Posted by : CanasOminous May 18, 2012

O caminho sinuoso de árvores logo desaparecia em meio àquela cansativa visão da rota passada, o cheiro do mar aproximava-se, dando uma breve visão da imensidão azul do oceano que beirava Sinnoh como um manto de calmaria.
Os Irmãos Wallers estavam muito ansiosos para ver uma segunda vez as luxuosidades do Hotel Grand Lake. Era um dos resorts mais conhecidos e aclamados de Sinnoh, tendo o mesmo esplendor do Deluxe Heart, em Hearthome; e da Resort Area, nas ilhas do norte. Quando os dois eram crianças eles costumavam visitar esses locais frequentemente pelo poder de aquisição de seus pais no período de ascensão, mas aos poucos as visitas diminuíram até extinguirem-se com o fim do legado de campeão. O que restava agora eram apenas boas lembranças da beleza daqueles locais, envoltos em memórias antigas de diversão e beleza.
Luke tinha seu Porygon-Z acompanhando os passos de seu treinador enquanto flutuava, o Pokémon servia no momento como um tocador de música, e o jovem caminhava descontraído com as mãos no bolso, apenas ouvindo o estilo que apreciava. Dawn aproximou-se do amigo e pegou um dos fones, colocando-o em seu ouvido para escutar a canção.
— Não é a toa que você fica surdo, olha só o volume dessa coisa! E que tipo de música é essa? Não tem nada mais tranquilo? — indagou Dawn.
— Eu preciso ouvir alto pra sentir a vibração na alma, tá ligado? Por isso adoro esses raps com rimas e frases que a gente nem entende, mas eu ainda curto essas paradas doidas. — disse Luke, balançando sua cabeça ao toque da música — Gangsta Rap. Fala se não é muito louco!
— O quê?
— MUITO LOUCO.
— Hm, é divertido. — comentou Dawn pensativa — Eu não gosto porque não é o tipo de música que se pode dançar como um casal. Estou com uma vontade imensa de dançar esses dias, já teve essa sensação? Será que não encontramos um daqueles lindos salões em que princesas dançam em bailes de máscara?
Riley fechou o livro que tinha em suas mãos e lançou um ligeiro sorriso, apontando para o sul na direção do mar.
— Então está com sorte, Senhorita Manson. Estamos nos dirigindo à uma região litorânea, essa área é marcada por ser uma das mais belas de toda a Sinnoh, e certamente, você encontrará algum tipo de baile todas as noites. É o Hotel Grand Lake. — explicou Riley.
— Nós nos hospedamos nesse local quando partimos em nossa aventura há alguns anos. Da última vez foi o Riley quem pagou nossa estadia, pois ele já tinha um bangalô em seu nome. — explicou Marley.
— E o que é um bangalô? — perguntou Dawn.
— São casinhas de um só andar, e aqui elas ficam na beira da praia dando vista para o horizonte. É muito bonito. — explicou Marley, dando um sorriso descontraído como alguém que parava para lembrar-se de todas as suas aventuras no passado. Dawn parecia ter apreciado a ideia.
— Que romântico! Luke, precisamos dar uma parada, só por um dia, para refrescar a cabeça e dar um descanso para os Pokémons. Por favor!
— Qual é, acha que teremos a sorte de ganhar mais um carta permitindo hospedagem, como da última vez? Meu dinheiro acabou, o que sobrou eu gastei no meu amiguinho aqui. — disse Luke, apontando para o Porygon-Z que flutuava ao seu lado com uma feição aérea.
Riley retirou seu chapéu com o intuito de abanar a si próprio pelo calor que fazia, em seguida tornou a dizer:
— Se o problema é dinheiro, então podemos passar uma noite por essas bandas. O bangalô em meu nome continua intacto, apesar de não ser usado há muito tempo ele está disponível para aluguel. No momento, acredito que não tenha ninguém no local.
— Mas isso não irá atrapalhar a viagem de vocês até Sunyshore? — perguntou Lukas.
— Não tenho pressa, e presumo que a Marley também não. Acredito que seria gratificante descansar neste local, tenho boas lembranças sempre que sigo o caminho litorâneo. — comentou Riley.
Lukas logo comemorava a recepção do bom homem.
— Lembro-me também do tempo em que costumávamos vir aqui todo o fim de ano quando éramos crianças! Admito, fazem quase oito anos que não voltamos aqui, mas as fotos marcam que era um lugar perfeito. O Papai e a Mamãe sempre falavam deste resort. — disse Lukas.
— Muito obrigada por esta oportunidade, Senhor Riley! De verdade, esperamos poder recompensá-lo um dia. — agradeceu Dawn.
— A recompensa é pelo simples fato de vocês me proporcionarem mais uma vez a sensação de seguir uma aventura e me livrar desse mundo doentio. Eu é quem devo agradecê-los.

Dawn correu mais a frente, puxando um dos braços de Marley para que ela a seguisse. As duas desceram uma pequena colina, e ao chegarem ao nível do mar já puderam ver a areia do outro lado. A garota retirou as botinas róseas e as meias para sentir o toque da areia sobre seus pés. Desde criança Dawn havia tido contato com o mar, ela já começava a sentir falta daquela sensação em sua aventura longe de casa.
A moça tinha lembranças de sua estadia em Sandgem, da longa infância que passara em Dewdord, de cada momento de solidão ao lado de seu Piplup e de como imaginava que sua vida desmoronaria desde então. E no fim das contas, sua própria aventura acabara por ser muito mais atrativa do que a garota sequer imaginara. Ela não esperava perder tempo trazendo o passado à tona.
— Vamos Marley, não fique envergonhada! — disse Dawn, pedindo para que a moça também retirasse seus sapatos e sentisse os finos grãos.
Marley estava um pouco acanhada, mas cedeu. Ela tinha a pele branca como a neve, e não parecia ser alguém que frequentava praias e tinha contato com o sol. Ela começou a andar de forma desengonçada na areia, dando um tropeço e caindo ao encontro de Dawn que também caiu. As duas sorriram e tornaram a correr pela praia.
Os rapazes vinham logo atrás. Riley já estava sem o chapéu e agora havia retirado sua blusa. Era um rapaz muito elegante com todas as suas veste, mas o calor insuportável seria demais para qualquer um. Sinnoh havia tido mudanças frenéticas no clima, em momentos um forte frio dominava a região, seguidos de um sol escaldante. A alteração no clima tornava-se mais evidente, embora ninguém soubesse ao certo o motivo.
— Cara, eu curtia esse lugar, mas admito que prefiro o frio das montanhas e cavernas. — comentou Luke.
— Acho que dessa vez entramos num consenso, jovem Luke. Aprecio muito mais a neve e o clima gélido do norte de Sinnoh, já esteve em Snowpoint? — perguntou Riley.
— Cara, eu e meu irmão viajamos por Sinnoh inteira quando crianças, mas eu não lembro de muita coisa. Sei que já tive a oportunidade de ver a neve em algum momento da infância, mas não estou lembrado de Snowpoint.
— Espero que ainda tenhamos a chance de nos encontrarmos nesse lugar.

Lukas tomou frente assim que viu os pequenos bangalôs do resort no horizonte. As garotas estavam logo na entrada apreciando cada detalhe, para Dawn tudo era uma grande novidade, enquanto para Marley eram vagas lembranças dos melhores momentos de sua vida. Os outros esperaram que Riley guiasse a equipe por dentro da área, uma longa ponte de madeira marcava logo a entrada com luminárias e tochas que eram acendidas ao anoitecer. A manhã era maravilhosa para quem procurava diversão; o entardecer, tranquilo para os casais; e a noite, marcada por festas típicas e muita comida para os hóspedes de um dos três grandes grandes resorts de Sinnoh.
A recepção situava-se logo na entrada, rodeada por piscinas e palmeiras em um tom exótico. Nada era tão luxuoso quanto em Hearthome, mas tudo era tão bem manufaturado que fazia o brilho ser perfeito para uma moradia na praia. Os bangalôs encantavam Dawn, todos tinham vista para o mar com entrada direta para a areia. Ela havia morado na praia grande parte de sua vida, e ficar mais um dia de frente para  suas águas não era novidade. Não era  pelo fato de situar-se no litoral, e sim, por estar com as pessoas que mais amava.
Riley andou até a recepção e começou a verificar como andava o seu aluguel. Estava vago, não houvera ninguém nas últimas semanas, e desse modo os jovens teriam sua estadia garantida.
— A cabana tem apenas uma cama de casal, mas é possível montar mais uma cama de solteiro com o sofá. Logo, ele tem suporte para três, porque vocês não permanecem aqui até amanhã? — sugeriu Riley.
— Espere um pouco, e quanto a você e a Marley? — perguntou Lukas.
— Nós podemos alugar um outro bangalô, ou simplesmente seguirmos para Sunyshore. Presumo que vocês estarão seguindo para Pastoria amanhã, estou certo? Em breve estaremos cada um seguindo nossos caminhos específicos.
Lukas entristeceu-se ao ouvir aquilo. Já estava acostumado com a presença dos dois, odiava aquele tipo de separação, parecia que nunca mais poderia ver os seus amigos. O jovem soltou um longo suspiro, mas logo percebeu que não deveria chatear-ser por aquilo, sorrindo na sequência:
— Então vamos aproveitar hoje ao máximo!

O grupo seguiu até a cabana reservada e fez suas malas. Foram se revezando aos poucos para que vestissem suas roupas de praia e pudessem ter um pouco de descanso antes de começar a próxima etapa da jornada.
Riley não apreciava muito a praia, e achava um incômodo toda aquela areia e água salgada, mas vestia um shorts azul escuro e uma camisa regata preta que evidenciavam muito bem seus músculos definidos. Se tivesse uma preferência maior pela praia seria um verdadeiro sucesso. Dawn e Marley estavam vestidas com seus biquínis, Luke tentava esconder, mas olhava para sua garota boquiaberto com um forte desejo de tê-la ao seu lado.
— Feche a boca, queridinho. — brincou Dawn, dando um leve tapa no rosto do garoto que logo se recuperou e deu uma risada descontraída.
A moça deixou a cabana indo ao encontro imediato da piscina, bastavam três passos para pular de uma pequena ponte levadiça e cair direto nas águas tranquilas do resort. Os azulejos eram formados em tonalidades de azul claro, a água batia quase que na altura do abdômem da moça. Ela lançou um pouco de água em Luke que tentou revidar, pulando direto na piscininha natural e caindo nos braços da amiga.
— Não vá se afogar na água de novo hein, se não serei obrigado a te salvar. — brincou ele.
— Não tem ninguém para me jogar de uma altura descomunal dessa vez, essa pessoa está aqui do meu lado. — sorriu Dawn, entrelaçando seus braços no pescoço de jovem e fitando-o diretamente nos olhos — Vamos para outro lugar?
— Que tipo de lugar?
— Vamos só dar uma volta, quero ficar um tempinho especial só com você...
Enquanto Dawn falava, a voz de Lukas pôde ser ouvida de dentro do bangalô. O jovem parecia muito alegre, o único ponto que o diferenciava de seu irmão era a cor dos shorts que vestiam, pois quando não usavam suas boinas era quase impossível reconhecê-los caso não tivesse tido um contato anterior. Lukas acenou para Dawn, e logo foi caminhando ao encontro dos dois.
— Ei, pessoal! Vamos nos divertir um pouco? Deve ter muita coisa para fazermos aqui.
— Malditos irmãos. — sussurrou Luke, de modo que Dawn liberasse um leve sorriso.
— É claro! Vamos até o salão de banquete para conhecer melhor a área, depois podemos deixar nossos Pokémons aquáticos se divertirem nas piscinas, eu vi uma parte dedicada especialmente à eles.
Os três saíram da piscina e começaram a andar pelas trilhas que levavam para todos os cantos dentro daquela praia particular. As pessoas a sua volta eram membros da mais alta classe, todas muito bem vestidas e ricas. Mais uma vez aquele estranho grupo de crianças pareciam ser invasores numa área como aquela.
Eles caminharam até a piscina central, muitas palmeiras se estendiam em volta dando sombra para alguns Pokémons que descansavam naquele ambiente. Haviam poucas criaturas, todas eram requintadas e traziam um grau de elevação a cima dos Pokémons que julgavam inferiores. Eram Puruglys, Lumineons, Loppunys e Seakings, todos de madames e socialites que já não tinham com o que gastar e simplesmente desmandavam dinheiro.
— Cara, que show! Essa área é um máximo, depois da batalha de ontem acho que o pessoal merece um descanso merecido. — disse Luke.
— É verdade, vamos deixar que eles aproveitem! — concordou Dawn.

Os jovens lançaram seus Pokémons. Machoke estava maravilhado com todas as mulheres e Pokémons fêmeas em sua volta, porém, ele ainda era fiel para sua única treinadora, e quando a viu somente de biquíni não escondeu seu contentamento. Glaceon delirava de raiva e ira enquanto reclamava do calor sobre o sol escaldante, Lairon e Leafeon seguravam pequenas folhas de palmeira com suas bocas para protegê-la do calor. Piplup estava muito alegre com toda aquela água, e aproveitaria aquela ocasião para curar-se dos ferimentos adquiridos na última batalha.
Gabite até mesmo já tinha os Blackglasses que costumava levar consigo. O pequeno Pachirisu brincava na água com seus companheiros, Milotic exibia toda a sua beleza superior dentre qualquer outro frequentador daquelas águas, enquanto o pequeno Mikau apenas acompanhava a mais bela serpente que já conhecera. Bastiodon jazia debaixo de uma sombra ao lado do ovo Pokémon de Lukas, como se o protegesse de problemas futuros. Gardevoir e Roselia eram as mais lindas, as duas faziam questão de provocar os demais machos da área com seu charme sedutor, enquanto o astuto Murkrow protegia a pequena Chimchar de qualquer presença indesejada.
Titânia estava de cabeça baixa na sombra de uma palmeira próxima a praia, procurava aquele momento de descanso há um longo tempo, porém, um acontecimento inusitado sempre interrompia sua rotina. A serpente levantou uma feição séria assim que sentiu pequenas vibrações na areia, direcionando-se ao seu treinador na sequência:
 Senhor, sinto algo se aproximando. — disse Titânia.
Luke parou de fazer o que quer que fosse, tentando sentir algo no solo como seu Pokémon. Ele tocou o chão com sua palma parecendo tentar pressentir algo, e de fato, estava em consenso com sua serpente.
— Verdade, parece algo grande mesmo. Será um Pokémon?
 Um Pokémon capaz de causar tremores de novo? Não há motivos para que eles nos seguissem. E embora sejam tremores muito fortes, parecem vir de algo muito pequeno.
Luke permaneceu quieto, mas quando olhou para o horizonte pôde ver uma grande nuvem de fumaça aproximar-se. Parecia que uma manada de Tauros furiosas se aproximava com enorme fúria, mas Lukas, que tinha uma visão mais aprofundada e ouvidos mais aguçados, pôde ouvir um grito ensurdecedor vindo daquela área.
— E-Ela voltou! — afirmou Lukas incrédulo.
— Ela quem?
— LUKAAAAAAAS-KUN!!! — gritou a voz.
Num enorme salto, uma criatura voadora pulou de uma distância tão longa na direção de Lukas que o jovem foi lançado para dentro da piscina como uma bomba. Era como um Snorlax desgovernado que pulava numa cesta de comida. Aquele ataque acidental despertou a atenção de todos os seus Pokémons, Milotic imediatamente entrou na água e retirou seu treinador que era sufocado por uma menina ruiva que teimava em não largá-lo. Todos os seus amigos se surpreenderam com a presença daquela figura que agora ria sem parar.
— Vivian! — afirmaram Luke e Dawn em conjunto no momento em que reencontraram sua amiga.
— Meu fofinho!! Meu príncipe encantado, meu pedaço da laranja, meu player 2, MEU LUKAS-KUN! Caraca, que bom que encontrei vocês! Que felicidade, foi tão acidental!!
— Como assim? Você também está hospedada nesse hotel? — perguntou Lukas.
— Não, não. Acho que eu quebrei um muro ali sem querer, mas quando eu senti o cheiro de vocês eu não pude resistir em vir investigar. Nos encontramos de novo! Reunimos a máfia dos nossos amiguxos de novo! — disse Vivian.
— E onde está o Stanley? — perguntou Luke.
Vivian apontou para a fumaça de onde ela havia vindo e aos poucos uma sombra começou a surgir, praticamente rastejando-se de tão cansado. Stanley havia precisado correr muito para alcançar sua amiga exagerada, mas por fim abriu um sorriso quando avistou seus companheiros.
— Você vai me dar um ataque no coração se continuar correndo desse jeito. — disse Stanley.
Os jovens correram para recebê-lo. O momento de reconciliação foi longo, cada um ansiava por contar suas conquistas e novidades. Explicavam suas longas aventuras e seus percursos como irmãos que não se viam há meses após seguir caminhos distintos, e no fim das contas, os minutos inicias do reencontro era o que fazia toda aquela jornada valer a pena.
— Nós pegamos o caminho do sul de Hearthome, eu já passei pelo ginásio aquático, e agora estarei seguindo para Veilstone com a Vivi.
— Isso, isso! Nós não vimos vocês passarem por a gente, como chegaram aqui antes?
— Nós seguimos pelo lado oposto, até Veilstone. Por isso acabamos nos encontrando nessa área. — explicou Lukas.
— Lucky, você não faz noção de como melhorei meus Pokémons. Acho que estamos chegando bem próximos daquela disputa que havíamos agendado. Derrotei a Fantina semana passada, e o líder do ginásio aquático também. Cara, e só uma sugestão, se eu fosse você corria para desafiar o Wake, por que ele disse que em breve teria que se ausentar para cuidar do Great Marsh, aposto que você ficaria louco se tivesse que esperar uma semana para enfrentar o líder! — disse Stanley seguido de uma risada, colocando o braço em no ombro do amigo que parecia incomodado de certa maneira — Estou com um Luxray na equipe, e consegui um Magmar em uma competição semana passada!
— Eu consegui duas fitinhas, duas!! Eu encontrei um Skorupi tão fofinho no Great Marsh! E por falar nisso, vocês precisam ir para lá!! É o lugar mais fedorento e asqueroso do mundo, mas é muito louco! De verdade, o Lucky-chan iria adorar, Pastoria é uma cidade linda.
— Heh, heh, heh... Vamos com calma, pessoal. São tantas novidades para contarmos, por que não vamos todos juntos para a praia?
Vivian deu um salto de felicidade abraçando Dawn ao seu lado. Lukas caiu na risada lembrando-se de como fazia falta a risada gostosa de ouvir daquela ruiva. Até mesmo Stanley estava mais solto, parecia mais descolado e divertida, provavelmente passar várias semanas ao lado de Vivian resultava numa inesperada mudança de personalidade. Todos estavam alegres , mas quando o grupo rumava para praia Luke tornou a seguir um caminho oposto de cabeça baixa, parecendo chateado com algo.
— Com licença, eu... Preciso sair um pouquinho. — disse Luke.
Seus amigos o fitaram sem entender muito bem o motivo daquilo. Vivian temeu que ela tivesse sido o motivo do descontentamento, mas Dawn logo explicou o motivo. Stanley havia notado de imediato que algo estava errado com seu amigo.
— O que houve com ele? Parece uma pessoa diferente. — disse Stanley.
— Muitas coisas aconteceram nos últimos dias, o Luke tem passado por uma fase bem difícil, é melhor não tocar no assunto de batalhas com ele por um tempo. Não se importa, Stan?
— Entendo, não irei. Mas eu vou tentar falar com ele, não quer vir comigo?
Dawn confirmou, logo saindo atrás do loiro. Vivian segurou a mão de Lukas e então deu-lhe um beijo no rosto, e ainda dentro da piscina, pulou em seu colo.
— Eu estava com muita, muita, muita, saudade de você. Fiquei muito feliz quando eu soube que vocês estariam aqui. Alguns treinadores disseram que os filhos do ex-campeão seguiram para cá, e garotos prodigiosos assim só existem um. Pelo visto essa fama só aumenta, não é?
— Heh, heh... Acho que sim, mas às vezes penso se essa fama é boa... — comentou Lukas, pensando em como aquilo afetara seu irmão de forma drástica — Ahh, e a propósito, vocês estão ou não hospedados aqui? Digo, você ainda está de roupa, usando a piscina de um resort particular.
Vivian olhou para suas roupas e percebeu que a água cobria por inteiro, e a saia que usava quase flutuava. A garota se tampou com uma das mãos e com a outra colocou o braço em volto do ombro do amigo, liberando uma risada descontraída.
— Somos espiões, eles não podem nos descobrir! É uma aventura de espionagem, vamos Lukas-kun! Explorar a área! Hah, hah!

Os dois seguiram imediatamente até o bangalô de Riley que não era muito distante, Vivian retirou sua blusa quando entrou no lugar, mas pelo menos agora não havia um espelho para que Lukas não se sentisse constrangido. Enquanto a ruiva se trocava, a porta do banheiro pareceu se abrir, e lá estava Marley com uma escova de dentes em sua boca.
— Gótica. — afirmou Vivian, como se já esperasse deparar-se com aquela figura indesejada em algum momento.
— Retardada. — acompanhou a outra.
Vivian deu um salto nas costas de Lukas e lhe deu uma chave de braço parecendo enfurecida com o que havia acabado de descobrir. A ruiva não era muito forte, mas certamente sabia onde aplicar seus golpes causando alguns gemidos no companheiro.
— Agora estou entendendo tudo! Você estava me traindo! Maldita, como pôde se apoderar do meu fofucho em minha ausência?! Você se apoderou da mente pura dele e o possuiu com seus encantos afrodisíacos para trancafiá-lo nesse resort, eu sabia que nunca deveria ter abandonado-o!
— Você realmente precisa chegar fazendo essa baderna toda? — indagou Marley, encarando a ruiva e apontando sua escova de dentes como se fosse um canivete — Eu podia desfrutar de um silêncio tentador até exatos vinte e sete segundos atrás quando uma macaca desengonçada invadiu o nosso quarto sem sequer ser chamada.
— Ora essa, vejo que aprimorou suas habilidades na fala, e até perdeu a vergonha de falar com gente superior! Eu estive lendo um dicionário só para acabar com você quando esse dia chegasse, então se prepare, você é uma... Fealdade. Demorei três dias para decorar essa palavra, sabia?
— Você é... muito estranha. — balbuciou Marley.
— Venha, meu príncipe encantado. Não vamos perder tempo.
Vivian segurou no braço de Lukas estando pronta para levá-lo para fora da casinha, mas o jovem hesitou por um momento quando viu Marley abaixar a cabeça com uma feição chateada na porta do banheiro. O garoto parou e chamou pela ruiva, fazendo uma proposta tão inesperada que fez as duas garotas soltarem um grito de espanto.
— Hm... Nós podemos fazer um encontro, de três pessoas.
— N-Não!! Eu não posso, digo, ela não pode vir com a gente! Encontro de três pessoas, de onde você tirou isso?.
— Por mim está bom... — Marley parecia ter se contentado, mas sua rival não parecia nem um pouco satisfeita.
— No final então você terá que escolher a melhor entre nós duas. Escolha seu destino, somente uma será a vencedora. Test your might.
(Mortal Kombat!!)

• • •
Luke caminhava com as mãos no bolso de shorts com o olhar concentrado no vazio. Podia sentir a brisa batendo em seu rosto, mas não tinha prazer naquilo, estava perdido em devaneios e na forma como temia poder ser rude com seus amigos. Sua mente estivera muito confusa nos últimos dias, pensava que seria necessário evitar o maior contato possível, mas depois de tanto tempo distante o que Stanley mais queria era conversar com seu velho irmão de infância.
— Ei, cara. O que está acontecendo? Você deixou todo mundo no vácuo de repente, depois de tanto tempo eu pensei que você estivesse feliz em nos rever. — dizia Stanley. 
O jovem parou no mesmo momento em que Luke também parou em sua frente, ele olhou para trás com um olhar entristecido e tornou a dizer com palavras ríspidas:
— Foi mal, eu só... Não quero machucar de novo as pessoas que eu gosto. — retrucou Luke.
Dawn logo alcançou os dois. Ela estava entristecida com tudo aquilo que ocorria, teve tempo apenas para olhar profundamente nos olhos de Luke antes do garoto continuar caminhando, deixando seus amigos para trás. Stanley se virou para Dawn e sentou-se na borda da piscina.
— Em todos os anos que eu o conheci, eu nunca o vi dessa maneira.
— O Luke ficou incomodado quando você falou de batalhas. Eu sei que vocês são rivais, e rivais batalham e brigam toda hora, mas, por favor, evite isso. Tenha paciência com ele, o Luke está levando muito a sério questões de batalha, e eu temo o que passa em sua mente quando ele enfrenta um ginásio.
— Eu nunca imaginei que o veria assim. Mas por quê? Por quê agir dessa maneira? Ele sempre foi o mais forte, qual o motivo dessa ambição de continuar crescendo?
Dawn colocou a mão em seu rosto e também se sentou.
— Eu não sei, eu não sei. Aos poucos ele se recupera, mas preciso sempre estar pegando no pé dele. Eu prevejo que o próximo ginásio será um caos, ainda pior do que o outro. — disse ela com um suspiro lembrando-se do ocorrido em Veilstone — Eu só queria o meu Luke de volta...
Stanley acenou a cabeça, levantando-se num pulo. Ele estendeu a mão para Dawn que continuava entristecida, a garota o olhou confusa a princípio, perguntando:
— O que pretende fazer?
— Animá-lo, e recuperar meu velho amigo. E também trazer a namorada para o lado dele de volta.
Stanley e Dawn seguiram os passos de Luke que continuava a caminhar pelas pontes de madeira da área. Não haviam muitas pessoas no resort, em sua maioria eram casais de muita posse, e por isso não havia nem sinal de treinadores jovens ou crianças travessas. 
Dawn correu para alcançar Luke, e quando se aproximou segurou na mão do jovem lançando um olhar como se ansiasse por alguma diversão. Ela e Stanley tinham um plano, o que precisavam fazer era manter a mente de Luke ocupada, quanto mais ele esquecesse as batalhas, melhor.
— O que vamos fazer agora? Acho que estamos sozinhos de novo.
— E o Stanley? Ele não estava logo atrás?
— Ele disse que iria procurar a Vivian e o seu irmão. Para resolver algumas coisas, coisa de casal. — sorriu ela — Então, ainda tenho créditos para fazer aquilo que eu queria com você agora a pouco?
Luke parecia sem graça, Dawn pegou em sua mão e o abraçou, fechando os olhos de forma serena e delicada.
— Quero te mostrar um lugar especial.

• • •
De cada um dos lados de Lukas havia uma garota. Na direita estava uma ruiva exacerbada que praticamente lhe arrancava o braço e destruía os tímpanos pelo volume de sua voz. Do outro, uma morena que tinha vergonha até se aproximar e não dissera sequer uma palavra desde que o suposto encontro havia começado. Lukas era quem estava mais sem graça, os três mais lembravam amigas que seguiam para o shopping e paravam em todas as lojas para comprar um acessório novo. Definitivamente, não estava sendo um encontro agradável.
Os três seguiram até as areias distantes da praia , caminhando e discutindo até que entardecesse. O tom alaranjado no céu surgia, e a vista naquele horário era deslumbrante, seria um momento ainda mais belo se as duas garotas entrassem em um consenso e parassem de discutir.
— Está aproveitando, Lukas-kun?
— Você não faz ideia. — ironizou ele.
— Temos tantos assuntos para conversar, tantas coisas divertidas para fazer na praia! E mais, eu soube que esse lugar é destinado para casais, nós poderíamos dispensar essa gótica e ficarmos só os dois.   Fiz questão de decorar uma palavra, a definição de casal no dicionário: Um conjunto de DUAS pessoas de sexo diferente. Marido e mulher. Macho e fêmea. Touro e Vaca. — disse Vivian.
— Fique em silêncio, por favor. Pare de inventar histórias e tente ao menos apreciar a vista. O Lukas não gosta muito quando ficam torrando-lhe a paciência e gritando em seu ouvido, e é exatamente o que você está fazendo. — respondeu Marley.
A jogada estava empatada, mas Vivian não se daria por vencido. Apoiou-se com os joelhos na areia e buscou um pequeno graveto próximo de uma palmeira, escrevendo delicadamente o nome de Lukas e o seu rodeados por um imenso coração que insinuava o romance que sempre existiu entre os dois. Ponto positivo.
— Que lindo. Parece coisa de filme. — disse Lukas com um sorriso.
— Há, representa nosso amor eterno. — glorificou-se ela.
— Isso mesmo. Vocês duas são as minhas melhores amigas.
Melhor amiga. Melhor amiga. Melhor amiga. Vivian teve uma rápida sensação de que havia sido arremessada para a Friend Zone eterna. Não abriu a boca em sinal de desgosto por ainda não ter caído a ficha do que ouvira. Marley também se encolheu em um canto quando ouviu aquilo, as duas estavam surpresas demais para acreditar naquela proposta.
— Sim, nós somos melhores amigos, mas... Só amigos?
Vivian jogou-se no colo de Lukas dando-lhe um abraço com muita força. Os dois caíram na areia, mas dessa vez ela não ria. Marley virou-se bruscamente e ficou a fitá-los de forma tímida. A ruiva ainda o abraçava, e agora não poderia mais esconder o que sentia.
— Você é o melhor amigo que eu poderia ter, e eu não te perderia por nada!
— Eu também o considero um grande amigo, nunca tive alguém que sequer aguentasse a minha presença... — comentou Marley acanhada — Eu o considero muito... De verdade.
Logo as duas garotas ficaram ao lado de Lukas, uma na direita, e outra na esquerda. Vivian tocou no rosto do amigo de leve da mesma forma que Marley, e assim, cada uma beijou-o suavemente nas bochechas coradas do garoto. Era a primeira vez que as duas riam da mesma forma. Nada muito exagerado, e nada muito acanhado.
— Então, vocês vão parar com essa discussão boba de encontro e agir como amigas?
— Não posso garantir, mas acho que entramos num consenso. — disse Marley.
— Por um tempo. Por um tempo. — sorriu Vivian.

• • •

A tarde no Hotel Grande Lake esbanjava um tom exótico que o tornava ainda mais belo ao anoitecer. Tochas eram ligadas em pontos estratégicos guiando os turistas para bares, restaurantes e salões onde eram realizadas festas a noite toda. Toda a iluminação de dentro da água era ativada demonstrando sua beleza envolta em mistério pelo águas turvas, e ao longe, um breu sem fim. Nada iluminava o mar durante a noite, era como um véu negro de calmaria balançando ao toque suave do vento.
Os jovens seguiram até o restaurante do hotel. Eram servidos muitos frutos do mar e comidas exóticas, com uma linda vista para o mar calmo que transmitia o doce som de ondas que iam e viam com sua rotina eterna. Ninguém havia combinado, mas todos estavam presentes no restaurante no mesmo momento.  Riley estava na área com suas roupas que até mesmo no calor conseguiam estar na moda e serem atraentes de alguma forma. Stanley havia sido o primeiro a chegar, que ficou a vagar pelas pontes de madeira aguardando a chegada de seus amigos. Vivian e Marley estavam conversando e rindo com Lukas, uma cena nunca antes vista. Luke e Dawn chegaram logo na sequência.
Riley se apresentou para os outros, pois ainda não conhecia os rivais dos jovens irmãos. Cada um fez um prato e foi para uma mesa do lado de fora, sob o luar. Nenhuma mesa no interior era feita para alojar sete pessoas, seria preciso juntar outras duas para suportar o grupo de amigos. E depois de tanto tempo distante, ninguém queria distanciar-se do outro.
— Oxi, mas nunca vi tanta comida chique! É tipo aqueles pratos que custa os olhos da cara, e vem uma folhinha no meio, saca? Eu tentei pegar mais coisa, mas os carinhas da cozinha não deixaram. Me deram um pouco dessa coisa verde para eu me contentar. Será que é alga? — riu Vivian, olhando um pequeno potinho com um pouco de wasabi.
— De fato, este resort não é frequentado por crianças. Tivemos sorte de eu ter um bangalô em meu nome, ou se não seríamos obrigados a alugar outros três. E acreditem, a estadia não seria nem um pouco barata. — sorriu Riley.
— E por sinal, que horas vocês vão estão indo dormindo? Nós poderíamos fazer uma noite do pijama, aquela que vocês ficaram devendo para gente em Hearthome. Se bem que, Luke e Dawn no mesmo quarto não iria dar certo, né! — brincou Vivian.
O grupo ficou em silêncio por um momento, mas uma vez Vivian pensou ter dito algo errado, mas foi interrompida quando Lukas revelou um sorriso satisfatório seguido de uma pergunta:
— Vocês vão ficar aqui com a gente?
A ruiva bateu duas vezes na mesa e apontou para o amigo com seu polegar positivo.
— Eita, mas é claro que sim! Acha que vou perder minha segunda chance na vida de ficar num lugar assim? Oxi, claro que não! Depois de uma longa viagem por pântanos e muita chuva o que eu mais quero é dormir, pode até ser no chão.
Lukas parecia fazer contas com suas mãos agora.
— Vejamos, serão... Uma, duas, três, quatro, cinco, seis... Sete pessoas num único bangalô. Com uma única cama de casal. Isso é possível? — riu Lukas.
— Nós podemos montar as redes que levamos na viagem, e ainda temos nossos sacos de dormir! E tem a hidromassagem para quem quiser dormir dentro dela. Já descobri tudo sobre esse lugar! — disse Vivian.
Seus amigos caíram na risada, até mesmo Riley liberou um riso singelo ao se divertir com a figura brincalhona de Vivian. Aquele grupo de amigos o lembrava dos tempos de Stat Trainers, quando ele discutia com eles como fariam para dormir todos juntos em um bangalô destinado somente a casais. Aquela foi a melhor época de sua vida, e mesmo depois de tanto tempo ele ainda carregava as lembranças eternas de seus amigos. Os pensamentos do homem só foram interrompidos quando ele pôde ouvir um grito de Vivian assim que a música começou a tocar.
— Ahh, forró, forró! E quem diria que os ricos também ouvem esse tipo de música? Vish maria, é o estilo de música lá da minha da terrinha, trem bão, !  — brincou Vivian, enfatizando um estilo bem característico de se falar em sua região — Lukas-kun, vem dançar!
— Forró? Fazem quantos anos que eu não danço isso? Eu só costumava ver quando realizavam uma festa junina em minha escola ou entre a família. Mas, eu não sei dançar!!
— Normalmente é o homem que leva a mulher, mesmo que só ele saiba, a dança flui perfeitamente. Então a gente troca, finge que você é a mulher e eu sou o homem. É só se deixar levar, fofo.
Vivian colocou sua mão na cintura de Lukas pedindo para que o garoto a segurasse no ombro. Ninguém dançava naquele momento, na verdade, nem haviam pessoas para dançar, eles estavam praticamente sozinhos. Vivian deu dois lentos passos para um lado e depois para o outro, e num estilo de modo gingado e sedução os dois começaram a dançar.
Dawn caiu na risada quando viu a situação em que Lukas se encontrava. Vivian era uma menina de ouro, os dois já tinham tanta intimidade que haviam se tornado verdadeiros amigos. Dawn batia palmas ao toque da música, seus pensamentos estavam perdidos e só foram despertados quando viu uma mão estender-se em sua direção logo ao seu lado. A figura de um garoto alto e de cabelos negros formou-se em sua frente, a mesma figura que dançava com Vivian, porém, com sentimentos diferentes.
— Dança comigo? — perguntou Luke.
— O quê? Você, chamando-me para dançar?
— Se não quiser é só falar, então...
— Não! — interrompeu ela, levantando-se no mesmo instante — Eu quero, e muito! Só fiquei surpresa. Porém, eu não sei dançar...
Luke sorriu, segurando na mão de Dawn e trazendo-a para si. Os dois se encostaram e puderam sentir seus corações batendo, um de cada lado do corpo. Ambos conectados por um único sentimento.
— Não sou o melhor do mundo em dançar, mas, por você eu posso tentar.
Luke tentava manter sua postura, rodopiou algumas vezes com a garota em seus braços antes que Dawn se esbarrasse em Vivian e as duas caíssem na risada. Riley também se levantou e chamou por Marley de forma elegante para que os dois pudessem dançar. Agora a figura de um Stanley solitário estava sozinho na mesa, até uma velha senhora de aproximadamente setenta anos o agarrasse e o levasse para dançar. Lukas e sua amiga riram ao ver a cena e acenando para o companheiro.
— Vivian, por que você não chama o Stanley para dançar?
A ruiva assustou-se com o comentário, recuou um pouco seus passos e afastou-se de Lukas de forma breve antes de retomar consciência da vermelhidão que cobria suas bochechas rosadas. Era a primeira vez que Lukas a via corar dessa forma.
— Chamar o Stan para dançar? Eu sou muito desengonçada, ele não iria querer dançar esse tipo de música comigo, ele não gosta...
Lukas se surpreendeu, mas não escondeu uma risada satisfatória. Era a primeira vez que via sua amiga tão nervosa e indecidida, normalmente era ela quem sempre segurava a mão de seus amigos e os puxava para a roda, mas agora, ela parecia envergonhada.
— Você gosta dele.
Vivian negou com a cabeça várias vezes.
— Claro que não! Nós só estamos seguindo viagem juntos, digo, só nós dois. Acho que é algum tipo estranho de atração por companheiros de viagem. Nesse tempo todo que a gente anda com alguém e começa a reparar nela, você sente mais... Ahhh, eu não sei! Eu não sei!
Lukas riu, mas preferiu não dizer nada. Estava feliz por Vivian, principalmente agora que ela havia prometido não exagerar nos momentos de paixão e nem agisse como se os dois já fossem namorados. Agora era Lukas quem colocava o braço em volta da cintura da amiga, pelo visto o jovem conseguido pegar rápido o movimento da dança. 


          E assim, a noite terminou. Todos regressaram ao bangalô e se encontraram no primeiro desafio de sua jornada: Adaptar um quarto de duas pessoas para sete.
Riley armou uma rede que havia conseguido na recepção, a cama de casal ficaria para Marley e Vivian, enquanto que Dawn dizia não ter problemas em ficar no sofá. Os Irmãos Wallers arrumaram seus sacos de dormir, Stanley até optou por dormir dentro da hidromassagem gigante, mas seria melhor dormir em seu saco de dormir mesmo. Todos estavam muito cansados, mas de minuto em minuto alguém soltava um comentário bobo e acordava todos os outros bangalôs com suas risadas.
— Marley, Marley... — chamou Vivian.
— Que é?
— Queijo. Hah, hah, hah...
Lukas não conseguia esconder a risada. Eles continuaram a tentar dormir, mas as piadas e comentários bobos persistiam por várias e várias horas quando um grupo de amigos ansiosos mal podia esperar pelo fim da noite para poder aproveitar mais um dia.
— Ruiva, está acordada? — perguntou Marley.
— Diga, o que foi?
— Quantos grãos de areia será que tem nessa praia?
— Como assim?
— Pão de queijo. Hih, hih, hih!
As duas tentavam abafar o som de suas risadas, mas a situação só piorava. Stanley levantou-se de sua cama e gritou:
— Mano, na moral, que bosta. Por Arceus, será que vocês duas não conseguem ficar quietas por um instante? Aposto que serão as últimas a acordarem amanhã se ficarem enrolando e dando risadinhas toda hora. — disse Stanley.
— Fica de boa aí, mermão! Liga a luz pra gente resolver essa parada!
Stanley ativou o interruptor e lançou um travesseiro na cara de Vivian que foi arremessada para o chão. Marley logo levantou-se e atacou o loiro em conjunto, recebendo uma ajuda de Luke que era atacado por vários travesseiros vindos de Dawn, que se esquiva de uma rápida investida de Lukas e assim por diante. Entre dois pilares havia uma rede balançando lentamente e um homem vestindo uma máscara para repouso em seus olhos. Riley soltou um suspiro e tentou ajeitar-se na rede.
— Já vi que dormir hoje vai ser complicado... De volta aos velhos tempos.


      

{ 15 comments... read them below or Comment }

  1. VIVIAN!!!!! I LOVE YOU!!!!!!!

    Este coment é praticamente só da Vivian. Ela é uma atleta profissional! Ela ganha um triatlo facinho. é só colocar o Lukas como prêmio! kkkkkk

    Well, quando ela apareceu parecia que ela tinha bebido 500 litros de redbull. é... a louca faz loucuras.
    Neste capítulo esta trégua entre a Vivian e a Marley até que agradou. Foi como Yin e Yang juntos. Um anulando o efeito do outro.

    Uma coisa que eu não gostei muito: a Vivi gosta do Stan! Logo, logo esta obseção da Vivian com o Lukas vai virar um caso de ciúme com o Stan. Mas também eu concordo. Se o Lukas ficasse com a Vivian a vida dele ia se tornar um inferno. Ia ser um chiclete pro Lukas. A Marley seria mesmo uma ótima companhia pra ele.

    Agora sobre o local: Este resort me lembrou a nova cidade de Unova, em que temos o novo líder de Ginásio tipo água. Muto parecido mesmo.

    Já o bangalô...(dormir na hidro até que seria uma boa...).

    P.s.: Uhuuuuuuuuuu! Primeirão!!!!!

    P.s.2: Desculpa pelo comentário mal-organizado. Estou escrevendo este coment sobre pressão. Meu irmão quer usar o PC.

    Obs.: Vai demorar um pouco meu especial. Estou fazendo uma pesquisa rigorosa para escrevê-lo.

    ReplyDelete
  2. Eu acho que esse capítulo supera a moradia dos jovens em Hearthome,foi um ótimo capítulo!E temos também o esperado reencontro!Eu realmente gosto mais do Lukas com a Vivian desde o começo,mas quando vc fez aquele especial do Lukas com a Marley eu não sei mais de quem eu gosto!Mas se for colocar a Vivian com o Stanley eu prefiro ela com o Lukas.

    ReplyDelete
  3. OMG! Eu aqui no frio e você fala de um Resort na praia? Quer me deprimir? Shaushasuahsuahsuah. Um excelente capítulo, Canas, sete pessoas! Grupos de amigos bons são compostos por bastante gente. Eu adoraria estar em um lugar assim. Amo praia cara, mais que tudo. E acho que apesar do Deluxe Heart ser um lugar maravilhoso admito que um Resort com um tema mais caiçara seria mais minha praia. Mais minha praia, Resort na praia, sacou? kkk (menos Haos, menos). Onde eu estava mesmo? Ahh sim. Calor... Mar... Perfeito! Vivian e Stan? Eu sempre desconfiei. Quem sabe o Lukas consegue se encontrar com a Marley? Ou quem sabe com outra pessoa. Mas o nosso casal mais famoso continua fazendo suas pequenas aparições escondidinhas. Luke e Dawn. Ahh... Pude sentir o romance na pele.

    Teve alguns comentários que não pude deixar de escutar no meio dos diálogos. Não posso mentir que fiz uma descoberta que me deixou contente pra *****. Acho que você deve saber, vindo de mim. Mas quando a gente tiver a oportunidade a gente fala disso shaushaushasuh. Man, você que tirou a foto do LukasXVivian? Cara, eu também estou precisando encontrar minha Vivian/Dawn/Marley/Wiki/Titânia/Milena/Glaciallis/Gardevoir/Milady. Só ficou meio confuso um detalhe cara, pois a Vivian mencionou sobre o "amor eterno" dela com o Lukas e ficou meio para baixo quando ele falou que considerava ela apenas como amiga e no fim descobrimos que ela possa gostar do Stanley. Mas entendi o papo sobre uma forte amizade entre o Lukas e ela, então está tudo bem. Um capítulo cheio de acontecimentos legais, apesar de tudo tenho a ligeira impressão que você vai me fazer amar Pastoria até o fim do arco kkk. Abraço ae man o/

    ReplyDelete
  4. E pelo jeito tá todo mundo no barco Forever Alone por aqui eim rapaziada? Admito, ultimamente estou precisando de uma Vivian, Marley, Dawn... Topo até uma Titânia! HUAHUAHUAHA'

    É Canas, como sempre você trouxe um capítulo delicioso de se ler! Esse clima de praia me deixou tão relaxado... Ai, ai! Como eu nunca conheci a praia (por favor, não riam) deu-me uma vontade de observar o mar... Coloquei até uma imagem de uma linda praia no fundo do meu pc! KKKK'

    Enfim, vamos ao ponto. Agora o grupo novamente cresceu eim? Sete pessoas num único bangalô! No inicio pensei: a convivência vai ser complicada. Mas pelo jeito o pessoal está se entendendo! Mal acredite quando vi a Vivian voltando! E ela voltou em grande estilo, como sempre né? Amo essa ruivinha! E coitado do Stan... Nunca acompanhará o ritmo dela! Luke coitado, tome tento! Para de pensar tanto nas batalhas e fica rilex... Olha que a Dawn ainda desiste de você! Pobre Lukas... De um lado a ruiva eufórica de Azalea, do outro a jovem e timida gótica... Escolha dificil! Amei os momentos no "hotel" cara! E no final Marley e Vivian se dando bem... Lindo, lindo!

    É Canas, ficou tudo foda! E cara, sorte ae para encontrar a metade da sua Pokeball! HUAHUAHUA' :D

    ReplyDelete
  5. Cara, a Vivian fazendo um tremor de Tauros foi a melhor piada de todo o capítulo ou sei lá, esse fim foi excelente e o capítulo em si foi incrível. O próximo parece ser muito bom também

    Abyssal Heart (Com preguiça de entrar na conta)

    ReplyDelete
  6. Poxa, já deu para ver que nosso público ficou bem separado quando à escolha de casais para todos os personagens. Como um leitor de minha própria fanfiction, devo dizer que também tenho minha opinião. Acho que o Lukas combina muito com a Vivian, com a Marley também, mas os três começaram a virar tanto amigos que fica algo confuso mesmo, não acham? Bom, eu não acredito que o Stanley goste mesmo da Vivian, isso seria mais por uma apreciação de quando passamos muito tempo com alguém, como ela mesmo citou. Agora, só o tempo dirá com quem cada um deles iria terminar! Mas até lá? Vish, ainda terão muitos amores e conflitos...

    AH, Haos. Eu preciso dizer algo importante para você antes de mais nada. Aqui tá um frio do caramba!! Cruz credo, bem que poderia estar um solzinho para fazer os leitores sentirem esse clima de praia né... kkkk Brincadeira, deixe-me responder uma questão que deve ter ficado confusa para você, e para alguns outros leitores. Como entender o "amor eterno" que a Vivian sente pelo Lukas? Bom, ela ainda é caidinha por ele, todos nós sabemos. Porém, nas últimas semanas que ela andou com o Stanley ela andou reparando um pouco mais no jovem loiro... A cabeça dela ainda dizia: Você ama o Lukas, e não ele. Quando ela reencontrou o Lukas foi essa loucura que vocês puderam perceber no capítulo, porém, ela mesma se sentia sendo manipulada, sabe? Como se ela tivesse a obrigação de continuar gostando dele, mas nesse tempo, o coração dela já havia encontrado outro. Começou a sentir algo especial por outro, é aquela sensação de reencontrar alguém que você gostava quando criança e pensar: Será que eu ainda gosto dela? Ela só se tocou quando tomou o "suposto fora" do amigo. Não que ela tenha ficado chateada, mas foi algo como: Meu, esse garoto é tão especial para mim que eu não quero namorar ele. É uma sensação de dizer "eu te amo" e não esperar nada em troca, e é isso que torna a amizade da Vivian e do Lukas algo tão especial e provavelmente a mais cativante da fic. Nossa ruivinha ainda está se descobrindo com o Stan, e é lentamente dessa forma que uma possível paixão pode se formar. Espero ter conseguido saciar suas dúvidas cara, qualquer coisa que ainda esteja confusa é só dar um toque aí! Sacumé, é complicado falar de sentimentos. Anyway! Ah, e acredite, se depender de mim, eu conseguirei fazer vocês odiarem Pastoria de tanta coisa ruim que acontece kkkk Começando pelo Capítulo 38! kkkkkkkkk Abraços peoeple, e obrigadão pelos comments hein!

    ReplyDelete
  7. Capitulo ótimo, adorei a descontração que a Vivian trouxe ao grupo,mas o clima pesado entre ela e Marleyme rendeu muitas risada nas brigas delas, e principalmente na "amizade" entre as duas, e o Lukas nem se tocou da tristeza quando disse que eles eram melhores amigos. Vejo que o clima entre o Luke e Dawn esta esquentando, e finalmente eles fizeram o Luke esquecer das batalhas. E o Stan, além de Forever Alone teve que dançar com uma senhora de 70 anos, rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs.
    Bem fico por aqui.

    ReplyDelete
  8. Adorei!!!!!!!!Adoro a praia(vou 3 vezes por ano), e muito obrigado por juntar meus personagens favoritos denovo VIVIAN E LUKAS(amo vcs).Gostei muito de vc ter por os costumes do meu nordeste na fic, eu amo dançar forro.
    Hum...essa Dawn ta muito safadinha, tenho ate medo do que pode acontecer daqui pra frenten e pro Luky_chan dou emus parabens ele esta aos poucos voltando a ser o retardo que ele sempre foi ebaaaaaa
    Adorei a briguinha da Marley com a Vivian(S2) e que bom que elas ficaram amigas(mentira adoro elas inimigas).Lukas meu filho vc ta com atitude muito gay e escolhe logo a Vivian ela é o melhor para vc.
    Canas como sempre vc foi perfeito, mas acho que vc está esquecendo um pouco de mencionar o pobre Morthim.E vc esta me irritando cada vez mais, Drapion nao faz o tipo da Vivian, era melhor ele com o Stanley.Quero ver ganahr enfase o Shellos,Milotic e Horsea.
    E como tudo nao é perfeito acho q no prox cap so vao ficar os irmãos e Dawn.Ja que Riley e Marley vao para Sunyshore e o Vivian e Stanley para Veilstone(alegria de pobre dura pouco).E adoraria se me explicasse sobre My Pokemon Ranch


    É so

    ReplyDelete
  9. É o amoooor que me deixa com dor de cabeça me deixa assiiiiim!
    Cara capitulo show, Logo logo os romances de verdade começam mas não deixe pro ultimo capitulo de toda a fanfic pelo amor de Deus! Até o proximo.

    ReplyDelete
  10. Magnífico capítulo, fiquei felicíssimo com a reaparição da Vivian e do Stan!
    O Hotel Grand Lake é maravilhoso, é nessas horas que dá uma certa raiva de você fazer essas tão perfeitas descrições, fiquei morrendo de vontade de que ele existisse e que meus pais tivessem poder monetário suficiente para frequentá-lo. Brincadeira, sua maneira de escrever é maravilhosa e torna meu gosto por Sinnoh e por Aventuras em Sinnoh muito mais forte e melhor.
    Voltando ao capítulo, a Marley ficou amiga da Vivian e isso foi inusitado e interessante, o Lucky voltou (pelo menos por uma noite) ao normal, o Lukas ficou numa vida amorosa cada vez mais confusa em relação a quem escolher para ser melhor para ele e para as suas escolhas e até eu fiquei confuso em relação à o que a Vivian tem com o Stan tornando a história do meu personagem favorito (Lukas) cada vez mais interessante.
    Contamos nesse capítulo com uma esplendorosa participação de todos lembrando um dia em que eu dormi na casa de meu primo com muitos primos e o povo fazia piadas parecidas com essas citadas.
    "— Ruiva, está acordada? — perguntou Marley.
    — Diga, o que foi?
    — Quantos grãos de areia será que tem nessa praia?
    — Como assim?
    — Pão de queijo. Hah, hah, hah!"
    Morri de rir com essa lembrando da minha família.
    Então fico feliz por este capítulo que fez jus a data tão especial comemorada no dia anterior à sua postagem! Parabéns e até o "Capítulo 38 - Depois da chuva" (nome interessante e sugestivo, o que acontecerá?)!

    ReplyDelete
  11. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK chorei de rir lendo aki kkkkkkkkkk essa Vivian eh uma figura kra, capítulo bem descontraído, a galerinha tava precisando de um tempinho de descanço, pra aliviar a pressão das batalhas.
    Capítulo bem estruturado como sempre parceiro, meus parabéns. Que reviravolta com essa história de casais, hein?
    Até o próximo capítulo, to curioso pra saber oq vai acontecer kkkk'

    ReplyDelete
  12. Uou, já tô um tempo sem entrar e quando volto me deparo com a Vivian gostando do Stanley!?
    Torço para que isso seja apenas um equivoco do Lukas! A propria Vivian ficou desapontada quando ouviu "melhor amiga"!
    Vivian precisa conversar com aquele Mesprit! Ele precisa organizar os sentimentos dela! Que se lasque que eu queria que o Stan conseguisse alguem! Ainda torço pro Lukas ficar com a Vivian!
    Porygon MP3? KKKKK Me perguntei onde Luke encaixou o fone o-o'
    Bem, espero ver o que vai dar nesse quadrado amoroso (Lukas e Vivian PLZ!)

    ReplyDelete
  13. Cara, como assim? Ta todo mundo na friend zone e no rank dos forever alone neste site!!! kkkkkkk
    Vamos lá rapaziada, uma boa dica é ser descontraído kkkkk
    Voltando ao capitulo, me diverti muito ; conforme ia lendo as palavras do texto, eu ficava rindo como um retardo! Vou querer esta Porygon Z na minha estante para escutar música, mas de preferencia, eu gostaria dela na versão Wiki (onde seria o botão de play?.... o nariz é claro kkkkkkk)
    Que hotel maravilhoso, será que ele existe na vida rela? Você o descreveu tão bem, que parece que estou caminhando por suas passarelas repletas de palmeiras.
    Uma cena que me chamou a atenção foi o comentário da Vivian “ o Luke e a Dawn no mesmo quarto não vai prestar” kkkkkkkkkkkk cara adorei (acho que estou meio malicioso, melhor parar com isso)
    O capitulo foi perfeito, muito bem escrito e bastante descontraído, ele tirou a tensão dos anteriores e trouxe uma calmaria aos nossos protagonistas. E curtir um Forró coladinho de uma garota é perfeito, só no xote!
    Canas, homem tem que saber dançar, e se por um caso você não sabe, vai mesmo assim!
    Agora que terminei meu comentário vou curtir uma praia... opa, aki tah um frio da porra!!! Melhor continuar comentando
    Flw

    ReplyDelete
  14. Que isso companheiro! Que furdunço é esse, e logo num resort de luxo? Oh, céus, o que fazer com esta plebe que não sabe se portar como os da alta sociedade? Estou injuriado com esta conduta típica de crianças! *Acho que de todos os seres deste blog, só a senhorita Glaceon entenderia meu vocábulo refinado*

    Cara, este capítulo foi muito bom, e veio em ótima hora! Foi muito bom você ter reservado um capítulo para fazer os leitores retomarem o ritmo divertido que a fanfic possuía na Saga Pérola. Não que a Saga Diamante não esteja divertida. Estou falando de ter de volta o humor, a descontração da saga anterior, para dar um intervalo de toda essa tensão e intrigas predominantes na presente temporada. E rever a Vivian e o Stanley foi legal também.

    Por falar neles... Desde que a Marley e o Riley se juntaram aos três eu fiquei pensando em como ela gosta do Lukas, e em como a Vivian reagiria com isso. Mas aí nesse capítulo eu comecei a pensar na possibilidade da Vivian fazer um par com o Stanley, e assim que eu pensei nisso ela ficou toda vermelha com a proposta do Lukas para ela chamar o loiro para dançar, tirando-o assim dos braços da véia carente, hehehe. Eu adoro adivinhar essas coisas em cima da hora.

    Bom cara, está de parabéns. Vou ficando por aqui nesse comentário. Até breve!

    ReplyDelete
  15. Ah, que nostalgico. Depois de tantas crises ver a fic retornar ao clima dos tempos antigos é no mínimo mágico. Vivian e sua entrada triunfal kkkkk' ela sempre surge com coisas comicas demais. Acho que a fic não seria a mesma sem ela. E o Luke, hein, tentando melhorar. Mas acho melhor manter ele longe dos ginásios. Ah, e como eu poderia esquecer o Riley. Finalmente se soltou kkk' fico imaginando como era ele se hospedar naquela casa em tempos passados, tendo que aguentar o calor infernal. Hum... Acho que a Vivian atravessou a friendzone direto para o Stan (melhor que aquela velha)kkkkkkkk

    E a Marley? Tímida, mas acho que no fundo ela e o Lukas se completam. Como li alguma vez em algum lugar, não procuramos no outro a nossa imagem, procuramos aquilo que nos completa. Então vejo num futuro não muito distante: Vivian e Stan (o sem personalidade e a com muita personalidade) Lukas e Marley, Dawn e Luke e Riley e... aquela velha, a Fantina ou qualquer ser do tipo. Ou quem sabe a Cheryl?! *-* Por falar na Cheryl, quando teremos mais um especial da Gardenia? já estou com saudades da minha musa das plantas

    ReplyDelete

- Copyright © 2011-2017 Aventuras em Sinnoh - Escrito por Canas Ominous (Nícolas) - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -