Posted by : CanasOminous May 12, 2014

Support Conversation (Aerus x Mikau)
Gênero: Amizade, Comédia;
Tema: Preparando-se para as batalhas que virão contra a Elite e os Remarkable Five,
os membros da Fire Tales decidem tirar um dia de folga pra aproveitar um belo sol com piscina;
Notas do Autor: Aproveitando para distrair um pouco a rotina do dia a dia
com um pouco de diversão, este Support visa principalmente manter a
essência que sempre procurei buscar: Fazer as pessoas sorrirem.


Aerus não se lembrava de quando foi a última vez que tirou uma folguinha dos afazeres e obrigações da guilda. Não era muito de ignorar suas obrigações, principalmente quando seus companheiros também dependiam dele, e só acabou sendo convencido no instante em que toda a Fire Tales decidiu por tirar o dia de folga.
Um descanso merecido para toda a guilda permitia que Aerus relaxasse um pouco, todavia, ele continuava tenso com as batalhas da Liga Pokémon que se aproximavam, e nada tirava aquilo de sua mente. Enquanto se olhava no espelho, viu Mikau aproximar-se só de toalha e dar-lhe um tapa forte no ombro.
— Acorda, vacilão. Está pensando em mulher pra ficar enfeitiçado assim? Cuidado, porque você está no vestiário masculino agora! — disse Mikau com uma risada ligeira.
— Foi mal, é que da última vez que vim aqui eu estava com a Titânia... — comentou Aerus, um pouco alterado. — Pode parecer estranho isso, mas sinto saudade dela.
Aerus estava no recém-reformado vestiário da guilda, que agora ao menos se separava na ala masculina e feminina, o que era um grande avanço. Era raro vê-lo com seus cabelos azuis sem estarem penteados, e ainda mais sem os óculos escuros. Ele se apoiava em uma das pias e encarava o espelho de perto, mantendo-se atento aos seus olhos dourados quando ouviu a mesma voz distante:
— Vai ficar aí se olhando por muito tempo, ou pode pegar o xampu pra mim? — pediu Mikau, revelando apenas o seu braço de relance, balançando atrás de um chuveiro.
Aerus colocou sabonete líquido e pasta de dente misturados no frasco do xampu antes de jogá-lo de volta para o companheiro.
— Rapaz, vou te contar uma coisa... — admitiu Aerus. — Não me lembro da última vez que tirei um dia de folga como esse.
— Semana passada nós fomos a uma festa, esqueceu? — Mikau caiu na risada, deixando sua voz abafada ecoar pelo vestiário.
— Ah, verdade. Só que agora é diferente, por algum motivo, sinto que hoje irei apenas ignorar todo o resto e me divertir! Nada de batalhas, nada de liderar exércitos ou pensar nos assuntos da guilda. Hoje eu vou ficar só de boa.
Aerus soltou uma risada ligeira, pegando uma toalha para secar seu cabelo e preparando o pente para ajeitar seu cabelo. As paredes estavam todas úmidas e o espelho começava a embaçar de tão quente que o local começava a ficar, logo estava parecendo com uma sauna. Quando Mikau saiu do banho, sua pele brilhava e estava tão perfeita que parecia ter sido esculpida pelos grandes escultores do passado. Os Pokémons Aquáticos conseguiam rejuvenescer-se na água, mas nem todos gostavam de toda aquela umidade.
Aerus virou-se para trás e o repreendeu:
— Quer fazer o favor de desembaçar o vidro?
— E você precisa de espelho pra pentear-se, caro Aerus? — zombou Mikau.
— Claro que preciso, acha que essa perfeição acontece da noite pro dia? Eu também durmo, demoro?
— Francamente, veja e aprenda como se faz.
Mikau pegou um frasco de vidro que tinha uma tonalidade azul claro, como a água de um rio límpido em um estado mais condensado e com pequenas estrelas em sua forma.
Ele passou uma pequena quantia em suas duas mãos, jogou o cabelo para trás e em questão de segundos ele estava perfeito, como se tivesse sido preparado daquela maneira. Aerus quase caiu de joelhos.
— Como é que tu fez isso, cara? Eu poderia poupar uma hora de cada dia com uma maravilha dessas!
— Ele molda o cabelo da pessoa de acordo com o jeito que ela quiser com uma facilidade enorme, eu mesmo produzo para uso próprio. E pode ter até cheiros variados, escolhi a essência de maresia porque a Milena gosta.
— Bem que você podia fazer um com cheiro de bacon, né.
Mikau jogou-lhe o frasco antes de vestir a toalha e sair do vestiário.
— Pode ficar. Posso fabricar mais desses. Mas só estou te dando porque você é meu amigo, fechado?
— Beleza. Não esquece de pensar na minha versão bacon, hein?

Mikau saiu dos aposentos, e agora foi a sua vez de vestir os óculos escuros e preparar-se para azarar nos arredores. Já tinha passado um bom tempo na piscina, então estava disposto a procurar algum outro entretenimento. A Fire Tales tinha adquirido muito dinheiro nos campeonatos mais recentes, e a quantia fora tanto que eles até mesmo puderam construir uma piscina para uso próprio. Só o fato de ver Milena e Wiki em seus biquínis já era uma dádiva para todos ali presentes.
Aerus veio logo na sequência, de cabelo arrepiado e os indispensáveis óculos escuros. Os dois pareciam amigos inseparáveis que vão para a festa pegar todas e competir quem é o melhor. O dia de folga estava apenas começando para os dois.
— Ei, Aerus, está sentindo a mesma coisa que eu?
— O que? O cheiro de sabonete e pasta de dente vindo do seu cabelo? — O dragão caiu na risada, mas Mikau nem se tocou.
— Não, seu idiota. Que hoje será o meu dia.
Para completar a sua festa, a Fire Tales queria convidar muitas outras pessoas para causar uma boa impressão, mas Watt e o restante da parte sensata da equipe julgou que seria melhor não tentarem nada em tempos como aquele. O atirador iria chamar suas melhores amigas, o que causaria certo equívoco com Milena, Wiki, e todas as outras mulheres, e acabaria com o dia de folga de todos os outros. Aerus foi tolo o bastante para sugerir em convidar seus rivais e inimigos. Teria sido cômico ver os membros dos Remarkable Five presentes, mas iDie certamente recusaria o convite, e por conta disso, Titânia também nem sonhara em dar as caras.
Aquilo chateou o dragão, mas Mikau não deixaria que a tristeza de seu amigo durasse muito tempo.
— Se anima, cara. Não me venha ficar com essa cara por causa de mulher — disse o atirador, colocando o braço no ombro do amigo enquanto os dois andavam na beirada da piscina.
— Não é só uma mulher, é a Tih, mano... Estou começando a ficar preocupado.
— Aerus, larga dessa! Nem eu estou de olho na Milena, vamos todos aproveitar esse dia de folga enquanto podemos. E se você não for capaz, eu sei um jeito que vai transformá-lo no velho Aerus que conheço.
Mikau foi até o lado de Milena e pareceu cochichar-lhe algo no ouvido. A moça olhou para ele confusa, depois riu e concordou com alguma coisa, dando de ombros. O atirador logo voltou para dar a notícia.
Simbora. Ela liberou.
— Liberou pra que? — perguntou Aerus.
— A gente. Venha, vamos dar uma volta na cidade, conhecer gente nova, respirar novos ares.
O dragão não entendeu como aquilo poderia ajuda-lo, mas preferiu não intervir. Sem mulheres por perto, os dois amigos não teriam de ficar parando em todas as lojas de roupas e sapatos, e poderiam ir direto para as vitrines que lhes agradavam nas redondezas para se divertirem um pouco e descontrair-se de toda aquela agitação. Poderiam olhar para a bunda das outras garotas, arrumar encrenca com quem quisessem, e simplesmente fazer o que os homens mais adoram: Nada.
A primeira escolha foi uma loja de chapéus mais variados, e Mikau não pôde deixar de tirar onda, colocando uma boina militar que encontrou sob um dos balcões em exposição.
— Ei, eu sou o General. SEEEEEENTIDO! — disse o Kingdra, batendo continência e imitando o tom de voz grave do companheiro. — Irei lidera-los até os confins do mundo, e se for para vencer essa guerra, que seja com HONRA!
— Faltou cobrir um dos olhos, cara! Hahahahahaha....
Aerus fez o mesmo, pegando um chapéu estilo fedora, como dos italianos antigos. Começou a balançar uma das mãos freneticamente enquanto a outra mexia em seu rosto, como se alisasse seu bigode.
Bungiorno, mio amico. Eu sou o Al Capone, dê só uma olhada na minha cicatriz maneira de personagem foda — continuou o dragão, caindo na risada.
Mikau seguiu com a brincadeira, pegando uma máscara de ferro ali perto e vestindo uma capa negra para ficar parecido com um certo ciborgue de aparência maquiavélica.
THIS. IS. SINNOH! Eu sou o Vista, e vou explodir todos vocês!
Aerus caiu na risada, divertindo-se cada vez mais com toda a encenação. Logo ele estava olhando cada um daqueles objetos tão familiares com enorme interesse.
— Rapaz, tem umas coisas bem legais aqui. Se liga só, tem até uma gargantilha que parece com aquela que a Wiki usa. Cara, gargantilhas são sexy, né?
— E esses óculos escuros aqui? São iguaizinhos aos seus — disse Mikau, atentando-se ao nome do produto escrito em letras miúdas em um cartão. — Aerus’ Blackglasses... Espera, esses produtos são réplicas idênticas dos nossos.
— Tá brincando? — Aerus comparou os dois óculos e viu que era verdade.
Não demorou muito para que os dois companheiros virassem para trás e notassem muitas outras pessoas encarando-os, apreensivos. Foi muito de repente que uma garota deu um grito, e logo várias outras começaram a pular em cima dos dois, dando surtos e clamando por seu nome de maneira apaixonada. Eram todos fãs da Fire Tales, e os guerreiros mal tinham notado que adentraram uma loja oficial de seu fã clube.
— São eles, são eles mesmo! — gritou uma menina, e cada uma delas rogava por algo diferente. — Eu quero um autógrafo! Eu quero um beijo! Eu quero dormir com ele!!
— Caramba, eu não imaginava que estávamos tão famosos assim — respondeu Aerus, dando os autógrafos de bom grado e até mesmo tirando fotos com algumas delas.
O atirador aproximou-se de uma delas e segurou de leve em seu rosto, sussurrando de maneira sedutora em seu ouvido:
— Por um acaso eu já lhes disse que vocês são as melhores fãs do mundo?
As garotas gritavam e enlouqueciam ao lado de Mikau. Junto de Aerus, haviam também outros rapazes e guerreiros da espécie dos dragões que o levavam como ídolo e apreciavam suas técnicas em batalha, mas quem realmente conquistava a multidão era o moço dos olhos azuis.
— Ei, garotas, quem aqui vocês acham que ganharia uma batalha? Eu, ou esse zé mané de dente torto? — perguntou Mikau, apontando em direção de Aerus.
Todas as garotas gritaram praticamente juntas:
Claro que é você, Mikau!! Eu te amoooooo!!
Não demorou muito para que Mikau tivesse de ser arrancado por Aerus do meio da multidão de modo que os dois pudessem se esconder em algum canto, evitando a maré de fãs enlouquecidas. O Garchomp ergueu o indicador e apontou o em direção do companheiro.
— Entenda uma das regras básicas da fama: Nem sempre é possível dar tudo que os fãs pedem. Elas são loucas!
— Meu caro amigo, se nós temos, devemos acompanhar.
— Affe, você não tem jeito mesmo. Como se a experiência com a Akagi e a Milena não tivesse te ensinado alguma coisa... — respondeu Aerus, encostado na cabeça e prendendo a respiração enquanto as garotas continuavam passando, à procura dos dois. — Você viu? Elas estavam gritando o nosso nome, fazia um tempão que eu não saía pra rua pra ver de perto essa galera. Quando estamos na arena, lutando e enfrentando nossos oponentes, é difícil imaginar que tanta gente torce por nós — comentou Aerus.
— Eu acho que deveríamos fazer um evento especial para nossas fãs lá na base, o que acha? — Mikau deu uma risadinha, mas seu parceiro não escondeu que preferia ficar apenas entre seus amigos.
— Se você achar que esse é o melhor jeito de aproveitar seu dia de folga...
Os dois continuaram dando algumas voltas pela cidade, sendo parados por pessoas, mas conseguindo transitar o suficiente para comprar mais comida e alguns refrescos para a festa que ainda rolava na guilda.
O clima de sol e a cidade litorânea permitia que Aerus e Mikau andassem livremente pelas calçadas de bermuda e camisa resgata. As ondas batiam nas pedras da costa de maneira furiosa, e a praia estava tão cheia que ao menos os dois conseguiam misturar-se à multidão. O atirador preferia andar sem camisa, mostrando suas costas largas e a cicatriz no peito. Derretendo corações, arrancando suspiros e causando inveja nos demais.
— Ow, Mikau. Compra um sorvete pra mim, cara — pediu Aerus.
— Eu lá tenho cara de sua mãe pra ficar comprando sorvete para você?
— Poxa, é só um! Eu nem trouxe muita grana, e já comprei todos os refris. Prometo que te pago uma bebida quando a gente voltar. Por favoooor, vaaai?
Mikau virou-se furioso, afastando-se dali com pressa.
— Vá à merda, Aerus...
— Traz um de creme, beleza?
Algumas horas se passaram naquela aventura pela cidade litorânea. O sol ainda brilhava no céu. Quando fizeram seu caminho de volta, Milena estava na mesma posição, tentando pegar um bronzeado e invejando o fato de Wiki conseguir fazer aquilo automaticamente só mudando sua tonalidade da pele. A moça abaixou seus óculos de sol e sorriu para os companheiros.
— Já voltaram, rapazes? Como é que foi o namoro? — ela brincou com certa ironia maldosa.
— Melhor do que o nosso — respondeu Mikau, dando de ombros e indo direto para o bar, enquanto Aerus quase se escondia de tanta vergonha. Os dois nem ficaram para ver qual foi a cara que Milena fez ao ouvir aquilo
Assim que se afastaram, o dragão cochichou:
— Como é que você fala uma coisa dessas para uma das mulheres mais lindas do mundo, cara?!!
— Meu caro Aerus, sabemos melhor do que ninguém que algumas vezes as mulheres são... insuportáveis. Você sabe, eu e a Milena não estamos em nossa melhor fase, e você sabe que não há apenas uma mulher bonita no mundo, são duas, que por sinal, são minhas.
— Você devia sentar e trocar uma ideia com a Milena — respondeu o dragão.
— Acha mesmo? Legal. Problema é seu.
— Acho sim. Vamos pro bar, e a gente conversa com mais calma.
No bar de Sophie, a garçonete vestia uma tanga curta e estava deslumbrante em suas roupas de banho. Uma linda flor decorava seus cabelos esverdeados, e apesar da idade avançada, podia-se dizer que estava em perfeito estado. Sophie atendia todos com enorme ânimo. General e Chaud conversavam em uma mesa ali perto, simulando estratégias para as batalhas que viriam em um cenário de xadrez. Karl e Lyndis entravam molhados a todo instante encharcando todo o chão, e este era o único motivo que tirava Sophie do sério.
— Já pedi pra vocês dois pararem com isso! — gritou ela, mas eles já estavam longe. — Ah, essas crianças... Crescem tão depressa.
— Nem me fale. Parece ontem que eu era um Gible — respondeu Aerus, sentando-se nas banquetas do balcão e apoiando os braços. — Sophie! Me vê dois cafezinhos, um pra mim e outro por meu melhor amigo. Do jeito que a gente gosta!
— É pra já — A mulher logo saiu, deixando os dois a sós.
Mikau virou-se na banqueta e apoiou os ombros na mesa, olhando para tudo ao redor e apenas desfrutando da música ambiente que relaxava os ânimos. Enquanto esperavam sua bebida, o atirador comentou:
— Ainda está com aquele gel que eu te dei?
— Tá aqui, funciona direitinho. Quer ele de volta? — perguntou o dragão.
Mikau pegou-o e levantou-se, indo em direção da mesa de General, por trás. Chaud tinha a visão perfeita de Mikau que se aproximava na ponta dos pés, mas General estava tão relaxado em campo amigo e entretido no seu jogo de xadrez que nem percebeu. O Kingdra lotou as mãos de gel, e em seguida passou-os na cabeça do militar, como se o acariciasse.
General franziu os cenhos, mas não virou-se para trás.
— Glaciallis?
— Que mané, Glaciallis!! — gritou Mikau, irritado.
— Que história é essa de passar a mão em meus cabelos? E por Arceus, senhor Mikau... Ou você vai ao salão de beleza todos os dias, ou sua mão é curiosamente fria e pequena demais — respondeu General, meio zangado.
— Mão pequena?!! Ihh, rapaz... Isso explica a angústia da Milena!! Hahahahahahaha... — Aerus levantou-se e caiu na gargalhada.
Mikau voltou para sua banqueta sem dizer nada, mas pelo menos seu trabalho foi feito. O cabelo de General agora estava completamente bagunçado, e aquilo deveria ser a morte para alguém que prezava tanto o penteado quanto ele. Chaud notou, mas tentou segurar o riso cada vez que fazia um movimento no jogo e o militar nem se dava conta.
Aerus estendeu a mão pra Mikau e cumprimentou-o.
— Essa foi demais, cara! Seu gel é maneiro mesmo — disse o dragão.
— Hah, hah... Toca aí.
— Cara, sua mão é meio pequena mesmo...
— Ah, vai se foder, Aerus.
Sophie logo voltou com os cafés para os líderes da guilda, e nem mesmo ela deixou de notar que o cabelo de General estava um tanto quanto... diferente. Os dois amigos ainda riam e falavam de todas as bobeiras possíveis.
— Cara, quando for a minha vez de entrar na Liga, vou destruir qualquer coisa que entre em meu caminho — disse Mikau, tomando seu café aos pouquinhos.
— Grande coisa. Pra você é fácil só ficar acompanhando de longe, difícil mesmo é estar lá no meio da batalha, enfrentando o oponente frente a frente! — continuou Aerus, pegando o pote de açúcar para adocicar seu café.
Mikau parou no mesmo instante ao perceber o ato.
— Não me diga que você vai fazer isso.
— Claro que vou, na próxima luta irei enfrentar qualquer um, e espero que seja um membro dos Remarkable Five! Quero mostrar pra eles que não estou de brincadeira, e serei o primeiro a...
— Não estou falando disso, Aerus. Você colocou açúcar no seu café.
O dragão parou de falar e olhou para sua própria xícara.
— Ah. Pois é, meu café fica perfeito com duas colheres de açúcar e um pouquinho de leite! O meu preferido é o mocha, saca só esse cheiro — disse ele, tomando a primeira golada com enorme gosto. — Uma delícia.
Mikau não podia acreditar no que via.
— Não estou acreditando que o líder da Fire Tales toma seu café com leite e açúcar. Quantos anos você tem, doze? Que coisa de bichinha.
— Poxa, cara... Mas fica tão gostoso. Experimenta aí.
— Tira já esse açúcar de perto de mim.
— É só uma colherzinha, você não vai nem sentir!
— Sai pra lá, Aerus!!
O atirador levantou-se, e ao erguer um dos braços acabou por derrubar o pote de açúcar inteiro na cara de Aerus. Logo os óculos escuros do dragão ficaram brancos de tanto açúcar que o cobria, Karl e Lyndis tiveram que parar sua correria só pra rir da cara dele, e até mesmo General acabou soltando uma risadinha ligeira. Mas Aerus não disse nada.
— Olha só o que você fez, cara... — comentou Mikau. — Sujou todo o bar da Sophie.
— N-Não se preocupem, meninos. Eu posso limpar isso mais tarde — disse a mulher, indo pegar um pano antes de ser impedida por Aerus que chegou até a engrossar a voz.
— Não será preciso, Sophie. Eu vou fazer esse cara limpar com a língua.
Aerus segurou na cabeça de Mikau e enfiou-a no balcão que foi quebrado ao meio e iniciando uma disputa ali mesmo. Logo os demais membros da guilda começaram a aparecer ao ouvir o barulho e principalmente para ver o que se passava, mas todos sabiam que aquilo não passava de uma brincadeira, tanto que nem mesmo General decidiu interferir.
— O senhor tem certeza? — indagou Chaud, já levantado de sua cadeira.
— Está tudo sob controle, caro amigo. Retornemos ao jogo — disse General. — Ah. Xeque-mate.
Mikau limpou um feixe de sangue em seu rosto e dirigiu o olhar em direção do dragão.
— Fazia tempo que eu não provava do meu próprio sangue.
— Espero que esteja bem doce, seu merda, porque você desperdiçou todo o açúcar — respondeu Aerus, furioso.
— Olha só quem fala, a criança que toma cafezinho com leite.
— Eu gosto de leite mesmo, qual é o problema? Isso me torna menos homem? Acho que é melhor nem falarmos de masculinidade aqui, ou o “senhor mão pequena” vai acabar se arrependendo.
WOOOOOOOOW. I must send that to youtube — disse Vista, pegando sua câmera e já começando a filmar a pancadaria que estava pra começar.
Mikau olhou para Milena que viera até o bar para ver o barraco, e perguntou:
— Mão pequena? O que você acha, Milena?
A mulher arregalou os olhos e ficou vermelha. Estendeu os braços para o alto e foi se afastando até desaparecer de vista, completamente encabulada.
— Olha, sou suspeita pra falar, mas... Eu não diria isso.
Mikau esboçou um sorriso e sacou sua pistola com uma das mãos, dando um tiro com seu projétil de gelo que passou raspando aos ouvidos do dragão. Aerus não teve nem tempo de se mexer.
— Se for para resolver isso, é melhor fazermos agora.
Aerus ergueu os braços e intimou seu rival a aproximar-se.
— Não preciso de armas pra acabar com a sua raça — rugiu o dragão.
— Eu ainda vou arrancar esses óculos escuros da sua cara.
— Eu é que não vou passar o meu dia de folga com você, Mikau.
— Meu nome veio até antes do seu no título. Quer maior prova de poder?
— BRIGA, BRIGA, BRIGA! — Sly começou a gritar, antes que toda a guilda precisasse sair do bar que começava a ser destruído pelos dois oponentes.
Socos e chutes eram desferidos para todo o lado, e Sophie já nem se mexia porque sabia que os dois seriam os responsáveis por arrumar a bagunça de qualquer maneira. Até mesmo Al Capone sentia medo deles quando começavam a se enfrentar. O corvo caminhou em direção da garçonete que nada podia fazer além de observar, e comentou:
— O que houve com os bambinos?
Sophie soltou um longo suspiro antes de responder.
— E pensar que tudo começou por causa de um café...
Mikau era bom com os chutes, mas gostava mesmo era de usar as mãos e meter tiros para todos os lados. Aerus estava com um físico mais forte, e não media esforços para destruir tudo ao seu redor com punhos tão intensos quanto o de um canhão.
Enquanto mesas e cadeiras eram reviradas para todos os lados, a música ambiente do lounge continuava tranquila, tocando uma love song dos tempos de Sophie. General e Chaud ainda preparavam o novo tabuleiro de xadrez.
— Mais uma partida? — indagou o militar.
— Com certeza — assentiu o ferreiro, ainda encarando com atenção o cabelo todo bagunçado de seu superior. — Mas, General, não é por nada... Acho que o senhor deveria ir ao banheiro olhar-se no espelho.
— O que houve? Aconteceu alguma coisa com meu rosto?
— Mais ou menos... — disse Chaud. — Apenas vá lá dar uma olhada.
General levantou-se e saiu dali tranquilamente, porém, logo ouviu-se um grito que até mesmo Unova teria ouvido. Aerus e Mikau pararam a luta, quando o militar saiu do banheiro com os punhos fechados e as veias pulsando. Seu olho bom brilhava num vermelho intenso, e ele parecia estar prestes a matar alguém. Precisou dizer apenas três palavras a princípio:
— Quem. Fez. Isso?
Ele perguntou apenas uma vez.
— Quem mexeu no meu cabelo?
Glaciallis fechou os olhos. Sabia que aquilo não terminaria nada bem. Uma das poucas coisas que deixavam General profundamente irritado era que mexessem com sua princesa de gelo, e a segunda... Era que mexessem com seu penteado.
General olhou para Chaud, como se perguntasse quem tinha sido o responsável. O ferreiro não era de mentir, apenas levantou o indicador meio receoso e apontou em direção dos dois que se matavam ali perto.
Aerus e Mikau não tiveram nem tempo de pedir desculpas.

• • •

Aquele maravilhoso dia de folga chegava ao seu fim. O sol logo se escondia atrás das montanhas, e uma tonalidade laranja intensa tomava conta de toda a base dos Fire Tales que estava lindamente iluminada por aquele horário.
Mikau e Aerus estavam sentados perto da fogueira principal, com faixas e curativos feitos pela própria Sophie após a surra que levaram de General. Aerus apoiava os braços atrás da cabeça, e ainda procurava a melhor maneira de conversar com seu rival.
O dragão só encontrou forças para perguntar:
— Por que é que estávamos brigando mesmo?
Mikau olhou para seu parceiro e sorriu, voltando a observar o sol.
— Nem me lembro.
Aerus também riu, esticando os braços e apoiando-se sobre uma parede enquanto aproveitava os instantes finais daquele dia para relaxar.
— Cara, eu devo admitir, hoje foi demais. Acho que eu estava precisando de uma folguinha dessas, e eu te agradeço por isso. Foi mal pela briga.
— Disponha. Também me diverti muito. E apesar de você tomar café com açúcar e leite, admito que você é um bom guerreiro.
Aerus coçou sua orelha, indiferente.
— Acho que estamos precisando de outra folga como essa, não acha? — sugeriu o Kingdra.
— Não sei, seria difícil convencermos de novo toda a guilda. Como é que ficaria a Milena? E meu encontro com a Titânia, nossos companheiros... — continuou Aerus, preocupado.
— Você é o líder da guilda, você decide as coisas.
— Se quiser chamar a Milena, ela pode vir com a gente.
— Não. Não. Nãooooo. Nada disso — Mikau levantou-se, esticando a mão para o companheiro. — Deixa ela pra lá, afinal, nós também precisamos de um momento de diversão só entre amigos. A noite está apenas começando, topa sair para uma daquelas festas na beira da praia?
— Falou. Só se for agora! — Aerus já comemorava. — Afinal, essa pode ser a nossa última...
Mikau ouviu aquilo e não escondeu que sentiu certo aperto no coração. Mas estava disposto a continuar aproveitando enquanto pudesse, e daquilo certamente não iria se arrepender.
— Quando tudo isso terminar, eu e você vamos tirar as melhores férias de nossas vidas. Levarei a Milena, se ela quiser, umas amigas, e todos os nossos companheiros de guilda comigo para um lugar que vocês vão adorar — disse Mikau.
— E que lugar seria esse?
— Minha terra natal, caro amigo.
— Hoenn? —indagou Aerus, — Tô dentro. Aí vamos nós!

{ 2 comments... read them below or Comment }

  1. Canas, sinceramente, me fazer rir histericamente na sala é algo muito feio, Sabia?
    1º- Ficou MUITO engraçado, tipo.. Imagina uma garota com 15 anos na sala rindo como uma garotinha e eu tenho certeza que a vizinha escutou. Então, nesse nível ai.

    2º- Esses dois fazem uma dupla e tanto, mas sério, C-O-M-O A-S-S-I-M eles preferem o Mikau? Eu exijo uma segunda votação! O Mikau é lindo e tals, mas pelos deuses poke-ollimpianos o Areus é lindo e absurdamente.. Ahn.. Okay, não estou achando a palavra, mas é algo entre gentil, fofo, parceiro e daora.(E tem olhos dourados *-*)

    3º Tadinha da Milena ;3;, tipo.. Tomara que ela dê um pé na bunda desse Kingdra por um tempo só para ele sentir falta >.>

    4º Como eu disse que eu vou cobrar, vou começar agora:
    Casamento da Wiki, Casamento da Wiki \o/

    ReplyDelete
    Replies
    1. Diga ae, Bruna! Sabia que depois que você me enviou aquele fanart, acabei ficando ainda mais inspirado para escrever esse episódio? O nosso humor muitas vezes afeta no dia a dia, e isso também reflete diretamente nos capítulos. Escrever os momentos finais de Sinnoh, batalhas, lutas, mortes... Tudo isso estava conspirando para que eu me desgastasse mentalmente, então eu acabava só conseguindo escrever drama, drama, drama... Quando recebi seu desenho, procurei voltar minha atenção para as outras áreas, e acho que dessa vez investirei mais nisso!

      Quem não curte uma boa comédia? kkkk Não sou um dos melhores nesse gênero, mas tenho meu próprio jeitinho de fazer as pessoas sorrirem. Quero investir no velho e adorável romance também, quem sabe aí não sai o tão aguardado casamento da Wiki? kk (Acho que isso só vai rolar no final, hein!) kk Mas sério, devo agradecer vocês por esse apoio, e minha maior felicidade é fazer vocês rirem e chorarem com episódios como esse.

      Ah, e da última vez que fiz a enquete Aerus VS Mikau, sinto em lhe dizer que nosso Kingdra foi o vencedor por um voto e no último instante! kkkkkkk Isso fez com que o Mikau tenha motivos de sobra pra zuar o Aerus, mas será que se houvesse outra enquete, o resultado seria o mesmo? Hmm, difícil dizer, mas em termos de melhores fãs, os dois com certeza estão empatados kk Fico muito feliz que você tenha vindo comentar, beijos!

      Delete

- Copyright © 2011-2017 Aventuras em Sinnoh - Escrito por Canas Ominous (Nícolas) - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -