Posted by : CanasOminous Jan 21, 2013


Support Conversation (Conde x Glory)
Gênero e Disclaimers: Romance, Violência;
Tema: Namoro e Discussão. Toda história precisa de um mocinho,
mas também precisa de bons vilões;
Sugestão do leitor: Master Titan.

No vasto salão o silêncio percorria um único rumo, dava voltas diante dos altos pilares e talhava um ruído pertinente sobre a respiração ofegante de um guerreiro aprisionado. Um mero inseto aos olhos de quem o observava, sendo obrigado a ajoelhar-se diante de sua majestade. Num patamar mais elevado estava o líder de sua equipe, o mandante dos exércitos e rei absoluto dominando um vasto império de tirania com mãos de ferro. Ele era Conde, o Empoleon. O favorito de seu treinador, conhecido também como o Tirano.
Ajoelhado estava um Sudowoodo, um dos velhos representantes de sua equipe e companheiro de guerra nos tempos em que a guilda ainda caminhava rumo ao seu início imprevisto. Dois outros Pokémons estavam ao seu lado, e as lanças formavam o “x” impedindo que ele sequer se aproximasse do Conde. O rei se autoproclamara uma divindade, e devia ser tratado com respeito.
— Não dou misericórdia a traidores, meu caro Suderios. Você deveria ter pensado nisso antes de sequer pensar em abandonar a guilda. — disse o Conde, sentado em seu trono de prata com as pernas e braços esticados de maneira elegante e centrada.
O apavorado Sudowoodo tentou defender-se.
— Meu senhor, servi o reino por muito tempo, defendi nossa guilda e treinei novatos que vieram a tornar-se importantes guerreiros na atualidade. Tudo que peço é minha retirada. Não sou mais tão respeitado, os soldados não me olham com os mesmos olhos, me veem apenas como um fardo indigno do cargo, mesmo depois de tudo que fiz. Peço apenas para que me liberte, ou nunca mais irei prostrar-me em sua frente, se me considerares um fardo. — respondeu Suderios.
— Um fardo?— respondeu o Conde, levantando-se de seu trono.
O homem levantou-se e evidenciou-se. Ele era belo, tão belo que parecia ter sido construído e nascido de um deus. Seu rosto era guarnecido por uma máscara que estendia-se até formar uma coroa, e sobre seus pés a longa capa de algodão e seda exalava sua glória como um adorável rei, digno de seus atos, respeitado por toda uma nação. O Empoleon caminhou vagamente e desceu de sua plataforma, colocando-se no mesmo nível dos demais. Os soldados ao lado de Suderios recuaram um pouco ao verem que seu rei retirara uma fina espada de prata da bainha.
O Conde observou a lâmina atentamente e falou:
— O senhor nunca foi um fardo, foi um saco de lixo. Com suas técnicas e conceitos tentou iludir meus exércitos com suas doutrinas, envenenando suas mentes com conceitos sobre justiça e lealdade. Um armamento é liderado pelo medo, e eles me respeitam. Eu sou a lei e a ordem nessa guilda, — disse Conde, tratando o velho companheiro de batalha pior do que um verme — ajo sozinho e sem obedecer a ninguém. E muito menos a um velho que vem diante de sua majestade com intenções de pedir o “favor” de liberá-lo. Um traidor sempre será um traidor.
Suderios arregalou os olhos com o discurso e não teve nem tempo de ver quando a espada mergulhou em sua direção e tudo escureceu. Os dois soldados ao lado empalideceram, mas ficaram calados diante do corpo. O Conde limpou sua espada nas vestes daquele miserável e sorriu de forma cínica, apontando para as duas partes pendidas no meio do salão.
— Limpem isto mais tarde, e isto. Irei receber visitas e não quero assustá-las.
Os soldados bateram continência e imediatamente partiram levando o corpo do falecido guerreiro consigo. O Conde sentou-se em seu trono e esperou, esboçando uma feição de tranquilidade em seu belo rosto divinal. Logo duas escravas vieram à sala e começaram a limpar o sangue, mas em momento algum ergueram o rosto, não podiam olhar para sua majestade, pois aquilo era uma desonra.
Ao terminarem deram entrada para uma ilustre visitante que foi recebida nos portões de ferro por um membro da corte. Os escravos de Conde colocaram uma mesa no centro do salão e serviram diversos pratos exóticos de Sinnoh, dos mais sofisticados até os mais suaves frutos já encontrados. Em cada ponta da mesa estava uma cadeira, e ao terminarem o Conde levantou-se e foi recebido por um serviçal que puxou-lhe a cadeira para que se sentasse. Do outro lado estava uma mulher vestida de enfermeira com olhos sedutores e lábios carnudos. A moça não esperou que todos saíssem da sala da sala, mas ouviu as boas vindas dadas por seu senhor.
— Bem vinda, Glory. — disse o Conde com sua voz angelical.
— As cortesias em seu palácio são péssimas. — ela respondeu de maneira direta ao puxar a cadeira, sentar-se e esticar os pés sobre a mesa. O rei permaneceu sério como se condenasse aquele ato, mas não respondeu nada quanto à atitude e má educação. Esboçou um sorriso falso e forçado.
— Que digno de uma dama.
— Não sou uma dama, sou uma anarquista. Você sabendo o que isso significa, ou não.
O Conde riu de maneira irônica, mas, certamente, não sabia o que era. Ele não era reconhecido por sua inteligência e conquistava o público diante da força e crueldade de seus atos. Não interessou-se nem um pouco naquela mulher, mas ainda tinha um dever a cumprir. Precisava daquela parceria. O homem puxou uma faca de ouro da mesa como se estivesse pronto a atirá-la, desenhando círculos sobre o prato e ocasionalmente lançando olhares para sua convidada..
— Eu soube que a sua guilda é uma das mais poderosas do reino na atualidade, e por isso estamos aqui, nessa magnífica situação em busca de uma aliança para nossos exércitos.
— Quanta gentileza. — respondeu Glory pouco interessada, abocanhando um pedaço de frango com a boca cheia enquanto cruzava as pernas e mal lidava em conta com o fato de que usava uma saia curtíssima. — Pode me passar um pouco desse prato na sua frente?
— Mas é claro, minha nobre donzela. — respondeu o Conde com os dentes trincados, já irritado pelo simples fato de ser ordenado a pegar um prato para aquela invasora compulsiva. Pretendia firmar a parceria e dispensá-la o quanto antes.
O rei afastou o prato já perdendo o apetite pelo simples fato de ver Glory comer todo aquele banquete e continuar magra como uma modelo. Ele apenas continuou segurando a faca enquanto examinava seu corte de maneira ameaçadora.
— Bem, então, o que me diz? Posso confiar seus exércitos ao meu comando? Uma mulher não deveria colocar-se na frente de batalha, então peço para que deixe os esforços comigo. Estarei disponível caso a senhorita precise, mas ao meu lado garanto que nunca mais sofrerá uma derrota, e da próxima vez que nos encontrarmos com os indignos guerreiros dos Fire Tales, nós os eliminaremos de uma vez por todas. Pendurarei seus corpos no portão de entrada para que toda a nação veja!
— Que crueldade. — ela respondeu, limpando a boca com o pano de mesa. — Você é muito falso. Pode até ter devoção para fazer isso, mas sem a minha ajuda jamais conseguirá.
— Falso? — indagou o Conde, enfiando a faca na mesa com força. Glory manteve-se quieta, limpou a boca novamente, mas não demonstrou muita surpresa. Parecia ter previsto aquela reação.
A mulher levantou-se de sua cadeira e foi caminhando em direção do rei que por um momento sentiu-se intimidado, quando era ela quem deveria sentir tal emoção. O homem ergueu o queixo denotando respeito, mas seus olhos ainda se desviavam para as curvas sinuosas de Glory que rebolava em sua direção como se exalasse um ar de tentação proposital com seu perfume inglês. A moça foi até a outra ponta e esticou a perna de tal maneira que ela pôde apoiar-se sobre a mesa com suas partes íntimas ligeiramente à mostra, e assim foi aproximando-se do rosto do homem esfregando seus peitos na armadura de prata do Conde.
— Nós dois compartilhamos um ódio intenso pelos Fire Tales, mas não se engane a respeito, você não manda em mim. — disse ela ao puxar o homem para mais perto de si, fazendo-o largar a faca involuntariamente. Nunca antes alguém tivera a audácia de aproximar-se tanto do rei.
— Como ousa?
— Simples. Sejamos francos. Você quer me usar, e eu quero usá-lo. Não vamos ficar de segredinhos enquanto um tenta derrubar o outro para tomar o posto como líder, pois eu não tenho interesse nisso. Não sou uma mulher burra como parece, vivo uma anarquia à minha maneira e não obedecerei ordens de um homem, e muito menos de você. — respondeu Glory ainda muito próxima, mordendo seus lábios e lentamente retirando o pé da mesa.
Dessa vez a mulher aproximou-se mais um pouco e esticou a perna direta entrelaçando a cadeira prateada do rei. Deu um rápido salto até cair no seu colo o que fez o homem admirar-se com sua audácia, pois nunca antes vira nada igual, uma mulher com tanta atitude e ousadia. Glory era uma mandante selvagem e parecia ter uma rivalidade com os Fire Tales maior do que qualquer outra.
— Eu não confiava em você. — assumiu o Conde. — Mas, estranhamente, agora confio.
— Todos nós temos segundas intenções, meu senhor, — disse ela de forma bajuladora, escorregando as mãos até a camisa do rei — da mesma forma que todos nós temos segundas intenções quando pedimos por algo.
— Fama. Poder. E vingança. — assumiu o Conde imaginativo.
— Amor. Sexo. E, principalmente, vingança. — assentiu ela — Creio que tenhamos mais coisas em comum do que imaginamos. Tudo isso são apenas formas diferentes de se alcançar o mesmo objetivo, um é consequência do outro. Eu posso te dar a fama, posso te dar o poder. Mas é óbvio, eu também vou querer a minha parte. E juntos, alcançaremos nossa vingança. 
O Conde sorriu de forma maliciosa ao segurar as pernas de Glory para mais perto de si pressionando-a contra a mesa e as longas vestes de sua majestade. A mulher entrelaçou seus braços sobre as costas definidas dele.  Foi até o ouvido de Glory e sussurrou de forma tentadora:
— Acho que estou começando a gostar de você.
— E, mais uma vez, entramos num consenso.

{ 5 comments... read them below or Comment }

  1. Eu... Tô sozinha na página dos coments? Primeira a comentar? UHU \O/

    Adorei este aqui, Canas-kun! Abençoado que seja o facebooka, sempre me informando sobre os bagui de AeS! Agora, só tenho uma coisa a dizer: CADÊ US CARA MOZILLA/WIKI E VISTA NO SC? Comigo é na base do Mato ou Morro: Se o inimigo for forte, ou corro pelo mato. Se não der, vai pelo morro mesmo. (Badum-Tss!)

    Tia Glory pirando os mino! Abalando corações malignos! Muhahahahihihi (Risada Malitica, que é risada du mal e risadinha romântica.)

    Sem coments sobre a Glory. E o Conde tava tão nojento, que eu tive vontade de mandar o Boss Final do BossCraft do canal do Venom extreme matar ele! (O.K parei.)

    MUITINHU ARRATADU!

    SAYONARA, PINGUIM ANÃO!

    ReplyDelete
  2. Diga ae, Juh! Oh sim, o Conde é nojento, é um vilão tão asqueroso e maléfico que mal posso esperar pelo momento em que alguém acabar com ele, ou simplesmente reescrever aquela cena onde a Titânia chuta seu traseiro no Capítulo 24. Ahh, e a Glory! Eu a adoro como vilã, e digo que esse episódio foi apenas o preparo para alguns planos que ela está tramando, e sinto que ela atacará os Fire Tales assim que tiver a chance, começando pelas bordas onde ela sabe que eles são mais frágeis... A Glory estará no FT 24, será que teremos algumas lutas épicas nesse capítulo?

    C-Calma querida, estou guardando um Support Conversation muito melhor para a Wiki e o Vista!! Quero dizer,tá vendo o Fire Tales 24? Sim, é só deles. Criei inicialmente como um capítulo de Support, mas ficou imenso ultrapassando a 6000 palavras, então transformei num episódio mesmo. Ahh, estou quase convencido de postá-lo, mas sabe como é. Um capítulo para maiores de 16 anos não seria lido por muitas pessoas, ainda que alguns curiosos apareçam por aí. Mas fique tranquila, tu sabe que a Wiki é minha favorita e o Vista é meu Cavaleiro Negro favorito. Eles aparecerão muito daqui para frente, e desenhos é o que não vai faltar! kkk Okay, ainda teremos algumas coisas bacanas daqui pra frente, estejam ligados! Obrigadu pelo comentáriu querida, beijos! kk

    ReplyDelete
  3. Here I am!
    Posso dizer que quero a morte tanto do Conde quanto da Glory? kkk!
    Essa aliança vai dar problemas, maaaaaaaaaas FT vai chutar o traseiro deles numa felicidade/facilidade inimaginável! kkk!
    Agora um pequeno recadinho pro autor: Criatura, só te falar que você pode tirar as férias que quiser! Você merece! kkk! Sério, essa história tomou proporções muito grandes, e isso é devido ao autor, obviamente. Não nego que fico triste quando fico sabendo que minhas sextas ficarão meio que vazias (tá, ficarão sem nada! kkk) mas o Canas merece descansar. Pra depois voltar com coisas fodas e lindas, obviamente! kkkk!
    Acho que falei demais!
    Ah, é! Na hora que você voltar, o chato que vos fala estará esperando, obviamente! kkk!
    Moacyr!
    E sim, quero ver a Wiki destruir a Glory! imagina uma luta de Conde x Vista? Metal x Metal, destruindo tudo, sendo que o Vista vai deixar o tiranozinho beijando os pés dele. Depois da luta ele chega e só solta, com o Conde arregaçado: "KISS. MY. FEET."... Isso seria épico! kkk!
    Falei demais de novo! kkk!

    ReplyDelete
  4. Diga ae, Grande Moa! Bem cara, essa mensagem de férias foi mais para o pessoal ter noção que eu não conseguiria manter as postagens ativas por tanto tempo. Houve uma época aí que eu postava semanalmente, e isso não vai mais dar para fazer, mas enquanto eu tiver coisas guardadas irei postando e trazendo novidades. Esses personagens, capítulos e Supports não podem demorar porque se não passa muito tempo e eu meio que melhoro, e acabo descartando as coisas ruins kkkkk Então estou aproveitando só para lançar o que sobrou, mas não estou produzindo mais nada (:

    Obrigado pela mensagem cara, vai ser muito bom poder contar com sua presença depois dessas longas férias. Estou precisando de um tempinho para relaxar, mas só de tirar os capítulos dos ombros já é um grande alívio. Vou dar uma descansada, e esperar pelo Grande Moa nos comments quando eu voltar! E pensar que ainda lembro a primeira vez que você surgiu, e olha que você é um dos poucos que lembro isso. Foi naquela postagem do mapa, onde eu colocava os Sprites dos treinadores a cada novo capítulo, e que mais tarde se tornou a página de Character Sprites. kkkkkkk Bizarro cara, acho que você é o único leitor do blog inteiro que eu lembro exatamente a primeira vez que comentou. Não sei por que, mas acho que ficou na memória. Talvez era o anuncio de coisas boas que viriam daí em diante.

    Por que todo mundo lembra das coisas que o Vista fala dessa maneira? Tipo: NO. THIS. IS. SINNOH. kkkkkkk O engraçado é que ele acabou pegando essa personalidade hardcore pra ele, e admito que isso é muito bom. O duelo do Vista contra o Conde vai ter que ficar para depois, mas tenho escrito um momento lindo onde a Wiki vai dar um soco na cara da Glory, isso sim será épico! kkkkkk Valeu pelo comment cara, não se surpreenda de me ver por essas bandas até o fim de fevereiro postando coisas. Não pense errado, tudo isso já está pronto, e eu apenas estou postando! Já estou aproveitando minhas férias, fui dar um rolê na praia, estou lendo livros, vou tentar desenhar umas Wiki hentai... Mas de qualquer maneira, vai que eu exatamente quando eu termino de postar esse meu "depósito" eu já consigo ter escrito algo da Saga Platina! Pode ser que os leitores nem notem que as férias passaram! kkkkkkkkk É a vida de blogueiro cara, estou preso a isso. Abração ae, Moa!

    ReplyDelete
  5. Man, perdão a demora, chegou visita D: Se eu demorar a aparecer entre um comment e outro é por isso kkkkk Enfim, enfim. Cara, casais de vilões são fodas. Adoro isso. O Conde... Admito que não via ele com muita ênfase até o momento, mas passo a vê-lo com outros olhos, como um verdadeiro vilão, maquiavélico e cruel. E a Glory como uma mulher persuasiva, direta e ousada. Combinação letal, de ambos. Chega de vilõezinhos meia boca (aliás, houveram "vilõezinhos meia boca"? kkkkkk), agora são clones, os fodões da Elite, e as guildas malignas como estas. Vou adorar vê-los em ação, curti ambas as guilds!

    ReplyDelete

- Copyright © 2011-2017 Aventuras em Sinnoh - Escrito por Canas Ominous (Nícolas) - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -