Posted by : CanasOminous May 11, 2012

Os três comandantes dos Galactics haviam sido enviados para cantos dispersos da região de Sinnoh, lagos que posicionados de forma triangular apontavam exatamente em direção do centro de toda a região, o Spear Pillar. Comandante Saturn, Lake Valor. Comandante Jupiter, Lake Acuity. E Comandante Mars, Lake Verity, o lago da verdade. A moça estava sozinha naquela ocasião, sabia muito bem como lidar num território que já conhecia, afinal, era onde passara grande parte de sua infância ao lado da família.
Martha adentrou a alameda de árvores e pôde ver a neve fofa sobre seus pés. De um lado, um frio gélido capaz de congelar a alma, e nas redondezas de Veilstone, um calor intenso. E ela não estava tão preparada para aquilo. O clima entrara em contradição nos últimos meses, a comandante imaginava se sua missão tinha algo a ver com aquela mudança, e se por algum motivo apresentaria uma ameaça à natureza. Capturar uma criatura lendária era arriscado, mas necessário se os Galactics quisessem que seus planos fossem sucedidos. A moça retirou uma Master Ball da bolsa de sua jaqueta, e então a guardou. O lendário Mesprit a aguardava.
Martha caminhou até a ponta do lago e observou a água praticamente congelada. Cruzou os braços tentando se aquecer vendo o hálito quente sair de sua boca, agora teria de enfrentar uma água congelante para arquivar seu objetivo. O gelo aguentaria qualquer Pokémon leve que caminhasse por cima, mas não um humano. Ela tinha seu Purugly e um Golbat na equipe, mas era arriscado o morcego levá-la por uma distância tão longa, precisava urgentemente de alguma estratégia, e por isso, debruçou-se sobre a borda para verificar a temperatura da água e a profundidade.
— Digo que esta não seja uma posição muito adequada para uma madame, ainda mais quando ela veste roupas provocativas e tem curvas sedutoras.
Martha imediatamente levantou-se e esticou sua saia para baixoa, corando severamente pelo comentário que ouvira. Ela havia se dado conta da aproximação de alguém, mas soltou um longo suspiro ao notar que era um alguém já bem conhecido de sua pessoa.
— O quão indelicado você consegue ser, Proton? Eu notei sua presença me seguindo há pelo menos quatro horas, mas pensei que tivesse deixado essa brincadeira infantil de lado. Diga-me, por que continua me vigiando?
A comandante parecia muito irritada, ainda mais depois de ouvir a risada do criminoso. Proton apoiou-se numa árvore e lançou sua risada costumeira, ajeitando sua boina negra na sequência. Mars continuava a encará-lo de forma séria, Proton nunca levava ninguém a sério.
— Ora essa, estou apenas certificando-me de que a chapeuzinho vermelho não se perca na floresta. Afinal, o lobo mal pode aparecer para ponderá-la, apenas aguardando o momento certo. — disse o homem com uma voz galanteadora.
— Não somos mais crianças, Proton. E eu sei me defender muito bem sozinha.
— Sério? Eu podia jurar que você ia se jogar nessa água fria, e depois esperar que seu sangue esfriasse, e você desmaiasse, e gemesse, até morrer. Mas são só suposições, é claro que você não se jogaria na água. — disse Proton numa tonalidade irônica.
Mars retirou sua jaqueta e deixou seus pertences embaixo de uma árvore. Proton riu ao ver a mulher se despindo e pronta para encarar uma água tão fria capaz de congelar até os ossos. O criminoso apenas sentou-se e a encarou.
— Vai mesmo deixar todas as suas roupas e pertences com um ladrão?
— Me poupe, eu já te conheço há anos, e sei que não teria a cara de pau de roubar minhas coisas. De novo. A questão é que eu preciso chegar à caverna do Lake Verity, e não será você que irá me impedir.
Proton recuou e esticou suas mãos para o alto afirmando que não fugiria.
— Tudo bem, tudo bem. Eu tomo conta das suas coisas, mas não vá gritar meu nome quando morrer de frio, certo?
Mars não deu ouvidos, e apenas lançou seu Golbat que voava com dificuldade em meio à tantas árvores e neve. O morcego parecia tremer de frio, mas a moça segurou com firmeza em suas patas e ordenou que ele voasse até a caverna. O morcego cambaleou, em alguns momentos quase levou sua treinadora direto para a água gélida, mas conseguiu alcançar o outro lado da margem com sucesso. Martha virou-se para Proton e fez um sinal de charme como se cantasse sua vitória. O homem apenas continuou a encará-la com as mãos no bolso e rindo a toa, apenas aguardando o retorno de uma grande amiga.

Mars adentrou a caverna com a Master Ball em mãos. Olhou em sua volta na escuridão, mas tudo que via eram paredes e poças d’água no chão. Seu Golbat poderia ajudá-la no conhecimento do território, mas não havia nada, a caverna estava vazia.
Subitamente, um brilho pôde ser visto. A comandante se virou e apertou a pokébola com mais força, seu Golbat hesitou por um momento, e se colocou em posição de ataque ao notar o pequeno Mesprit encará-la com certa curiosidade. O Pokémon desapareceu novamente, e começou a dançar em volta da comandante com um balançar suave e brilhos ocultos. A figura parecia estar ainda mais curiosa pela visita inusitada de um humano, mas nada fez para revidar. Martha sorriu, e tocou no rosto da criatura com a ponta de seu indicador, os dois riram.
— Que Pokémon lindo... — sussurrou ela.
— Obrigado, humana. Você é muito gentil.
Martha recuou atônita, nunca tinha ouvido um Pokémon falar. O pequeno Mesprit deu uma rápida volta na moça e segurou-a com sua cauda para que ela não fosse ao chão com o espanto.
— Por favor, não se assuste! Posso me comunicar com telepatia. Só fiquei curioso e senti-me na obrigação de falar com você quando me tocou. Pude visualizar grandes verdades e mentiras em seu coração. Humanos, sempre tão cheios de surpresas.
Martha hesitou, ainda parecia não acreditar naquele ocorrido.
— Você é Mesprit, o ledário guardião do lago, O Ser das Emoções.
— Sim, é como os humanos me chamam. Um nome bem glorioso, não acha?
           — O que quer de mim? — perguntou Martha, a criatura caiu na risada.
        — Ora essa, não espera que eu tente capturá-la, certo? Você é uma humana, e eu, um Pokémon, nós dois sabemos muito bem o que fazemos aqui. Mas a questão é que seus sentimentos estão muito embaralhados, até eu me surpreendi quando pude sentir o que você está sentindo. Consegue me entender?
Martha negou com a cabeça.
— Vejamos, você ama um homem, mas na verdade está apaixonada por outro, estou certo?
— O quê? Do que você está falando? Estou mesmo conversando com um Pokémon? Eu deveria estar aqui para capturá-lo! — disse a comandante.
— Sim, sim. Sei disso. Já me comuniquei com meus irmãos, e nós optamos por deixarmos sermos capturados. Ultimamente temos estado um pouco... Como vocês diriam? Ah, de saco cheio com os humanos. Eles tem emoções complicadas, sabe? Como a sua, você fica com um sujeito gostando de outro. Não gosto disso. — comentou o lendário Mesprit.
— Isso não é verdade, eu amo o Alex, e não tenho nenhuma relação com o Proton! Espere um pouco, como sabe disso?
— Sou o guardião das emoções, eu disse que pude sentir isso quando me tocou. Os humanos me fascinam com sua indecisão, conseguem mentir para si mesmos e enganar todos ao seu redor, entende? 
— Você está tentando me deixar confusa, por que está dizendo isso?
 Sou a razão e a emoção. 
— Razão e emoção são dois sentimentos que não habitam a mesma galáxia. 
— Talvez... Cansei de ser razão. Eu quero ser emoção e sentimento, porque o bom da vida é o frio na barriga e o coração acelerado, não acha? — Mesprit continuou a flutuar em frente Mars, deu três rápidas voltas e então parou em frente a mulher que deu duas rápidas piscadelas. O Pokémon apontou para a pokébola na mão da comandante e continuou: — Bom, se quiser finalizar seu serviço me capture logo. Tenho alguns planos a resolver com Azelf e Uxie. Eles também não têm estado nem um pouco feliz com as atitudes desses humanos.
— Quer dizer que irá nos ajudar na construção do mundo novo? — perguntou Martha.
— É bem provável, mas teremos alguns sérios problemas antes. Outros lendários, entende? Eles são o maior problema, mas se conseguirmos colocá-los do nosso lado, problema resolvido. Estimo que nenhum outro intitulado lendário goste dos humanos, não será difícil convencê-los. De uma maneira ou de outra, o fim é o mesmo.
— É interessante saber que temos o apoio de Pokémons lendários ao nosso lado, o Mestre Cyrus ficará muito interessado na proposta de vocês. Bom, se importa se eu...
— Não, não. Esteja à vontade, ouvi dizer que as Master Balls são muito aconchegantes. Mas, se quiser uma dica, humana, eu diria para se decidir logo entre esses dois homens. Lidar com emoções é algo complicado, não acha?
A comandante revelou um sorriso singelo, e então lançou a pokébola em direção de Mesprit, que foi capturado sem enfrentá-la. Martha agachou e segurou a cápsula em suas mãos, yinha o seu objetivo completo, mas a dúvida que Mesprit deixara em sua mente parecia ser a maior de todas. Escolha o homem que ama de verdade. Como um Pokémon podia entender que aquela mulher ainda guardava certa paixão por Proton?
A moça deixou a caverna com seu Golbat, que alçou voo para levá-la até a outra margem. Proton continuava a observá-la com as mãos no bolso, até que, subitamente, o morcego não aguentou o peso de sua treinadora e deixou-a cair na água. Estava congelando, e Martha estava exatamente na metade do percurso. Não tinha como voltar para a caverna nem chegar até onde a margem mais próxima se situava.
— P-Proton! — gemia a mulher em pânico, sentindo suas pernas congelarem com o clima que fazia.
Proton não pensou duas vezes, pulou na água com tanta velocidade que nem tivera tempo para arrancar os acessórios e chamar pelo nome da comandante. Sentia um frio imensurável queimar seu corpo, mas nadou com tanta velocidade em direção da mulher que seu maior objetivo era tirá-la da água o quanto antes. Mars o abraçou assim que o homem se aproximou, Proton recuou como pôde até a outra margem. Pelo menos ele estava bem mais abrigado, quando a comandante caiu na água vestia pouco mais do que um moletom e uma meia calça por baixo da saia.
Proton levou Mars até o outro lado da margem e lá a deixou até recuperar o fôlego. A água pingava de seus curtos cabelos vermelhos, caíam por cima de seus ombros com gotas gélidas. Os lábios de ambos tremiam, parecia rachar pelo frio daquela manhã. Proton rastejou até as roupas de Mars e depositou-as gentilmente sobre o corpo da mulher com o intuito de esquentá-la. O homem esfregou as duas mãos e soltou um suspiro aliviado:
— Viu? Eu disse que iria tomar conta das suas coisas... — disse ele rindo, tremendo, mas rindo.
Mars não respondeu, levou um tempo até recuperar-se do susto.
— P-Por que fez isso...? — gemeu ela.
Proton ajeitou o cabelo e tentou esquentar seus braços enquanto observava o rosto pálido de Martha. Ele não perdia uma chance para seu sarcasmo costumeiro.
— Seria melhor ter deixado você morrer, não é?
— E-Eu não disse isso... Pensei que me odiasse...
— Se eu te odiasse estaria bem longe daqui. E não tomando conta dessa garotinha e te protegendo de qualquer perigo.
Martha ficou quieta, puxou sua jaqueta para si e tentou se aquecer mais uma vez, mas as partes de seu corpo pareciam frias demais para serem aquecidas sozinhas. Abraçous seus joelhos e cobriu o rosto, em seguida soltando um suspiro, mas não pôde nem ver seu hálito quente saindo.
— Me abraça.
— Como é que é?
— Por Arceus, Proton. Você me ouviu muito bem, agora me abraça logo! Eu estou com muito frio...
O criminoso aproximou-se da mulher e a levanou, abraçando-a na sequência. Martha estava muito corada, mas parecia estar com mais frio do que envergonhada. Proton colocou sua jaqueta negra sobre o ombro da moça no intuito de aquecê-la ainda mais, soltando uma risada na sequência.
— Há quantos anos não temos um momento assim? — perguntou Proton.
— Muitos.
— Ah sim, desde que nós brigamos, e você me abandonou. E então você passou a me odiar. Aproveite esta resposta como uma nova resposta à sua outra pergunta, certo? É você quem passou a me evitar, e não eu.
— Ora, Proton... Isso foi há muito tempo atrás. Muito mesmo, nós dois éramos só adolescentes, não podemos ter controle de nossas emoções. — respondeu Martha um pouco confusa. 
Dessa vez, Proton não ria. Estava um pouco sério, e com um olhar distante tornou a dizer:
— Você nunca consegue colocar ordem nesses seus sentimentos, não é?
Escolha o homem que ama de verdade. Emoções são complicadas, não acha?” As palavras de Mesprit mais uma vez ecoaram em seus ouvidos. Mars encostou o rosto no ombro de Proton e permaneceu naquela situação por um tempo, segurou em seu braço com força e disse com uma voz entristecida:
— Me desculpe, Proton. Por tudo de ruim que fiz com você. Eu realmente te amei no passado, digo, talvez eu ainda ame, mas eu nunca consegui controlar meus sentimentos, e...
Proton levou sua mão em direção do pescoço da moça, entrelaçou-o de forma serena e segurou o rosto suave da moça que aos poucos ganhava uma cor avermelhada pelo sangue que lhe subia. Mars deixou-se dominar, e então o ladrão a beijou. O ladrão de corações. Martha teve a sensação de voltar aos seus tempos e juventude, quando ela não tinha problema algum, e principalmente, era livre. O beijo durou alguns minutos, era correspondido pelos dois lados, Mars havia se deixado tomar, mas de repente deu um empurrão no homem e com uma feição de espanto gritou:
— Por Arceus, você me beijou!
— Sério? Que bom que notou. — ironizou ele.
Martha ficou de joelhos e avançou contra o homem com a ponta de seu indicador, gritando num momento de fúria e decepção.
— V-Você me beijou! Você sabe que eu namoro o Alex, e me beijou da mesma maneira!!
— Correção, você se deixou ser beijada. A culpa é dos dois lados.
— Como você... Augh! Como pude fazer isso com meu namorado?? — indagou Martha perplexa, vendo Proton cair na risada e fazer um sinal de chifres com suas mãos.
— Digamos que o Comandante Saturn acaba de ganhar um par de Tauros na cabeça.
Martha levantou-se e jogou a jaqueta de Proton contra o homem. Começou a chutar as coisas do sujeito e então o expulsou das proximidades do lago aos gritos. Proton ainda ria de forma sarcástica.
— Some da minha frente, some! É por isso que eu te odeio, tão sedutor, galanteador, e.... Ahh, só sai da minha frente, eu te odeio tanto, nunca mais apareça na minha frente!!
— Vejo que tenho então um novo motivo para cuidar da chapeuzinho vermelho, digamos que ela tenha se apaixonado pelo lobo mal. — brincou Proton.
— Só saia da minha frente!!
Proton recuou com suas coisas, e ajeitou a boina molhada em sua cabeça. Virou-se para Martha e deu uma piscada correspondida por uma pedra que fora rapidamente esquivada. Antes de partir, Proton virou-se uma última vez.
— Ah, e só para deixar avisado, Martha. Quero dizer que estou do lado de vocês. Se querem acabar com os Rockets, então acabem com eles. Meu objetivo aqui é você, e acredite, eu ainda vou conquistar seu coração para mim, novamente. Ciaobaby!
— Suma antes que eu jogue o Mesprit para tirar esse sorriso do seu rosto! — respondeu Martha, talvez já mais tranquilizada.
Proton adentrou a Rota 201, Mars retornou seu Golbat e olhou para a Master Ball que continha o Mesprit, o ser das emoções, algo tão difícil de lidar. E o problema maior agora seria outro, como a Comandante iria encarar Saturn em seu próximo encontro? E no fim das contas, será que ela ainda o amava?

      

{ 12 comments... read them below or Comment }

  1. Que cap legal, realmente adorei. Mostrar esse momento dos galactics e os rockets além das brigas entre eles deixou bem legal

    ReplyDelete
  2. Nossa, que capítulo lindo, muito fofo. Amei o jeitinho da Mesprit, tão fofa e tão sábia.
    Mal posso esperar pelo aparecimento do Uxie, ele sempre foi meu favorito dos Guardiões do Lago.

    ReplyDelete
  3. Apesar de ser fã assumida de MarsxSaturn, gostei muito da idéia de MarsxProton.

    Parece que temos um par de chifres aqui, kkkkkkkkk

    Acredite, Mesprit disse total verdade, agora, se ela visse meus sentimentos, ai sim, ela ia chamar de quebra-cabeça impossível de montar.

    Awwn, o frio, momento de unir corações. *-*

    To ansiosa para o próximo capítulo :D

    ReplyDelete
  4. Capitulo ótimo, mostrou com toda a claresa os sentimentos da Mars para com Proton, só gostaria de ver a cara do Saturn quando descobrir este fato (adoro ver o circo pegar fogo, principalmente quando não estou envolvido). Mesprit a essencia das emoções, revolou para Mars o que ela tentava esconder a alguns anos.
    Bem vou ficando por aqui.
    By: Shadow Bellator(com preguiça de se identificar por causa do frio)

    ReplyDelete
  5. Este foi um "capítulo" muito bom. Este romance (adulto) no ar foi um toque que realmente faltava nesta temporada. E finalmente o Proton. Ele estava desaparecido há tanto tempo... Pensei que ele já tinha voltado pra Johto.

    Mas agora que o Mesprit confundiu a cabeça da Martha... O mundo dela vai pirar. Imagina só quando o Saturn descobrir sobre esse romance secreto.

    P.s.: Estou doido para descobrir mais sobre o passado da Comandante Mars. Parece que la tem muitos segredos no passado.

    P.s.2: Sobre o Cap. 36... A cueca do Luke... Eu me lembro muito bem dela. Só quero ver o desfile que vai ser no Fire Tales. "Desfile: As Várias 'Faces' da Cueca do Luke". kkkkkk

    Att.

    ReplyDelete
  6. Oooe Brodi, cara, esse capítulo foi muito revelador sobre a Tia Martha! \o Ela gosta é do Proton, eu fiquei: - Vish Maria \o\ HUAHUAHUAUHA, e esse Pokémon falante? VISH MARIA! E o beijo no final? VISH MARIA! UHAUHAHUAUHAUHHAUUHa -q EnFIM... Fodz, esperando o próximo! (:

    ReplyDelete
  7. Sugiro que revise os capitulos,muitos deles tem erros de digitação principalmente do 30 em diante.

    ReplyDelete
  8. Eu ficaria agradecido a qualquer um que voltasse e mostrasse onde estão os erros. Infelizmente eu não tenho mais tempo nem paciência para voltar algo que já foi postado e revisar só para concertar alguns erros que em sua maioria são de digitação. Isso pelo fato do meu Word não ser atualizado e não ter o corretor ortográfico. O tempo está curto e um pouco complicado, prefiro manter meu foco no enredo do que reler o mesmo capítulo mais uma vez. Obrigado pelo toque, mas por enquanto vou ter que deixar passar. Qualquer erro que eu note estarei arrumando, mas atentar-me a concertar um por um vou ter que dispensar por enquanto. Quem sabe no final da temporada, como foi feito da última vez.

    ReplyDelete
  9. Veshe man que capítulo foda! Concordo com o fato, o Saturn já pode até mugir shaushuhs' Pensando bem o Alex e a Jupiter fariam um belo casal agora que são da mesma espécie (Ele acabou de ganhar uns chifres e ela já é uma Miltank kkkkkk' zuera cara, essa moça me dá medo ._.). Um pouco de conflito amoroso nunca é demais, e o Proton ganhou meu respeito, esse cara é muito phoda *--*.

    Umas citações legais foram que o trio do lago está apoiando os Galactics. Foi por isso que o Saturn conseguiu capturar o Azelf (ou melhor, vai capturar já que é no próximo cap. Putz, enchi de Spoilers :\ ). Quem seriam os outros? Giratina, Palkia e Dialga? Arceus está no meio? Adoro mistérios lendários *--*. Mas o enredo da divisão da Martha foi ótima, com quem ela vai acabar? Fica tão imprevisível que acho que não vou dormir hoje! O amor de alguém que sempre a protegerá ou a paixão proibida com Proton? Huhu, adorei. Se bem que o Proton provou também ter um lado carinhoso e protetor. Como será que isso vai acabar? Um ótimo capítulo cara, flw o/

    ReplyDelete
  10. Um par de Tauros na cabeça kkkkkkkk cara adorei a sacada, e este tema adulto que este capitulo tomou me deixou bem satisfeito, é como se a própria estória amadurecesse, e ela saísse daquele amor ingênuo dos Protagonistas. Gostei do tema Canas, afinal, até nós homens gostamos de um bom romance!
    Mano, eu curti o Proton, muito mais que o Saturn, acho que esta explicado, aquele cabelinho dele kkkkkk e toda a sacanagem por trás das falas do ladrão me surpreenderam, acho que gostaria de ver um pouco mais deste tema em suas histórias.
    Parabéns Canas, adorei este capitulo e a laitura foi deliciosa, e vamos voltar ao meu comentários, pois acredito que ainda faltam um pouco mais de 50 post kkkkkk
    Flw
    Ahhhh e estava esquecendo de comentar, mas adorei o desenho da Mars com o Proton, achei que o rosto dela ficou bem bonito e delicado e ele esta com um cara de “quero de te comer” no sentido do lobo mau é claro kkkkkk

    ReplyDelete
  11. Saturn agora vai ter que lidar com o status de corno mano! Que triste... Bom, mas a Jupiter tem cara de quem quer dar em cima dele. Vai saber o que se passa na sua cabeça na hora de planejar as coisas Canas. Foi um especial para descontrair, tirar um pouco o foco dos protagonistas, e tenho que dizer que nunca imaginei que a Martha e o Proton tinham esse relacionamento passado.

    Cara, a história como sempre está fantástica! Continue com o ótimo trabalho!

    ReplyDelete
  12. Tauros kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk ta, parei. Mas adorei cara, adorei. Esse especial foi tão legal *-*. Achei que a Martha iria congelar no lago, mas o Golbat fez um bom trabalho. Adoro esse pokémon, eu tinha um em Platinum *-*

    E o Mesprit, hein? hauhauhauahua dando lição de moral. No momento em que ele ironizou ela, falando sobre quem iria capturar eu pensei no Mesprit assim: Comandante vai, eu escolho você! Use o beijo apaixonado.

    Sério Marthinha, o negócio está precário. Quem será seu amorzinho? Quem, quem? Acho que é o vilão. Sério Canas, um amor entre dois seres de grupos opostos é mais lindo. Como os Montéquios e Capuletos (Romeu e Julieta on).

    ReplyDelete

- Copyright © 2011-2017 Aventuras em Sinnoh - Escrito por Canas Ominous (Nícolas) - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -