Por isso tive que deixar de fazer muita coisa nas férias. Quero terminar uns personagens novos e o Menu, mas conforme eu for me ajeitando terei mais postagens. Nesse meio tempo, creio que os Supports irão brilhar se a galera participar!

    Nas próximas semanas os SP serão os mais presentes, pois é um conteúdo novo e estou gostando de trabalhar com ele. Não darei datas e previsões, mas dependendo do tamanho eles podem ser postados um por semana, ou até mais cedo. Ainda temos alguns na frente do seu, mas pelo menos já dou certeza que ele será postado! Quando escrevo um título a história já é garantida ;) Adorei sua ideia e me diverti ao criá-la, espero que você goste! Obrigado pelos comentários aí galera, fui!

    ReplyDelete
  4. "Nossa família não é feita de princesas, e sim, de guerreiras" - essa frase mereceu meu respeito!

    Cara, sério, que lindo mano! Adorei isso! Eu sempre pensei em fazer um especial das primas em Azalea, mas sem dúvida alguma você fez um especial digno cara! Melhor do que eu imaginava.
    Tudo ficou tão natural sabe? Desde o momento em que você falou de Azalea até o momento em que a Melody chega e espalha a fofoca mal contada da Vivi e do Bugsy. Fora que eu dei muita risada com a aventura da Julia e da Vivian lá na ponte, buscando seu tesouro. A lenda da garota no poço então foi hilária, e a imagem do Slowpoke, poutz, morri! Foi muito engraçado cara. KKKKKKK' E essa linda afeição entre as primas, tipo, tudo muito fofo cara! E eu fiquei imaginando se essas outras primas aparecessem nas outras histórias o quão engraçado poderia ser! A Gangue de Garotas de Azalea!KKKKKKK' Muito foda, apenas :D
    Obrigado pelo presente cara, quem me dera pudesse retribuir! Espero que eu volte logo para o mundo da internet, estou tão eufórico em fazer algumas mudanças no blog! E aliás, não vai mesmo postar esse especial no blog? D:
    Foi tão kawaii, sério mesmo man! Ganharia no Omascar facilmente U_U
    Teria no mínimo uns quarenta votos só meus KKKKKKKKK'
    Obrigadão pelo presente, foi uma das melhores coisas da semana \õ/
    Sayo Canas-kun \õ

    (From E-mail)

    ReplyDelete
  5. Nada melhor que uma família unida *-* kk Sério cara, foi muito maneiro ter juntado as duas primas, que aposto que os leitores esperavam ansiosos! Olha só, não é que a Vivian parece muito mais calma? Será que quando cresceu e foi pra Sinnoh recebeu a clássica personalidade das primas de Azalea? O desenho do Slowpoke ficou muito engraçado, porque brincadeira de criança é sempre assim, parece que a imaginação transforma cada pequena coisa em algo maior. Excelente trabalho, cara, continue assim :)

    ReplyDelete

- Copyright © 2011-2017 Aventuras em Sinnoh - Escrito por Canas Ominous (Nícolas) - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -