Posted by : CanasOminous Apr 30, 2012

Por um momento, a cidade de Veilstone. E no outro, apenas imaginação. Erguendo-se sobre o garoto, uma batalha. Lukas tinha apenas treze anos, e sempre fora capaz de fantasiar. Via-se num ringue de batalha com os olhos fechados, podia notar a figura que se estendia em sua frente, a multidão murmurando todas ao mesmo tempo, e a quietude de um garoto que se preparava para enfrentar a derrota.
Na diagonal, uma figura maldosa postou-se num canto com seus auxiliares. Vestia um roupão vermelho agressivo, e tinha uma expressão negra de deboche gravada no rosto. Ele saltitou de um pé para o outro e sorriu. Sorriu ainda mais quando o locutor do ringue listou seu nome e realizações, todas aplaudidas pela multidão.
— No canto azul, temos o campeão do mundo, a obra-prima das batalhas Pokémon, Lúcio. — dizia o locutor com enorme ênfase e prestígio. Virou-se para o lado oposto e tornou a dizer com desdém — E, no canto vermelho, temos o coordenadorzinho desafiante, Lukas Wallers.
Na multidão, humilhação. Tumulto e gritos desafiadores. 
— O desafiante! — disse o mestre-de-cerimônias — Como pretende enfrentar o maior lutador do mundo, — fazia uma pausa para dar mais efeito — se nem mesmo soube se defender sozinho?
Lukas cerrou os punhos, o resto não se fez ouvir. O jovem viu seu adversário retirar o roupão e se encaminhar para o centro do ringue, ouvindo as regras que em breve seriam ignoradas para em seguida trocar um aperto de mão.
— Boa sorte, Lúcio. — disse Lukas, com um aceno da cabeça, mas o oponente apenas lhe mostrou os dentes numa risada de deboche, tornando a cobri-los com os lábios.
— Sorte é para aqueles que precisam do irmão para cuidar dos seus negócios.
Lukas queria acabar com aquilo no mesmo instante, mas foi impedido pelo árbitro de atacar seu oponente antes que a batalha sequer tivesse tido um início. Seguiu-se um breve silêncio, e então, o gongo.
          O primeiro a avançar foi Lúcio, de pernas firmes e sustentadas correu em direção de Lukas e deu-lhe um jab firme no rosto. A multidão vibrou, com os gritos e risadas soando-lhes nos ouvidos e sorrisos satisfeitos do outro lado. As mãos de Lúcio esmurravam o rosto do garoto, atingindo-o na boca, no nariz, no queixo; e Lukas sequer havia saído de seu canto. Tentou proteger-se da onda de ataques, mas Lúcio desviava o foco e lhe acertava as costelas. Os olhos de Lúcio transmitiam a mesma malícia da última vez que se encontraram.
Houve apenas um assalto, e o garoto caiu. Os joelhos de Lukas dobraram-se e ele foi ao chão como se o louvasse. Gemeu em silêncio, desabou no chão. O árbitro contou, mas Luka pôs-se de pé e encarou o oponente.
— Venha, Lúcio. — convidou. O adversário partiu, e Lukas se esquivou fazendo-o mergulhar num canto. Esmurrou-o várias vezes pelo ódio que sentia, sempre visando arrancar-lhe aquilo que lhe fora roubado: A honra.
Lukas acertou-lhe o queixo, e assim Lúcio debruçou-se sobre as cordas e vergou o corpo, caindo de joelhos. Não houve contagem, a plateia desanimou. Ainda de joelhos, Lúcio verificou se estava sangrando, endireitou o cabelo e mexeu a cabeça da direita para a esquerda num estalo. 
O malvado oponente ficou de pé e olhou para a plateia. Havia o silêncio, murmúrios, mas tal quietude fora quebrada por um impulso com os pés diretamente na direção de Lukas. Ele fora pego de surpresa, chutes não eram permitidos, mas quem se importava? Era Lúcio quem deveria ganhar. Sempre fora o combinado. Lukas cambaleou até cair no chão, gemia o nome do irmão, de pessoas que pudessem ajudá-lo. Lúcio tornou a rir.
— Meus amigos, vocês estão vendo aqui essa noite, não é? — chamou — Um oponente, que nem sabe cuidar de si mesmo, mostra o quão fraco ele é.
Lukas não tinha forças para responder.
— Tenta agir como um herói, quando na verdade tudo o que faz é ficar escondido atrás da sombra daqueles que o superam. Pessoas assim, simplesmente, me enjoam.
O ridicularizado foi seguido de um chute. Lukas continuou deitado gemendo e delirando. Lúcio parou antes de descer do ringue, e a multidão se calou perante a atitude. Fez um olhar de relance e pronunciou palavras que causaram um tremendo espanto no indefeso adversário: Acabem com ele.
Um por um, as pessoas subiram no ringue. Milhões delas. Lukas tentou juntar força para se levantar, mas não conseguia, até que viu uma pessoa atravessar as cordas. Era uma garota, e quando ela cruzou devagar a lona pôde ver um prato com um pedaço de pão e um pouco de suco.
— Seu café da manhã — disse ela, delicadamente — Eu não sou boa em cozinhar, você sabe, mas fiz com carinho.
Agora, nada além de Veilstone. E uma garota com um sorriso meigo aguardando um agradecimento do amigo.
Lúcio havia desaparecido, as dores nunca haviam existido, mas algo estava preso em sua memória e não parecia estar disposta a sair tão cedo. Quando se deu conta o garoto continuava sentado sobre as cadeiras de madeira na varanda da casa de Riley. Lukas simplesmente odiava ficar sozinho, quando ficava na companhia da solidão tinha tempo o suficiente para lembrar-se de tudo que gostaria de esquecer. Lúcio era uma deles.
Lukas levou sua mão até sua cabeça e fechou os olhos. Só lhe saíram algumas palavras de agradecimento, mas não era possível dizer se era pela comida ou pelo simples fato de Marley tê-lo despertado de sua ilusão mental. Ela sentou-se ao seu lado e Lukas então abocanhou o sanduíche. A garota juntou suas pernas e abraçou-as de forma serena, ajeitando os fios de cabelo negro que lhe caíam pelo rosto.
— Está bom?
— Sim. — respondeu Lukas de forma pensativa, parecendo estar com a mente ainda distante num certo ringue de boxe.
— Você está bem? Parece cansado, a comida não está boa? — perguntou Marley, mas Lukas apenas mordeu os lábios e engoliu a verdade.
— Eu estou bem, e sua comida está ótima. Só não tive uma boa noite de sono, e agora, fico pensando em certas coisas.
Assim que terminou a refeição ele se levantou. Ainda era bem cedo, mas seus amigos pareciam já ter saído para começar uma manhã de treinos. Nenhum deles havia visto Luke desde sua batalha no ginásio, além de voltar tarde ele ainda havia sido um dos primeiros a despertar, parecia estar evitando contato com os amigos, e aquilo certamente os chateava. Riley estaria ocupado com alguns negócios, enquanto Dawn disse estar indo para o supermercado comprar os mantimentos para que pudessem seguir viagem. Lukas e Marley estavam sozinhos na casa.
O garoto se levantou e foi em direção do banheiro. Olhou-se no espelho e viu seu reflexo costumeiro como de costume, não via nenhuma marca de pancadas ou socos, mas ainda sentia como se tivessem sido reais. Assim que terminou seus afazeres foi em direção da sala e sentou-se no sofá, soltando um longo suspiro.
— Tem certeza que não está cansado? Deve estar ficando doente, talvez pelo frio da manhã passada... Quer que eu vá para a farmácia comprar algo?
— Não, Marley. Eu estou bem. — mentiu, tomando coragem em seguida para dizer o mínimo da verdade — Eu só não gosto de ficar sozinho, tenho o costume de pensar em coisas ruins.
— Então me conte, estou aqui para ficar com você. Eu... Acho que sou sua amiga, não é?
Era tudo que Lukas precisava, alguém que desse apoio e pudesse ouvi-lo. Adorava o jeito divertido de Vivian, mas às vezes a seriedade de Marley e a responsabilidade da idade lhe pareciam mais aconchegantes nos braços de uma moça mais madura.
Lukas contou sobre seu primeiro encontro com Lúcio. Dizia como havia sido covarde e da glória de Luke ao socar a face do adversário de modo que ele fosse ao chão e só pudesse se levantar no próximo minuto. Marley ouvia tudo atentamente. Desde o desencontro, Lukas fizera de tudo para manter os ânimos, mas algumas vezes a sombra de um rapaz metido lhe empurrava, e com palavras rudes dizia: Você não é nada, se não, uma criança escondida na sombra do irmão.
— Você acha que sou um covarde? — perguntou Lukas.
— Por quê? Por evitar uma batalha que não podia vencer? — perguntou ela.
— Por não poder defender meus amigos. Por não poder defender a minha honra. E não poder sequer dar uma resposta à altura do oponente. Tudo que fiz foi ficar calado, e... Ouvir os desaforos.
— O medo às vezes salva as pessoas... — comentou Marley sem saber exatamente o que dizer.
— Eu preferia desaparecer a ter que lidar com isso todos os dias. Eu sempre tento ser o mais positivo possível, mas há momentos em que isso me atordoa, consegue entender? — disse Lukas, mordendo os lábios e cerrando o punho direito com uma feição de choro — Eu queria poder socá-lo, tirar toda a minha raiva só para ele sentir o mesmo que fez comigo...
Marley aproximou-se do garoto e tocou em seu rosto direcionando a atençaõ de Lukas aos olhos dela. Tinha olhos azuis escuros, transmitiam segurança e confiança. Aos olhos dos outros a garota parecia apenas uma criança, mas certamente sabia agir como uma mulher quando era necessário. Marley depositou a cabeça de Lukas em seu peito e o abraçou.
— Não deseje aos outros o que não quer para você. Você protegeu sua amiga, sim. Se tivesse revidado, aquele sujeito poderia ter ficado ainda mais zangado. Você é um garoto tão inteligente, não precisa da força dos punhos para provar sua força a alguém...
Lukas ouviu atentamente cada palavra. Levantou seu olhar e encarou Marley, que retribuiu o sorriso. A cabeça da moça inclinou-se levemente, e ela soltou uma risada ao ver o rosto corado do amigo.
— Você nunca vai estar satisfeito se não derrotá-lo, não é?
Lukas acenou com a cabeça.
— Quero ser tão poderoso quanto o Luke. Quero ser forte o bastante para proteger meus amigos, para impedir que esse Lúcio enfrente-os quando meu irmão não estiver por perto, e que eles sintam a mesma segurança que eu sinto quando meu irmão está do meu lado.
— Seus Pokémons acreditam em você, e eu também acredito. Mas o problema não está neles, e sim com você. — disse Marley, apontando para o coração do amigo — Quando nos conhecemos, você ainda era um garotinho tímido e confuso. E veja como melhorou... A questão é nunca parar de melhorar, você deve aprender a confiar mais em si mesmo. Essa é a peça que está faltando.
— Autoestima? — perguntou Lukas.
— Isso, confiança. Você confia tanto em seus amigos que se esquece de você mesmo. Eu tenho uma ideia, você talvez estranhe, mas acredito que vai adorar.
Marley segurou na mão de Lukas, e os dois saíram da casa. Ao descerem a colina foram ao encontro do ginásio, que naquele horário parecia ainda estar bem vazio. Gerard fazia uma vistoria em algumas máquinas, os dois jovens caminharam em direção do homem que permaneceu em silêncio.
— Senhor Gerard...? — perguntou Marley.
O gigante ergueu-se e limpou as mãos cheias de graxa, ajeitando os óculos em seu rosto quadrado. Lançou um olhar intimidador para Lukas, mas ficou em silêncio, aguardando que Marley dissesse o que estava fazendo na academia logo pela manhã.
— Este é Lukas Wallers, irmão gêmeo do garoto que o enfrentou ontem.
— Irmão gêmeo? Hm, é verdade. Pensei que ele estivesse aqui para pedir desculpas depois do ocorrido. Nosso Lucario ainda está internado no Centro Pokémon. — disse Gerard com certo desdém.
— Ele é um rapaz generoso, mas nós realmente não sabemos por que começou a agir daquela maneira tão de repente. Peço minhas sinceras desculpas pelo ato de meu irmão.
Gerard coçou a cabeça num sinal pensativo, mas não disse nada. Ele não era muito bom em diálogos, principalmente quando lhe pediam desculpas.
— Vocês vieram à procura de algo?
Marley logo tomou frente.
— Ah, sim... Ouvi dizer que o senhor já foi lutador de boxe profissional. Acredito que nós estaremos em Veilstone por mais uma semana, então, gostaríamos que nos ensinasse um pouco de sua arte.
Lukas virou para Marley com uma feição de espanto. Não acreditava na ideia da amiga, ter aulas com um gigante não parecia uma boa ideia, e se ele aprendesse a lutar tinha certeza que não se conteria na próxima vez que se deparasse com Lúcio. A batalha Pokémon viraria um verdadeiro ringue de boxe.
— Você quer que eu mate aquele sujeito? — indagou Lukas.
— Quero que você confie mais em você.
O gigante coçou a cabeça novamente, pareciam ser muitas surpresas para um único dia. Gerard acenou para um dos treinadores no local e pediu para que ele continuasse o serviço na máquina, em seguida chamou Lukas e Marley para uma sala menor no andar de baixo.
Havia um enorme espelho logo em sua frente. Dois sacos de pancada em cada canto, e instrumentos de treino voltados para todos os lados. Cordas, colchonetes, halteres, Lukas sentia como fosse treinar para virar um lutador profissional. Marley sentou-se sobre um aglomerado de colchões e acenou para o amigo, o garoto encarava tudo com enorme espanto até sentir a mão rígida de Gerard em seu ombro.
O gigante agachou na altura de Lukas para poder encarar os olhos inocentes e assustados da criança. Gerard tinha uma tatuagem facial, e diversos machucados em seu rosto. Não parecia ser alguém que tivera bons momentos no ringue, e apesar de já ter sido o campeão, era notável o desgaste físico.
— Quem busca a luta, busca por um motivo. — disse Gerard com sua voz assustadora. — Qual é o seu motivo?
Lukas pensou um pouco, não sabia o que responder. Ele costumava ter vergonha em frente de mulheres, mas encarar alguém como Gerard parecia ser muito pior.
— Um garoto me humilhou. — disse ele sem pensar.
— E você quer aprender a lutar para bater nele?
— Acho que sim.
— Quero que entenda algo, jovem garoto, eu te ensino tudo que sei sobre lutas, mas eu espero nunca vê-lo arrumando encrenca na rua. — disse Gerard, em seguida apontando para a cabeça do jovem e batendo com a ponta de seu indicador três veszes — A força do sábio está naquele que evita as lutas, e não em quem as causa sem motivos.
— Sem motivo? Mas ele caçou de mim, falou que eu não era um coordenador competente, empurrou minha amiga...
— E você espera resolver isso batendo nele.
Lukas ficou quieto. Parecia ser aquele o seu plano. Bater em um garoto duas vezes o seu tamanho, e depois de frequentar uma academia de lutas por uma única semana. Gerard limpou o nariz e agachou novamente, agora posicionando Lukas na posição que deve ser feita em uma luta.
— Se esse sujeito caçoou de você, devolva o ataque com aquilo que você domina. No que você é bom?
— Em nada, não sou bom em nada.
Marley fez uma expressão de tristeza. Lukas parou para pensar novamente, revendo sua questão.
— Bom, e-eu acho que sou bom nas palavras. — disse ele.
— Todo mundo tem um plano até tomar o primeiro soco na cara. Depois disso, eles perdem noção do que vem depois. Se você manter a calma e aprender a lidar com isso, ganhará na confusão de seu oponente. Você não precisa usar sua força.
Gerard deu dois pulos rápidos e em seguida socou o ar numa velocidade que foi possível até mesmo ouvir o vácuo. Lukas recuou pela velocidade do golpe, o gigante agachou com um dos joelhos e encarou o menino novamente.
— Palavras são como socos, se você souber usá-las você derrota o inimigo sem sequer dar uma chance de um segundo round.
Era aquela mensagem que ele precisava ouvir. Era necessário acreditar nele mesmo, na capacidade de ser o melhor com seus próprios recursos. Não precisava ter a mesma força física que seu irmão, nem o temperamento de agir sempre buscando ser o herói. A estratégia por trás da batalha é que definiria sua vitória.
Marley levantou e caminhou em direção de Gerard. O homem agora estava de braços cruzados. Alegre, por saber que a criança em sua frente parecia ter aprendido uma lição. Marley segurou na mão de Lukas e sorriu.
— Confie em você, mais do que qualquer pessoa.
Lukas sorriu e acenou, agradecendo a ajuda dos dois por mostrarem como ele deveria agir antes que causasse problemas ainda maiores.
— Senhor Gerard, devo agradecê-lo imensamente.
— A Senhorita Maylene adoraria receber a visita de vocês, espero que continuem frequentando e treinando seus Pokémons na academia. — disse o gigante — E já que estão aqui, acredito que possam começar um pouco de treino também, é necessário que um treinador esteja tão preparado quanto seus Pokémons.
Lukas olhou para Marley e riu, ele já havia aprendido a lição, sentia que não precisava mais aprender a lutar nem nada. Seus Pokémons estariam ao seu lado, e ele próprio saberia como se defender.
— Acho que não será necessário, senhor Gerard. Mas obrigado pela oferta.
— Excelente, então vamos começar fazendo cinco minutos de corda. Vocês só param quando a música terminar.
Lukas olhou para Marley de forma assustada, a garota riu e segurou uma das cordas que estavam na parede na tentativa de pular. Uma música muito alta começou, e logo mais pessoas chegaram na sala para começar a treinar a arte da luta. O treino estaria só começando.
— Espere aí, e como é que eu pulo isso? Eu pensava que corda era uma habilidade coletiva! — disse Lukas.
— Se vocês vacilarem eu acrescento mais um minuto. Depois uma sombra com halteres e vocês revezam os outros equipamentos a cada três minutos. Vamos! Ainda falta muito para acabarem as duas horas de treino. A manhã será muito longa, mexam-se, suas garotinhas! Até minha avó aguenta mais do que vocês!
Lukas quase despencava da corda, mas havia sido uma experiência muito interessante. Um pouco de esporte sempre é necessário para exercitar a mente.

      

{ 20 comments... read them below or Comment }

  1. Olá canas eu esperava que Lukas fizesse ele engolir os dentes mas vejo que ele aprendeu uma coisa melhor que isso... Bem é só isso até o proximo.

    -DarkLugia-

    ReplyDelete
  2. Canas, eu sei que não tem nada a ver com o capítulo, mas, eu queria saber se o nome ad onix do luke ( titânia ) tem algo a ver com a titânia do fairy tail ( erza ), pois eu ví que ambas tem muito a ver na personalidade, por exeplo:
    ambas tem uma forte armadura e um coração mole por dentro;
    as duas são uma das mais fortes das guildas que frequentão;
    e são muito bonitas. Tô certo ou errado?
    ha e o capítulo foi muito bom! melhorando cada vez mais! até a próxima.

    By: Firewall

    ReplyDelete
  3. Claro que sim, companheiro. Eu falei isso desde o primeiro dia em que criei a Titânia, tanto é que o nome foi uma homenagem. Se você der uma olhada no FormSinnoh, encontrará inúmeras respostas para coisas que você nunca iria imaginar, inclusive essa. E eu devo concordar, as duas são lindas cara! kkkkk Se cuida aí, parceiro.

    ReplyDelete
  4. AAHHHH, já ví. Eu falei sobre a Titânia eesqueci de comentar o capítulo, mas ai vai.
    Eu ví que o capítulo gira em torno do Lukas, sendo assim nós podemos aprender muito, como por exemplo, que não adianta sermos fortes se não temos auto-confiança, era isso que faltava ao Lukas, ele confiava tanto que seus amigos iam estar sempre com ele que se esqueceu que ninguem além dele pode enfrentar e superar seus medos, mas, os amigos estão ali para auxiliar e dar forças.
    De: Firewall

    ReplyDelete
  5. Hei Canas,
    Esse especial ficou grande hein?
    Cade, vamos começar lá do começo (a,vááá?). Para ser sincero não gostei muito do começo não, não aprecio esse tipo de leitura, de lutas contadas através de palavras, sempre achei que em momentos desses deveriam diminuir ao máximo a quantidade de palavras entre os movimentos para parecer ainda mais veloz, mas isso é gosto particular mesmo, nada contra a sua não, é o estilo em geral como fazem essas cenas, vai ver só eu não gostei.
    A única parte que gostei deste início foi o final (What?) quando Lúcio deixou a platéia bater no Lukas, queria que você mostrasse pelo menos um pouco do sofrimento dele apanhando por tamanha multidão de forma que ele sentisse fisicamente mas desse momento deixasse o foco em seu psicológico, ou seja, tivesse esperado um pouco mais para retirá-lo do sonho.
    Quando comentou que só estavam presentes na casa o Lukas e a Marley logo associei que estaria nos dando uma possível dica do que viria a acontecer no cápitulo 36 com relação aos laços que os dois possuem, Infelizmente nada aconteceu. Não que seja um ponto negativo.
    A partir dessa parte gostei de tudo, deixando em especial alguns momentos: quando a Marley consolou o Lukas em seus ombros, e quando o Gerard deu aquela lição de moral nele, principalmente quando comentou que as palavras são (podem ser) como socos, me deixou pensativo, até escrevi um texto no Word!
    Gostei bastante desse final e aguardo ansioso pelo cápitulo 36, ao qual você classificou tão bem.
    Vlw.

    ReplyDelete
  6. Bom, uma coisa eu acredito que você tenha se enganado cara, o tamanho do capítulo. Foi um dos meus mais curtos, não passou nem das 3000, ainda mais quando meus episódios costumam passar dos 5000, acho que a falta das imagens deve ter deixado alguns um pouco incomodados... Acredite, se eu quisesse eu teria feito uma luta de verdade, tudo que fiz aqui foi relatar um único round. Luta mesmo, tivemos três parágrafos se não me engano, você achou tanto assim? Eu também não sou chegado em lutas demoradas, e sei que elas devem passar rápido, mas acredito que eu tenha feito mais descrições do que a luta em si, esse não era meu foco mesmo. Eu até faria essa cena da multidão, mas julguei poder ser um pouco agressivo demais para alguns leitores, por isso evitei.

    Na verdade esse especial não apresenta nenhum indício do que virá acontecer no Capítulo 36 mesmo, é uma pena, vou ter que deixá-los esperando por mais tempo! kkkk Mas pelo menos já estamos na metade da semana, e as coisas podem acelerar até eu conseguir postar o próximo episódio. E o que seria esse texto que você escreveu no Word cara? Fiquei curioso agora kkk Well, não teremos mais lutas por aqui man, não físicas pelo menos, pode ficar tranquilo, foi só uma vontade que tive de colocar em um especial, mas agora de resto voltamos para as boas e velhas batalhas de Pokémons (: Abraços ae, meu caro.

    ReplyDelete
  7. Chegaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!Canas espero que esse capitulo seja jogado num posso profundo e que seja completamente esquecido, ou então, terei que decapitalo.Voce nao pode deixar o Lukinhas trajar essse caminh confuso e sem noção que o irmão dele esta passando, faça isso com qualquer outro menos ele a Vivian.
    Acho bem legal o Lukas quere aprender a lutra boxe pra se defender de casos como o Lucio mas ficar com essa historinha na cabeça pra virara um psicopata que o o Lucky-chan NÃO.

    ReplyDelete
  8. Ihhhh, então teremos que jogar nossas aulas de biologia fora! Supostamente gêmeos devem ter os mesmos genes, então, se o Luke desenvolveu uma doença daquele porte... kkkkkk Ai, ai... Adoro fazer um mistério, vamos ver o que vai acontecer. Pode ficar tranquilo porque eu sei bem o que fazer com o Lukas, mas só não garanto que será um caminho fácil. Se fossem só flores ele continuaria a ser esse cara normal, ele tem que pender um pouco e enfrentar grandes desafios para se superar cara, se não vai acabar sendo tachado como um coordenador normal. Só 'mais um', consegue entender? Tomara que esse capítulo fique muito evidente pra todo mundo marcá-lo como: A queda de Lukas HUAEUHAE Zuera, zuera, acho que esse capítulo é só uma introdução básica aos sentimentos do Lukas, agora de resto, não teria tanta importância mesmo. Depende dele superar isso ou não. Vamos ver o que pode acontecer, certo? (:

    ReplyDelete
  9. Bom Canas eu estou triste... Tem duas coisas: Primeira o Lukas é louco, quer dizer alusões mentais? Olha só o Luke magalomaniaco e o Lukas com ilusões... olha eu to com pena dele, e o Lúcio... Reapareceu! Que coisa triste ele me trás más lembranças...E pobre Lukas levando uma surra da platéia, pelo menos vocÊ não descreveu a carnifiscina que aconteceria...E a Marley, aquela santa foi acordar o Lukas do tranze... Por isso é só quanto ao cápitulo...
    Bom a segunda coisa que ceixa-me triste é que a partir do final de maio indo até o comço de junho... Eu não estarei aqui comentendo, mas entre dia e outro arrajarei tempo para ler os cápitulos e talvez deixar um oi e um pequeno e breve comentário... Bom por hora deixo este aviso prévio, para não pensar que caiu um meteoro em minha casa....
    A e notei a mudança na sua imagem... Ficou legal e até mais nítida...
    De Dezinovés, apesar do nome lá em cima já dizer não me canso de escrever isso.

    ReplyDelete
  10. Pessoas sozinhas tendem a desenvolver pensamentos estranhos cara, muito estranhos... kkkkk Mas poxa man, sério que você vai ficar um tempo sem aparecer? Que pena, você vai fazer falta nesse tempo cara, vou estar no aguardo do seu retorno :( Essa semana para mim vai ficar complicada também, para falar a verdade, até o fim de maio pelo visto, mas na metade de Junho minhas aulas acabam e nós dois já estamos de volta \õ Até lá quero ter postado muita coisa boa, vou tentar focar com o conteúdo, porque minhas postagens guardadas já se esgotaram!! Agora é tudo na raça kkkkk Obrigado pelo elogio da imagem cara, agora só troco essa quando eu melhorar meu desenho :D Abraços ae, Dezinovés.

    ReplyDelete
  11. Lúcio!!!! Finalmente!(parece que faz uns 500 anos que o Lúcio não aparece mas quando você vê a lista de capítulos percebe que só se passaram 10 capítulos desde sua primeira aparição).

    O capítulo foi muito bom. E eu não sabia que o Lukas tinha tanta raiva acumulada por causa do Lúcio. Ele sempre ficava "no seu canto" só se intrometendo quando era chamado. Agora só nos resta esperar o desenrolar desta história entre Luke, Lukas e Lúcio (3Ls).

    A única coisa que eu "senti" foi dó do Lukas e da Marley. Eu não ia sobreviver nem 10 minutos com aquele treinamento.

    O ruim é que eu vou ter que esperar 2 dias para ler o cpítulo 36(mundo cruel).

    Att.

    ReplyDelete
  12. Hey Canas, desculpe a demora para comentar.

    Mas enfim, esse especial, apesar de curto, ficou perfeito! Adorei esse "Momento a sós" do Lukas e da Marley, aí tem coisa... acho que eles ficam bem juntos. Gostei do começo, foi uma forma bem diferente de começar um especial só queria que o Lukas desse um daqueles "Truques de fracos" e vencer o Lúcio, mas acho que foi nescesária a sua derrota. Votos para o Lukas sobreviver!

    ReplyDelete
  13. Hey man. É cara, pelo jeito o Lukas também vai mudar daqui para frente. As vezes são precisos momentos a sós para colocarmos as ideias no lugar, e eu achei bem legal o momento do Lukas. Espero ver algo incrível quando ele reencontrar o Lúcio cara. Até porque, agora ele tem um irmão doidão que provavelmente nem vai ligar se o Lukas brigar com o Lúcio. Sabe, até pouco tempo atrás eu queria muito que nosso coordenador ficasse com a Vivian, mas não sei... Começo a mudar de ideia. Quem sabe ele não fica melhor com a Marley? Desculpa Vivian, você ainda é minha musa, mas concordemos que o Lukas fica melhor com a Marley mesmo. Sei que agora o Lukas-kun vai ficar mais forte, e quando se encontrar novamente com o Lúcio, vai dar um show! Gerard, ensine a esses garotos tudo que sabe! Quero ver o Lukas quebrando tudo \õ/

    ReplyDelete
  14. Aeee Canas! Blz?haha, que jeito de começar uma mensagem não?Só queria falar que to gostando do jeito que o episódio foi :) , quero ver o Lukas se sobre sair nessa temporada *-*

    ReplyDelete
  15. Manolo, agora que estou alguns dias em casa pude parar para ler alguns capítulos que eu passei batido. E que capítulo show esse! Eu acho que mesmo que seja errado eu ainda sairia e arrebentaria a cara do Lúcio logo que o visse kkk (Momento Drake), mas cara, que legal que a Marley ajudou o Lukas. Acho que quando ele precisa de ajuda nesses momentos precisa de uma mulher que cuida dele, e ela desempenhou esse papel perfeitamente.

    É engraçado, você sempre me diz que os autores tem uma razão para cada capítulo, talvez uma experiência vivida, e pude notar desta vez mais explicitamente, foi como você mencionou no FormSinnoh, não é? "-Eu te ensino Boxe mas não quero saber de te ver brigando por aí!" traduzido em miúdos. Agora o fim do capítulo foi épico, igual aqueles caras de exército "-Mexam-se suas mariquinhas!" Shsuahuashauhs' ri pacas man. Um excelente capítulo e mesmo comentando atrasado não ia deixar de ler lol. Flw cara o/

    ReplyDelete
  16. Canas, eu tive uma SuperHiperMegaBlaster ideia, e se o Lúcio aparecesse na liga pokemon, que nem nos animes, mais só que misturada com uma "final" dos contests? Ai o Lukas podia esculachar ele com suas "palavras"! #FikDik!

    Meu nome é CaosVortex(não sei se alguém já tem esse nome). Eu não sou membro, mas minha net tem problemas, então não posso criar contas ou logar nelas, mais vou comentar em todos os capítulos!

    Valeu, CaosVortex vazando!

    ReplyDelete
  17. Rapaz, e tu ainda duvida do Lúcio batalhando contra os personagens na Liga?? Eu não sei se ele estaria na final do Grande Festival, até porque a acompanhante de viagem dele é só treinadora também, mas levando em conta as insígnias que esse cara tem e a velocidade com que está treinando, então posso garantir que ele marcará presença quando a grande Liga chegar! Prometo momentos marcantes em cada batalha realizada, a Saga Platina será exclusiva de grandes disputas.

    Bom, seja bem vindo Caos! Adoro saber quando vejo novos leitores que se identificam. Vou te dar uma dica, se não quiser não precisa criar uma conta, nem usar como Anônimo, basta clicar nessa tabela debaixo e escolher: NOME/URL. Lá você escreve o seu nome e pode usá-lo sem criar uma conta para que eu possa identificá-lo ;) Seja muito bem vindo, espero continuar encontrando-o daqui para frente!

    ReplyDelete
  18. Cara, isso foi com uma luta no octógono, só que em versão do boxe! E vocês não acham isso loko?! Cara é sangue voando, dente caindo, pessoa desmaiando, adrenalina pura kkkkkkk
    Eu curto um UFC as vezes... mas deixando tudo isso de lado, o especial foi bem emocionante. Ele começou com tensão logo no inicio, onde percebemos os golpes rápidos do Lúcio acertando a cabeça do Lukas.
    Na verdade neste pequeno trecho na história, acredito que você não queria focar tanto a luta das personagens e sim o conflito interno que o Lukas alimentava dentro de sua cabeça. Que por sinal foram bem relatados
    E que cena bonitinha da Marley consolando o rapaz sobre o seu peito (Caraaaaa Lukas acorda!!! Aproveita essa hora, fala que a cabeça tah doendo e fica mais tempo, e não se esquece de se aconchegar kkkkkkkk)
    E o sobre o Gerad, achei ele muito foda, principalmente após a dica que ele deu para o Lukas, imagino quando o Lúcio aparecer... putz esse capitulo vai ser épico
    Particularmente não sou muito fã do Lukas, acho que ele faz o típico papel de mocinho de bem com a vida, prefiro o Luke todo retardado da cabeça e arrebentando com a cara de todo mundo.
    Ahhhh e esqueci de comentar sobre a minha ausência, resumindo tudo em miúdos... escola
    Cara como havia mencionado antes, eu estava louco para ler estes capítulos, as vezes eu só escorregava os dedos pelo mouse e via as imagens, nessas horas eu vibrava atrás do computador, quase babava em frente a tela dizendo em minha mente “preciso ler isso”
    O mais engraçado foi encontrar o meu ultimo post... meu, eu penei hein kkkkk
    Mas o importante é que eu já o encontrei e já estou comentando nas postagens, e pelo que percebi tenho uma pequena lista de comentários: 9 Capítulos, 5 Fire Tales, alguns fanarts perdidos, semana dos papercrafts, ficha dos personagens ... é manolo... tenho bastante trabalho em frente, mais o mais interessante é que eu adoro isso!!
    Flw campeão

    ReplyDelete
  19. Cara, seguindo falando em UFC (li o comentário do Archie acima), queria que da próxima vez você colocasse o Lúcio em um ring, só que com o notável Jon "Bones" Jones do outro lado. AÍ sim ele vai ver o que é dor de verdade.

    Cara, foi uma grande lição que você passou com esse capítulo. Não é necessário força bruta para tratar de pessoas com mentalidade baixa. Se bem que de vez em quando fazer o Luke esfregar o chão com a cara do Lúcio seria plausível. O bom da violência é que desestressa mais rápido.

    É isso Canas, vou ficando por aqui. Até a próxima!

    ReplyDelete
  20. Kkkkkkkkkkkkkk sério man, esse capítulo foi divino. Você passou uma lição de moral muito interessante. Acho que o defeito de muitos é não acreditar em si mesmos. Quando dizimos que não podemos fazer algo, nosso cérebro realmente emperra. Mas quando nos esforçamos nosso cérebro começa a se empenhar naquilo, pois vê como algo importante. E acho que essa lição que você tentou transmitir foi ótima, guardarei sempre comigo.

    Realmente, devo concordar que palavras e murros se assemelham muito. A dor é a mesma, independente se for física ou psicológica. Por fim, devo dizer que esse é um dos melhores especiais que tivemos até o momento, senão o melhor.

    P.S.: Como consegue Canas? O lucio fez uma única e mísera aparição e todos, incluindo a mim, odeiam ele. Talvez seja simplesmente a forma malévola dele em tratar os outros ou talvez um toque de magia deixado pelo esceritor sobre o personagem. Realmente Canas, você tem o dom de mexer com nossos sentimentos através dos mais diferentes personagens.

    ReplyDelete

- Copyright © 2011-2017 Aventuras em Sinnoh - Escrito por Canas Ominous (Nícolas) - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -