Posted by : CanasOminous Jan 24, 2014

Quando os Sonhos se Realizam


Eleito pelos leitores a Melhor Batalha do Torneio de Guildas
no The Omascar da Saga Platina!

Há tempos não sentia tamanha tranquilidade. Luke continuava sentado em sua poltrona dentro de seu próprio camarote na Liga, e esperava ali ficar, como o rei do mundo. Vinha sendo tratado com carinho pelas garotas e com respeito pelos mais velhos, recebia todas as carícias e cortesias dos visitantes, vinham trazer-lhe refrigerante decorado com guarda-chuvinhas e faziam massagem em seus pés. Era como se estivesse no paraíso.
Quando fechava os olhos, ainda podia ouvir todos gritando: Luke! Luke! Luke! Este era o seu nome, simplesmente imbatível por ter chegado ali, o homem mais poderoso da terra, e nada poderia fazê-lo mudar de ideia.
 Ei, irmão, está preparado para a batalha de hoje à noite?
Luke abriu os olhos arregalados quando ouviu aquelas palavras. Ergueu a poltrona e olhou para o lado onde estava Lukas, com o sorriso singelo no rosto e trazendo uma mochila no outro braço.
 Batalha? — Luke repetiu.
 Sim, sim. Você não esqueceu que ainda tem as finais da Liga Pokémon, certo? Ou pensou que era só me derrotar que já teria vitória? — o moreno deu uma risada calorosa. — Vamos lá, falta muito pouco. As finais acontecem amanhã.
Luke continuou sentado, e por um instante todos seus pensamentos de concretização desapareceram.
 Cara, eu tinha esquecido... Cheguei às finais agora — murmurou, um pouco constrangido. — Eu já estava me sentindo o campeão, — ele esticou os braços para trás da cabeça e voltou a deitar-se na poltrona — e para ser bem sincero, não acho que nenhum outro treinador apresentará um desafio mais difícil do que o seu.
 Ah, mas o seu adversário é um velho conhecido seu.
Luke começou a contar nos dedos, vendo se tinha esquecido alguém.
 O pai entrou na Liga?
 Lógico que não! É o Stanley, esqueceu? O seu primeiro rival, seu melhor amigo dos tempos de colégio. Depois vocês brigaram, se acertaram, e nem sei mais como estão agora. Vocês se viram semana passada antes de nossa luta, como pôde esquecê-lo?
Luke cerrou os olhos e ficou encarando o vazio.
 Stanley... Stanley... Sinto que já ouvi esse nome em algum lugar...
— Puxa, que consideração por seu melhor amigo.
Fez-se o silêncio antes que Luke acenasse a mão com uma risada.
— Tô zoando, pivete. O Stan! Hah, hah... Cara, não acredito que ele também chegou nas finais. Quem diria, o meu amigão das antigas derrubou alguns dos maiores treinadores dessa temporada, saiu do mundo das sombras e chegou até o pódio junto comigo.
 Luke, é melhor você não julgá-lo... Lembre-se, o Stanley ainda é o seu primeiro rival de toda a história! Desde os tempos do colégio vocês disputavam para ver quem era o melhor. E eu nunca os vi batalhar desde que saímos em jornada.
 Mano, o Stan não está no nível de me vencer. Simples assim.
— Luke...
— Ele pode ser bom, tem os segredos dele e aquele Torterra fodão que eu queria para mim, mas ele não poderia ganhar. Então, tecnicamente, já podemos comemorar minha vitória como vencedor da Liga Pokémon deste ano, né?! Hah, hah, hah... Essa vai ser mais fácil do que tirar doce de criança!
Luke levantou-se, caminhando de um lado para o outro de maneira irriquieta. Lukas suspirou, torcendo para que seu irmão não continuasse com o ego inflado até o momento da batalha, ou poderia sofrer as consequência. Porém, Lukas percebeu algo diferente no olhar do irmão, e concluiu que no fundo ele não estava confiante como queria parecer.
 Você está preocupado.
 O que disse? — indagou Luke.
 Você está nervoso — Lukas aproximou-se do irmão, segurando sua mão e vendo que ela tremia. — Está eufórico, andando de um lado para o outro. Você conhecia os demais treinadores que vencemos até agora. Lúcio, Riley, Volkner, eu... Mas o Stan? Ao mesmo tempo que vocês se conhecem, sinto que não sabem nada um do outro. Mesmo com tanto tempo de amizade.
Luke voltou a encará-lo, dando uma risadinha descontraída, enfiando as mãos no bolso e caminhando por seu camarote.
— Você me pegou. Okay. Estou apavorado.
Lukas deu uma risada, e seu irmão continuou:
 Isto é verdade, não lutei contra o Stan até agora desde que me tornei um treinador oficial. Ele é o meu primeiro rival, e talvez o mais importante de todos. O Stan é imprevisível, sempre foi. Quando eu briguei com ele, esperei que o cara fosse ter raiva de mim e planejar algo para me derrubar, mas ele voltou e pediu desculpas. Apesar de sermos amigos há tanto tempo, sinto agora que ele guarda mais mistérios do que eu esperava.
Lukas deu alguns tapinhas nas costas do amigo, trouxe a boina púrpura e colocou-a na cabeça de Luke.
 Fica tranquilo, irmão. Siga em frente e dê o seu melhor.
Luke respirou fundo.
— Só imagino que o Stanley também vá seguir o mesmo ideal...

• • •

A noite estava bela e estrelada. Luke continuava imóvel e pouco a vontade em sua posição como finalista. Embora seu lado megalomaníaco de tanto tempo atrás quisesse cantar vitória antes da hora, ele jamais deixaria se levar por aquelas impressões e relaxar quando devia erguer-se e bolar sua última estratégia para guiar seus exércitos. Quando olhava ao redor, achava que a platéia estava mais vazia do que o esperado, é como se ninguém nem soubesse da existência daquela batalha ou ao menos não tivessem o interesse de ir vê-la, mas poderia ser sua impressão.
Quando Luke e Lukas se enfrentaram, pessoas tiveram de ficar em pé para verem o espetáculo. Aquela sim seria uma batalha digna das finais! Mas quando olhava para o outro lado e via um rapaz loiro de cabelo engomado e olhar perdido, sentia ao mesmo tempo que já era o vencedor e que não poderia esperar por nada previsível naquela disputa.
Até mesmo a voz dos locutores estava um pouco apagada, mas Stanley não se importava. Para ele, só o fato de ter chegado até aquele ponto era motivo de vitória.
 Senhoras e senhores, conferimos hoje as finais da Liga Pokémon deste ano, com o favorito Luke Wallers no canto azul e Stanley Tycoon no vermelho. Ambos são filhos de lendas, sendo um deles ex-campeão de nossa região e outro um dos mais experientes treinadores da Batalha da Fronteira.
Luke Wallers encarou Stanley do outro lado de mãos no bolso.
 Cara, eu juro que não esperava por isso. Você, me enfrentando nas finais. Quem diria...
 Qual é, Lucky. É o mínimo que eu poderia fazer. Nós nunca batalhamos de verdade, correto? — Stanley respondeu com um sorriso simpático.
 Bom, tivemos algumas briguinhas de infância, coisa de criança. Acho que lutar pra valer, com regras e usando tudo que temos a oferecer, esta vai ser a primeira vez. É raro deparar-se com dois rivais que não saem por aí se enfrentando a cada segundo que se encontram!
 Eu sei quando posso lutar e ganhar uma batalha, Lucky — respondeu Stanley. — Hoje quero pedir apenas para que cumpra algo que prometeu para mim outro dia... Mostre o que é presenciar uma batalha de verdade.
Luke sacou a Dusk Ball de seu bolso e deu um sorriso de canto.
 Pode deixar que esta será inesquecível! — disse Luke, fazendo uma pausa. — Mas, quando é que eu prometi isso para você mesmo?
 Imaginei que não fosse se lembrar — comentou Stanley com uma risada. — Torça para que a sorte esteja do seu lado, Sortudo, porque dessa vez o Wyrm vai mostrar que é mais real do que nossa realidade.
Luke arregalou os olhos e não acreditou no que ouvira.
Quando lutou contra Volkner o jovem recorreu à ajuda de um hacker na internet para invadir os sistemas do líder e ganhar acesso ao seu ginásio. Já passara muito tempo desde o ocorrido, e nem ele teria se lembrado daquele pequeno detalhe, mas, agora, olhando para Stanley em sua frente, nunca poderia ter imaginado que...
 VOCÊ É O WYRM?!! — Luke gritou, fazendo quase a Liga inteira ouvir. — Porra cara, seu desgraçado!! Tu é um hacker profissional, tu me detonou em uma batalha tosca na net, me fez ficar com o maior medo de dar uma zica no meu note e apagar tudo, e no fim das contas, VOCÊ era aquele cara?
 Shhhhhh!! Fique quieto, Sortudo! Nós vamos aparecer na televisão, se isso cai na mídia vou demorar anos até construir uma nova identidade! — respondeu Stanley tentando abafar o caso, mas já era tarde. Luke estava surpreso demais para admitir.
 Não acreditooooo, você manja tudo da internet, cara! Você, o cara mais normal e insignificante da realidade, se escondia por trás de uma identidade fantástica e dominava todas as redes sociais e fóruns que eu visitava! Fala sério, como fui tão lerdo e não pude perceber? Foi você quem começou com esse apelido de me chamar de Lucky! F-Fui enganado toda a minha vida...
 Desculpa, Lucky... Na internet era o único lugar que eu poderia chegar ao mesmo nível que você, e quando eu te derrotei, senti que eu poderia ter uma chance de tentar o mesmo aqui fora. Nem eu imaginava que chegaria ao nível das finais da Liga, mas veja onde estamos! Você também me ajudou muito chegar até aqui, então, devo tudo isso à você.
Luke continuava ajoelhado no chão.
 Não me diga que a ♫Fullmoon♫ era a Dawn também, né? A internet é um lugar horrível, me sinto enganado a cada segundo...
 Não, não. Eu já vi uma foto da Fullmoon, e vai por mim, você teria se apaixonado pela moça, parece uma bonequinha de porcelana. Viu só? A internet não é um lugar tão ruim — Stanley deu uma risada, contente por finalmente ter revelado aquele segredo. — Tudo bem que você devia pensar que eu era um nerd gordo cheio de espinhas que manja tudo de computação, mas se enganou. Sou apenas um rapaz ordinário, um tanto quanto curioso e que está sempre buscando pela chave que abrirá portas para um mundo melhor.
Luke coçou a cabeça na tentativa de ver se toda aquela conversa seria absorvida.
 Cara, a batalha está aí, e os juízes estão nos apressando. Na moral, Stan, ou Wyrm, fico feliz que você seja o meu último adversário.
 O último rival — respondeu Stanley. — Vamos ver ser você é forte o bastante para enfrentar a internet.

Pokémon P.O.V. (Point of View)

Stanley não era um treinador temido, mas era imprevisível. Luke continuava tenso do outro lado, sabia que até o último Pokémon não poderia desconfiar do que seu velho rival teria algumas cartas na manga, e seus companheiros da Fire Tales viram o suficiente das últimas lutas para saberem que ele representava uma força a ser reconhecida. Aerus e Watt conheciam a Red Fortress há muito tempo, eles eram aliados e tinham uma parceria antiga na região. O dragão era um amigo próximo de Drinian, o Torterra, e até mesmo Primia estava presente para dar todo o suporte aos companheiros.
A Scizor caminhou em direção de Aerus de cabeça erguida, mas seus olhos claramente demonstravam inquietação e tristeza.
 Não há nada pior do que ver vocês dois lutando. É por isso que odeio batalhas, um dos lados sempre tem que sair perdendo... — disse Primia.
 Mas as apresentações e Contests também não são assim? — indagou Aerus.
 De maneira alguma! Nas apresentações, você sai com o peito erguido porque sabe que deu o seu melhor, tendo vencido ou sido derrotado. Só o fato de estar ali já torna alguém um vencedor, derrotando a vergonha, a timidez, a dúvida, e todos aqueles que disseram o contrário.
Aerus sorriu e colocou a mão no ombro da moça.
 Entenda, minha querida, que as batalhas são a mesma coisa. Em uma coisa você tem razão, Primia, todos nós já somos vencedores por termos chegado até aqui. Infelizmente apenas um de nós seremos consagrados como campeões, mas ao término desta luta, você verá como a honra de cada um nos fez lutar até nosso limite. 
Primia acenou com a cabeça. As duas equipes se encontraram. Drinian veio logo atrás para fazer o clássico cumprimento entre ambos os lados, o última da Liga. Aerus recuou ao ver que seu velho conhecido estava manco, pois apesar do que ouvira de General e os demais, precisava ver aquilo com os próprios olhos.
 Drinian perdera uma das pernas em uma explosão ocasionado por Rockets, e a cada dia aquilo fazia crescer um ódio mortal pela facção no coração do dragão. Nenhuma risada podia ser ouvida vindo da platéia que agora sabia bem qual era a reputação do grande Torterra.
Aerus cerrou os punhos e sentiu vontade de explodir tudo ao seu redor, sentia a dor pela qual Drinian passara, todos os desaforos daqueles que não acreditavam que um dia ele poderia ter chegado ali. Watt segurou em seu braço e acenou com a cabeça como se insinuasse: Mantenha a calma. Esta é uma batalha pela qual o próprio Drinian já passou diversas vezes, e cabe a ele continuar saindo vitorioso e de queixo erguido.
Primia foi dando apoio ao homem com um dos braços. O Torterra retirou o capacete e Aerus guardou os óculos escuros. Quando olhava para Drinian, sentia que enfrentaria um gigante, e já sabia que ele seria um dos adversários mais perigosos de sua vida. Aquelas sobrancelhas caídas, os olhos constantes e cheios de mistério... Era como se o guerreiro não se importasse com absolutamente nada que dissessem a seu respeito, estava ali para lutar e dar o seu melhor.
Aerus respirou fundo e olhou para o céu estrelado daquela noite.
 Lembro quando éramos duas crianças, um Gible arteiro e um Turtwig concentrado. Nunca pudemos terminar nossa primeira batalha, e até hoje me pergunto qual teria sido o resultado dela.
 Descobriremos hoje, Aerus — respondeu Drinian.
— Cara, sua perna está... péssima.
Drinian balançou a cabeça e devolveu um sorriso amistoso.
 Se vier dizer que vai pegar leve comigo por causa disso, eu quebro seus dentes.
 Tudo bem, nasce tudo de novo — respondeu Aerus com a mesma risada contagiante.
Assim que os dois lados foram voltando para sua área, Primia segurou num dos braços de Drinian e sussurrou bem baixinho:
 Por favor, não lute até ultrapassar seus limites. Vá até onde puder, você já é o meu campeão só por ter chegado até aqui. Não tem que provar mais nada para ninguém.
Drinian sentou-se num banco, e mesmo que a Scizor não pudesse participar da batalha por ser parte integrante de outra treinadora, ela ao menos fez questão de estar lá para prestar todo apoio.
Vivian devia estar em algum lugar da platéia, chorando de emoção e felicidade por ver seu amigo Stanley chegar tão perto de todos os seus sonhos. Aerus não poderia desonrar o nome de seu amigo e dizer que pegaria leve, estava disposto a partir com tudo que tinha para cima deles.
 General, você sempre é o melhor para comandar e iniciar nossas batalhas. Guie nossos companheiros, leve-nos para a vitória — ordenou Aerus.
— Trarei-a em meus ombros para a glória de tudo aquilo que buscamos, caro amigo.
A batalha havia começado.
O comandante dos exércitos da Fire Tales entrou no campo de batalha e enfrentou o leviatã da Red Fortress. O Gyarados era um gigante de braços fortes e uma espada de longo alcance. General conseguia segurar a lâmina com seus próprios braços, e ao encontrar a oportunidade seu soco ia de encontro com a armadura do inimigo destruindo tudo que encontrava.
O Dusknoir tocou no chão, e toda a arena pareceu inverter o seu fluxo. Com o Trick Room ele ganhava mais velocidade, foi capaz de queimar o inimigo com o Will-O-Wisp, e mesmo quando acertado, ele parecia ser imbatível.
— Você nunca morre? — indagou o Gyarador.
 Já morri o bastante — respondeu General golpeando-o na cara para fora da arena.
Drinian continuava encarando a luta de maneira séria. Sua expressão continuava imóvel, não demonstrava nervosismo ou descontrole.
 Como consegue? — indagava Aerus. — Como esse cara consegue permanecer tão tranquilo, mesmo chegando até aqui?
Aerus percebeu que era ele próprio quem começava a ficar ansioso. Suas mãos suavam, e cada batalha que passava não lhe dava a segurança de que tinha saído vitorioso. Não era como na vez que enfrentou o Conde e derrubou a Throne of Kings. Enquanto visse Drinian sentado em sua cadeirinha de madeira não teria certeza de nada, não enquanto não o derrotasse de igual para igual.
 — Wiki, vá lá e dê um de seus show.
A moça revelou um sorriso de canto e assumiu o campo de batalha para derrubar um Luxray rápido e astuto. A cada batalha que se passava, Aerus parecia participar enquanto trocava olhares com Drinian. Seus olhos não se desviavam dele nem por um instante.
 Aerus? — chamou Wiki tocando em seu ombro, de modo que o dragão recuasse como se tivesse levado um soco. — O que houve?
 E-Eu não sei... — respondeu Aerus. — Você já batalhou?
 Já ganhei, chefe — respondeu Wiki, um pouco confusa. — Pode mandar o próximo que estamos só começando.
Yoshiki foi selecionado para realizar um combate de espadas com um Staraptor que utilizava de seu próprio vento para cortar pilares e derrubar tijolos. O Toxicroak era muito ágil, atirava facas no ar que dificultavam o voo do companheiro e arquivou a vitória ao conseguir derrubá-lo do alto e colocar uma espada em sua garganta.
Aerus bateu palmas para seu amigo, e quando olhou para o outro lado, viu que os adversários da Red Fortress permaneciam tranquilos e calmos. Ajudavam os feridos, davam tapinhas nas costas dos derrotados e comemoravam o fato de todos darem de tudo para estarem ali.
Primia se preocupava com todos, enquanto Drinian permanecia com as mãos entrelaçadas e com os cotovelos apoiados sobre o joelho.
 Vamos lá, Aerus. Faça o seu próximo movimento — sussurrou o Torterra.
Aerus engoliu seco e ordenou que Chaud assumisse o campo de batalha.
O homem enfrentou outro guerreiro de armadura pesada, era um Bronzong que também mantinha-se na defensiva atrás de seu escudo de prata. O Bronzong tentava empurrar Chaud para fora da arena, mas com mãos de ferro o homem foi capaz de levantá-lo e revidar o golpe, derrubando-o para fora e garantindo a quarta vitória.
Chaud acenou com o polegar para Aerus. Desconfiado, Vista aproximou-se do dragão e comentou:
 Too easy, too easy. This is not good.
 Também está sentindo isso, Vista?
 Sinto isto daquele sujeito em especial — ele apontou para Drinian. — Sabe quando os sonhos e objetivos de uma pessoa falam mais alto do que seu próprio corpo pode aguentar? Tenho medo dessa gente. Daqueles que nunca se dão por vencidos.
 É difícil vencer alguém que nunca desiste... — comentou Aerus. — Faltam apenas dois Pokémons para a Red Fortress, e ainda temos todos os nossos companheiros do nosso lado. Quer entrar lá e terminar o serviço?
 It will be a pleasure.
Quando Vista entrou no campo de batalha, ele era como uma máquina de destruição. Seu adversário era um Magmortar que disparava magma e o cobriu de chamas com seus poderes de fogo, mas de dentro das sombras, Vista surgia como um espectro. Ele agarrou o pescoço do adversário e o afundou no chão com toda a força. O último componente da Red Fortress foi eliminado por nocaute. Aerus examinava tudo de braços cruzados.
 Incrível, será que essa batalha terá o mesmo final decisivo que a disputa entre a Fire Tales e a Throne of Kings? — gritou o Stunky, um dos locutores.
Drinian relaxou os braços e por fim levantou-se. Aerus imediatamente olhou para o homem que alongou uma das pernas, fez alguns ajustes na mecânica e começou a andar em direção do campo de batalha com passos lentos e pacientes. Primia chamou-o e disse algo que Aerus não conseguiu ouvir, mas conforme via aquele titã aproximar-se, sentiu um arrepio que há tempos não sentia.
Drinian parou de cima da arena, e todos o aplaudiram, pois agora sabiam seu devido valor; e se duvidassem, estavam prestes a descobrir,
 De inicial para inicial — comentou Vista ao lado de Aerus, retornando para seu assento. — Por mais que estes Pokémons não possuam nada de diferente de qualquer outro, só o fato dele ter sido o primeiro já o torna especial.
— É aquele que o treinador mais confia, que compartilhou mais tempo junto, que ganhou e perdeu, e estava ao seu lado em todos os momentos — respondeu Aerus, sabendo bem a importância que um Pokémon Inicial tem para seu treinador.
 Aerus — chamou General, colocando a mão em seu ombro. — Permita-me ir primeiro.
O Garchomp queria entrar naquela batalha mais do que ninguém, mas sabia que precisava confiar em General, pois o militar certamente tinha uma estratégia. Ele havia visto como Drinian lutava na semana passada, sabia o que fazer.
O Dusknoir entrou no campo de batalha e encarou o Torterra. O homem carregava consigo um machado de batalha quase do seu tamanho, com duas lâminas que brilhavam quando eram iluminadas pelo estágio. Quando andava, uma de suas pernas era praticamente arrastadas. Aquilo devia ter doído bastante, e General imaginou como sua vida teria sido se em suas tantas guerras tivesse terminado com cicatrizes incuráveis como seu adversário.
— Alguma vez já se machucou a ponto de esquecer uma ferida com o tempo, General? — indagou Drinian.
— Bem, para mim, o tempo certamente conta de maneira diferente — o militar respondeu com uma risada rasteira.
— Seu olho — disse Drinian. — Você é um guerreiro incrível, mesmo sem a visão do lado direito. Eu o admiro por isso, e devo dizer que quando pensei que minha situação era ruim, imaginei se a dos outros não era pior. Você me inspirou quando precisei.
— É muito bom ouvir isso — respondeu General. — E respondendo à sua pergunta, sim, algumas vezes tento esquecer os machucados. Mas, no fundo, ela sempre volta à tona para me atormentar, ardendo como brasas fervescentes, fincadas em uma parte de meu corpo.
— Ah, certamente, nem mesmo a eternidade pode nos fazer esquecer certas coisas... — comentou Drinian, pensando em sua própria perna. — E qual foi a sua maneira de lidar com isso?
— Ignore-a — assentiu General. — Um dia, isso se torna parte de você.
Ambos se cumprimentaram.
— Dizem que por trás de todo grande homem existe uma grande mulher — comentou Castelo Branco. — Como conheceu a senhorita Primia?
Drinian virou-se para trás e sorriu ao ver sua mulher preocupar-se tanto com ele, desejando toda a sorte do mundo com um simples olhar.
 Ela é uma mulher incrível. Cuidou de mim quando eu era garoto, e mesmo naquele tempo ela esperou, esperou e esperou. Apesar da grande diferença de nossa idade, espécie, gênio, tudo; sinto que só estou aqui hoje por ela.
O Torterra voltou a encarar seu oponente.
 Ela é quem me motivou a seguir em frente.
— Ah, então você encontrou a resposta mais rápido do que eu esperava — assentiu o fantasma com um sorriso. — Pois bem, acredito então que enfrentarei hoje um dos adversários mais poderosos deste torneio, pois estes laços de amor tornam a vida mais intensa.
— Sábio como sempre, General. Você me inspira.
Drinian começou golpeando o homem com seu machado pesado, mas desta vez o militar percebeu que teria de esquivar-se se não quisesse ser cortado ao meio.
General esticou uma das mãos e soprou um vento sinistro.
 Will-O-Wisp.
Drinian sentiu seus músculos arderem e sua armadura ficar mais pesada. Quando vacilou, General deu um salto e carregou um dos braços como um canhão.
 Fire Punch!
O guerreiro conseguiu defender-se, mas a cada golpe Primia gritava e desejava que aquela luta terminasse. Vários golpes se sucederam e Drinian parecia ficar na defensiva.
 Vamos lá, homem! Lute por aquela que ama! — gritou General.
O Torterra reuniu todas as forças que tinha e derrubou o fantasma no chão com um soco, colocando seu machado na ponta de seu pescoço. Quando um guerreiro era desarmado, ele automaticamente estava desqualificado. Aerus até mesmo levantou-se de sua cadeira ao ver que General havia sido derrubado.
Drinian estendeu-lhe a mão e sorriu:
 O senhor também tem alguém por quem lutar — disse Drinian. — É honrado e muito poderoso, ela deve sentir-se segura por saber que sempre terá alguém como você para protegê-la. Quando eu era pequeno, era a Primia que me protegia. Hoje eu espero fazer o mesmo por ela.
General fez um cumprimento e deixou a arena de batalha.
Chaud candidatou-se a participar da luta na sequência, e Drinian o enfrentou com a mesma determinação. Dessa vez o Torterra partiu para o ataque, golpeava o escudo de ferro do homem e o afastava cada vez mais. Chaud não sofria danos, mas também não conseguia golpear.
 Você é forte, como um colosso destruindo as muralhas de uma fortaleza... — disse o Bastiodon.
 Uma hora elas irão ceder — respondeu Drinian.
Chaud encontrou uma brecha para defender-se com seu escudo e ergueu-o direto no queixo de Drinian que só não desmaiou por sua proteção facial. O ferreiro o golpeava com seu escudo, e chegou até mesmo a derrubá-lo no chão.
Primia gritou:
 Drinian, pare!
 Ainda é cedo, — o homem respondeu, esquivando-se de mais uma investida — eu ainda não mostrei tudo que sou capaz.
Mantendo-se equilibrado em sua perna boa, com a outra perna manca Drinian a ergueu e disparou como um canhão contra Chaud que por pouco conseguiu defender-se do impacto.
 Wood Hammer.
Seu machado mergulhou contra o chão e diversas pedras foram lançadas para o alto, atacando o Bastiodon com o Stone Edge. Chaud defendeu-se o máximo que pôde da destruição causada pelas pedras que foram se amontoando ao seu redor. Drinian arfava de cansaço, mas manteve-se de pé.
 Sua defesa é incrível — admitiu o Torterra. — É impossível derrotá-lo.
 Agradecido — respondeu Chaud. — É uma pena que este torneio seja tão cheio de regras, porque, como pode ver, acabei cometendo um pequeno deslize.
Drinian surpreendeu-se ao ver que Chaud usara um de seus pés como apoio para fora da arena de modo que não viesse ao chão, e aquilo o eliminara do torneio. Primia comemorou, mas continuava tensa pelo estado de seu companheiro.
 N-Não é possível. Ele derrubou o General e o Chaud — sussurrou Wiki.
 Se o Mikau estivesse aqui, alguém ficaria louco para batalhar contra este sujeito. Alguém no nível dele — respondeu Vista.
 Chefe — continuou a moça. — Permissão para aniquilar?
 Concedida.
Wiki subiu e enfrentou Drinian com todos os seus poderes. Ela disparou esferas de fogo com o Hidden Power, e ele aguentou firme. Atacou com o Tri Attack, e ele defendeu-se sem recuar.
 Você não vai passar dessa, moço — respondeu Wiki. — Ice Beam!
Wiki apontou sua arma em direção do guerreiro e disparou um raio de gelo que subiu queimando a pele do homem que chegou a ajoelhar-se no chão e gritar de dor. Wiki temeu que tivesse ultrapassado os limites, mas Drinian fechou o punho e manteve-se firme.
 Ainda... Não é hora — disse para si mesmo.
Sua perna boa estava completamente congelada, e concentrando suas energias na mecânica ele conseguiu levantar-se, pegar o machado, e colocar-se em posição de combate. Algumas pessoas aplaudiram sua determinação.
Quando ele atacou, o primeiro golpe que acertou Wiki acabou por vir de maneira inesperada. A moça não conseguiu defender-se, o machado mergulhou em sua direção e quando abriu seus olhos sua arma estava partida ao meio no chão. Desarmada, era a terceira vitória para a Red Fortress, uma virada espetacular.
 I-Incrível — comentou Watt.
Ao término daquela luta, Drinian quase tombou no chão e a própria Wiki o ajudou a não cair. Primia estava para ignorar todas as regras e subir lá em cima correndo para ajudá-lo. Drinian já tinha ultrapassado seus limites, ele não podia continuar.
 Moço, moço! Você está bem? — indagou Wiki preocupada, que mesmo tendo sido derrotada, demonstrava compaixão.
Outros membros das guildas começaram a rodear a arena, e parecia que a luta seria interrompida. Drinian já estava indo além do que era capaz quando ergueu a voz e contestou:
— Ainda não.
 Ele está com dificuldade de respirar, tire fora esse capacete! — gritou Wiki.
Primia chamava por seu nome desesperada.
 Querido? Querido, você pode me ouvir?!
 O q-que estão fazendo? — indagou Drinian. — A luta ainda não terminou, eu ainda não enfrentei o Aerus...
 Campeão, a luta acabou. Você tem de parar! — respondeu o dragão.
A voz de Drinian começava a desaparecer de cansaço e exaustão. Wiki ajudou-o a sentar-se, e duas enfermeiras que já vinham com a maca percebiam que teriam de voltar e esperar mais um pouco.
 Não, não... — ele repetia.
Primia gritou com mais força.
 Olhe só para você, não pode ir além!! Por favor, meu querido, já é o suficiente! Você mostrou para todos o que é capaz!
Drinian ergueu o braço e segurou no rosto da mulher, tranquilizando-a com sua voz manda e sempre generosa.
 Eu estou aqui para lutar, prometa-me que você não vai tentar me impedir nem duvidar de mim. Prometa-me. — repetiu Drinian. — Não importa o que aconteça, deixe-me continuar lutando.
 Não, Drinian, por favor... — rogou Primia.
Aerus sabia o quanto a honra e a determinação eram importantes para guerreiros da Velha Geração. Ele pediu para que todos se afastassem e avisou as Chanseys da enfermagem de que estava tudo bem. Até mesmo Glory, da Pinck Anarchy, fora lá para cuidar do homem.
 Que pena, pensei que eu poderia ficar tomando conta de você — disse Glory com uma risada.
 Sai pra lá! Desse aqui nem eu deixo você chegar perto — falou Wiki. — Ele tem uma mulher maravilhosa ao lado dele. Uma mulher por quem eu viveria, e esperaria poder compartilhar toda uma vida junto.
Primia era forte, e não admitiu chorar. Era lastimável ver Drinian quase derrotado, sua perna mecânica estava falhando e sua armadura pesava mais do que o normal. Sua cabeça sangrava, o machado tornava-se lento, mas ele não havia desistido. Levantou-se com ajuda de seus companheiros, onde Aerus já o esperava do outro lado da arena como seu último desafio.
 Só mais uma luta, e sairemos juntos daqui. Eu vou cuidar de você — sussurrou Primia para o guerreiro.
Drinian acenou com a cabeça lentamente, quase fora de si. Aerus o aguardava do outro lado de queixo erguido e braços cruzados.
 Tenho que te contar uma coisa — falou o líder da Fire Tales. — Tu é manco.  Não me importo se você ficar bravo com isso não, mas tu é. E ainda por cima, derrubou três dos meus guerreiros mais poderosos. Carregou o peso da guilda nas suas costas, e continua de pé para me enfrentar. Drinian, eu bato palmas de pé para você.
 Obrigado — respondeu o homem, arfando de cansaço.
Aerus ativou suas lâminas.
 Pegue o seu machado.
E ele pegou.
— As pessoas irão lembrar-se desta última batalha, e cantarão a vitória daquele que não era ninguém, e saiu como um herói. Que derrotou todos os empecilhos da vida, que provou que nada era impossível, que realizou seus sonhos não por esperar que eles viessem até você, mas por correr atrás deles.
Drinian fechou os olhos e sorriu.
— Herói — ele falou com a voz inalterada. — Herói.
E partiu para a investida.
Com seus braços fortes, Drinian chegou a acertar uma machadada contra Aerus que o fez perder uma de suas lâminas com o impacto. O dragão desviou-se, acertando pequenos golpes conforme encontrava uma brecha nas defesas do inimigo.
Drinian golpeou-o com a perna mecânica, e Vista estava orgulhoso em ver como sua invenção fora bem utilizada depois de dados alguns conselhos. Aerus segurou a perna no ar e o empurrou para trás fazendo-o perder seu equilíbrio. Drinian caiu no chão com um baque surdo de metal, sua arma fincada no chão. Quando todos pensaram que ele estava por fim derrotado, levantou-se para mais um turno.
— Está ouvindo as palmas? — gritou Aerus. — Elas são para você.
Drinian percebeu que não aguentaria mais segurar seu machado, então partiu para o contato físico. Aerus guardou suas lâminas ocultas e fez o mesmo. Quando encarou Drinian, o guerreiro acertou Aerus com um soco tão forte que seu olho ficou inchado. O dragão não deixaria o golpe barato e fez o mesmo, devolvendo um gancho no queixo do adversário que viu estrelas.
Ambos lutaram como lutadores de verdade, cada qual guiado por seus sonhos que só eles enxergavam. Drinian acertou um soco no estômago de Aerus que o fez cuspir sangue, e na sequência, o dragão devolveu um direto na sua cara que o fez sentir o mundo virar.
Drinian caiu no chão. Tentou segurar seu machado, mas fraquejou. Reuniu as últimas forças e viu que um de seus braços já não respondiam e, mesmo assim, ergueu-o com apenas um.
O homem respirou fundo lembrando-se do dia em que Primia perguntou:
 Querido, qual é o seu maior sonho?
O pequeno Turtwig olhou para ela e sorriu.
 Os meus sonhos são os do meu treinador. Não me importo em querer ser lembrado ou ser o mais poderoso de todos. Tudo que eu faço é pelo Stan, sou o Pokémon Inicial dele. O último a ser escolhido, e o último a cair. Os meus sonhos são os dele.
Drinian respirou fundo e fechou os olhos.
 Eu tentei dar o meu melhor.
A mente de Drinian rodou e ele pôde ver tudo que passou, até que seu corpo foi lentamente caindo para trás. Aerus já estava diante dele, com os braços estendidos e prontos para segurá-lo. Com as lâminas ensanguentadas, o peito do homem tinha um corte de uma ponta a outra. Seu machado caído e não voltaria a ser manuseado.
Aerus tinha Drinian em seus braços, e todos o observavam em silêncio. Com todo cuidado possível ele deitou o corpo do guerreiro no chão, e por fim retornou para junto de seus amigos. Silêncio.
Primia levantou-se em direção de Drinian, mas tropeçou na tentativa em vão de alcançá-lo. Ela segurou-o em seus braços enquanto acariciava seus cabelos castanhos. O homem agora dormia como uma criança, exatamente como quando se conheceram e ele era apenas um Turtwig. Ninguém ousou dizer nada, e no fundo, parecia que todos estavam tomados pela mesma dúvida...
O que vem agora?
Aerus pegou Watt pela mão. Chamou todos os demais membros da Fire Tales, reuniu os da Red Fortress que batalharam ou que assistiram. Convidou até mesmo Pokémons que participaram das outras lutas como Fenrir, Tesla e Glory, e juntos, todos finalmente ergueram as mãos e aplaudiram a final da Liga Pokémon que havia sido encerrada ali.
 A Fire Tales é a campeã de Sinnoh!! — gritaram o Stunky e a Glameow que narravam a batalha. — Eles venceram o Torneio das Guildas!

E da mesma maneira que os Pokémons comemoravam, o público também aplaudia a vitória de Luke Wallers como mais novo vencedor da Liga.
A platéia estava lotada e eles nem tinham percebido, mais pessoas foram sendo atraídas pela batalha final entre dois filhos de famílias tão famosas, e Stanley surpreendeu-se ao ver que seu próprio pai estava ali para assistir. Palmer Tycoon, da Batalha da Fronteira.
Luke olhou ao redor em busca de Walter Wallers, mas ele não estava no camarote. O primeiro a chegar foi Lukas, seguido de Dawn, Cynthia e Paula. Volkner e Riley assistiam a luta ali perto e aplaudiam com o mesmo entusiasmo, e até mesmo Vivian viera para comemorar. Lúcio balançou a cabeça compreensivo em seu canto, mas não disse muito, e Clarisse mandou um beijo de longe para Luke antes de partir.
 Você venceu, você venceu! — gritava Lukas Wallers. — Você venceu a Liga Pokémon!
 Enfim, terminamos — respondeu Luke, já exausto depois de tudo que tinha passado.
 Meus parabéns, meu amigo. Os treinos certamente serviram — comentou Erick, chegando logo na sequência junto de Marshall, Glenn Combs, e até mesmo sua mãe, Melyssa. O tão aguardado ex-campeão viera logo atrás.
O velho Walter colocou a mão no ombro do filho e sorriu:
 Estou orgulhoso de você.
Esperara a vida toda para ouvir aquilo. Alguns filhos seguem sua vida simplesmente com o intuito de dar o seu melhor por si mesmos, e apesar de estar escondido atrás do ego e das vitórias que vivia cantando sobre suas próprias conquistas, era aquilo que Luke mais queria ouvir desde o começo. Seu pai, o homem que o inspirara, estava orgulhoso dele. Não havia palavras para descrever aquela sensação.
 Obrigado, pai. Mas não posso pensar que acabou, ainda temos o Grande Festival do Lukas, e já preciso me preparar para o dia em que desafiarei a Elite, e esse dia não está muito longe.
 O Ike estava aqui assistindo a luta até o final, mas foi embora. Disse que precisava conversar com os companheiros dele, creio que irão preparar-se para receber seu desafio, e é melhor realmente estarem preparados! — continuou Melyssa.
Walter abraçou seu filho e falou:
— Por hora, comemore como puder, e seja o campeão daquilo que você lutou para conseguir. 
Os aplausos se estenderiam por muito tempo, pois certa vez Luke ouvira que eles refletiam o nível do espetáculo que compunham, e aquele fora dos melhores.
Luke estendeu a mão para Stanley e sorriu.
 O que vai fazer agora, parceiro? — indagou o mais novo vencedor da Liga.
 Estou tranquilo agora, sem treinos, sem trabalhos, sem lições de casa e nem nada. Férias são uma maravilha, não? Pena que estamos no finalzinho — disse o loiro com uma risada. — E você? Qual é a primeira coisa que vai fazer agora que venceu? Vai postar no Facebook ou comentar no Twitter?
 Tô de boas de internet por enquanto, eu quero é sentar e... relaxar...
Seu velho amigo soltou uma longa risada.
— Vai parar depois de chegar no topo?
— Parar? Porra cara, estou nessa corrida há sei lá quanto tempo, não acha que eu mereço um tempinho de descanso antes do que está por vir?
— Não — disse Stanley.
— Qual é, tenha pena dessa pobre alma exausta!
— Descansar é para os fracos. Topa ir ver o Lukas e a Vivian competirem no Grande Festival?
Luke riu, coçando a cabeça. Sabia que não teria tempo para aproveitar suas férias, mas no fundo estava mesmo ansioso para continuar sua jornada e finalmente dar o primeiro passo para a estrada final que se estendia à sua frente.
 Só se for agora.

      

{ 6 comments... read them below or Comment }

  1. Aí sim! Eu digo a você que o Drinian é o truta mais fodástico que eu já vi na vida! Esse é o tipo de lutador que eu gosto de ver em ação. Aquele que apanha, apanha e apanha, mas levanta e dá o troco. Acho que ele só não ganhou porque não tinha como tirar esse título da Fire Tales. Porque eu vou te contar... Da última vez que eu vi alguém fazer o Aerus passar esse sufoco foi o Seth, lá na Iron Island ainda!

    Agora teremos o Grande Festival, que dessa vez não será adiado, e depois a Elite. OOOOH, a Elite vai ser das boas! O que você preparou pra ela será a marca de um fim digno para a Aventuras em Sinnoh. É isso aí. O seu bolo já está pronto. Você agora está na parte onde você vai ao mercado encontrar a cereja perfeita para colocar no topo dele. E agora estou com fome!

    Bem que depois você poderia fazer um especial pós-epílogo, contando as aventuras do Stanley na Batalha da Fronteira. Vamos lá, aqui em Sinnoh você teria só cinco desafios, em vez dos sete que eu vou ter que mandar lá em Hoenn! UHAUHAUHUAHUAHUAHUA E acho que depois de tudo o que aconteceu, o Stan também merece seu lugar ao sol. Ele foi o primeiro rival da sua fic, então pense bem no assunto.

    Agora é a vez de Lukas, Vivian, Marley... E eu acabei de me lembrar que a dona Paula também pode acabar fazendo algumas das suas aparições excêntricas. Hm... Isso vai dar o que falar!

    Meu caro amigo, mais uma grande meta concluída. Parabéns, pois este é o resultado de tudo aquilo que você vinha construindo desde o início. Agora que venha o Grande Festival e a Elite!

    ReplyDelete
  2. Diga ae, Shadow! Rapaz, eu não tinha chegado a considerar que a última vez que o Aerus ficou em uma situação dessas foi contra o Seth! Acho que no fim das contas consegui mostrar do que o Drinian era capaz. Só de pensar em como seria ver esse cara na equipe do Luke já seria uma loucura, não ia ter pra ninguém na Elite! Estarei fazendo os preparativos necessários para a festa, e não sei quanto tempo vou demorar até encontrar a cereja, mas sei bem como eu a quero kkkkkkk Não tenho nada preparado para a Elite ainda, admito. Não toquei no arquivo para começar a escrever, em compensação, tenho tudo anotado em tópicos. Frases, momentos, lances, personagens... Está tudo conforme os esquemas, então de fato só vou precisar sentar um dia e dar o meu melhor para os capítulos mais incríveis que eu poderia propôr. Vontade é o que não falta, só estou esperando a hora certa de começar a trabalhar nisso, porque sei que depois não vou parar até terminar.

    Cara, não me venha com ideias de uma possível Battle Frontier, já pensei nisso várias vezes, mas não tem jeito kk Poderíamos pensar em toda uma história por trás do Stanley e do Palmer, com algumas aparições especiais dos demais rostinhos do Aventuras em Sinnoh original, mas por um tempo vou querer ficar bem longe de aventuras Pokémon, rs. Estarei jogando todas as minhas cartadas finais agora, meus truques estão acabando, mas mesmo depois acho que terei algumas cartas na manga kk Infelizmente não levo tanto jeito com os velhos Contests, mas aprendi algumas coisinhas nesses últimos danos e sei que conseguirei fazer algo digno das finais. Vivian, Marley, Paula... Todo mundo terá o seu momento, isso você pode ter certeza.

    Valeu pela força, amigo. Continuarei dando o meu melhor, agora estamos mais perto do que nunca. God, ao mesmo tempo que serão os capítulos mais longos, sinto que isso passará voando como essa última temporada... Rapaz, estou sem palavras para descrever como me sinto kk A gente se fala parceiro, abração!

    ReplyDelete
  3. Aiai, depois de suas semanas fazendo reza, macumba, oferenda, oração e o diabo a quatro, deu sol aqui por tempo necessário para eu ver AeS. Deixe-me explicar, pois não pode comentar semana passada sobre a fodástica batalha do Drinian, mostrando a que veio. Mas a luta dessa semana com certeza foi uma das mais fodásticas, mostrando por que Torterras são uns de meia pokemon favoritos, estando no topo dá lista. O bicho simplesmente é foda. E vc, Nicolete, simplesmente retratou o Drinian de uma forma que eu ame ainda mais essa tartaruga/ fortaleza/ foda.
    Mas vamos deixar o blablabla de lado. Aproveitar o tempo ensolarado e concentrar rápido. Então, essa batalha com certeza foi fodástica! Aerus quase levou um couro bom. Se o bicho, depois de derrubar o Chaud, Wiki, General, ainda deu um trabalhão para o dragão lá, imagina se fosse no 1x1? O trem pregava ainda mais, com certeza. Ninguém brinca com Torterra não, povo!
    Mas agora quem virá o resto da Red Fortress e a White Fluff. Agora o trem com certeza vão pegar. Vivi e Marley contra Lukas, tirando o fato de que a Paula também deve de dar suas caras para lutar com as duas. Com certeza o Grande Festival será muito foda. E depois tem a Liga, que será destruidora.
    Mas vou- me ir agora. Mas vou já esperando por semana que vem.
    Adios,
    Moacyr

    PS: o stan é o Wyrm? WTF? Oh gosh. Quando falou o mundo veio abaixo. Isso foi um torque deixou tudo mais foda, canas. Kkk
    PPS: o SC do conde foi extremamente foda. Pior que o bicho ganhou até meu respeito.

    ReplyDelete
  4. Diga ae, Grande Moa! É meu caro, com esse calorzão louco fica difícil continuar no PC escrevendo, acho que vou dar uma volta por aí e descansar agora que terminei a Liga, nem se concentrar nos capítulos eu estou conseguindo kkkk Mas semana que vem eu já espero estar de volta com as finais do Grande Festival. Cara, eu estava muito ansioso para ouvir o que você tinha dizer do Drinian! Acho que desde a primeira vez que o Stanley apareceu com um Turtwig você já estava esperando algo grande dele, e eu posso ter demorado, mas no fim das contas deu pra mostrar como os Torterra são fodas. Foram os meus iniciais quando joguei Diamond pela primeira há tanto tempo atrás, admito que tenho um carinho muito especial por eles. Vamos deixar o 1x1 do Aerus contra o Drinian para um futuro distante, e nessa luta juro que não sei quem poderia ganhar.

    Olha que o Drinian é manco kkkkkk É uma brincadeira que o próprio Aerus fez do tipo: Cara, se você já derrubou 3 dos meus guerreiros mais fortes, imagina o que faria se tivesse as duas pernas inteiras. Eu usei a Saga Platina inteira para mostrar que os Fire Tales são fortes, mas que existem outros ainda mais poderosos. O Conde e a Glory até mesmo no fim de suas aparições mostraram que eram personagens maravilhosos e que mereciam mais atenção... Vai que de repente uso um pouco dos Supports ou cenas especiais para torná-los mais importantes, vontade é o que não falta. Acho que todos esses caras mereciam uma reunião no penúltimo episódio dos FT, o de número 39, o que acham da ideia? kk

    Pode deixar que farei o Grande Festival deixar todo mundo pensativo, é a única coisa que sei fazer com Contests kk Mas creio que essa será a minha última lição antes de meus caros leitores continuaram suas vidas neste vasto mundo... Ah, nem fale cara, é triste só de pensar! Fico muito feliz que tenha curtido o Drinian cara, e juro que se você não ficasse pegando no pé por tanto tempo eu teria feito a aparição dele passar batida. Mas olha só, no fim das contas o cara virou um dos mais fodões, e teve um final digno. Valeu ae, Grande Moa! Agora vamos aproveitar esse sol que tá difícil kk Abraços.

    ReplyDelete
  5. Cacetada, como é que eu falo sobre um cap desses?
    Bem, pelo começo. O Luke esquecendo que ainda tinha a final AEHAUEHAUEUEHAUEHUAHEUAHEUAE, bem típico dele xD (mas realmente aquela batalha contra o irmão teve gosto de final) E, de fato, o pior adversário é aquele que você não sabe o que esperar..... (hilário que esse desconhecido seja o rival mais antigo, né) E CARAMBA, COMASSIM O STAN É O WYRM?? Eu bem que imaginava que o hacker fosse aparecer, mas ser o Stan..... Uou o.õ
    Aí começa a batalha e: Vitória pra FT. Vitória pra FT. Vitória. Vitória. Vitória. ......... algo está muito errado nissae....... E então, entra o Drinian (btw, aquele diálogo dele com o General, ain <3 ) MANO, ELE DERROTOU DOIS DA FIRE TALES. NÃO SÓ DOIS, ESTAMOS FALANDO DO FUCKING GENERAL, CHEIO DE ESTRATÉGIA E EXPERIÊNCIA MILITAR, E DO FUCKING CHAUD, AQUELA MURALHA QUE É DIFÍCIL ATÉ DE FAZER ALGUM DANO. Poaar, Drinian. Tu é foda, cara, sinceramente. Já tinha meu respeito antes, mas agora.... Depois de te ver passar por duas batalhas tão intensas, e ainda resistir por causa de seus sonhos, os sonhos de seu treinador.... Mano, eu chorei aqui, numa boa. Tu pode não ter sido o vencedor, mas tenha certeza de que foi um grande campeão <3
    Agora, o Grande Festival \o/ Lukinhas, meu fofo, vai lá e arrasa <3

    ReplyDelete
  6. Cara, é meio engraçado. O Stanley é aquele cara que apareceu no Capítulo 6, o primeiro rival. Todos já começaram a imaginar como seria quando os dois se encontrassem na Liga, e se resolveriam suas desavenças sobre a Clarisse. E, com o tempo, começaram a surgir tantas personagens de personalidade forte que o Stanley foi aos poucos sendo deixado pra trás. A Elite nova, o Walter, o Lukas, o Lúcio, Riley, Volkner... Mas, afinal de contas, o Stanley continua sendo aquele cara. Você foi muito fiel ao deixá-lo como o último desafio da Liga. E man, é engraçado, antes de o P.O.V dos Pokémons começar, naqueles últimos diálogos dos treinadores, eu sempre imagino aquela musiquinha de batalha começando, igual nas cenas do jogo kkkkkkkk Coisa de louco.

    Outra grande sacada foi fazer o Stan ser o Wyrm! Acho que ninguém imaginava essa! Mas é verdade, os caras mais lendários da internet às vezes são pessoas que não se destacam tanto fora dela. Essa é a parte legal dela, você pode ser um Stanley na vida real, mas na internet, você pode ser um Wyrm! kkkkkkkkkkkkkk

    Como eu já disse, o Drinian é simplesmente FODA. Ele venceu metade da equipe dos Fire Tales, cara. Foi um capítulo incrível, não simplesmente pela luta, mas por se tratar de superação. De vencer seus limites, mesmo quando muita gente te coloca para baixo. Foi uma lição muito importante, digna de final de Liga.

    Porra cara, sei que temos a Elite, mas... Agora grande parte acabou! Finalmente vimos o Luke vencer os adversários dele, depois de mais de 90 capítulos. O Stanley, o Lúcio, o Riley, o Volkner, e até o Lukas. Você chegou muito longe, cara. Mas sei que isso é só uma preparação para o que está me aguardando: Capítulos cheios de emoção com desenhos by Nyx kkkkkkkk Parabéns pelo Torneio das Guildas, man, você trabalhou muito bem com tantas personagens.

    ReplyDelete

- Copyright © 2011-2017 Aventuras em Sinnoh - Escrito por Canas Ominous (Nícolas) - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -