Posted by : CanasOminous Feb 17, 2012

O céu estava plúmbeo, e nenhuma estrela ousava pronunciar-se em frente à espessa cortina de nuvens cinzentas, cujos formatos ousavam desafiar a mente humana com devaneio e imaginação. Dawn jazia sentada em sua cama enquanto vestia seu par de botas rosadas, ela vestia fortes agasalhos para sair durante aquela noite fria, pois pretendia investigar os mistérios da Lost Tower. O Centro Pokémon permanecia aberto a noite inteira, mas naquele horário haviam pouquíssimos viajantes acordados, de forma que a Enfermeira Joy até tivesse algumas horas de folga permanecendo encostada em um dos sofás enquanto lia uma revista sem se preocupar em atender mais ninguém.
Dawn pegou sua bolsa e fechou a porta lentamente com o intuito de não acordar os visitantes, mas ao fechar seu cômodo pôde ver Lukas encostado na parede, direcionando um olhar de reprovação para a garota.
— Aonde pensa que vai? — indagou Lukas.
— N-Não era para você estar acordado...
— E eu digo mesmo.
Nesse instante, Luke surgira de trás da porta de seu quarto trazendo uma pequena bolsa e algumas lanternas. O jovem parecia muito sonolento, mas abriu um sorriso no instante que viu os companheiros preparados.
— Você é muito barulhenta para arrumar-se. Ficamos pensando naquilo que você havia dito sobre a Lost Tower, e julgamos que você estaria indo encontrar encrenca. — disse Lukas.
— Eu só estava indo investigar, não precisava virem comigo se não estiverem interessados. — respondeu Dawn
— Nós já acordamos, e também precisamos nos certificar de que nada de ruim irá acontecer com você, afinal, você tem o dom de perder-se em lugares escuros e arrumar encrencas. — afirmou Luke.
O grupo descia vagarosamente as escadas de forma que as luzes fossem aos poucos sendo ligadas por seus sensores automáticos. Até mesmo a Enfermeira Joy se surpreendera com alguém acordado naquele horário, rapidamente retomando sua posição em frente ao balcão do Centro com um riso sem graça. Os três estavam muito bem agasalhados e preparavam-se para sair do local quando uma rouca voz pôde ser ouvida de uma das bancadas próximas à fogueira.
— O que um grupo de jovens crianças procura fazer em uma noite tenebrosa como esta? — indagou a voz de uma velha, que transmitia medo nos jovens somente pela tonalidade e tranquilidade com que se referia.
O grupo virou-se e pôde ver de relance a velha Senhora em frente à fogueira, sua voz era rouca e parecia ecoar como um defunto que havia se levantado de sua cova somente para assustar os viajantes.
— Nós vamos à Lost Tower. — explicou Lukas.
A velha nem se virou, ela continuava parada na mesma posição apenas observando o fogo da lareira subir. Seu rosto era oculto por um manto negro que a protegia do frio. Luke virava sua cabeça na tentativa de ver a face da velha, mas suas pernas não o permitiam que se movesse. A Senhora fez uma longa pausa enquanto colocava mais uma tora de madeira no fogo até dirigir novamente sua fala aos jovens.
— Ao passar da meia noite aquela torre torna-se assombrada. Eu não aconselharia a entrada de mais ninguém, nem mesmo os guardas são capazes de proteger seus portões pelo medo interruptivo em suas almas. — disse a velha com dificuldade — Aquela torre é má, age por vontade própria e chora todas as noites como uma melodia fúnebre.
O fogo da lareira estendia-se ao alto, a chaminé exalava uma cortina negra que aos poucos cobria ainda mais a penumbra noturna. Dawn saiu sem dizer nada, apenas sendo seguida pelos dois amigos que permaneciam com receio de adentrar a torre. A garota olhou para o alto na tentativa de ver as estrelas, mas não havia resposta. Aquela noite parecia ser mais assustadora do que qualquer outra, o Centro era localizado exatamente à sombra da torre, e os camponeses que lá habitavam teimavam em inventar lendas para assustar os visitantes, mas a jovem não iria deixar-se intimidar pelo medo.
— Malditas velinhas medonhas, conseguiu colocar medo em mim depois dessa. — resmungou Luke.
O grupo retornou para a rota 209 e avistou a torre, erguendo-se com toda sua glória e cortando o céu infinito em um véu negro de escuridão. O silêncio profundo cobria completamente a floresta, de modo que apenas o pesado toque de seus passos  e a respiração ofegante fossem ouvidas. O sinal de Pokémons era cada vez menos evidenciado, de modo que Dawn lançasse seu Piplup para acompanhá-la no caminho para precaver os perigos noturnos. Luke tinha Shieldon ao seu lado, pois o Pokémon se mostrava mais corajoso do que qualquer outro.

Por um instante, Lukas levantou sua visão e pôde ver uma rápida sombra passando por entre suas cabeças. Uma pena negra caiu em sua frente, parecia que alguma espécie de ave os rondava.
— Qual a possibilidade de encontrarmos o mesmo Pokémon três vezes em uma semana? — perguntou Lukas.
— Olha, ou ele está te perseguindo, ou você está com uma zica danada. Ainda mais os Pokémons destas redondezas, eles parecem criaturas assustadoras e trazem azar. — disse Luke.
— Aquele Murkrow de cicatriz... É o mesmo que trouxe o Ovo do Tio Marshall para mim, eu também o vi no dia em que você arrumou encrenca com aquele garoto em Hearthome... Tenho a impressão de que ele nos segue.
— Na moral, se esse carinha continuar nos seguindo eu capturo ele.
— Eu não lhe dou permissão! Esse Murkrow deve ser do Marshall, você não tem o direito.
— Então por que você mesmo não o captura? Você acabou de dizer que precisa de uma força física para o seu time, acho que um Murkrow seria uma boa.
— Acredito que esse Pokémon é do próprio Marshall. Ele pode ter nos mandado para que ele nos protegesse em momentos como esse. — concluiu Lukas, procurando o corvo novamente, embora ele já tivesse desaparecido.
O Piplup de Dawn virou-se para sua dona como se perguntasse o motivo da investigação a uma hora daquelas, a garota manteve seu tom sério e apontou com a lanterna para os túmulos que jaziam na torre. A entrada convidava as pessoas a entrarem em seus covils, uma sinfonia de sussurros parecia ser ouvida na medida que se aproximavam. Diziam as más línguas que os mortos haviam construído aquela passagem, e agora eles mesmos a mantinham.
Novamente, o Murkrow continuava seguindo-os, apoiando-se sobre as madeiras podres e os túmulos de mármore do chão gélido. Dawn respirou fundo com um certo receio, ela havia chegado na sala em que estiveram no último dia.
— Eu pude ouvir sons vindo desta Torre hoje de manhã. Não estou ficando louca, e minha curiosidade me intima a continuar investigando. — disse Dawn.
O grupo continuou em silêncio, mas até aquele momento não havia sequer uma evidência dos sons agudos das teclas de um piano.
Chegando ao terceiro andar estava um breu total, Dawn apontava a luz das lanternas para as paredes em busca de algo quando avistou um pequeno livro sobre um túmulo. Shieldon observava nitidamente uma das paredes, não parando de encará-la em momento algum. O silêncio prevalecia, Dawn caminhou até o livro sobre o túmulo e o abriu enquanto os irmão continuavam vigiando a sala ao seu lado. Todas as páginas estavam em branco, aquilo até mesmo trouxera lembranças para Luke do dia em que capturou Froslass na Floresta Eterna.
— Cara, sempre que se encontra um livro perdido com todas as páginas em branco a gente sabe que vai vir treta, falo isso por experiência própria. Estou só esperando pra ver o susto que vamos tomar dessa vez. — comentou Luke.
— Esperem... Achei algo escrito em uma das páginas.

“Das paredes vazias, um sussurro pode ser ouvido.
Uma melodia fúnebre trás o conforto à uma alma perdida.
Coletânea de Contos, Bonfire, 1992”

Os irmãos pareceram observar a garota por um longo tempo. Dawn atentou-se à escuridão de forma que aos poucos pudesse ouvir um toque harmonioso. Se o silêncio prevalecesse realmente era possível ouvir toques vindos de uma das paredes, e por sinal, aquela que Shieldon encarava. Luke aproximou-se da parede e deu três rápidos toques, notando então que em uma parte ela era oca.
— O som de piano vem da outra sala... — disse Luke, apoiando-se sorrateiramente.
— Eu não sei o motivo, mas esta canção me trás uma certa melancolia... — entristeceu-se Dawn.
— C-Cara, isso aqui está começando a dar medo. Pronto, nós já descobrimos que tem alguém tocando piano na outra sala, então já podemos ir embora?? — perguntou Luke assustado.
— Como alguém iria para essa outra sala se nem mesmo existem portas que deem acesso a elas? É uma passagem secreta. — concluiu Lukas com certa curiosidade, apalpando a parede em busca de informações, quando de repente, ela pareceu virar por completo derrubando o garoto em um salão secreto.
Luke e Dawn entraram em pânico, a garota abraçou seu amigo com muita força, embora ele mesmo parecesse tremer de medo. Shieldon colocou-se em posição de ataque na companhia de Piplup, que agora encaravam a parede oca em sua frente.
—O que aconteceu com ele?!
— A parede!! A parede virou por completo!
Lukas jazia caído do outro lado. Assim que sua visão melhorou o jovem parou e pôde ver um local muito bem decorado. Apenas a luz da lua e algumas velas iluminavam a área, um piano de caldas jazia vazio em sua frente. A música cessou, e agora não parecia haver mais ninguém por perto. Lukas tocou sobre as teclas de marfim e pôde ouvir o mesmo som, em seguida, ouvindo seus amigos aos berros.
— Lukas, você está bem?! — perguntava Dawn.
— Eu estou sim, experimentem empurrar a parede, ela é falsa.
Dawn tocou a parede ainda receosa, segurando as mãos de Luke a todo instante. O jovem a ajudou a entrar na sala, e agora os três se encontravam em um cômodo secreto.
— Este local é muito antigo, repleto de lembranças e mistérios... — disse Lukas, olhando para os quadros nas paredes que traziam figuras de Pokémons fantasmas irreconhecíveis. Criaturas há muito tempo esquecidas pela memória, algo que os humanos não enchergavam, mas que se fazia presente em sua volta.
— Estamos em um quarto. Será que alguém mora aqui? Ou então, será que algum Pokémon mora aqui?
Luke estava certo, e não demorou muito para que um único olho vermelho fosse evidenciado em meio ao breu da noite. Dawn abraçou seu amigo com ainda mais força, desejando por um momento nunca ter entrado naquele lugar. Luke perdeu a reação, de modo que Lukas agora encarasse sozinho o oponente com o Shieldon de seu irmão ao seu lado.
Aos poucos a criatura começou a evidenciar-se. O fantasma vestia uma máscara branca em formato de caveira, e compartilhava um único olho que estava em constante rotação. Ele tinha autoridade, e flutuava como um verdadeiro general que protegia seu exército. Os jovens ficaram mais tranquilos ao ver o tamanho do Pokémon, que não passava de um simples Duskull.
Image by: Daz3636

— Caramba, que foda!! Esse carinha meteu medo em todo mundo. Então quer dizer que era ele quem tocava o piano? — perguntou Luke.
— Isso é fascinante, um Pokémon que sabe tocar piano. — sorriu Lukas — Viu só, Dawn? Tudo isso não passava de um Pokémon solitário, não precisa ter medo.
Os jovens foram interrompidos no momento em que uma outra figura pareceu surgir por trás do fantasma. A própria imagem humana era assustada, pois tinha olhos vermelhos e cabelos esbranquiçados. Seu rosto era pálido como de uma criança que perdera a vida, mas sua experiência era muito maior do que qualquer outro. Sua voz tranquila pôde ser ouvida, embora os jovens estivessem ainda mais amedrontados.
— Eu não esperava visitas à uma hora dessas. Vocês têm de admitir que possuem muita coragem em entrar nesta torre durante a noite
Os três se surpreenderam ao ver a pessoa em sua frente. Era Mark, um dos atuais membros da Elite dos 4. Lukas era o único na equipe que já o conhecia por seu encontro no casino do Hotel Deluxe Heart, e por sorte, ele sabia que agora estaria seguro. Ou pelo menos era o que pensava.
— M-Mark! O que você faz aqui? — perguntou Lukas.
— Eu moro aqui. — respondeu de modo singelo.
— O que um cara da Elite faz morando em um cemitério assim? Você é um espírito? Ou então um Pokémon fantasiado para tirar nossas vidas? — perguntou Luke.
Mark deu um leve sorriso e logo se sentou sobre uma poltrona empoeirada, ele segurou um esqueiro de ouro e ligou uma das velas que foi apagada com o vento, tornando a dizer:
— Eu costumava visitar esse local quando eu era mais novo, então sempre tive muitas lembranças fantasmagóricas dessas paredes amaldiçoadas... Ficar aqui me trás memórias antigas, e de certa forma eu as uso para ter um momento de paz.
O grupo agora estava mais tranquilo em ter descoberto o verdadeiro mistério por trás de tudo, e logo, sentaram-se perto de Mark para conversar.
— Cara, por quê você decidiu morar em um cemitério? Você não acha isso, meio, anormal? — riu Luke.
— Eu era amigo do coveiro deste lugar. Lembro-me das travessuras que fazia como um Gastly que se divertia assustando os outros. Esse Senhor já era muito velho, então com o passar do tempo ele veio a falecer. — explicou Mark, olhando pela janela em direção da Rota 209 — Infelizmente, é a vida. Devo dizer que estou tão acostumado a lidar com a morte que isso já não me assusta e não deixa mágoas, sinto que estes sim são os afortunados nessa vida corriqueira.
Os jovens pareciam ouvir atentamente cada palavra do homem, Mark apoiou seus braços e depositou sua cabeça sobre eles, tendo uma ótima visão para uma das janelas do quarto.
— Estão vendo aquele monumento? Ele é conhecido como Hallowed Tower, e abriga um Pokémon misterioso conhecido como Spiritomb.
— Nunca ouvi falar. — comentou Luke.
— Como não? Ele é o Pokémon fantasma mais fantástico do mundo. Dizem que há 500 anos seu corpo foi aprisionado em uma pedra, separando cento e oito espíritos malevolentes que causavam terror às vilas mais próximas. É uma verdadeira lenda, o Tio Marshall costumava contar para nós quando éramos crianças. — disse Lukas.
— Quando aquele velho coveiro veio a falecer ele me deu um pequeno livro. Eu nunca soube o motivo daquilo, mas quando passei a lê-lo descobri o que intimava aquele Senhor a vir todas as manhãs no cemitério. As palavras dele falavam sobre a maldição de um Spiritomb, e por isso ele tocava uma canção para acalmá-lo. — disse Mark.
O rapaz levantou-se e passou a mão sobre o piano de caldas. Estava empoeirado, e aquilo mostrava que o local realmente não era muito frequentado. Mark não morava realmente naquele local, ele apenas gostava de visitá-lo. Ele então sentou-se próximo do instrumento e começou a tocá-lo, liberando uma sinfonia há muito esquecida na região, e que agora era contemplada pelos ouvidos dos jovens aventureiros.
A canção ainda não havia sido perfeitamente ouvida por trás das paredes de concreto, mas senti-la ao lado trazia uma verdadeira melancolia e toda a dor que há décadas mantinham-se trancafiadas em teclas de marfim.


— A Maldição do Spiritomb... Por este motivo venho à esta torre quando me sobra tempo. Teimo em acreditar que aquele velho queria me dizer algo, e desde então passei a impedir que este Pokémon faça mal a mais alguém. — disse Mark.
— Bom, podemos concluir então que não era nenhum fantasma e nem coisa da minha imaginação essa música aterrorizante de piano. Embora, seja extremamente bela. — sorriu Dawn.
Mark levantou-se e olhou para a garota.
— Gosta de pianos?
— E-Eu... Eu tenho algumas lembranças... Da minha infância. — comentou ela cabisbaixa. Mark tornou a caminhar em sua direção e segurou suas mãos de forma mansa, parecendo examiná-las.
— Você tem mãos de pianista. Presumo que saiba tocar, ou que já tenha praticado no passado.
— Sério, Dawn? Caramba, por que nunca contou pra gente? Você é sempre cheia de segredos! — disse Luke animado.
— Eu não gosto mais de tocar, e tento todas as noites esquecer como se toca...
— Dawn... Você guarda muitos sofrimentos para si. Não sofra pelos que passaram, por mais que isto a perturbe e lhe dê pesadelos à noite. Enfrente a realidade e continue vivendo por quem você ama. — sorriu Mark.
Aquele era o jeito dos treinadores da Elite, todos muito experientes e com longas histórias em sua vida. Mark conhecia alguém somente pelo olhar, e o pesar que Dawn carregava era de fato algo triste. Em seguida, Mark olhou para Luke e comentou:
 — Você é um treinador Pokémon, estou certo disso?
— Sou sim cara, meu nome é Luke. Estou em busca das oito insígnias para derrotar a Elite dos 4 e me tornar o campeão! Eu não te desafio para uma batalha no momento porque não estou preparado. Eu não entro em disputas que não posso vencer. Quero que guarde meu nome para quando disputarmos para valer.
— Seu irmão me falou de você. Espero que seja você quem finalmente quebrará toda essa monotonia da Liga e nos traga a vontade de lutar novamente. Está no seu sangue, o seu pai foi um grande homem. As pessoas não possuem mais a honra no sangue, e agora parece que começam jornadas Pokémon somente por tradições... Sinto falta dos tempos antigos.
Os jovens pareceram olhar para Mark de forma assustada. Ele falava como um rapaz maduro, mas parecia ter a experiência de um século.
— Você tem vinte e três anos, não é? Mas há quanto tempo você tem vinte e três anos? — perguntou Luke assustado.
Mark deu uma leve risada.
— Sou apenas um apreciador das histórias passadas, e para falar a verdade, até mesmo eu já tive medo de fantasmas. Eu corria para minha cama quando apagava a luz de noite, me escondendo atrás de meu escudo mágico, o famoso cobertor. — disse o rapaz com um sorriso.
— Até hoje o Lukas faz isso. — brincou Luke, recebendo um olhar reprovador do irmão.
— Você diz que quer o ser o melhor, não é? Você aceita desafios? — propôs Mark, sacando uma de suas pokébolas e lançando-a na escuridão da sala.
Um vento nefasto foi formado, mas nada surgiu de dentro da cápsula, ou pelo menos era isso que seus olhos humanos escassos diziam. Estava claro que algo perambulava como um escravo eterno em correntes, uma boca faminta arrastava-se sendo guiada por um único olho coberto em chamas. Lukas conseguira ver aquela imagem claramente por alguns segundos, revelando um fantasma nunca antes visto pelos jovens em suas longas aventuras. O Dusknoir.
                                                       
Image by: TheDarkHell

Luke parecia maravilhado com aquela imagem, e almejava ter um daqueles em sua equipe. Mark havia demonstrado toda a potência de sua equipe como se alertasse dos perigos que Luke haveria de enfrentar, mas o jovem parecia determinado a encarar o que fosse. Ao retorná-lo, Mark olhou para um Duskull que fora primeiramente visto quando os jovens entraram na sala, e disse:
 — Está vendo aquele pequeno fantasma? Pode parecer um Pokémon normal e inofensivo, mas eu o vejo mantendo a ordem em tudo desde que comecei a frequentar a Lost Tower. Dizem que ele viveu em um reino amaldiçoado e sobreviveu por muitas guerras, ele age como um verdadeiro general para qualquer equipe, portanto, jamais julgue um Pokémon pelas aparências. Quer ser o melhor? Então comece a recrutar os melhores.
O Melhor? Aquela palavra ecoou na cabeça de Luke como um enigma que acabava de ser desvendado. Recrute os melhores, treine os melhores, seja o melhor. Por um momento ele sentia algo há muito tempo adormecido, como um gigante que havia sido despertado, sentindo-se disposto a fazer o necessário para atingir sua ambição.
Luke olhou para o Pokémon que parecia encará-lo, como se realmente o desafiasse para um duelo. O garoto tinha Froslass na equipe, mas ele sentia que somente com ela nunca seria capaz de derrotar Mark numa batalha, pois tinha medo de ver sua dama de gelo se ferir, e nunca conseguia treiná-la perfeitamente. Luke arrumou sua boina e sacou uma pokébola, lançando Gabite em combate.
— “Você quer ser o melhor? Então recrute os melhores.” Vou guardar essa frase, e pode ter certeza, quando nos encontrarmos de novo eu já vou ser o melhor. — disse Luke, desafiando o astuto Duskull para uma batalha — Gabite, comece com o Slash!
Luke pôde ver o dragão avançar contra o fantasma, porém, suas garras não o a certavam, de modo que ele estivesse desatento a receber um Confuse Ray em sua direção.
— Luke!! Você deve ter muito mais do que força para ganhar uma batalha contra os fantasmas, você deve passar a utilizar algo que nunca aprendeu, as estratégias! — informou Lukas.
— Gabite, utilize o Rock Slide!
Duskull era um Pokémon defensivo, e por isso conseguia manter-se erguido depois de receber o ataque poderoso do dragão. Ele revidara com um Pursuit, de modo que também ferisse Gabite.
— Utilize o Dragon Rage!
Com rápidos movimentos, Duskull lançara um golpe que criava uma sombra e atacava o oponente com velocidade. Aquele era o Shadow Sneak, e cada momento, Luke perdia mais força.
— Esse cara é bem forte. Ele está me dando inspiração para ter um desses na minha equipe! — Luke não hesitou, e logo apanhou uma Dusk Ball de seu bolso, lançando-a contra o fantasma na tentativa de capturá-lo.
Mesmo depois de tantos golpes o Duskull ainda não havia caído, e também não parecia estar disposto a ceder tão cedo. Luke olhou para aquele fantasma que ainda parecia encará-lo de forma séria.
— O que eu quero, eu consigo. E por isso eu vou ser o melhor.
Luke não hesitou, e logo apanhou uma Dusk Ball de seu bolso, lançando-a contra o fantasma na tentativa de capturá-lo. A cápsula parou, logo anunciando a captura. Era provável que aquele General Duskull havia apreciado a iniciativa do jovem, decidindo por fim ajudá-lo em seu caminho ao topo.
Mark observava atentamente cada movimento do garoto. Ele o testava. Tinha uma boa memória e não se esqueceria do Gabite que o acompanhava, e principalmente, daquele Duskull capturado, pois Mark sabia que aquilo um dia viria ser sua própria sina. Estando disposto a um dia ter uma grande batalha contra o jovem, Mark levantou-se e caminhou até a Dusk Ball, entregando-a nas mãos de Luke e dando um leve sorriso.
Luke agradeceu o elogio, e olhou fixadamente para o novo membro de sua equipe. Ele sentia que precisava de treino, e que não poderia arcar com as consequências somente com Gabite e Titânia, ele precisava de um time realmente equilibrado. Aquele momento marcaria o início de uma nova época para sua vida, e Luke estava disposto a fazer o necessário para alcançar o topo, independente do custo.
— Eu sabia que tinha feito bem em vir para essa torre. Aquela velhinha da lareira queria colocar medo na gente, essa coisa de assombração não existe. — sorriu o garoto, vendo um olhar curioso surgir nos olhos de Mark.
— Velha da Lareira?
— Havia uma senhora sentada no Centro Pokémon com um manto roxo sobre a cabeça, ela ficava tricotando se não me falha a memória, e depois nos contou uma lenda sobre essa torre, dizendo que era amaldiçoada. — explicou Lukas.
— Eu conhecia uma senhora que ficava na lareira contando histórias de terror quando eu era criança... Há muito tempo mesmo... Mas ela morreu há cerca de dez anos.
Os três jovens pareceram ficar pasmos. Desde o princípio eles haviam visto uma criatura assombrada, embora em momento algum tivessem dado conta. Mark sorriu com o engano, e logo se sentou no piano para continuar sua melodia.
Já era hora de voltarem, e após agradecer o encontro, os jovens logo se despediam. A melodia continuou a ser ouvida enquanto eles desciam as longas escadas de concreto. Parecia que os espíritos os acompanhavam e também contemplavam a partida de um grande guerreiro capturado. Luke tinha a Dusk Ball de Duskull em sua mão, e ele sabia que a criatura viria a tornar-se um poderoso membro na equipe.
— Um dia eu quero ouvir você tocando piano. — sorriu Lukas, aproximando-se de Dawn gentilmente.
— Quem sabe, quem sabe... — sussurrou ela de modo sereno.
A chegada ao Centro Pokémon seria de arrepiar. O fogo da lareira havia sido apagado, e agora não havia mais ninguém sentado na poltrona vermelha. Os jovens perguntaram para a enfermeira da velha senhora, mas Joy afirmava com toda certeza que mais ninguém aparecera durante toda a noite.
— Já vi que vai ser complicado dormir hoje. — disse Lukas.
O jovem esperou uma resposta divertida de seu irmão naquele momento, mas Luke nada respondeu, ele apenas seguiu até sua cama e deitou-se sem sequer trocar de roupa, concentrado em algo que dominava sua mente naquele instante. Cada integrante seguiu para seu quarto na tentativa de adormecer, porém, Luke ainda encarava o teto de madeira do centro Pokémon com seus pensamentos focados no encontro da noite. Talvez aquele dia mudasse sua vida para sempre, para o bem ou para mal, cabia somente a ele decidir.

“Eu sou o Melhor”.

Existem alguns mistérios no mundo que nem mesmo os mais sábios podem decifrar. Luke possui um caminho a trilhar, e agora ele sabe que para tornar-se o mais forte ele deve ter os melhores ao seu lado. O encontro com Mark serviu para reforçar a ideia de que o jovem ainda tem muito a treinar, e com isso, passar a capturar os melhores Pokémons para enfrentar a Liga. Uma nova amanhã surgirá na cidade de Solaceon, mas é só esperarmos que os ventos obscuros não assombrem o caminho durante a noite.

      

{ 31 comments... read them below or Comment }

  1. Que capítulo legal, Canas! Ficou muito bem escrito, de forma que o mistério nos tomasse conta e quando vi o Mark tudo fez sentido, gostei demais disso!

    Colocar o Mark na Lost Tower foi uma idéia ótima, fez tudo fazer sentido e sem dúvida foi muito criativo. A Lost Tower é um local muito misterioso e você fez jus ao lugar seguindo as descrições de forma perfeita e de muito suspense. Achei isso um dos pontos mais fortes do capítulo!

    E quanto ao Duskull? Man, adoro esse carinha, ele parece um ser aterrorizante mas eu imagino eles como seres tímidos, que vagam durante a noite. E será um bom reforço para o time do Luke, lembro de você ter mencionado que na história haveriam tipos Ghost bem legais, e tem razão. Fico muito curioso para ver a aparição dele nos Fire Tales, sinto que gostarei muito dele. Até mais, Canas o/

    ReplyDelete
  2. CARO MESTRE CANAS
    demais o capitulo,demais e aterrorizante, serinho cara eu fiquei com medo e principalmente da velinha aquilo me deu arrepio

    obs eu sei que você nunca me viu aqui no blog mas fique sabendo que eu olho sua fic e vi todos os capitulos que você postou e ainda vou ver mais capitulos,eu lembro que eu só entrava no blog e achava que era chato,mas depois fui ver o capitulo 1 e aprendi que não se julga um livro pela capa...me desculpe

    ReplyDelete
    Replies
    1. Rapaz, e que felicidade saber que surgem leitores novos! Atingi meu objetivo na questão das descrições, o capítulo não foi lá voltado especificamente para suspense, mas esse arrepiozinho faz parte para que ele se torne atrativo! ;) Eu preso muito os leitores antigos, mas não escondo a felicidade quando surgem novos. Eu vi que você começou a seguir o blog há um tempo atrás, mas agora nós tivemos a oportunidade de nos conhecer. De fato, muitas pessoas julgam a Aliança como um aglomerado de historinhas, mas esse ditado que você citou já falou por si mesmo. Espero continuar vendo-o dar as caras por aqui, abraços ae Pedro!

      Delete
  3. Toooop
    Agora o Luke tah com o meu fantasma preferido e a pre-evolução do outro(Froslass e Dusknoir sao os MELHORES) Agora soh falta o magmortar o electivire e o horsea evoluir p kingdra q junta os mais fodahs de todos no time dle
    hahahaa

    ReplyDelete
  4. O capítulo fico DEMAIS. e foi bem legal o Luke ter capturado o Duskull (é um dos meus pokémons favoritos)
    a cada capitulo você melhora bastante. e to louco pra ler o próximo

    LucasDiamond ou Lucas (se preferir)
    eu não sou muito novo aqui no site é só a primeira vez q eu comento ok???

    ReplyDelete
    Replies
    1. Ahh, acho que já o vi comentando em alguma outra fic da Aliança, e me lembro inclusive de quando você começou a seguir Sinnoh aqui. Fica tranquilo man, espero que continue comentando e dando as caras por aqui sempre que quiser! Seja bem vindo companheiro ;)

      Delete
  5. Eae Canas, blz? Vejo que novos ou velhos leitores estão se abrindo mais pelo os comentários aqui, isso é bom, não é? Bom, cara, gostei muito de suas descrições e falas nesse capítulo. Gosto quando os protagonistas passam um tempo com os Elite; eles sempre aprendem muito com eles. E aquela velhinha esquisita? Não sei, mas acredito que ela irá aparecer de novo. Dawn sabe tocar piano, e isso te tras mals lembranças de seu passado? Duskull é de Luke agora, não é? Um belo reforço para o time do jovem treinador e também para o Fire Tales. Falando em Fire Tales, esse Duskull é um general, não é? E, pelo que eu sei, da guilda o Gabite é o general(me corriga se eu estiver errado), então, será que teremos umas briguinhas para ver quem ficará com o posto? É isso rapaz. Ótimo capítulo e muito bem descrito. Aguardo o próximo e que mais mistérios apareçam. Até mais!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Eu tenho um estranho azar à criaturas fantasmagóricas na história, sempre que coloco uma ficam todos os leitores dizendo que eles aparecem de novo! kkkk Poxa, foi só uma citaçõ, é provável que eles nunca voltem para a Lost Tower, não fiquem esperando coisas novas kkkkkk A não ser que... Já imaginou se essa velha, a mulher de Eterna, e todos os outros são, tipo, uma família?? kkkkkkk Ahh, e o Gabite é o General da equipe, o guildmaster, ele que coloca comando. Agora com o Duskull podem haver muitas controvérsias, mas vocês terão que esperar o prõximo episódio para ver! ;D kkkk

      Delete
  6. Ótimo capítulo!

    Eu acho que muitos vão descordar mas pelo menos eu achei esse o melhor capítulo em relação à descrições, ficou perfeito. Acho que acertei sobre o Mark na Lost Tower. Já vi que o Mark será um dos meus favoritos até o fim da temporada(principalmente por ele ser especialista no tipo Ghost). Gostei da história do Spiritomb e da aparição do Duskull(será ótimo para a equipe do Luke). O Mark estava realmente certo, se o Luke quer ser o mais novo campeão da elite, terá de recrutar os melhores.
    OBS: O Mark ainda vai aparecer nessa temporada?
    Agora o Luke vai receber conselhos da titânia e do dusknoir ou somente a titânia vai continuar dando seus conselhos?

    ReplyDelete
    Replies
    1. Na hora que eu vi sua suposição sobre o Mark no último episódio eu já percebi que você era atencioso. Acredito que você tenha sido o primeiro a notar, não? Cara, nessa temporada eu não sei se o Mark aparecerá diretamente, tenho que focar nos outros da Elite, então é melhor não esperar nenhuma aparição do Mark na saga diamante. Eu achei interessante porque o Mark se posiciona como um vilão, entende? Aquela frase foi tanto boa quanto ruim, mas para isso, vocês ainda terão que esperar um tempo.

      Olha cara, eu não pretendo colocar mais Pokémons falando, quero que a Titânia ainda seja a única professora. Mas não seja por isso,o Duskull também costuma falar algumas coisas, apenas como citações, mas já deu pra perceber que ele será de extrema importância na história. Eu também adoro o Duskull, por isso ele foi escolhido para entrar na equipe! ;)

      Delete
  7. Um Duskull General, vindo de um reino amaldiçoado, sobrevivente de varias guerras, isso me faz lembrar o reino de Spiritum em Ghost Curse (mais uma estória interligada) ... Todavia eu não me lembro do General Duskull, e sim do General Dusclops.
    Aquela velinha, assustaaté defunto meu, ela surgiu do nada e sumiu do nada, como uma morta (aé, ela ja tava morta rsrsrs). A aparição do Mark também foi ótima, e também aquela frase epica: "Quer ser o melhor? Então recrute os melhores". Então o Mark era o tocador de piano, hmmm, mas também era necessário, pois senão o Spiritomb iria despertar e causar o maior rebuliço na região, mas ainda tenho a leve impressão de que o Spiritomb irá aparecer e causar muitas confusões. E olha só, além de ser orfã, a Dawn ainda guardava o segredo de ser pianista, é ela inda guarda muitos segredos.
    Bem fico por aqui, abraços de um grande fã.
    João_Victor

    ReplyDelete
  8. AH! Esqueci de dizer, o capitulo teve ótimas descrições e foi muito bem detalhado, e ta,bém esuqeci de citar que na ficha do Mark constava que ele visitava a Lost Tower.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Deixe-me perguntar, o que você acha que acontece alguns cem anos depois de Ghost Curse? De fato, todos nos lembramos do General Dusclops, mas o que você acha que aconteceu com o soldadinho Duskull? É aqui que ele entra na história, este não é o General em si, mas o pequeno soldado daquela época que tornou-se o grandioso guerreiro muito tempo mais tarde. Curtiu? São poucos os que conhecem essa ligação com Ghost Curse, mas eu adoro fazer interligações!

      Um Spiritomb seria fantástico na equipe, e eu tenho certeza que quando ele aparecer será para arrasar. Contato, isso demoraria bastante, vocês têm paciência? Cara, e sobre essa questão da Dawn, na hora certa eu farei um especial muito importante sobre esse piano, sorte que o pessoal notou isso. Guarde na memória pois ele ainda será usado! kkkk Bom, Joãco Victor. Obrigadão pelos comentários cara, espero continuar só melhorando!

      Delete
  9. Achei que esse era um capitulo bom de ser lido durante a noite para sentir mais a emoção, mas depois daquele da floresta de eterna... NEM A PAU!
    Eu já fiquei com medo da velha a essa hora do dia, que dirá se eu tivesse lido de noite! Nunca mais leio um capitulo com terror sob a luz da lua! CreinDeuspai!

    Agora falando serio, adorei o capitulo! Por um momento achei que o Dusknoir iria tentar comer o Luke -q Duskull! Adoro esse bichinho fofo! Ainda acho que Mark vai usar Spiritomb contra Luke quando este chegar na liga.
    Estou começando a achar que a Mãe ou o Pai de Dawn tocava Piano, ou melhor, a Dawn tocou no enterro deles, mas esta ultima teoria vai por água a baixo quando lembramos que ela não sabe onde os pais foram enterrados.

    Bem, Luke fez uma nova adição na equipe, e agora com essa coisa de querer ser o melhor, acho que um Seadra poderoso está chegando! *----*

    Espero ansiosamente a proxima sexta *---*

    ReplyDelete
  10. Canas,Canas ainda bem q eu nao li esse capitulo a noite (como eu li o da floresta de eterna),foi muito legal.
    E eu to achando q algum dos protagonistas vai pegar o Spiritomb, vo fica aqui na expectativa do que vai acontecer aki ne.

    vlw ae e ate sexta.

    ReplyDelete
  11. Canas, manolo, se eu tivesse lido esse capítulo a noite eu não teria dormido...
    Muito bom cara, muito bom mesmo.
    Me tira uma dúvida, aquela frase do Mark: "Quer ser o melhor? Então comece a recrutar os melhores.". Vc tirou ela de algum filme?
    Abraço parceiro, nota 10 ;D, até sexta o/

    ReplyDelete
    Replies
    1. Eu costumo sempre tirar minhas frases de algum lugar, mas essa é a primeira vez que ela é 100% MINHA!!! *-* Cara, acho que foi por isso que eu fiquei tão fissurado nela, foi a primeira vez que eu consegui pensar em algo muito phoda assim, entende? É cara, essa frase vai continuar atormentando nossa jornada por um bom tempo, por isso esse episódio era importante. Mas de qualquer forma, é isso mesmo Thorn, fico feliz que comentado! :D

      Delete
  12. Cara, eu adorava a sua maneira de escrever romances e aventuras, mas eu não trocaria por nada esse novo gênero introduzido na saga diamante. Cada mistério revelado, deixado, tudo isso deixa seus novos capítulos com um grande gostinho de quero mais.

    Essa nova introdução do Mark foi fantástica, fiquei fascinado com tal sabedoria e calma. Esse cara é show!

    Dawn, Dawn, a pequena moça de mãos delicadas... O seu passado deve ser terrível e recheado de sofrimento. Sinto pena dessa personagem.

    Bem, mas como ainda não adquiri a habilidade de me infiltrar nas estórias e ajudar os necessitados, fico aqui apenas torcendo para que o nosso parceiro Luke não tenha o poder subido à cabeça e não magoe ainda mais seus amigos e pokémons.

    Esse fato do Luke será marcante e devastador. Prevejo que ele ainda magoará muita gente, e até.. Ok, não vou revelar minhas ideias :D

    Velho do céu, eu particularmente nunca imaginaria o Luke com um Duskull.. ainda mais com tanta personalidade assim. Algo me diz que essa pequena criaturinha fantasmagórica, tará muitas encrencas, tanto para o "lado humano" da trama, quanto para os Fire Tales. Uma rápida imagem me veio à cabeça pouco depois que li que a captura havia sido efetuada. A imagem foi a desse camarada de personalidade forte abusando da doce e indefesa dama do gelo D: Espero que isso nunca aconteça! Entendeu? @: /okay'


    Por algum motivo, alguém queria que eu não lesse esse capítulo Ò-Ó' Nas melhores partes eu sempre era interrompido por algo que tirava o pc de mim por alguns minutos... Seriam os pokémons fantasmas que assombram minha casa? D:

    Pois é, espero que eles me deixem em paz :D
    Até mais parceiro.

    ReplyDelete
  13. Madre de Dios! A Saga Diamante mal começou e já vem trazendo fortes emoções! Quem diria que teríamos a captura de um Duskull né?
    Devo admitir que este Pokémon ainda será muito poderoso cara!

    E o senhorzinho Mark apareceu \õ/
    Velho, sem zoa agora, eu penso que o Mark não é humano não viu? Ele me deixa com medo... E se é humano, deve ser uma encarnação de outra vida que está entre os humanos. Me parece que nosso pianista já viu muita coisa nesse mundo...

    Agora... A Dawn, o que mais essa garota esconde de seu passado? D:
    Acho que ainda vamos nos surpreender muito!
    E agora com o Luke super determinado as coisas vão ficar sérias viu?*O*

    Até mais ver manow \õ/

    ReplyDelete
  14. Nossa, eu amei o capítulo. Amo Pokémons Ghost. A Lost Tower teve uma participação incomum e perfeita, mito bem bolada, deve ter sido pau pra escrever.

    Aah! A sonata Claire de Lune, minha favorita! Canas, você goste da música clássica? Pois eu adoro. Não sei se é assim na sua cidade, mais aqui uma adolecente gostando de Música clássica não é muito comum...

    Eu também amei a personalidade que você colocou no Mark e na Dawn e o jeito como foram mostradas no capítulo, simplesmente fantástico.

    Duskull... De Ghost Curse! incrível cara, eu amei Ghost Curse e ter este pequeno Pokémon no time do Luké vai ser ótimo. Imagine: Luke com um Dusknoir e Dawn com um Aggron numa batalha. Espero um dia ver ou melhor ler uma batalha assim! O Piiplup vai querer virar Empoleon...

    ReplyDelete
  15. Oi, aqui é Abyssal Heart mas não entrei no meu perfil, mas vou comentar como anonimô mesmo...

    Adorei o cap, sensacional e a cada momento gosto mais do Mark. Adoro histórias de suspense e mistério, já que tudo vem com uma dúvida. Eu não sinto medo, mas sim um arrepio que faz bem (ou não) e eu sempre adorei Pokémons fantasma, por isso quero ver do que Duskull é capaz.

    ReplyDelete
  16. Otimo capitulo cara gostei desse duskull ele tem potencia :)
    otimo capitulo.

    ReplyDelete
  17. Meu, este capitulo ficou muito foda! cada descrição e características para os seres inanimados, foram perfeitos! Me senti dentro da própria Lost Tower!
    Cara me apaixonei pela musica, ela ecoou pelos meus ouvidos e de fato trás uma certa melancolia! Me senti um pouco triste por ter lido este capitulo, enquanto o sol continua alto no céu, porque se tivesse continuado ontem, teria sido revelado o mistério de madrugada!
    Cara eu estava imaginando! Se um pequeno Duskull comandava uma torre inteira, imagina quando ele evoluir! Esse vai ser foda!
    Só tenho elogios a fazer para este capitulo! A saga diamante começou com tudo, e cada capitulo esta sendo escrito com maestria!
    Cara... este ano promete!
    Fui (para o próximo post)
    Flw

    ReplyDelete
  18. Ahhh esqueci de comentar, mas ficou muito loka, esta correlação da melodia com o Spirittomb!
    Dá até um arrepio na espinha! Eis que surge mais uma lenda!

    ReplyDelete
  19. Canas, esse capitulo ficou muito show!

    A partir de agora, eu nunca mais leio um capítulo de Sinnoh à noite, pra eu não ser pego de surpresa que nem em Eterna! kkkkkkkkk

    Falando em Eterna, será que vai ter um capítulo especial aaonde eles voltam para desvendar os segredos de lá ?????? Só Deus, quero dizer, só você sabe.

    P.S.:Você bem que podia fazer um especial de um Deoxys em Veilstone, ia ser SHOOOOOOOOOOW.

    ReplyDelete
  20. Mais uma vez, você me surpreende.

    Canas, esse capítulo sombrio nos faz pensar em realmente enfrentar nossos medos, não importa como. No final de uma torre assombrada, um mistério pode vir a tona e nós podemos conseguir algo fantástico, que pode nos ajudar e a trabalhar nossos meios de se tornar mais forte.

    Espero que a Dawn e o Lukas consigam novos Pokémon.

    Estou indo para o próximo capítulo. Até lá.

    ReplyDelete
  21. "Até mesmo a Enfermeira Joy se surpreendera com alguém acordado naquele horário, rapidamente retomando sua posição em frente ao balcão do Centro com um riso sem graça. " Eu ri com essa parte Canas, me lembrei como é tenso ser enfermeira e sempre ter aquele sorriso.

    Mas o restante o capítulo foi de arrepiar, a velhinha principalmente. Ora essa, Mark fazendo a torre assombrada de moradia? Que tenso man. Acho interessante como alguns possuem afinidades com pokémons fantasmagóricos. Me lembrei da Agatha, por um instante. Querendo ou não, os fantasmas nos trazem sempre muita sabedoria.

    O capítulo de maneira geral foi incrível, será que o nosso querido Luke poderá ser O MELHOR? A captura também me impressionou, sinto que ainda teremos muitas histórias da parte desse general.

    Descrições foram perfeitas, como sempre. As falas também, mostrando que a coisa agora ficou séria. Eu não poderia esperar nada menos de você, Canas õ/

    ReplyDelete
  22. Esse Mark... É tenso! Pelo amor dos céus, dizer que mora em um cemitério é, no mínimo, estranho! E essa melodia aí... Está ecoando na minha cabeça até agora. Por sorte eu não me assusto facilmente, mas esse capítulo não deixou de ter minha admiração. Apesar de não sentir medo, ele me deixou bem atento e focado na leitura, porque foi muito interessante.

    Descobrimos aos poucos mais sobre os membros da Elite. E isso deixa a história bem mais atrativa. Você passa a conviver com os personagens mais fortes, e isso aumenta a expectativa pelo confronto. E o Luke com essa de "eu sou o melhor" agora? Será que a frase do Mark vai fazer ele delirar achando que já é o cara?


    E não pude deixar de notar que você fez uma suposta ligação com a Ghost Curse! Mano, isso foi divino! As suas duas fanfics que eu mais aprecio, tendo uma ligação? Só pode ser brincadeira! Quero ver esse pequeno Duskull mandando ver na equipe do Luke!

    ReplyDelete
  23. Eae Canas! Capítulo bom d+, novamente colocando um toque de terror para os leitores, você deveria fazer mais capítulos do gênero, são os melhores para mim. Achei uma boa captura para Luke (mesmo preferindo um Gastly). FLW Canas.

    ReplyDelete
  24. Sério mano, eu sempre costumo ler as notas do autor independente do capitulo atual. E quando eu li as notas do capítulo 51, eu pirei o cabeção de curiosidade em saber quais as suas idéias dos Gym’s, o que vai acontecer com os treinadores e os pokémons, ente tudo mais. *Jogando o Livro “A Batalha do Apocalipse” de lado* Bom, eu estava lendo um livro e talvez seja por isso que não comentava mais nas fics que estou lendo (ao todo, somam 5). Vou deixar tudo de lado pra ler somente Sinnoh, e logo vou acompanhar os outros leitores, espero que seja em menos de uma semana XP

    Enfim, a respeito do capítulo. Mano, o que foi isso? ;OOO Sinistro do inicio ao fim. Deu uma empolgação tão grande que você não faz idéia. Eu já comentei uma vez que o Mark era um dos membros da Elite que mais havia me chamado a atenção. Eu tinha notado ele pelo Gengar, e só agora fui vendo a verdadeira personalidade dele. Incrível, o cara realmente não é normal e isso é... vejamos... sei lá, não tem palavras pra descrever como eu fico lendo um capítulo desse. Sem mencionar a velhinha da lareira, credo, eu no lugar deles nem dava idéia pra ela, saia correndo kkkkkkk. Mas tudo valeu a pena no fim. Luke ganhou uma motivação enorme, além de um novo companheiro na equipe que promete muito.

    ReplyDelete
  25. Muito lindo um nome de cap desse sendo que o outro terminou com a Dawn pensando naquele som de piano....
    Enfim
    Oh Lord, ela realmente decidiu sair àquela hora -.-''
    Lukas, que entrada f*da <3 ~personagens fofos quando ficam com um olhar sério são tão KYYAAAAHH <3 <3
    Mas ainda bem que eles acordaram, Dawn muito provavelmente ia acabar se metendo em encrenca feia indo sozinha >.>
    Senhora sinistra, mano o_o''
    [algo me diz que eu vou agradecer por não estar lendo de noite, oe]
    Ainda por cima, tinha que ser uma noite sinistra dessa -.-'
    Pena negra <3 [eu sou apaixonada por penas, oe - é um gosto estranho, eu sei]
    Que legal, o Murkrow do Tio Marshall continua seguindo-os *.*
    Eles entram na torre e minha playlist cai em soundtrack de suspense, eu vou acabar infartando qqqq
    Não é bom sinal quando um pokémon encara fixamente um lugar.... >.>''
    Sussurro vindo das paredes vazias.... Será que o Shieldon tá ouvindo algo?
    Hohoho, o grande Luke tá com medinho (delicio-me com essas cenas, é um alívio nesse suspense todo)
    MASOQ? COMASSIM A PAREDE VIROU E SÓ LEVOU O LUKAS? t___t
    Uma sala secreta na Lost Tower, quem diria?
    Pokémons fantasmas, com a entrada certa, podem te matar do coração qqqq
    Duskull.... Confesso que não sou muito chegada a ele, prefiro Shuppet [mas, em quesito de susto, melhor é o Duskull mesmo]
    P*RRA, MARK, FAZ UMA APARIÇÃO DESSAS NÃO, QUASE MORRI AGORA E_E
    Ainda assim, estou feliz em te ver, você é tão adorável <3
    [o humor dele é um tanto quanto fúnebre, bem verdade o_o' ainda assim, gosto dele]
    Eu pensava em capturar o Spiritomb, mas talvez seja melhor não qqqqqq
    Que cool isso de ter uma melodia de piano para acalmá-lo <3
    Dawn pianista 'o' Confesso que me surpreendeu, mas, pelo jeito que ela falou, provavelmente foram os pais que a ensinaram....
    Por Arceus, Mark, que fala tão epic e perfect *o*
    Ai, mano, pena que meu continente é Hoenn, se não ia pra Sinnoh e sacudia esses trainers fajutos que não carregam essa incrível honra u-u
    Confesso que essa imagem do Dusknoir me amedrontou q
    Incrível ensinamento do Mark, e o poder de observação dele também. Fala sério, ele é muito adorável <3 <3
    você deve passar a utilizar algo que nunca aprendeu, as estratégias > ALGO QUE NUNCA APRENDEU KKKKKKKKKKKKKKKK MUITO ASSIM KKKKKKKKKKKKK
    Esse Duskull realmente é danado 'o' Luke vai conquistar muitas vitórias com ele, posso apostar
    E o Mark, demonstrando sua fodasticidade, fez aquele discurso todo só para estudar o possível futuro oponente ESSE CARA É DEMAIS, MANO <3
    POR QUE NÃO ME SURPREENDO DAQUELA VELHINHA SER UMA ASSOMBRAÇÃO? E_E
    Confesso que também quero ver a Dawn tocando piano um dia...
    Essa imagem no final, cool *o*
    Abraços da Tsuki ^^/

    ReplyDelete

- Copyright © 2011-2017 Aventuras em Sinnoh - Escrito por Canas Ominous (Nícolas) - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -