Posted by : CanasOminous Mar 17, 2012

Os raios do sol aos poucos passavam por entre as persianas do quarto dos jovens. Lukas levantou sua cabeça e lançou um rápido olhar ainda sonolento pela área, e logo de imediato notou a falta do irmão na outro cama que permanecia bagunçada. O jovem sentou-se sobre sua cama e pôde notar seu irmão que já se arrumava no banheiro, penteando seus cabelos negros e com as malas prontas para partir. Luke usava várias ataduras brancas em suas duas mãos, e Lukas como um bom observador não deixaria de ter notado, embora preferisse não tocar no assunto.
— Acordou bem cedo hoje. — disse Lukas de modo gentil, temendo que seu irmão ainda estivesse estressado como na noite passada. Luke apenas ajeitou sua boina e fez um rápido sinal no espelho como se tudo estivesse pronto, em seguida virou e saiu do banheiro.
— A gente tem que se preparar para seguir viagem com aqueles dois, não é? Não quero ficar para trás e ser tachado como o último a acordar, como sempre. — respondeu Luke, terminando seu serviço e deixando o quarto.
Não demorou para que Lukas também terminasse de se arrumar e logo descer as curtas escadarias de madeira do Centro Pokémon. A Enfermeira Joy já servia os poucos treinadores que entravam, e aparentemente lá estavam Riley e Marley no refeitório. Dawn também estava pronta, e a Companhia já estava disposta a começar seguindo seu caminho em direção às rotas seguintes.
O grupo saiu do Centro, mas antes Riley parou e virou-se para trás, olhando para Luke e direcionando-se à ele de forma singela:
— Vamos deixar que o líder do grupo trilhe os passos da equipe.
Luke abaixou a cabeça e tomou frente. Sentia-se lisonjeado em poder ser chamado de líder, mas algumas vezes indagava se aquilo não era feito somente para provocá-lo. Os jovens costumavam trocar sorrisos e conversas paralelas enquanto seguiam viagem, adentrando a Rota 210. Era uma das trilhas mais longas da região, e estendia-se até os mais remotos cantos de Sinnoh até que eles fizessem caminho à uma pequena cidade conhecida como Celestic, além de conter uma densa cortina de neblina que dominava área durante grande parte do ano. Porém, esse não era o caminho desejado pela equipe, eles tomariam rumo pela Rota 215.

Ainda era bem cedo e não haveria problemas no fato dos jovens parassem e fizessem um rápido lanche na Café Cabin, uma construção ao norte de Solaceon que servia para abrigar aventureiros exaustos que poderiam travar batalhas quando desejassem. 
Era possível comprar um pequeno drink conhecido como Moo Moo Milk, o delicioso leite de Miltanks que eram extremamente raras em Sinnoh naquela época do ano. Não era uma bebida cara, e Lukas aproveitava para comprá-las aos montes para utilizar em seus Pokémons que pareciam adorar o leite natural. Feebas se deliciava do gosto, da mesma forma que Pachirisu sentia como se fosse o melhor alimento do mundo. Apenas Togepi se mostrava insatisfeito, ele aparentava gostar mais de ervas amargas e outras comidas um tanto quanto peculiares para Pokémons bebês.


Haviam poucos treinadores na área, mas não era de se surpreender que um deles havia desafiado Riley pelo fato da fama do sujeito como uma das verdadeiras celebridades de seu tempo. O homem já havia se aposentado no ramo de batalhas, mas uma distração em meio às viagens sempre eram boas para descontrair. Riley utilizara apenas de um Lucario para derrotar três Sudowoodos adversários, o que chamava a atenção de Luke e deixava claro seu título como veterano.
— Senhor Riley, o seu Lucario é um Pokémon fantástico! — elogiou Lukas.
— Ele é o meu parceiro mais antigo, foi ele quem me incentivou a virar um treinador. Lembro-me de treiná-lo quando eu ainda possuía um simples Riolu. No momento tenho um Gyarados, um Pinsir e uma Absol em minha equipe, mas deixei outros Pokémons em meu Box. Estes em especial, eu separo estritamente para o uso na Battle Tower.
Aquele nome lhes era muito conhecido. A Battle Tower era a construção onde somente os melhores treinadores conseguiam uma vaga. No momento não era a maior ambição de Luke, pois seu verdadeiro sonho era tornar-se campeão de Sinnoh, e não derrotar os Frontier Brains como eram conhecidos. Riley era o Stat Trainer do Attack, e por isso não era de se surpreender que tinha Pokémons poderosos como o Machamp, Breelom, Mamowsine e Rampardos; todos depositados em seu armazém. 
Marley também nunca dissera nada, mas possuía Pokémons com uma velocidade altíssima como os giros serenos de sua Starmie, as asas rápidas de seu Crobat e os movimentos contínuos de seu Electrode. A garota provavelmente era nativa da região de Kanto, e poder conhecer uma estrangeira sempre é uma ótima forma de ter mais conhecimento sobre o mundo.

Luke continuou a guiá-los até que eles chegassem à entrada da Rota 215. Os informantes afirmavam ser um local inundado pelas chuvas fortes durante grande parte do ano, e por isso eram frequentes os deslizamentos e desastres na área, tornando aquela uma das rotas mais perigosas de todas. Porém, era o caminho mais curto até Veilstone, e nenhum deles parecia estar disposto a tomar o caminho oposto e contornar o continente inteiro somente para não pegar uma mísera chuva.

             
Talvez havia sido uma má ideia, pois agora a tempestade ganhava força e parecia quase levar os pobres aventureiros para longe com suas rajadas de ventos e pingos que mais pareciam canivetes quando iam ao encontro de suas peles. Dawn lutava para não deixar que sua saia levantasse, de forma que aquilo até mesmo arrancasse risadas de Riley quando a via debatendo-se em meio ao vento. Marley também vestia saia, mas parecia não se dar conta dos perigos do vento, o que provocava frequentes risadas nos companheiros.
— Quer voltar para trocar de roupa? — brincou Luke.
— Claro que não! Já estou encharcada, voltar e gastar mais roupa ainda só vai dar mais trabalho. É só vocês não ficarem me olhando toda hora que nem estão fazendo agora!! — disse ela aos berros, mas acabou por ser surpreendida quando Luke depositou seu casaco sobre as costas da garota.
— É melhor você usar antes que fique com um resfriado.
Dawn passou a olhá-lo enquanto ele se distanciava aos poucos na Rota 215 em busca de um caminho que fosse mais rápido. Provavelmente algo havia acontecido na última noite em que Luke dissera que havia ido treinar, embora ninguém soubesse.
 O jovem garoto estudava cada passo de seu rival, Luke não notava nada realmente abominável ou maldoso na presença de Riley, mas apenas não se sentia à vontade com alguém superior, talvez o orgulho ainda lhe causasse mal, embora num nível amenizado. A bronca recebida de Titânia fora o suficiente para que ele refletisse por várias horas durante a noite.


A equipe havia sido surpreendida com um longo e estrondoso trovão que cortou os céus. A chuva realmente engrossava, se é que isso era possível, e logo parecia que os aventureiros precisariam procurar uma caverna para se abrigarem. Riley segurava nos ombros de Marley para evitar que a garota não fosse levada pelo vento, da mesma forma que era evidente que Dawn e Lukas também passavam muito frio. Os pingos batiam com força em seus rostos, de forma que até mesmo Luke sentisse na obrigação de fazer uma pausa.
— As árvores atraem raios, então presumo que seja melhor nos abrigarmos em algum ponto mais seguro, embora creio eu que seja impossível estarmos à salvos num lugar como esse. — comentou Lukas.
— Poderíamos pedir para que nossos Pokémons criassem um abrigo, mas será perigoso até mesmo para eles. — continuou Dawn.
— Vou usar o Shellos, ele pode localizar algum lugar seguro em meio à essa chuva, afinal, ele é um Pokémon típico de pântanos.
Lukas lançou seu Shellos, mas a pequena lesma quase era levada para longe somente pelas rajadas de vento que faziam. A chuva estava muito forte até mesmo para um Pokémon nativo da região, e talvez por aquele mesmo motivo nenhuma singela criatura ousara interromper a viagem dos treinadores. O grupo só parou quando Riley avistou uma pequena caverna ao longe na encosta da montanha. Era perigoso, mas melhor do que permanecer na tempestade.
Eles seguiram até a pequena caverna para se abrigarem. Ela não era muito alta e podia-se ouvir com clareza o eco dos pingos que batiam numa sinfonia no chão de pedra. Dawn sentou-se secando a blusa de Luke que estava em seu ombro, a todo instante reclamando da tempestade.
— Eu tinha feito chapinha hoje! Meu cabelo vai acordar um espetáculo amanhã, espero que ninguém esteja por perto quando isso acontecer. — reclamava Dawn.
 Marley lançou seu Arcanine que imediatamente formou uma fogueira em frente ao grupo, em seguida deitando-se próximo de sua dona para protegê-la do frio.



Riley tirou seu chapéu para secá-lo, e por um instante o homem caminhou observando atentamente cada parede, e lodo pôde notar a constância das goteiras na área. Elas pareciam ganhar força a cada minuto, como uma banheira que já transborda de água.
— Não é seguro ficar aqui. Aconselho a partirmos depressa. — disse Riley em direção de Luke.
— A chuva está forte demais, não tem como continuar. — respondeu ele.
Riley mantinha-se sério enquanto encarava o fundo da caverna que parecia não ter fim. Era muito provável que em breve começasse a entrar mais água, e de fato, não era seguro ficar por lá.
— Perdoe-me Senhor Luke, mas algumas vezes é melhor encararmos os desafios de fora do que as criaturas das profundezas do mundo. Há perigos e Pokémons mais hediondos na escuridão do que se possa imaginar. — continuou Riley.
Luke não era de ouvir conselhos, mas ele conhecia cavernas com um cuidado especial, e sabia que elas abrigavam criaturas ameaçadoras. (O incidente no dia em que Lukas capturou seu Burmy era a maior prova) Ele podia ver que seus amigos passavam por dificuldades, e embora raramente fizesse isso decidiu pedir a opinião dos outros.
— Eu acho melhor ficar aqui, quem prefere sair e continuar seguindo?
As duas garotas permaneciam quietas, o que provavelmente sobraria para Lukas resolver. Ou ele deveria confiar no irmão e permanecer na caverna até a chuva passar, ou confiar em Riley que dizia para eles continuarem. Lukas pensou por um tempo, e apesar de saber de toda a experiência de Riley, confiava mais em seu irmão do que em um desconhecido.
— Acho melhor ficarmos, até pelas garotas. — disse Lukas.
Riley manteve-se quieto, mas respeitou a opinião dos irmãos Wallers.
Não demorou muito, e como de se esperar, a chuva piorava ainda mais. Trovões mais pareciam ser gritos de guerra de gigantes que batalhavam intensamente nos céus do continente. A cada raio parecia que um Zapdos montara seus ninhos na região, e a tempestuosa região parecia nunca ceder. Riley parecia inquieto andando de um lado para o outro, ele aproximou-se da região mais afastada e notou de imediato as goteiras que já caíam numa fonte contínua de inundamento, foi então que um vazamento dentro da caverno ocorreu.
— Esperem, estão ouvindo isso? — indagou Lukas.
— Arrumem as coisas e vamos embora. — disse Riley com pressa.
Seus companheiros se levantaram ao ouvir fortes sons de água vindo do fundo da caverna. Luke encarou o barulho com surpresa e logo pôde notar a água que cobria seus pés subir cada vez mais.
— Não me diga que...
— É uma enchente!! — gritou Riley.
Os cinco rapidamente correram e pegaram suas coisas para deixar a caverna. Marley retornou seu Arcanine para que o Pokémon não fosse ainda mais prejudicado, e enquanto os jovens corriam para a saída um grande volume de água cobriu a todos. Era uma enchente mais próxima de um deslizamento, embora o volume de água fosse muito maior do que a quantidade de lama e pedras. 
Não foi uma quantidade grande o suficiente para cobrir toda a rota e transformá-la num rio, mas o susto e a pressão com que a água foi exposto causara um imenso pânico na equipe. Lukas tropeçou e foi coberto pela água que agora corria com mais intensidade, todos os gritos foram interrompidos por sinais de sufoco e pelas trovoadas contínuas.
De repente, uma imensa serpente aquática surgiu encoberta de lama e numa fúria enorme. Um grandioso Gyarados estava carregando Riley que tinha toda a sua roupa de grife toda encharcada e seu amado chapéu desaparecido. O homem recuperou o fôlego em cima de seu Pokémon que ainda vasculhava por todos os cantos à procura dos outros companheiros, Riley chamava pelo nome de seus amigos, mas não avistava nada. 
— Gyarados, sei que está velho, mas não pare de procurar! Sei que tem dificuldade para trafegar em meio à toda essa lama e sujeira, mas não podemos desistir agora!
Ao longe, Riley pôde ver alguém se debatendo, rapidamente ordenando que o Pokémon nadasse com toda a velocidade. Era Dawn que se apoiava em seu Piplup que parecia uma pequena boia de baixo de seus braços. Apesar de ser pequeno, o Pokémon pinguim havia cumprido sua missão de proteger sua treinadora com grande êxito.  Dawn pôde ver de relance a mão de Riley se estender em seu direção. A garota subiu quase inconsciente no Gyarados, ela abraçou seu Piplup ainda tentando retomar a consciência do que acontecia. Quando reabriu seus olhos pôde ver Riley questioná-la incansavelmente .
— Você viu mais alguém?! Dawn, você viu mais alguém? — Riley estava muito eufórico, o que era raro de sua pessoa. Dawn ainda estava tonta, mas apontou para longe com seu indicador.
— A Marley estava na outra margem com um Floatzel, e o Luke parecia ter conseguido fazer algo com seu Horsea, mas até agora não vi nem sinal do Lukas... — disse ela com a voz cansada.
Riley distanciou seu olhar à outra margem e pôde ver Marley de pé sobre uma área mais elevada, enquanto Luke e um Horsea continuavam dentro da água. O Gyarados lutou para enfrentar toda a lama em sua volta, ele se aproximou e Riley pulou na margem com Dawn entre seus braços.
— Riley! — gritou Marley com pressa, com seu rosto marcado por um pouco de lama e seus cabelos soltos por ter perdido a presilha.
— Onde estão os outros? Onde está o jovem Lukas?! — indagou ele com pressa.
— Nós ainda estamos procurando, mas até agora nenhum sinal! — disse Marley demonstrando seu espanto aparente.
Era possível ver Luke na água segurando-se em seu Horsea que lutava com todas as suas forças contra o volume de água que pouco a pouco desaparecia, dificultando a busca pelo fato da lama engrossar cada vez mais. Ele ainda procurava pelo irmão que não soltava nem um grito de socorro desde o incidente que ocorrera em poucos minutos.
— Lukas!! Irmão, cadê você?! Onde você está?! — gritava Luke amedrontado.
Riley pulou na água e foi ao encontro do garoto, o homem segurou na gola de Luke para que ele mantivesse a calma, mas naquela situação era quase impossível.
 — Cara, não acho meu irmão! Não tenho nenhum Pokémon aquático que preste, não posso fazer nada!
— Seu Horsea não faz apenas uma busca para encontrar seu irmão, ele procura seus amigos Pokémons que se perderam juntos, então, não o critique, ele está mais preocupado do que nós dois juntos. — disse Riley.
O homem mergulhou, mas não se podia ver nada além de toras de madeira e pedras que machucavam seu corpo. Luke continuou a buscar seu irmão, pois ele não desistiria nem que lhe obrigassem a ir embora.

Lukas delirava dentro das águas que o puxavam cada vez mais para o fundo. A correnteza o levava para em direção do norte, e ele nem sequer teria um Pokémon que pudesse salvá-lo naquela ocasião. Os olhos do garoto pareciam escurecer, ele olhava para o céu que tinha um brilho enlameado, e aos poucos era ocultado pela cortina de nuvens negras. Porém, um forte cintilar lhe chamara a atenção. Não conseguia ver claramente por entre a água suja da chuva, mas havia sido possível notar uma imensa cauda azul que se aproximava de seu corpo.
Luke e os outros foram surpreendidos no momento em que algo emergiu da água. Era possível ver uma outra serpente na água além de Gyarados, mas esta era claramente muito mais bela e delicada. Em meio à tempestade parecia que seu brilho trazia-lhes uma sensação de calma e alívio, revelando assim uma Milotic que tinha em sua cauda envolta em seu treinador inconsciente.
       
Sua Feebas havia evoluído no momento em que mais precisou, Lukas sentiu que o Pokémon lhe direcionava a palavra com uma linda voz, e com palavras delicadas ele pôde ouvir: Você cuidou de mim quando mais precisei, agora é a minha vez de protegê-lo.
Enquanto nadava com destreza entre as camadas sujas de lama, toda a água em volta de Milotic parecia ser purificada. Ela depositou seu treinador em um lugar a salvo, e por fim, seus amigos surgiram. Luke rapidamente saiu da água com seu Horsea em suas mãos, e os outros imediatamente correram para o consolo de Lukas que quase apagava pela quantidade de água que ingerira.

Demorou muito para que o jovem abrisse os olhos, e logo em sua frente a primeira pessoa que avistou era Marley. A garota mudou sua expressão para um singelo sorriso, dando um forte abraço de alívio quando pôde vê-lo acordado.
— Pensamos que você tivesse se afogado. — disse ela preocupada.
Lukas olhou para seu redor e notou que a água já havia abaixado, demonstrando o estrago na região que havia sido devastador. Deslizamentos eram fenômenos perigosos, e a aventura poderia ter terminado em tragédia se não fosse pela ajuda inesperada da Milotic de Lukas. O garoto virou-se para seu lado e se deparou com a serpente marinha que ainda o observava. Lukas não acreditava que sua Feebas havia evoluído, e principalmente no momento em que mais precisou.
— M-Milotic!! — gritou ele entusiasmado.
— Agradeça à esta bela princesa das águas, pois foi ela quem salvou sua vida. — disse Riley agachando na altura de Lukas.
O garoto abraçou a serpente e agradeceu-a quantas vezes fosse possível. Horsea havia demonstrado muita garra quando lutou contra as correntezas, e aquilo havia feito com que ganhasse a confiança de seu Mestre.
— Acho que te julguei mal durante todo esse tempo. Não pude perceber que você tinha um motivo tão especial para lutar por alguém quanto o meu. — disse Luke, demonstrando afeto pelo pequeno cavalo marinho.
Horsea estava muito feliz, e ainda mais por saber que sua pequena amiga Feebas havia evoluído para o Pokémon mais lindo do mundo. Ele nunca ligou para a aparência dela em sua pré-evolução, e não seria pela beleza que sua opinião mudaria. O jovem Mikau era um Pokémon carinhos com aqueles que amava, e ver seus amigos crescerem era muito satisfatório, mesmo que um pequeno sentimento de inveja o cobrisse por sentir que ficava para trás.

Todos estavam aliviados por saber que aquilo havia terminado bem, com exceção de algumas perdas pessoais. Riley caminhava pelos montes de lama vasculhando os destroços, seus sapatos envernizados agora estavam cobertos de lama até o joelho, mas mesmo assim, Riley abriu um sorriso quando avistou algo azul no chão. A sensação de que ele tivesse se perdido para sempre havia sido devastadora. Ele se agachou e pegou o chapéu com um belo sorriso estampado, afinal, aquele chapéu já havia o acompanhado em muitas aventuras, e trazia as mais antigas memórias de seus amigos eternos.
                 
Riley demonstrou sua competência como observador e veterano, de modo que os jovens se desculpassem mil vezes por não terem ouvido seu conselho sobre a caverna. Um grande perigo havia cercado a aventura do grupo naquela manhã, mas por sorte eles haviam conseguido fazer seu caminho pela Rota 215 até chegar à cidade de Veilstone. 
— Eu perdi meu Pokégear, ganhei do Professor Rowan depois de um ano de trabalho no laboratório, espero que ele tenha concerto... — disse Dawn entristecida, verificando o aparelho pifado — Sorte que essas Pokéagendas não sofreram danos, foi um grande avanço elas se tornarem à prova d'água.
— Mas isso não muda o fato de que nossas roupas estão destruídas. Espero ter a chance de repôr todas elas em Veilstone... — comentou Marley.
— Vamos lá, pessoal. Objetos nós podemos comprar; roupas, costurar; mas a vida não nos dá uma segunda chance. Eu jamais vou esquecer dessa manhã, tanto pelo fato da evolução da Feebas, quanto pela agonização que passei em meio à enchente. Espero nunca mais passar por essa rota. — disse Lukas.
A chuva cessara como raramente acontecia. Havia um velho ditado que dizia: Depois de toda noite turbulenta, há uma manhã bem clara na sequência. A Milotic de Lukas seria de imensa ajuda, e com isso, o jovem coordenador tornava-se mais respeitável e poderia bolar novas estratégias para sua apresentação em Pastoria City.

Veilstone se aproximava, e com isso muitas novas aventuras e encrencas podem vir a surgir. Uma conhecida facção abriga-se na cidade, e o líder de ginásio com certeza ainda trará muitos problemas para enfrentar Luke que sofre de um transtorno psicológico excessivo. A batalha no ginásio lutador pode ser marcada pelo despertar de uma personalidade oculta dentro de Luke , mas será que ele será capaz de dominar todo o rancor dentro de seu coração? Competições, batalhas; o próximo desafio se aproxima, e com ele, a Cidade dos Meteoros.

      

{ 18 comments... read them below or Comment }

  1. Que capitúlo, Canas! Solceon fica para trás enfim, route 201, que poder 1 lucario treinado pelo riley > 3 sudowoodos, só o RIley para fazer isso, a rota 215, lar dos licktungs em sinnoh, que pena que eles não apareceram por causa de chuva, eu amo licktungs e sua evolução... Lembranças daquele ursring me trazem lembranças de um personagem, Kevin, ele deu uma sumida não? Espero que ele volte gostei dos rangers... AAAAAAHHHH a cada dia mais perto de uma tristeza, adoro a maylene, ela foi trocada, como a candice, também adoro ela, mas mesmo assim vou continuar a ler... Uma inundação, na caverna, infiltrções em cavvernas são um perigo... Que lindo, a rota 215 com suas ilhinhas formadas, já notou como ela e Veilstone parecem ser várias ilhotas fomando um arquipélago... Uma milotic! feebas vai calar a boca do gabite que ficava chamando ela de feia quando entrou pro grupo... Enfim uma frase... "Objetos nós podemos comprar; roupas, costurar; mas a vida não nos dá uma segunda chance..." Luke... Que tocante, emocionante o Luke dizer isso, notei que o Luke se aproximou mais do Riley nesse capitúlo...
    De Dezinovés

    ReplyDelete
    Replies
    1. Eae, Dezinovés! Cara, eu curto muito os Licktungs, pena que até agora não encontrei uma brecha pra encaixá-los na jogada. Acho tão legal Pokés com HP alto, fiquei muito feliz quando surgiu o Licklicky! *-*

      Rapaz, deixa eu te falar algumas curiosidades sobre aquele Ursaring, se estiver interessado. Quando eu trabalhava com o Celeby eu costumava fazer algumas coisas sem pensar, como por exemplo a aparição de um Ursaring em Sinnoh. Tudo bem, na época eu falei que ele havia sido solto, mas ultimamente tenho tentado concertar cada erro da fic para torná-la cada vez melhor para os novos leitores, e uma das coisas que modifiquei foi esse Ursaring, eu tirei o Pokémon e coloquei um Snorlax. Este fato não vai afetar em nada a leitura do pessoal atual, isso porque aquele Pokémon não faria mais nada na história. Mas foi só um comentário que achei interessante deixar vocês sabendo, se for lá pro Capítulo 5 vai ver que tem um aviso falando do Ursaring, dá um pulo se tiver tempo (:

      E o Kevin... Sinceramente, a maior desgraça da fic na minha opinião. Cara, se puder esqueça que ele existe! kkkkkk Na moral odeio colocar personagens inúteis, e o Kevin foi um deles. Interliguei com Pokémon Ranger e fiz toda uma mistura sem nexo na época. Sorry man, mas acho que Kevin entra pro fundo do baú como o Looker, entre outros personagens. Man, e me desculpe pela troca de líderes, mas em breve vocês poderão entender mais do motivo. Admito que não sou muito fã da Maylene, mas ela vai aparecer na fic, então pode ficar tranquilo, considere como um presente aos fãs dela ;) E a propósito man, acho que você se enganou nessa última frase, foi o Lukas quem disse, e não o Luke! Aposto que você suspeitou, era uma frase sábia demais para o micro cérebro do Luke... kkkkkkk Abração :D

      Delete
  2. Miloooootic *---------*
    Acho que comecei esse comentário errado, vamos abafar e recomeçar ^^'
    O Capítulo foi excelente, adorei a forma como você deu um certo drama para a situação, de forma que pelo menos eu fiquei totalmente apreensivo durante a enchente. Agora os pequenos Pokémons que o Luke achava bobos conquistaram seu respeito. Finalmente Mikau recebeu o respeito merecido, parabéns para ele! E a pequena Feebas virou a criatura mais linda do mundo (depois da Gardevoir :3). E que beleza ein, além do grandioso Arcanine, as lindas Froslass e Gardevoir agora temos uma Milotic? Cara, essas equipes estão juntando meus Pokémons favoritos! Ficou show Canas, muito bem bolado e tudo mais. Só uma pergunta. Você vai atualizar a página da Milotic hoje?

    ReplyDelete
    Replies
    1. Poxa cara, me desculpa, mas acho que não vou poder atualizar a página da Milotic até domingo à noite. Já que eu voltei para a minha cidade acabo deixandoo meus documentos no meu apê, logo, a Milotic também ficou lá T-T Só vou poder atualizar os Pokémons do Riley, da Marley, e a Milotic só depois do fim de semana, isso porque terei uma viagem para o Museu do MASP em São Paulo sobre Roma e Grécia. É cara, agora preciso fazer 200 horas de atividade complementar pra facul... kkkkk Desculpem o incômodo em demorar com a atualização, mas quando eu arrumá-la estarei postando nos Headlines! Abração, Haos ;)

      Delete
    2. Haha imagina, pode ficar tranquilo ;) Vixi, atividade complementar? '-' Coitado, mas pelo menos Roma e Grécia são assuntos interessantes, pelo menos na minha opinião. Época de descobertas, onde os gregos tiveram a primeira idéia do átomo e... MALDITA SEJA A AULA DE QUÍMICA QUE NÃO SAI DA MINHA CABEÇA! O professor faz umas brincadeiras com o assunto e acaba grudando que nem chiclete no cérebro. Só espero que dure até a semana de provas ^^' até mais Canas o/

      Delete
  3. Canas, estou adorando a fic. Deu pra se perceber que que o Luke se "aproximou" mais do Riley (esta rivalidade faz milagres! Ela fez o Luke acordar cedo :o). Gostei muito da Feebas do Luke ter evoluido, só fico imaginando como a mãe do Lukas, a Vivian e os membros do Fire Tales vão reagir (Prepare-se Gabite, mais uma pra te dar bofetada! :P). Agora o Lukas vai ganhar muitos torneios! Outra coisa que gostei neste capítulo foi o fato de que o Luke ganhou mais confiança no Horsea, espero que ele evolua logo para que aquela "aura" maléfica do Luke se tocar que ele é um bom Pokémon.

    Uma outra coisa que gostei no capítulo foi de que vc mencionou os pokémons do Riley e da Marley (eles são Foda mermão!). Além de vc também deixar claro que vc não pretende fazer o Luke ir enfrentar os Frontier Brains, algo que vc já deixou bem claro no Form.

    Aguardo o próximo capítulo ancioso, já que é o início do Arco de Veilstone!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Outra coisa que eu também reparei e esqueci de comentar no meu comentário é que esta temporada está um pouco sombria... Este capítulo foi muito diferente. E Canas, pq vc não deu muito enfase no Cafe Cabin?

      P.s.: Na página do Fire Tales, ao se clicar no 1º conto, aparece a página do blogger, e não a do conto.

      Delete
    2. Diga, Anderson. Obrigado pelo toque lá nos Fire Tales, aposto que se você não tivesse dito eu demoraria um bom tempo para ter dado conta do erro!

      Enfim, permita-me explicar esses fatos então. A primeira temporada foi aquele típico começo em que tudo foi um mar de rosas para os personagens, eu realmente fazia algo mais juvenil e fantasioso, mas na Diamante decidi mudar esse tema por completo. Não posso te dar um motivo concreto pelo qual eu decidi fazer tudo ficar mais "sombrio", mas eu acho que é porque eu mesmo cresci. E nesse pouco tempo passei a ver as coisas de forma diferente, e querendo ou não, isso influenciou na minha escrita. Quero mostrar um imenso amadurecimento entre os personagens, eu sei que eles são apenas crianças, mas algumas vezes tentam agir como gente grande, e e quero mostrar muito desse tipo de conflito, afinal, desde o primeiro capítulo eu já tinha dito que as intrigas seriam meu foco principal.

      E sobre o Café Cabin, eu simplesmente achei que não tinha necessidade nenhuma de encheção de linguiça. Lembro do tempo que comecei minha fic e a rota 202 durou uns três capítulos (sendo ela uma das mais curtas), mas agora fiz uma mudança de planos. Nessa temporada eu vou ter que correr MUITO com o enredo, se eu não fizer nenhuma pausa boba e seguir tudo perfeitamente consigo acabar em 25 capítulos. É óbvio que pausas bobas ainda aparecerão, e eu com certeza vou passar dos 25 capítulos, mas é que nesse caso eu não quis ficar falando sobre algo sem necessidade pra deixar ainda maior. Já dei uma brechinha pro Café Cabin fazer uma aparição, mas nem isso eu faria, tive vontade de incluir tudo muito de repente, acho que o que foi citado já está bom, embora possa ser aproveitado mais no futuro. Enfim, vou indo nessa ae Anderson, abraços cara!

      Delete
  4. Yo Canas, denovo eu de intromedito postando comentario sem ler os ultimo caps eu ainda to no 23( adiantei muito desde a ultima semana), o motivo de eu ler eses cap foi que eu tava passando por aqui pra ler o cap 24 e vi a figura do Milotic aonde eu estou o Lukas ainda nem tem Feebas mas eu ja vi na ficha dele entao logo deduzir que era o Milotic dele, nao acho o Milotic o pokemon mais bonito do mundo ainda acho pokemons como Lumineon,Beautifly,Roserade e Miccino mais bonitos que ele.Entao esse é o motivo de eu ler o cap, talvez que com sua incrivel descriçao eu poderia mudar de ideia mas nada adiantou ainda acho que o Milotic nao tem essa boniteza toda.
    Eu fiquei com o coraçao despaardo quando vi que o meu personagem favorito tava a beira da morte(nunca deixe o Lukinhas passar por isso denovo, ele é muito bom pra ter esse castigo), adorei o fato de ver que o Horsea ja estava ficando forte9 to doido pra ler o cap que o Luke pega ele, pra ver o q deu na cabeça dess retradado par pegar um poke que nao faz o tipo dele).
    Lucky vai se dar mal no GYM de Veilstone, porque a sua unica chance de ganhar esta no Gardevoar.
    Quero falar outra coisa tambem que nem tem haver com esse cap.Tu eh pai de santo, moleke?So pode ser porque tu fez uma ideia minha de pivete virar realidade(eu prometi a mim msm que iria fazer isso quando alguma fic minha fizesse sucesso), sempre imaginei um personagem perfeito que ele seria da cidade de Azalea e especialista dos tipo BUG e isso vc implantou na Vivian, fico triste por nao ter a oportunidade de colocar em uma fic minha porque seria plagio( e eu odeio plagio)mas tambem fico felizz por te sido realizado por uma fic de sucesso e altissima qualidade.
    E agora vou finalizar com um pedido, Vivian ela é eu so que no sexo feminino so que ela sozinha nao me completa acho que precisa de um pouco do Lukas.E vc criou 2 personagens que juntos é igual a mim VIVIAN+LUKAS=GABRIEL.Entao se algum dia esse dois eses dois tiverem um filho o nome dele tera de ser Gabriel ok?.
    Resumindo ep muito bom, como todos q tu faz.
    Sucesso!

    ReplyDelete
  5. nuss MILOTIC,ADORO ESSE POKE
    cara foi perfeito fazer a feebas evoluir num cap desse,proximo fire tales espero q seja da milotic ta canas

    ReplyDelete
  6. Opa! Que cap exepcional! Olhei bem as descrições, e o cap ficou sensacional! O seu melhor cap até agora!
    Mylotic não é o mais bunitu di todos, o mais bonito é o Garbage(acho que é isso ele é de unova e parece lixo)! kkk zua ele é legal sim
    Mas venha cá conosco Haos, você ficou com alergia a quimica? Hohoho! E canas, o cinzento foi pra onde? Acho que junto com os outros cinzentos do mundo! kkk
    Então essa fanfic realmente faz sucesso mesmo! Fui!

    ReplyDelete
  7. Cara... esse capítulo foi show de bola!
    Eu pensava que o Luke ia se tornar muitooo arrogante logo de cara, graças aos acontecimentos passados, mas me surpreendi com algumas atitudes dele. Se manteve sério, e pelo jeito já não se incomoda tanto com a presença do sir. Riley.E o que mais me surpreendeu foi toda a gentileza dele com a Dawn s.s'
    Cara, quem diria que passar por uma rota seria tão dificultoso! Essa enchente foi emocionante! Toda a ação, e a preocupação sabe? Demais *W*
    E a linda Milena evoluiu na hora certa! GO, GO MILOTIC!
    Ótimo capítulo Canas ^^

    ReplyDelete
  8. Surge Milotic!

    Espero que Lukas cuide muito bem dela. Tenho certeza que novas aventuras vão surgir!

    Indo para o próximo capítulo!

    ReplyDelete
  9. Cara este capitulo ficou fenomenal, e a história esta tomando um curso mais adulto e concreto, além dos personagens estarem possuindo características e personalidades distintas e formadas!
    Achei a descrição da tempestade perfeita, e a inquietude do Riley de ter previsto a enchente! Consegui imaginar os raios cortando o céus e o desespero das personagens se afogando, e principalmente por parte do Luke em ter perdido o irmão. Por eu ter lido muito recentemente “Bolero of Sorrow” da Dawn, achei que a simples descrição da agonia que ela sentiu na água traduziu todo o passado que ela sofreu! É como se você o tempo todo interligasse os seus capítulos com pequenos detalhes escondidos! Já saquei a sua idéia Canas, todas as suas surpresas estão espalhadas entre as linhas da sua história, basta interpretá-las (e olha que estou aprendendo isso para o vestibular hein kkkkkkk)
    Não posso deixar de comentar sobre o pequeno Mikau, cara, eu tenho uma simpatia muito grande por esse Pokémon, pelo simples fato de ele ter o nome de uma lenda, e todo o passado sombrio dele (sendo que uma pequena descrição sobre ele me deixou pensativo ” mesmo que um pequeno sentimento de inveja o cobrisse por sentir que ficava para trás”, cara, este Pokémon vai ficar foda ainda, escuta o que estou dizendo). E cá entre nós hein... Se deu bem Mikau kkkkkkkkk ( meu eu nem vi o gijinka da Milotic ainda, mas já previ que vou ficar babando).
    Canas, o momento de evolução da pequena Feebas foi incrível, o legal é que nenhum Pokémon no AeS evolui por besteira, existe todo um drama por trás, repleto de desafios!

    Flw irmão, rumo ao próximo item

    ReplyDelete
  10. Quando eu vi o Gyarados em ação já estava esperando pela Milotic! ADOREI! *---*
    Achei que o Luke ia ficar puto pelo Riley resgatar Dawn, mas pelo menos ele se deu bem com o Horsea no final! Adorei mesmo esse capitulo! *--*

    ReplyDelete
  11. Canas, esse capítulo foi em especial muito bom. Sinto que ele fugiu um pouco daquele clima sombrio que você vem adotando ultimamente. É uma rota especial, odeio essas chuvaradas que chegam nos jogos. E quando o personagem ficava preso na lama? Ah, melhor nem lembrar.

    Voltando ao assunto, ninguém ouviu o pobre do Riley! Ai acabam carregados pela enchente e querem se desculpar depois. Ah, assim não dá! Gente, os stats possuem pokémons incríveis. Breelom *-* , amo esse pokemon. Luke anda mudando, hein? Você anda fazendo um trabalho excelente com ele, agora só nos resta esperar para ver o que vai acontecer.

    Não posso deixar de comentar a aparição da Milotic, ela foi ótima! Meu professor de contests tinha Milotic como pokemon simbolo, ele acreditava que fossem seres calmos e capazes de trazer paz, exatamente como descrito no decorrer das linhas do episodio.

    Capitulo excelente, como sempre! Au revoir o/

    ReplyDelete
  12. Foi um capítulo com sua inquestionável importância. Primeiramente porque já deu pra perceber que o Luke tenta se esforçar para manter seus amigos e vencer esse orgulho, por mais difícil que seja. Confesso que na parte que a Dawn recebeu um casaco para se proteger da chuva, eu tive que ler duas ou três vezes para ter certeza que era o Luke, e não o Lukas, UAHUAHAHUHAUAHUAUHAUHUA.

    Bom, eles então chegam a Veilstone. Cara, é uma pena que a Maylene não será a Líder, mas eu confio no seu trabalho. Sei que você vai trazer alguém digno para fazer o Luke passar por um sufoco.

    Bom cara. É isso aí. Até a próxima!

    ReplyDelete
  13. Ah mano, ponto positivo pro Horsea. Sorte do Luke que esse Pokémon tem um bom coração, eu no lugar dele deixaria o Luke ser levado pela enxurrada. Muahahaha’ -q E tipo, quando o Riley salvou a Dawn eu fiquei tipo, vish o Luke vai ficar nervoso de novo, mas me impressionei com a mudança dele. E ótima evolução da Feebas, Lukas realmente é um cara de sorte. Além de ter uma Pokémon linda, conseguiu sobreviver com a ajuda dela.

    ReplyDelete

- Copyright © 2011-2017 Aventuras em Sinnoh - Escrito por Canas Ominous (Nícolas) - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -