Posted by : CanasOminous Mar 29, 2013

Os Dois Lados do Espelho

          Lukas tomava seu café da manhã tranquilamente na lanchonete mais próxima da pousada. A neve fofa da noite passada derretera um pouco, mas ainda fazia um frio muito forte nos arredores. O jovem aproveitava para degustar do aroma perfeito de seu chocolate quente e fondues, os mais apreciados de toda a Sinnoh. Estava sozinho pelo fato de procurar fazer sua inscrição para a Competição antes mesmo das oito da manhã, e era possível ver pouco movimento nas ruas.
O rapaz folheava uma revista de curiosidades não tirando sua atenção das palavras ali grafadas. Ocasionalmente sua mão levava a xícara até sua boca, mas seus olhos não se despregavam. Lukas continuou ali lendo uma matéria sobre astros e planetas quando viu que uma garotinha passava ao seu lado na rua, do lado de fora. A menina parou e ficou encarando a mesa do rapaz que sentiu-se constrangido com a situação. Ele não era muito de apreciar que outras pessoas ficassem lendo uma notícia sobre seus ombros, mas manteve a educação e não falou nada
A garotinha continuou ali, mas agora sua cara estava colada no vidro.
Ou a matéria era extremamente interessante, ou ela não tinha noção dos limites de distância para o bem estar pessoal. Por fim, Lukas fechou a revista e virou-se para o lado com uma feição não muito paciente. Ao forçar a vista notou que a garota estava vestida apenas com um blusão muito maior para seu corpo, e suas perninhas descobertas eram tão finas quanto pedaços de gravetos. Seus olhos estavam prensados não na revista, mas em uma pequena fonte que jorrava chocolate em abundância. Sua língua ia de um lado para o outro demonstrando o desejo de experimentar o alimento.
— Ah, não, essa menina de novo, não... — comentou uma garçonete que passava ali perto naquele instante. — Senhor, mil perdões pelo incômodo, eu irei mandá-la sair daí.
— Quem é essa mocinha? — perguntou Lukas interessado, vendo que os olhos da criança ainda acompanhavam sua xícara de chocolate quente.
A garçonete arqueou os ombros, um pouco descontente.
— Deve ser uma dessas crianças pidonas. Ela aparece aqui toda manhã e fica importunando os clientes. Eu irei mandá-la para longe imediatamente.
— Não, não — pediu Lukas, gentilmente. — Pode mandá-la entrar e vir até aqui?
A garçonete a princípio esboçou uma feição confusa, mas cedeu ao cumprir as ordens do cliente e mandar que aquela pequena criança entrasse na lanchonete. Estava bem vazio, e mesmo assim as poucas pessoas estranharam a entrada de uma figura tão diferente em seu meio. Lukas pediu para que a garotinha sentasse, e em seguida pediu para que a garçonete trouxesse um lanche para ela.
Lukas segurou na ponta de sua xícara enquanto demonstrava um sorriso sábio e compreensivo.
— Então, notei que você estava de olho no meu chocolate... — brincou ele.
— Uhum... Parecia tão gostoso — respondeu a mocinha, na maior naturalidade possível.
— Mas você sabe que não é nada bonito ficar encarando outra pessoa para pedir algo. Se você desejasse algo, bastasse pedir com educação.
— É que mesmo assim às vezes não ganho nada... — respondeu a criança de maneira entristecida. — E se eu não me esforço pra ganhar alguma coisa, às vezes passo o dia inteiro sem comer.
Lukas imediatamente ajeitou-se em sua cadeira, um pouco surpreso.
— Você é de Snowpoint?
— Sô sim, moro aqui pertinho — acrescentou a garota.
— Onde?
— Ali.
Lukas virou-se e olhou para o vidro notando que havia uma ponte ali perto, e logo abaixo era possível notar de relance um barraco, que no momento estava vazio. O jovem sentiu um apero forte no coração ao perceber que aquela jovem menina era uma moradora de rua. Logo a garçonete chegou e serviu o lanche, Lukas empurrou-o em direção da menininha e tentou forçar um sorriso.
— Tome, eu pedi para você. Pode comer.
Os olhos da garota brilharam, e ela não demorou nem dois segundos para que ela agarrasse o sanduíche e devorá-lo.
Agora muitas coisas faziam sentido. A feição esfomeada, as roupas precárias, o olhar solitário... Lukas não imaginou que teria de se deparar com uma situação como aquela em uma cidade tão linda quanto Snowpoint, e logo antes de sua apresentação, quando na verdade ele deveria estar preparado-se. Lembrou-se inclusive do pouco que sabia sobre a infância da Dawn, sobre tantos outros fatos que fizeram sua amiga viver nas ruas de Jubilife por tanto tempo. Lukas viu naquela jovem criança a visão de sua própria amiga.
— Qual o seu nome? — perguntou Lukas.
— Dan. — A garotinha respondeu de boca cheia.
Ótimo, seria alguma influência do destino aquela garotinha ter um nome tão parecido com o de Dawn? E afinal de contas, Dan sequer era nome de mulher, mas aquilo fez que Lukas pensasse: E quem se importa? Ela não tem ninguém mesmo...
Lukas aguardou pacientemente que sua hóspede terminasse sua refeição, ocasionalmente ele a via guardar pedaços do sanduíche no bolso, mas preferiu não questionar. No fim encontrou-se na obrigação de pedir mais um prato feito para que ela estivesse bem alimentada até de noite. O rapaz apenas continuava ali, tomando goles lentos em sua xícara de porcelana, como se fosse um velho senhor observando atentamente cada detalhe dos jovens ao seu redor. Ela era morena, tinha olhos escuros, grandes e expressivos; e mesmo com um sorriso amarelado todos aqueles pontos se uniam para formar a figura de uma garota que seria muito mais linda se começasse, ou pelo menos tivesse a chance, de se cuidar.
A garotinha espreguiçou-se ao terminar, encolhendo seus braços na sequência para aquecer-se do frio.
— Ahh, estava tão bom! Deu até para esquentar, fazia tempo que eu não comia tanto! Obrigada, tio.
— De nada, criança — Lukas não deixou de sorrir ao saber que agora era ele quem era chamado de “tio”. Certamente, Marshall adoraria ouvir aquela história quando eles se encontrassem. — Bem, tenho algo importante marcado para daqui há pouco, então preciso ir andando. Acha que vai ficar bem?
— Pode ter certeza, sei me virar por essas ruas muito bem. Só estou com um pouco de medo do frio dessa noite, ontem foi bem difícil continuar acordada. Eu pensei que não fosse acordar.
Lukas parou de sorrir, pensando se tudo aquilo não passava de encenação. Uma criança não seria capaz de dizer algo tão sério, e isso o fez pensar se não estava sendo tão ingênuo em ajudá-la, dando comida e atenção. As pessoas ao redor falavam sobre ele, comentavam sobre suas atitudes em ajudar alguém tão debilitado, mas ela era uma criança como tantas outras, por que com ela deveria ser diferente? As pessoas comentavam à seu respeito a todo instante.
— Você... Gosta de Contests? — perguntou Lukas.
— O que é isso?
— São apresentações de Pokémons, com muita música, dança e carisma! Os Coordenadores treinam por muito tempo para encenar e receber fitas, ficam famosos, e competem por uma vaga no Grande Festival.
— Nunca vi — acrescentou a garotinha de maneira curiosa. — Mas sei onde são feitos. Já passei algumas noites perto de um salão grandão, e eu ouvia muita música bonita lá de dentro durante a noite. Eu sempre quis ver o que era.
— Quer ser minha convidada então?
A mocinha quase pulou de felicidade, suas mãos e mexiam e suas perninhas pareciam poder romper se ela continuasse pulando daquele jeito. Porém, ela logo parou e seu entusiasmo desapareceu.
— Não posso.
Lukas pareceu decepcionado, mas tentou compreender os motivos da jovem.
— Você será minha convidada, não precisa pagar nada.
— É que eu preciso arranjar comida para meus irmãos. Eles vão ficar com fome.
Inconscientemente as mãos da garota foram até seu bolso, onde Lukas lembrou ter visto o pedaço de sanduíche ter sido escondido. Aquilo o deixou com um imenso aperto no coração, sentiu uma raiva tremenda daquela vida tão injusta, mas como ele poderia ajudar? Compraria comida para todas as crianças pobres da cidade? Ajudaria todos os mendigos que encontrasse? Era impossível, e o dinheiro que seu pai dera não era infinito.

As pessoas da lanchonete ainda murmuravam a seu respeito. Sua mente trabalhava com milhares de ideias, e uma delas pareceu trazer a resolução perfeita. Lukas pediu para que Dan o seguisse até o Contest Hall, onde ele esperava colocar seu plano em ação. Ao alcançarem a porta de entrada a garotinha recuou assustada, fazendo com que o jovem parasse de caminhar antes de entrar.
— O que houve? Você queria assistir uma apresentação, não queria?
— Sim, mas... Aqueles homens não deixam — respondeu ela, apontando para dois guardas na entrada.
Snowpoint era reconhecida por ser uma cidade famosa entre turistas, então tudo era mais caro, tudo era mais restrito. Lukas segurou nas mãos da garotinha e a levou para dentro com pisos fortes, como se fosse sua irmãzinha. Os guardas não ousaram nem questionar. Lukas caminhou até a recepção e apoiando suas mãos sobre o balcão, sugeriu:
— Tenho uma proposta para a competição dessa tarde. Um evento, um evento especial.
A recepcionista surpreendeu-se com a sugestão, sendo que ela não vinha de algum sujeito qualquer. Lukas ganhara muita atenção na mídia, principalmente depois de Ike citar seu nome em frente de todas as câmeras, e também sua apresentação em Pastoria e a batalha de ginásio em Canalave. Certamente, a figura dos Irmãos Wallers impunha respeito por onde quer que passassem.
— Evento? E qual seria sua sugestão, senhor Wallers?
— Arrecadar fundos para a caridade. Todo o dinheiro conquistado será enviado para crianças de rua necessitadas, e também hospitais e escolas públicas. Os quatro coordenadores inscritos farão o melhor de si em suas apresentações, e todos os ingressos serão convertidos para as caridades.
Os olhos da recepcionista brilharam, e ela imediatamente percebeu como aquela ideia era brilhante. A mulher chamou atenção de duas amigas ali perto, que imediatamente aprovaram e chamaram a administração. Os encarregados perceberam que aquela seria uma excelente chance de chamar atenção.
— Imaginem como será magnífico? Já posso ouvir as manchetes! “Contest de Snowpoint arrecada fundos para crianças necessitadas!” Ohh, seremos aclamados por toda a mídia! Você é brilhante, meu jovem! Brilhante! — disse um dos administradores da competição.
Mais uma vez Lukas mostrava-se ambicioso com seus ideais nobres sobre direitos sociais. A última vez que fizera isso fora em Pastoria, e ele teve de lidar com uma breve discussão com um dos juízes que quase terminou sendo despedido do cargo. Por sorte, desta vez parecia que os encarregados pelas apresentações em Snowpoint eram menos restritos. O senhor esticou a mão para aceitar aquela proposta e imediatamente iniciar os preparos.
— Você têm uma mente fabulosa, meu jovem. Todos falarão de você, e seu nome estará nas alturas! Meus parabéns, continue assim, pensando no bem de todos.
Assim que Lukas deixou o salão a jovem Dan pareceu extremamente entusiasmada. Ela mal acreditava que tivera a chance de visitar um lugar que tanto sonhara ver, e agora, tudo parecia muito mais mágico do que realmente era.
— Eba, eu entrei no lugar, eu conheci como era lá dentro! — comemorava ela.
— Sim, sim. E muito em breve vocês também terão muito dinheiro para terem mais almoços, roupas, e um lugar melhor para morar! Sei que tudo isso irá ajudá-la a nunca mais passar vontade.
— Você é o melhor, tio! Obrigada! Obrigada! Eu não estou acreditando, vai ser muito legal, muito legal! Quando vou poder ver a apresentação? Posso chamar todos os meus amigos?
Lukas pareceu um pouco inquieto com a pergunta.
— Bem, você pode vir aqui de noite, se quiser... Mas os guardas não a deixarão entrar se você estiver com um monte de gente, ou se eu não estiver junto...
— Mas você vai estar comigo o tempo todo, não vai?
Lukas coçou a cabeça um pouco sem graça.
— Não sei, eu preciso me apresentar lá na frente, né? Se eu não me apresentar não tem como o público me ver, e assim o evento não daria certo.
— Ahh, tudo bem, então... Mesmo assim, obrigada por me mostrar o lugar.
Dan foi em direção do jovem, agradecendo-lhe com um suave beijo no rosto. Lukas retribuiu com um aceno sorridente, vendo que a garotinha agora desaparecia nos montes de neve com suas perninhas parecendo dois palitos enfiados em um bolo branco. Lukas levou suas mãos para trás, soltando um suspiro de gratificação. Ao virar-se, percebeu que uma figura desconhecida o observava, sentada sobre um banco de madeira na praça.
— Qual a essência das competições para você?

Lukas virou-se ao reparar que um moço bem agasalhado com roupas de frio parecia ter ouvido toda a conversa. Suas vestes eram todas verdes, o que o deixava com uma expressão natural e tão próxima de bela. Seus olhos eram claros, e ele transmitia a clara feição de um jovem rico e bem cotado na sociedade. O moreno olhou para os lados um pouco confuso, pedindo para que ele repetisse a pergunta.
— Perdão? O senhor está falando comigo?
— Sim, eu perguntei qual a essência de uma competição para você. Não pergunto isso com um intuito de maldade ou soberania, quero apenas uma resposta sincera. Sabe, sou um renomado coordenador em minha região, e vejo que você também vem fazendo fama por aqui. Diga-me, qual a importância disso tudo para você?
Lukas pareceu pensativo.
— Creio que seja mostrar para o mundo como as coisas são belas. E também ajudar quem precisa. É, acho que ajudar quem precisa é o principal.
— Então você ajudará essas crianças hoje, e amanhã largará a mão. Será que no fundo você também não faz isso só para chamar a atenção da mídia? — acrescentou aquele rapaz de olhos claros.
— Não, de maneira alguma! Ao menos, sei que estou fazendo a minha parte. Estes ideais vêm me acompanhando há muito tempo, e eu faço o possível para ajudar as pessoas. Não tenho o intuito de fama ou dinheiro. Eu só... Eu só...
O rapaz de verde parou, levantando-se do banco.
— Por que a dúvida? A fama te atrai?
Lukas demonstrou claramente uma feição confusa com aquela questão, e o rapaz voltou a acrescentar:
— Os humanos são ruins, meu jovem. Mas ainda assim acredito na bondade.
Lukas parou para ouvir aquilo atentamente, e o rapaz continuou:
— Sabe, meus amigos sempre me chamavam de fotossintético. Eu era tratado como uma planta em minha região, os juízes só me conheciam por esse apelido: White Blossom, o florescer branco. Eu era muito famoso entre os Coordenadores, muito mesmo.
— Então no fim você também procurava apenas chamar atenção, certo? — respondeu Lukas, achando que agora encurralara o questionador, mas o homem virou-se e acenou de maneira negativa.
— Um dos motivos para me tratar como planta é porque acho os humanos ruins, mas ainda assim sei que devo praticar o bem e ajudá-los. Afinal, é o que uma planta faz. Mesmo que muitas vezes elas não sejam recompensadas por salvarem a humanidade, o que seria deles se tudo que é verde desaparecesse e os deixasse na mão? — explicou o rapaz de maneira eficiente. — Então volto a perguntar... Qual a essência das competições para você? Ajudar o próximo é um ato divino e notório, mas ainda há aqueles que o fazem para chamar atenção. Jamais se perca nesse brilho falso, e lembre-se... Para mudar o mundo, devemos começar mudando a nós mesmos.
O rapaz fez um aceno antes de despedir-se, retirando uma tulipa branca de dentro de seu sobretudo e entregando-o nas mãos de Lukas. O jovem observou a flor atentamente, que mesmo no frio infinito da região, ela continuava tão bela e cativante. Lukas virou-se ao perceber que ele já se distanciava, mas a questão não desapareceu de sua mente: Qual era essência das competições para ele?


Lukas preparou-se a tarde toda para sua apresentação ao anoitecer. Luke e Dawn o acompanharam em seus treinos, e toda vez que eles passavam próximo ao salão dos Contests era possível ver que investiam como nunca na divulgação. Eram anúncios para todos os lados, cartazes, panfletos, banners, e os visitantes vibravam. E o público adorava a ideia, e achavam ela tão bela, notória e solidária... Era por isso que todos adoravam competições, elas sempre pensavam no próximo.
Será que eles realmente só fazem isso para chamar atenção? — perguntava-se Lukas logo sendo interrompido por um toque de seu irmão.
— Ei, concentração, concentração. Você não vai querer fazer feio na frente de tanta gente, não é? Vai me dizer que a vergonha voltou?
— Não é vergonha, são só... pensamentos.
— E devo dizer que pensamentos e reflexões são muito mais perigosos vindos de você — acrescentou Dawn. — O que está deixando-o incomodado?
— Fui eu quem sugeriu essa apresentação que irá arrecadar fundos para as crianças, mas as pessoas.... Bem, parece que elas só pensam na imagem que irão construir. Elas não arrecadam com o intuito de ajudar, e sim, de melhorar sua imagem perante o público.
Luke pareceu pensativo, olhando para um dos cartazes que lhe fora entregue.
— Uma coisa você pode ter certeza cara, vai lotar. Eu sempre gosto das suas ideias mirabolantes, mas dessa vez parece que faltou alguma coisa. Parece que essa apresentação vai ser feita para... Para chamar atenção mesmo. É como se a fama fosse seu foco dessa vez.
Aquilo fez com que Lukas mergulhasse ainda mais em seus pensamentos. Faltava apenas trinta minutos para que sua apresentação começasse, e ele subitamente saiu correndo para longe dali.
— Aonde você vai com tanta pressa, cara? — indagou seu irmão.
— Eu preciso chamar alguém para assistir essa apresentação! Prometo que volto dentro do horário limite.
Luke e Dawn tiveram vontade de segui-lo, mas Lukas tinha pressa, e acompanhá-lo resultaria em um atraso ainda maior. Os dois foram até seus assentos, e viram que aos poucos um público muito refinado chegava. Haviam muitos espectadores da classe mais alta, estrangeiros, lordes e duquesas, e todos estavam extremamente comovidos ao saber que seu dinheiro seria convertido para entidades que necessitavam.
Dawn olhava para seu relógio impacientemente, torcendo para que Lukas apressasse sua busca. O jovem nunca fora de atrasar-se em apresentações, e a pontualidade era um de seus marcos. Agora, faltavam apenas cinco minutos, e praticamente todos os lugares estavam lotados, aquele seria um recorde para uma apresentação padrão fora do auge da temporada.
Subitamente, Lukas passou por um dos portões de entrada do salão. Todos os juízes voltaram-se para trás, assim como curiosos e visitantes. Ele estava sozinho, suas roupas nem tanto arrumadas como de costume, e uma gota de suor mostrava que ele estivera ocupado resolvendo algo. O garoto desculpou-se pelo atraso, e foi aplaudido pela imprensa.
— Com vocês, o idealizador deste evento! Lukas Wallers!!
Puderam-se ouvir muitos aplausos, e Lukas entrou calmamente, por algum motivo olhando para a esquerda há todos os instantes. Os quatro coordenadores se apresentavam enquanto os juízes tomavam frente no partido, e Lukas continuava de olho no canto esquerdo da plateia. Seu irmão notou que algo o deixara apreensivo daquela maneira.
— Quem ele está procurando? — perguntou Luke.
— Não sei, um amigo, de repente? — sugeriu Dawn.
Os dois continuaram prestando atenção no evento, até que puderam ver uma criança passar em sua frente e sentar-se nos poucos bancos vagos. Ela estava mal vestida, e seu cabelo parecia não ser lavado há algumas semanas. Logo outra criança surgiu, com uma aparência muito semelhante. E outra, e outra, e outra. Diversas crianças surgiam, muitas delas sem muito poder aquisitivo, mas era notável que estavam encantadas com tudo aquilo.
Ainda era possível ouvir alguns murmúrios na plateia:
— Quem deixou essa gente pobre entrar?
Mas os juízes não podiam dar atenção àquilo, e apenas continuavam a apresentar o evento. Lukas foi o quarto a apresentar-se, e deu o máximo de si em cada uma das categorias.
Lyndis apresentou uma dança incrível, e Eva simplesmente brilhou na categoria de moda em sua inauguração. Para a apresentação final, o jovem escolheu Watt, Akebia e Milena. Sua equipe principal combinou golpes com faíscas elétricas, uma cortina de pétalas brancas e uma cachoeira d’água que convertia-se em uma fonte que nunca secava. No centro de todos os golpes surgiu a ilusão de uma linda mulher de cabelos róseos, que transformava-se na figura lendária de Palkia, a guardiã do espaço.
As faíscas que brilhavam transformavam-se em estrelas, a água convertia-se em uma poeira cósmica e cada pétala rosa era um pequeno planeta naquela visão do universo. Todo o cenário parecia ter sido transformado em uma galáxia perdida, e o próprio Lukas surpreendeu-se com o resultado de sua apresentação.
Paula — sussurrou ele. — Você não consegue aparecer sem deixar tudo com um brilho autêntico seu, não é?


A ilusão desapareceu, assim como a mulher de cabelos róseos. Os três Pokémons do jovem continuaram no palco, e foram aplaudidos de pé pelos juízes e por toda a plateia. Nota máxima! A apresentação fora fenomenal, e a repercussão de tudo não poderia ser melhor.
— Senhoras e senhores, temos um vencedor! Com uma apresentação autêntica e surreal, é Lukas Wallers quem fez a plateia vibrar com mais uma de suas esplêndidas e criativas invenções!
As crianças que estavam logo atrás começaram a levantar-se e aplaudir, fazendo os juízes olharem para trás e somente então notarem a presença de tantos jovens tão pouco favorecidos, de vestes sujas, cabelos emaranhados e sorrisos amarelados. Por um breve instante um silêncio pairou pelo salão, mas as crianças não se calaram, nunca tinham visto algo tão bem belo e surpreendente.
— Como ele fez aquilo? Como ele fez aquilo? — elas repetiam, na mesma velocidade que era possível ouvir: — Quem deixou eles entrarem? Quem deixou eles entrarem?
Lukas retirou a boina em sua cabeça, ajeitando o paletó e caminhando em direção de um dos organizadores que pareciam completamente sem reação naquele instante. O jovem olhou para os arredores, e aproveitando a ocasião que teria para discursar, resolveu desabafar de vez:
— Antes de mais nada, fui eu quem convidou todas essas crianças para o evento. Fui eu que corri atrás de cada uma delas, e inclusive, agradeço a jovem Dan pelo privilégio de comparecer à minha apresentação.
A garotinha encolheu-se em canto de maneira tímida, sendo cutucada pelos irmãos que riam sem parar. Lukas tomou fôlego antes de falar novamente.
— Nessa tarde conheci um rapaz que me fez a seguinte pergunta: Qual a essência dos Contests para você? Eu julguei que eu tivesse a resposta, mas a cada minuto que passava eu percebia que não tinha. Será que esse evento foi realizado para arrecadarmos uma melhor imagem de apresentações? Será que estamos aqui com o intuito de realmente ajudar essas crianças, ou apenas pensar que “fazemos nossa parte” dando dinheiro a elas?
O jovem ajeitou os fios do microfone antes de continuar:
— Não é apenas o dinheiro que as fará felizes. Creio que agora eu tenha uma resposta para a pergunta que aquele moço me fez. O sentido é fazer as pessoas sorrirem. Fazer as pessoas darem um passo para o futuro. Por isso digo que nosso intuito aqui não é adquirir fama, reconhecimento, ou simplesmente conseguir a próxima fita para participar do Grande Festival. Não há dinheiro nesse mundo que compense o carinho de uma criança que toca em seu ombro e lhe fala: Eu quero ser como você quando crescerEssa é a essência das competições. Ser um coordenador é manter-se fiel àquilo que você é, nos apresentamos não para mudarmos o mundo, mas para aprendermos a ser pessoas melhores, cada um de nós.
Toda a multidão permaneceu em silêncio, e por um instante apenas um rapaz levantou-se nos fundos da plateia. Era o mesmo moço que fizera a pergunta para Lukas no início da tarde, era o mesmo moço que agora carregava uma flor branca em seu agasalho esverdeado e aplaudia de pé a resposta que recebera. Agora parecia que Lukas havia captado a essência de uma competição.
Não demorou para que todos os outros também aplaudissem, e logo o auditório inteiro estava de pé para parabenizar o incrível evento. Ao término da apresentação os fundos não foram apenas convertidos para ajudar aquelas crianças. A prefeitura de Snowpoint responsabilizou-se por tomar conta daquelas criança, sendo que os próprios moradores da cidade agora trabalhavam numa possível melhora para que aqueles jovens nunca mais passassem fome ou necessidade.
Era um outro lado do espelho que as pessoas não queriam ver. Era o outro lado da janela que elas preferiam ignorar para não ver o mundo como ele realmente era.
Lukas foi recebido com um abraço caloroso de seu irmão, e Dawn teimava em afirmar que seus concursos melhoravam cada vez mais. Os olhos de Lukas brilharam ao ver Paula sentada em um dos bancos, aguardando o retorno do garoto e vestida de maneira tão bela com roupas e vestes de frio de uma maneira estilosa que só ela sabia fazer.
— A repercussão das apresentações são muito maiores do que imaginei. Este foi um dos espetáculos mais lindos que já presenciei — disse Paula com um sorriso singelo, agachando para cumprimentar o jovem.
— Puxa, mas você deu um toque especial só seu com aquela ilusão de toda a galáxia, foi incrível. — emendou o coordenador.
— ...Não estou falando da apresentação, e sim, da essência que você quis transmitir. A lição que toda Sinnoh pode aprender com essa mensagem. Aí está um dos motivos que me fazem acreditar mais e mais em você.
Lukas abraçou a moça e agradeceu por todo o apoio que ela dera, não escondendo a felicidade extrema em saber que pessoas que tanto adorava prestigiaram um momento tão importante para ele.
O público logo começou a se dispersar e Lukas foi até seu camarim para trocar-se. Ao abrir o armário onde deixara sua bolsa notou que uma pequena cartinha estava apoiada sobre uma mesinha de entrada. Parecia ser uma carta de um fã, e ao abri-la o garoto sentiu o doce aroma de flores e citronela do envelope.
Na carta, a mensagem era simples e definitiva.

Fazer as pessoas sorrirem. Fazê-las darem um passo para o futuro.
Apesar de todas as coisas terríveis à nossa volta, no fim continuo acreditando na bondade. Acredito que somos mais parecidos do que imaginei, não?
White Blossom, cultive um mundo melhor.”





 

{ 21 comments... read them below or Comment }

  1. Dear God! Tá, voltamos às sextas normais com capítulos fodásticos (adoro esse adjetivo! kkk) e lindos e perfeitos e fodas! kkk! Hoje, se posso dizer, não me deixou nada a desejar.Perfeito como sempre, Lukas-kun (muito tempo que esse apelido não aparece... Where are you, Vivi? kkk) mostrou as duas faces da moeda. Gostei, de verdade. Esse menino tem meu apoio e minha admiração.
    Falando de assuntos sérios, sabe o que seria muito legal e batatal? (kkk). A Dan aparecer novamente. Só imagina ela aparecendo no Grande Festival! E seria um momento um tanto quanto fofo ela chegar no Lukas e falar que virou coordenadora e que o admira, "querendo ser igual ele quando crescer".
    E esse White Blossom? É da época de contests Melyssinha Armageddon ou participa atualmente? Ou seria ele um sujeito ainda mais importante? Doido pra ver ele mais. Tenho a leve suspeita que ele terá sua Biografia na página dos Personagens Secundários... Who knows? kkk!
    Vou me ir agora. Tô tentando diminuir nas palavras! kkk! Mas esse contest, juntamente com o outro, nos dá o que pensar. As diferenças e tudo. Gosto muito dos seus contest, senhor Canas. Ainda mais do jeito que eles vão.
    Agora nos resta esperar por semana que vem. Eita semana grande! kkkk!
    Falei demais, as always.
    Adios,
    Moacyr

    ReplyDelete
  2. Oeeeee! Canas, eu esperava uma grande batalha de contest estilo VivianxMarley. Mas acho q nem precisou, a mensagem ja valeu por si própria. E assim vemos o quando somos as vezes hipócritas e preferimos fingir não ver o que esta ao nosso redor. Espero que o mundo melhore, e com isto nós mesmo, mas antes de querer que o mundo mude, temos que mudar a nós mesmo. Obrigada pela lição Canas-kun. Ah, e essa mensagem me lembrou de um livro que a amiga de um amigo meu indicou a ele, e ele me indicou: O Futura da Humanidade. Trata de quase o mesmo princípio, não é um livro feliz, é mais uma passagem para nos ensinar a essência da vida. Quando tiver tempo e se quiser, eu recomendo não só a vc Canas, mas a todos os leitores daqui para lerem, será de um grande crescimento pessoal.
    Agora, focando no ep. Quem é esse White Blossom, tenho q comentar que fiquei muito em dúvida sobre quem ou o q ele é. Ele se diz famoso entre os coordenadores, o que meio q elimina meus pensamentos dele ser um pokémon lendário, tipo o Shaymin, sério, um pokémon planta, muito especial, com a essencia da vida em suas palavras, cheio de flores, só pode ser o shaymin. Mas ai ele falou q era de outra região, ai eu pensei, ele pode estar falando do universo dos lendários ou então de outro continente, e que outra figura majestosa não representaria tão bem isso quanto o pequeno Celebi??? ele disse que ERA muito famoso, e celebi pode viajar no tempo e tal, além de ser totalmente verde, ao contrário do shaymin. Ah, vai saber, talvez eu esteja só delirando, mas uma coisa eu tenho certeza u.u: ai tem coisa viu!? Se a Paula pode assumir a forma humana, acho q outros lendários tbm neh kkkkkkkkk (le eu viajando na maionese de novo)
    Bem Canas, acho q é só isso que eu queria falar mesmo, (e ah, estou reunindo umas ideias de support, me aguarde) sayonara pessoal, e guardem para sempre as sábias palavras de Canas: "Fazer as pessoas sorrirem. Fazê-las darem um passo para o futuro."

    ReplyDelete
  3. Canas, como não se encantar por mais um belo capítulo seu? Estou cada vez mais achando que é só ler seus capítulos que me sinto em paz, principalmente este.

    No começo recordei alguns filmes que via com crianças vendo pela janela as pessoas degustarem os seus pedidos enquanto ela só tentava imaginar o gosto daquela comida. Quando Lukas pediu para chama-la e ficou a observando e trocando dialogo com ela só imaginei o Lukas sendo pai.
    Uma realidade bem triste neste capítulo realmente o torna um dos melhores. Simplesmente amei a atitude de Lukas, isso não acontece todo dia e quando acontece tem que faze-los especiais como acho que ele fez. White Blossom... No começo tive uma pequena vontade de esmura-lo estragando o doce momento de Lukas e sua caridade. Mas depois isso passou e uma normal pergunta fez tanta coisa.

    Imagino todas aquelas crianças entrando trazendo perguntas para os nobres. Que só foi respondida, com uma bela resposta, depois de mais uma apresentação memorável.
    Parabéns pelo capítulo Canas, você fez meus olhos encherem-se de lagrimas por uma capítulo tocável. Até breve.

    ReplyDelete
  4. Esplêndido!

    Rapaz, e você diz que não sabe escrever Contests. Mas é incrível o jeito como você consegue fazê-los à sua maneira, e mesmo assim sem perder a qualidade. Sério, Contests continuam magníficos. E a cada mensagem que o Lukas passa para os espectadores, podemos ver o despertar de um novo ponto de vista para pessoas que antes eram cegas por seus próprios bens materiais. Não precisamos ver apresentação nenhuma para imaginarmos o quanto essas apresentações devem ter sido fabulosas. Era só acompanhar a visão que as crianças tinham sobre o espetáculo.

    Você disse na semana passada que ia fazer uma homenagem ao Jean. Pois bem, eu juro que quando li a palavra "fotossintético" eu comecei a rir. Rir muito! Poderemos ver esse rapaz misterioso em ação algum dia? Talvez no Grande Festival? Sabe como é, ele parece ser muito bom.

    Ah, a Paula... Ela sempre dá um jeito de roubar a cena. E desta vez até ajudou o Lukas a vencer a competição! Imagina ela na equipe do Luke! Não ia nem sobrar poeira da Liga! UHAHAUHUAH Sério, essa madame me cativa!

    Canas, mais uma vez o capítulo está ótimo. Eu sei que sempre digo isso, mas o que eu posso fazer se você não dá brecha? Nos vemos por aí!

    ReplyDelete
  5. "Nyan, os capítulos geralmente só são postados a noite, então vou rever a biografia do pessoal, que eu adoro ler... NOKURONOSEKAICHICHURUMINOKEZATARAKA, CANAS-KUN-SENPAI-SAMA POSTOU O NOVO CAPÍTULO? YAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAYY!"

    M-Mano que capítulo mais... Lindo! E depois que ouvi "Sugar Rush", só imagino os personagens na versão chibi, o que deixou tudo mais lindo ainda :_)

    Adorei essa menininha, eu quero ver a foto dela ainda... E o boyzinho sábio me lembrou o Tio Marshall, não sei porque... White Blossom. Tomara que seja mulher, hein? Pô, só tô pegando frases pra colocar no meu discursinho final!

    O lugar que eu imaginei para Lukas se apresentar era assim: Aberto, com o céu cheio de estrelas, paredes e colunas de mármore, as crianças apoiadas em divisórias de ferro... O PÚBLICO BERRANDO FEITO LOUCO, FAÍSCAS BRILHANDO FEITO ESTRELAS BRILHANTES... *_*

    Malz ae, me animei... Mas tava É-P-I-C-O, e do jeito que eu mais gosto: Uma descrição rápida e simples, mas muito f... Fera. Esse é um de meus favoritos a partir de agora, e gosto mais do Lukas do que NUNCA!

    SAYONARA!

    ReplyDelete
  6. Diga ae, pessoal! Poxa, e que grande surpresa para mim nesta sexta feira santa. Eu acho engraçado porque antes de postar todos os capítulos fico na incerteza da reação de vocês, sabe? É como um teste para mim, enquanto vocês ficam na ansiedade do episódio ser postado, eu fico nessa ansiedade de saber se ele, de fato, será bem recebido. Tenho medo de todos os Contests que eu faço, sei lá, talvez seja um receio de que eu fale algo que não deveria... Mas veja só, adoro essa mente aberta de todos vocês que conseguem compreender a mensagem que estou a transmitir, e por isso os leitores daqui são tão especiais! :3

    Eu quis deixar um clima bem misterioso à respeito do White Blossom, e na realidade espero que continue assim. Olha só as ideias que vocês deram, um lendário Shaymin, coordenadores poderosíssimos do passado, até o nossopróprio companheiro Jean entrou na história! kkkk Vocês têm ideias fabulosas, e sempre me divirto com isso. A verdade é que o White Blossom é uma representação de tudo isso, sim, uma homenagem ao Jean, e também um potencial coordenador, um mero pensamento, uma lição de vida... Quero que ele seja o que vocês desejarem, mas que acima de tudo essa única frase no final fique marcada no coração de quem compreendeu essa mensagem: Cultive um Mundo Melhor.

    Agradeço todos vocês por essas palavras tão belas, que me divertem e me fazem sorrir. Sabe, no fundo ainda acredito que tenho um lado de coordenador em mim, um lado que se importa com as pessoas, com o fato de fazê-las sorrir e que ainda assim continua acreditando na bondade. Ainda teremos muito mais dessas apresentações, capítulos reveladores e histórias emocionantes, quero guardar personagens tão singelos como a Dan ou o White Blossom, e quando o tempo passar lembraremos de todas essas lições... Muito obrigado pelos comentários pessoal, um grande abraço!

    PS: E vocês me deixaram de bom humor, vou postar o novo template hoje kkkkkkkkkk See ya!

    ReplyDelete
  7. Yo, Canas, um comentário rápido, porque era para eu estar fazendo trabalho da escola, foi um ótimo capítulo, a mensagem que você quer transmitir, é muito bonita, o lado do espelho que não queremos ver, o lado que mostra a pobreza, a injustiça, a fome, a avareza humana.
    Ás veses até mesmo nós, inconscientemente fechamos nossos olhos para tudo isso, e quando ajudamos alguém, logo deixamos pra lá, voltamos a ignorar, exatamente como as pessoas que foram para a apresentação, mesmo sabendo que era para ajudar as pessoas carentes, se repugnaram quando essas mesmas pessoas apareceram para assistir; esse é o tipo de pessoa que eu mais odeio, a pessoas que vivem apenas de aparência, mas, falamos nisso depois pq minha mãe viu q eu num tô fazendo o trabalho... sayonara
    De: Firewall

    ReplyDelete
  8. Lindo ;,)

    Achei perfeito a maneira como você... como você... ah, foi tudo perfeito, lindo, maravilhoso.

    Lembrei do Jeam (nossa, jura? será pq?)

    Até a próxima! (que comentario se logica!)

    ReplyDelete
  9. incrivel!lindo, nao so por causa do contest mais pela mensagem que foi passada,espero que o lukas não mude do jeito que ele esta ja ta bom,falando da garotinha e do jeito de pensar que os contest assim como coisas na vida real são feitas para a classe mais alta ,não é justo,ainda mais pelo fato de todos somos humanos ,ricos, pobres, saudaveis, doentes, todos somos humanos ate onde conheçemos e todos teremos o mesmo fim não se deve esquecer disso mais as pessoas esquecem ,mais enfim capitulo incrivel e lindo.

    e ate mais canas!

    ReplyDelete
  10. Diga ae, galera. Fico feliz que todos sintam que Sinnoh é um lugar onde podemos contar com a compreensão das pessoas. Muitas vezes as palavras são nossa maneira individual de mudar o mundo, é por meio delas que vamos disseminando uma semente, uma simples ideia que mais tarde poderá fazer toda a diferença.

    Por sorte aqui sempre teremos o Lukas, que compartilha pensamentos assim com todos que desejam compreendê-los. O mais engraçado é que neste capítulo tive a mesma sensação que tive de volta ao Capítulo 39, quando o Lukas apresentou-se em público com aquele teatro, abordando esse tema em Pastoria. E antes mesmo, em Veilstone, no Capítulo 32 quando ele se deparou com a gangue do Royce que desejava participar de Contests, mas nunca tiveram a chance. É, companheiros... Acho que todos esse acontecimentos serviram para tornar o Lukas um personagem mais forte, não como coordenador, mas como pessoa. E todos nós tivemos a oportunidade de crescer junto destes ideais.

    Agradeço todos vocês pelas palavras honestas e pelos elogios, nos vemos na próxima! "Cultivar um mundo melhor"

    ReplyDelete
  11. Primeiro coment >< O que tenho para falar sobre essa fic perfeita?? Eu nunca me diverto lendo faz um bom tempo, amo ler as aventuras de Sinnoh antes de dormir é ótimo, tentei ver outras fics da Aliança mas, considero a sua a mais completa e melhor (nada contra os outros) Espero que vc continue fazendo estorias tão boas assim, e que quando acabe esse jornada que venha muitas outras. Abraço! :D

    ReplyDelete
  12. Olá, companheiro! Sempre é muito bom para mim encontrar novos leitores por essas bandas, o engraçado é que nós nunca sabemos quando eles podem chegar e há quanto tempo já estão lendo a história, eles simplesmente aparecem, e essa notícia tão gratificante sempre me pega de surpresa. Obrigado pelos elogios, admito que também tenho um horário que gosto de ler fanfictions, não imaginei que alguém a lesse para dormir... São como aquelas histórias que os pais leem livros para os filhos antes de ir para a cama. Cara, isso é muito épico kkkkk Espero que um dia alguém ainda pegue um velho livro da cabeceiro, intitulado "Aventuras em Sinnoh" e começará lendo, Capítulo 1: Entrelinhas de Uma Jornada kkkkk De qualquer maneira, seja bem vindo companheiro, espero vê-lo nos comentários mais vezes! Até logo! :D

    ReplyDelete
  13. kkkkk Cara, foi tanto tempo assim? Eu tinha me ligado que o Lukas só participou de um Contest na saga Diamante, mas eu não tinha reparado que foi no capítulo trinta e pouco! kkkk Entendo seu lado, man, eu tenho dificuldades com batalhas, todos temos meio que uma "deficiência", aquela coisa que sempre que mais precisamos dela, acabamos empacando. Mas olha, você traz assuntos excelentes, você abriu portas para um tema muito importante: a desigualdade social. A mensagem chega novamente, e parece que a cada Contest que se passa você busca transmitir um sentimento. Essa é a sua forma de narrá-los, e eu gosto.

    No último comment eu não cheguei a mencionar isso, mas manolo, estamos em SNOWPOINT! Oloko, espero por isso há um bom tempo kkkkkkk Vamos lá, você está no meu santuário de Sinnoh, agora posso opinar tudo por lembrar de cada arvorezinha dessa cidade kkkkkkk Eu uso ela pra rachar os ovos, fico zanzando com aquela musiquinha estilo natalina *-* Brincadeira, cara, você está transmitindo uma sensação muito interessante. Aquela sensação de praia na rota antes de Pastoria, de cidade grande em Hearthome, entre outras, e agora aquelas cidades bonitas nevadas, onde vemos as personagens tomando um chocolate quente e curtindo a paisagem. Aí sim! kkkkk

    Foi muito bonita a mensagem, man. Os Contests realmente passam essa ideia de "riquisse", algo que você já citou,e agora ressaltou. O Lukas tem o perfil de alguém que quer mudar o mundo, e mudar assim. Já pensou ele revolucionando tudo? E também veio-me a ideia do Jean quando lia e via o White Blossom. Assim como o Shadow, eu também abri um sorriso ao ver o 'fotossintético'. Foi o momento perfeito para citá-lo, você captou a mesma essência de quando conversamos com ele kkkkk Foi uma brecha muito maneira para inseri-lo, e a mensagem sobre a humanidade X plantas foi compartilhada com sucesso. O capítulo ficou muito show, man, vamos ver o que mais você tem guardado para Snowpoint (:

    ReplyDelete
  14. Diga ae, Haos! Snowpoint é sua, vou ter que caprichar para fazer desta uma estadia incrível. Pode não ser a melhor de todas, mas garanto que será a mais bela. Todos os capítulos tarrão gêneros diferentes em um mesclado bem atrativo e diferenciado, quando deixarmos a neve para trás ficarão muitas saudades desse clima tão manso. É um dos que mais adoro trabalhar, neve e chuva. Então, vamos aproveitar enquanto podemos! kk

    Fico feliz que você também tenha aprovado os Contests, acho engraçado porque a ideia deles sempre surgem de última hora. Não é nada que eu planejo por meses e meses, quando chega na hora de se apresentar eu simplesmente lembro de alguma história que ouvi ou vivenciei, e daí vem todos esses assuntos interessantes a se trabalhar com desigualdade social. Um sentimento diferente a cada apresentação, sim... Como será que fui capaz de guardar tantos dessa maneira?

    Rapaz, e por que é tão esquisito ver os personagens assim crescidos? Você comentou no capítulo passado que há alguns episódios atrás o Luke ainda estava espionando garotas no banheiro. É incrível como nesse tempo ele volta tão maduro. Não se trata de diferente, é meio que o jeito que ele sempre foi. No fundo ainda vive o garoto divertido e brincalhão, por isso me pergunto se também há resquícios de um jovem louco... A jogada da Saga Platina às vezes se revela como um mistério até mesmo para mim, e eu gosto de incluir ideias bizarras sempre que elas surgem. Quero mais romance, batalhas no nível do Arco dos Clones, vilões dignos de derrubar o Fire Tales... Ainda há muita coisa pela frente, mas essa ansiedade por algo novo sempre me motiva! Valeu pelo comentário parceiro, até a próxima! :D

    ReplyDelete
  15. By : Cokett.

    Canas,Canas ... Não sei porque, mas todos os capitulos que você faz tem um toque especial, é como a Paula disse, um toque so seu que é de emocionar . Continue assim, sou seu fã .

    ReplyDelete
  16. Olá, companheiro! Muito obrigado pelo elogio, devo admitir que sempre trato meus capítulos com o máximo de cuidado. Na época da Saga Pérola eu gostava de divertir os leitores, com a Diamante eu quis surpreendê-los, e por fim, na Saga Platina quero que eles levem algo para a vida. Essa sempre foi a minha marca, não curto capítulos que são feitos só para manter o ritmo da história, estou sempre tentando buscar uma lição que poderá ser levada em diante. Varia de pessoa para pessoa saber identificar isso, fico muito feliz em saber que você considera isso tudo tão especial. Um grande abraço, espero vê-lo mais vezes por aqui!

    ReplyDelete
  17. Depois de um tempão sem Contests, quando tu volta com as competições surpreende, eim Canas?

    O começo do capítulo me fez ficar com o coração apertado. O "outro lado do espelho" precisa ser melhor cuidado, literalmente! E se tem uma coisa que está me surpreendendo muito: o crescimento do Lukas. Ele era antes aquele garoto cheio de timidez, que não conseguia se quer falar em público sem se envergonhar. E agora ele está ensinando para o povo do continente a ajudar as pessoas. Está de parabéns com essas lições, cara.

    A apresentação ficou incrível! Mesmo que tu não leve tanto jeito (que nem você mesmo diz) ainda é de se admirar! Cada momento, cada descrição... Tudo incrível! Sinto que o Lukas vai conseguir muitos aliados em suas causas daqui para frente, mas também muitos "inimigos". É, o Lukas veio para mudar para sempre o mundo dos contests! Ficam aqui só elogios manolo.

    Sayo \õ/

    ReplyDelete
  18. Bem.... Sem mais meus coments ginormes, apesar de amá-los, eles tomam muito do meu tempo, e to tentando fazer leitura dinâmica -q Vamos ver se assim consigo me atualizar o/
    Enfim
    Aimds, já disse que amo o Lukas? *w* Moleque mais fofo amor adorável nhá <3 <3 Imaginei que ele fosse ajudar a garotinha, mas não pensar em algo tão grandioso tão rápido ><
    Btw, White Blossom, sou tua fã. Ele disse tudo o que eu penso, caramba! (eu só sou um tantinho mais desacreditada -q)
    Ain, cara. O que eu posso dizer sobre o discurso do Lukas? (e ainda por cima depois da apresentação divosa dele, né (btw, a Paula poderia ser considerada cheat? -qq)) Eu chorei demais aqui enquanto lia, eu me identifiquei demais com o que ele falou. De certo modo, ser coordenador e ser escritor não são profissões tão diferentes, né? Fazer as pessoas sorrirem. Fazê-las dar um passo para o futuro. É um belo objetivo que pretendo cumprir.
    E que bom que as pessoas entenderam o recado e arregaçaram as mangas!
    Abraços da Tsuki ^^/

    ReplyDelete
  19. "U" isso foi perfeito, o Lukas é o melhor coordenador do mundo <33 also melhor personagem, os caps cm Contests dele são os meus preferidos, ele faz tudo pelo bem dos outros, e acredito que são essas atitudes que tornam o mundo melhor <3

    Obg pelo capitulo <3

    ReplyDelete
  20. Ah, e ler o cap ouvindo a soundtrack de Snowpoint foi mt bom <3 (extendida, que por acaso deu o tempo certinho ^u^)

    ReplyDelete
  21. Relembrar esses capítulos me trouxe uma nostalgia tão boa <3 Sempre amei capítulos com neve, tudo bem que de uma temporada para a outra eu dei um pulo imenso até Snowpoint, mas eu não poderia deixar de aproveitar um pouquinho dessa belíssima cidade kkkk Luke e Dawn, melhor casal! Eu até me surpreendi com a ousadia deles, não lembrava que estava escrevendo esse tipo de coisa, não kkkk E engraçado, eu sempre comentei com os leitores que Contests não eram meu forte, mas todos sempre me elogiaram. Acho que é porque meu foco principal era passar um ideal, e não apenas um showzinho de Pokémon. Todos temos algo a aprender, não? :) Muito obrigado pelos comentários cara, é sempre prazer receber leitores na boa e velha Sinnoh!

    ReplyDelete

- Copyright © 2011-2017 Aventuras em Sinnoh - Escrito por Canas Ominous (Nícolas) - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -