Posted by : CanasOminous Apr 19, 2013

Um frio morno se tornava presente, o entardecer havia chegado e a temperatura diminuíra em Snowpoint, a cidade revelava-se muito mais turística e convidativa. Luke tinha a intenção de disputar por sua sétima insígnia naquele dia, mas o jovem seguia seus passos com tranquilidade e calma. A Liga Pokémon de meio do ano já havia sido cancelada, portanto, ele tinha longos meses para treinar e melhorar suas habilidades até que o momento crucial de sua aventura chegasse.
Luke e seus companheiros tomaram um rápido lanche na pousada local, e logo se prepararam para rumar até o ginásio de Candice, a líder especialista em gelo de Sinnoh. Estranhamente o dia corria com seu rumo natural, sem confusões ou imprevistos. As últimas semanas estavam sendo marcadas por aquela anormal calmaria, que de fato fazia os jovens sentirem falta das intensas batalhas nas quais sempre se metiam.
No fim das contas, o perigo sempre os motivava a continuar seguindo em frente.
— Quando será que as pessoas irão inventar um novo fim do mundo? — comentava Luke descontraído enquanto fazia seu caminho até o local indicado.
Dawn soltou uma leve risada.
— Bem, a humanidade sempre dá um jeito de inventar alguma coisa nova para nos assustar. Outro dia ouvi falar de um meteoro que passou aqui pertinho, imagina só o que aconteceria se ele tivesse acertado?
— Ouvi dizer que para nós não apresentava nenhum risco, mas astronomicamente foi perto até demais. Sempre é bom estar preparado — respondeu Lukas de maneira séria, que cada vez mais vinha se mostrando interessado naqueles assuntos.
Foi muito de repente que uma quarta integrante da companhia se fez presente diante de uma nuvem cósmica com brilhos perolados. Paula estava vestida de sua maneira casual, mas ainda assim, estilosa. Tinha um gorro francês, um cachecol e botas altas. Para um Pokémon Lendário, ela tinha muito senso de estilo. Era como se estivesse acompanhando Lukas em viagem até então sem ser notada.
— Bem, esse acidente do meteoro foi culpa de um amigo que por sinal vocês conhecem... Ou pelo menos citam o nome dele toda hora quando dizem algo relacionado a: “Oh, meu Arceus!” — dizia a moça fazendo uma careta que fez todos os outros rirem. — Como vocês devem imaginar, Pokémons Lendários também arranjam jeitos para se divertir, e eles adoram mexer em algumas peças no mundo de vocês. É divertido.
— Oh, sim, agora me sinto como um pequeno bichinho de estimação preso em uma caixa enquanto vocês nos observam! — brincou Dawn.
— Não é bem assim, é apenas para tornar a vida de vocês menos monótona. Mas é melhor não vacilarem com a gente, ou vocês podem ter o mesmo destino de seus amiguinhos fósseis — respondeu Paula com um sorriso sereno, como se aquilo não apresentasse nenhum perigo. — Enfim, algum de vocês têm interesse de saber precisamente quando será o fim do mundo, ou preferem ficar nessas hipóteses?
— Mano, manda sua namorada ser mais discreta com seus superpoderes. Bem que ela podia dar algumas boas notícias que não sejam a respeito de meteoritos ou dilúvios.
Paula apoiou um dos braços no ombro de Lukas, fazendo-o aproximar-se mais de si.
— Oh, sim, estou aprendendo a cozinhar algumas coisas com seu irmão, jovem Luke. Devo dizer que o cheiro e o sabor da comida de vocês é insuperável, eu trocaria uma de minhas estrelas por esses pequenos prazeres humanos! — sorria Paula de maneira angelical, segurando nos ombros de Lukas e trazendo-o para mais perto de si conforme o jovem corava de vergonha.
Caminhar lado a lado com uma figura tão poderosa todos os dias parecia ser um privilégio, tanto que Lukas havia amadurecido muito desde que começara a sair com a mulher de cabelos róseos. Paula sempre tinha muito a ensinar para os humanos.
Dawn podia não ter superpoderes, mas Luke se orgulhava da maneira tão singela e carinhosa de sua companheira. Certamente, os últimos meses haviam lhe mostrado que ele não deveria trocá-la por nada. 
— A Dawn é uma boa menina. Cuide dela.
— Qual é, Paula. Agora você lê pensamentos também? — resmungou Luke frustrado.
Lukas quase engasgou, o que fez com que a guardiã desse um sorriso mas não respondesse a questão em si. Lukas falou:
— Se você consegue ler pensamentos, quer dizer que aquele dia...
— Que dia? — perguntou Paula desconfiada. — Ah, está falando daquele dia em que você estava pensando em... besteirinhas?
Dawn se esforçava para segurar o riso enquanto Lukas ficava cada vez mais vermelho. De fato Paula raramente utilizava suas habilidades especiais, mas conhecia um ou outro truque interessante para mostrar.
— O que mais você faz de interessante, Paula? — agora Dawn parecia divertir-se com aquele assunto.
— Bem, posso prever o futuro, mas nem adianta perguntar o que acontecerá com vocês, porque ele sempre é incerto. Nosso destino está mudando a cada instante, então cabe a cada um escolher como vai traçá-lo. Se eu contasse, pode ser que tudo mude! — explicou Paula. — E também vai contra as normas de meu povo, eu sequer deveria estar mostrando esses poderes para vocês.
— Então a senhorita gosta de um pouco de perigo... — brincou Luke.
— Pois é, eu tenho esse imã magnético para atrair pessoas “diferentes”. — respondeu o irmão com uma risada.
— Filho, depois de uns trezentos mil anos você enjoa de algumas coisas, não acha? — respondeu a mulher com uma risada, levantando o indicador como se estivesse disposta a falar alguma coisa. — E por sinal, olhe só que divertido, vocês terão três surpresas hoje! Estejam no aguardo!
— Surpresas?
Assim que Luke proferiu a seguinte palavra, Paula desapareceu, e os jovens notaram que a caminhada já havia chegado ao fim. O ginásio de gelo estava logo em sua frente como um verdadeiro palácio dos tempos antigos. Era um ponto turístico e muito atrativo da cidade, pessoas iam para lá não apenas para batalhar, e sim, esquiar e divertir-se com aparelhos feitos inteiramente de gelo pela líder local.
Felizmente o sol não brilhava mais com tanta força, estando a uma baixa temperatura todos vestiam agasalho e poderiam divertir-se em tudo que o ginásio oferecia. Os jovens haviam sido privilegiados por ainda deparar-se com o auge da temporada de inverno em Snowpoint, mais algumas semanas e a primavera teria chegado. A pista de gelo ainda funcionava, Dawn segurou em um dos braços de Luke apontando para a entrada.
— Podemos ver como é lá dentro? Depois de sua batalha eu adoraria patinar!
— Depois? Por que não fazemos isso agora? — respondeu Luke, o que fez seus amigos se impressionarem. — Posso deixar essa batalha para depois, vamos nos divertir um pouco, não?
Assim que Luke deu um passo à frente, a porta central foi empurrada fazendo com que uma moça fosse acertada por acidente. A garota caiu para trás um pouco atordoada pelo susto, o que fez Luke ficar extremamente sem graça. Foi uma grande surpresa para todos.
— Caraca, desculpa aí moça, eu não tinha te visto!
— Acho que encontramos a primeira surpresa, não? — comentou Lukas.
— Qual é, sua amiga não tem nenhum poder de voltar no tempo?
— Esse é o poder do irmão dela... A Paula ainda foi boazinha em contar que algo estava para acontecer...
Luke agachou para ficar na altura da mulher que continuava sentada no chão, um pouco tonta pelo susto que levava. Era difícil Luke ficar sem graça na frente de garotas, mas sua gafe cometida o fazia lembrar seu próprio irmão quando ele era mais novo.
— Foi mal, moça, foi mal mesmo. Eu não te vi, eu devia ter batido na porta...
— Nem esquenta, eu também estava apressada... E na realidade, eu ainda estou!! Tenho algo muito importante a resolver, sempre tenho!!
— Ei, você não é Candice, a líder de ginásio da cidade?



Assim que a pergunta havia sido feita, Luke fixou o olhar nas tranças tão marcantes na figura da líder. Só podia ser ela, por outro lado, o que se diziam sobre uma moça enérgica e divertida parecia estar faltando. Candice aparentava preocupada, suas feições eram marcadas pelo cansaço e os cabelos bagunçados mostravam que há um tempo ela não conseguia dormir muito bem.
Candice levantou-se, ajeitou o blusão na cintura e preparou-se para correr para fora antes que Dawn a impedisse:
— Ei, mas você já está de saída?
— Desculpem-me, mas como eu havia dito tenho algo muito importante a resolver. Estou tendo alguns problemas frequentes no Snowpoint Temple, e ainda hoje receberei a visita de dois amigos para tratar de algumas coisas... Desculpem-me mesmo pelo inconveniente, vocês procuravam uma batalha pela insígnia?
Os dois olharam para Luke, que coçando a cabeça não pareceu ficar enfurecido pela pressa da líder. Ele apenas sorriu e falou:
— Eu queria sim, mas não tem problema. Depois acertamos as contas!
Candice sorriu de maneira dócil, acenando na sequência.
— Mandarei alguém para entrar em contato com vocês assim que possível. Obrigada pela compreensão! Estejam livres para visitar nossa pista de patinação e os outros atrativos, divirtam-se no Palácio de Gelo!
Candice saiu correndo, o que de certa forma chateou os jovens por saberem que eles nada podiam fazer para ajudá-la. Dawn impressionou-se com a calma de Luke, que há alguns meses atrás teria esperneado e brigado com qualquer um por não poder ter tido a chance de batalhar.
— Você cresceu, Luke... — disse Dawn com um sorriso. — Está maduro, mais homem.
— Não vai dizer que eu era uma mulherzinha antes, né? — respondeu ele, agarrando Dawn pela cintura para mais próximo de si.
— Você nunca perdeu esse ar divertido, não?
— Nós dois crescemos, Dawn. Mas há algumas coisas que sempre ficarão marcadas.

Se alguma criança já havia sonhado com um palácio de gelo como nos filmes infantis, era ali onde aquilo se tornava real. O ginásio de Candice era muito mais do que um centro de batalhas e competições, era um paraíso cordial de neve e monumentos antigos. As paredes eram esculpidas na montanha e até mesmo um escorregador de gelo podia ser visto para que as crianças se divertissem. Um Abomasnow ou Snover tomava conta de cada ambiente, mantendo o ritmo para que o gelo não derretesse ou que alguém se machucasse.
Luke segurou em um dos braços de Dawn e levou-a para a pista de patinação. Lukas ficou ali perto na bancada, onde podia ver algumas moças brincarem na neve dentro da própria construção como se voltassem a ser pequenas crianças que se divertiam com os amigos em uma viagem de formatura. Snowpoint era especial, aquele ambiente, toda a neve caindo e o gelo que brilhava parecia jamais ser capaz de derreter. 
Era um pequeno refúgio do mundo que transformava velhos em jovens, enaltecendo a ânsia por diversão. Ali não havia idade para os treinadores, era como se o próprio tempo tivesse sido congelado e parado por toda uma eternidade.
— Venha, Dawn. Vamos patinar!
— Mas eu não sei patinar, Luke — repreendeu ela.
— Eu também não, e é exatamente essa a graça!
Os dois alugaram os devidos equipamentos e foram para a pista. Luke mentira ao dizer que nunca havia patinado, lembrava-se que quando era criança seu pai o levara para Snowpoint, e o malandro sempre demonstrou aptidão ao esporte. Luke ia caminhando de costas enquanto Dawn tentava caminhar com os calçados especiais. Hora ou outra a moça rodopiava e quase ia ao chão, mas quando erguia seu olhar, sorria ao ter a certeza de que sempre haveria alguém para segurá-la.
Lukas sentou-se em uma banqueta de madeira enquanto observava seu irmão ao longe. O rapaz guardou sua mochila ali perto próximo aos pertences de outros treinadores, e surpreendeu-se ao notar que no meio deles havia um ovo Pokémon.
De repente, Paula surgiu ao seu lado.
— A essência da vida — afirmou a mulher.
— Já cuidei de muitos Pokémons filhotes, e hoje quando olho para todos eles crescidos sinto um sentimento de concretização. É como ver seu próprio filho crescer e seguir seus próprios passos.
— O que você acharia de cuidar de outro?
Lukas parou e olhou para Paula com uma expressão confusa. A mulher sorriu ao bagunçar os cabelos do jovem e mandar-lhe uma piscadela.
— Bem... Está na hora da segunda surpresa.
Paula desapareceu em um brilho suave, quando Lukas forçou sua visão pôde ver que um homem alto acabara de chegar. Logo ao seu lado, o sujeito o reconhecera de imediato. Chapéu largo, porte elegante, sempre acompanhado de vestes finas e palavras cordiais.


— Senhor Riley!
— Jovem Lukas — o homem assentiu num aceno, demonstrando um sorriso sereno. — Faz muito tempo que não nos vemos.
— Realmente, a última vez foi quando? Há três ou quatro meses? Ainda estávamos viajando pelas praias tropicais do Hotel Grand Lake!
— Certamente, e pelo que vejo invertemos as estações para um clima mais aproveitável. Que surpresa agradável encontrá-los aqui em Snowpoint, esta é simplesmente a minha cidade predileta.
Lukas acenou para seu irmão que ainda tentava convencer Dawn de largar o corrimão lateral. Dawn abriu um largo sorriso ao ver Riley, e por um momento foi como se ela aprendesse a patinar melhor do que qualquer outro. Ela e Luke correram para a saída onde o homem os recebeu de braços abertos como velhos amigos.
— Rapaz, o veterano voltou! — disse Luke animado.
— Riley, você está lindo, suas vestes são impressionantes! O senhor sempre é tão elegante...
— Obrigado, senhorita, creio que o frio faça essa mudança em nossa aparência, por isso eu o adoro tanto — respondeu o homem ao observar os jovens com um ar de satisfação. — Veja só como vocês cresceram em tão pouco tempo... Estou me sentindo mais velho do que nunca.
— E ainda assim, continuamos os mesmos aqui dentro — respondeu Luke com uma risada, apontando para seu coração.
Riley demostrou um sinal de surpresa. A última vez que vira Luke era quando o jovem estava à beira da loucura, cedendo ao poder e desejando acima de tudo derrubar qualquer um que ficasse em seu caminho. O que havia acontecido nos últimos meses que o transformara por completo? Ali, de pé em sua frente, não havia mais um garoto ambicioso e adoecido, e sim, um jovem saudável e feliz. Um treinador de verdade.
Os quatro aventureiros alojaram-se em uma mesa de madeira rústica dentro do ginásio. Lá dentro era como uma praça, banquetas, pinheiros, Pokémons perambulando e animando os visitantes. Era um parque dentro de um construção, e um dos motivos que Candice mais se orgulhava de ter se tornado uma líder de ginásio.
A conversa fluiu entre tantas novidades e coisas a se contar... Lukas apresentou Paula como sua nova acompanhante, fazendo com que o velho Riley se surpreendesse com toda aquela história de Pokémons Lendários e batalhas contra criminosos. Ele já fora um treinador como eles, e tantas aventuras traziam uma saudade terna do que ele já fora um dia.
— Aventurar-se pelo mundo... Acredito que todas as pessoas tenham que fazer isso ao menos uma vez. Mesmo que nem sempre isso seja possível, digo que há diversos meios de seguir com este plano.
— E o que seria? — perguntou Lukas.
Riley sorriu ao falar, cruzando as pernas e buscando algo em sua bolsa. Um livro que já estava marcado na metade
— As palavras, meu jovem Lukas. São elas que nos levam para qualquer lugar que quisermos e desejarmos.
Lukas sorriu ao ouvir aquela afirmação. Riley tinha o hábito da leitura desde jovem, e aquele era um dos motivos que o tornavam tão sábio. Logo, Lukas notou também o pequeno ovo Pokémon, e não pôde segurar-se em perguntar:
— Ele é seu?
— Sim, é um ovo de Riolu. Creio que ele esteja prestes a nascer — assentiu o veterano.
— Caramba, um Riolu! Isso é muito show, lembro daquele seu Lucario matador. Ainda estou na vontade de ter a chance de te enfrentar em uma batalha, hein — apontou Luke em um tom de brincadeira.
Riley riu, estendendo os braços enquanto observava o movimento das outras crianças no ginásio.
— Pois bem... Acho que estou meio enferrujado. Faz tempo que não batalho.
— Vamos lá cara, me ajude a treinar! É só até a Candice voltar, eu queria enfrentá-la em uma batalha, mas ela saiu. Você pode me ensinar umas técnicas bacanas, e tem mais, tu é um veterano da região! Cite as tantas coisas que posso aprender contigo!
— Você está diferente, jovem Luke — disse Riley de maneira singela. — Você se tornou... um treinador, novamente. Para falar a verdade, voltou a ser um. A ter o anseio de batalhar porque ama o que faz, de desafiar e ser desafiado, ganhar e perder. Creio que os últimos meses te ensinaram mais do que qualquer outro.
— Pode apostar que sim — respondeu. — Mas nem vem pensando que estou enfraquecido, tive muito tempo para melhorar muito desde nosso último encontro. Acho que dessa vez poderemos ter uma batalha justa em um nível semelhante.
— Então tenho uma boa notícia, meu jovem. Não vim aqui por acaso. Sou amigo da Candice, e ela pediu-me o favor de tomar conta de tudo até que ela voltasse, ou seja... Considere-se desafiando um líder de ginásio neste exato instante... E devo dizer que seu desafio foi aceito.
Dawn demonstrou uma feição estática enquanto Lukas sorria e apoiava seu irmão. Luke ficou meio surpreso com a notícia.
Todos eles desejavam ver o veterano batalhar seriamente com alguém, Riley vinha de uma temporada mais antiga, e certamente tinha muito a ensinar. Luke não recuou, ele havia bolado grandes estratégias para lutar contra Pokémons do tipo gelo utilizando seu Garchomp. Todas suas melhores ideias estavam sendo voltadas à luta contra os tipo gelo. E agora, o destino lhe pregara uma peça, seu desafiante utilizava Pokémons diversificados. E Riley era muito, muito mais experiente, suas estratégias e táticas não podiam ser previstas com antecedência.
— Beleza, vamos ver no que isso vai dar.

O ginásio era um campo de paz e tranquilidade para muitos. Há poucos meses Luke desejaria receber atenção, desejaria que todos prestigiassem mais uma de suas vitórias, porém, pela primeira vez ele sentia algo além de apenas vencer. A derrota contra seu pai destruíra seu ego, mas apesar de todas as controvérsias, Luke sentia-se mais poderoso agora. Aquela incerteza da vitória o motivava, os árduos treinos e caminhadas antes mesmo do sol raiar lhe davam o empurrão necessário provando que todo seu treinamento rendera um resultado. Era aquela a essência de um treinador, os treinamentos transformavam cada batalha em uma nova experiência.
— Importa-se de que realizemos essa batalha apenas entre nós? — sugeriu Riley.
— De maneira alguma, o que o mundo diria se soubesse que o velho Riley está enferrujado? — brincou Luke de maneira amigável.
— Olhe só, o danadinho está mais ousado do que nunca. Quero ver o quanto melhorou nesse tempo, afinal, de nada adianta o treinador crescer enquanto seus Pokémons continuam na mesma.
Os dois se dirigiram a uma pequena clareira entre as árvores, um local que se assemelhava mais a um centro de treino secreto do que um ginásio oficial. Era ali onde Candice meditava e treinava seus Pokémons, seu altar especial. Riley lembrava-se de quando ele desafiara a líder naquele mesmo ponto há tantos anos. Conhecia algumas manhas de seu uso, e no lugar de Lukas e Dawn podia ver seus velhos companheiros dos Stat Trainers: Marley, Buck, Mira, Cheryl, Volkner...
Ele ainda podia ouvir todos eles torcendo por sua vitória.
"Por que estamos fazendo essa batalha de forma secreta? Qual é a graça se ninguém assistir?" — perguntou Volkner, certa vez.
"Bem... Aqui estão as pessoas mais importantes para mim. Não preciso que o mundo inteiro saiba, pois vocês já são toda a minha motivação!"
Riley abriu os olhos ao lembrar-se da velha conversa com seus amigos. Tamanha nostalgia lhe trazia a sensação de conforto e concretização. Ele suspirou ao pensar: E no fim das contas, concretizamo-nos como os melhores de nossa geração. Está na hora de deixar o universo seguir adiante.
O veterano depositou o ovo de Riolu nos braços de Lukas enquanto ia para a arena oposta à de Luke. Dawn seria a juíza.
— Esta é apenas uma batalha amigável, ou tem alguma importância? — perguntou a moça.
— Todas as batalhas têm importância, senhorita Dawn — respondeu Riley. — Cada uma delas é como um dia vivido. Você deve aprender a compreender tudo que aprendeu.
— E então, senhor veterano, quais as regras? — continuou Luke.
Riley olhou firmemente nos olhos do rapaz e sorriu:
— Aprender. É por isso que lutamos, não?
Luke sacou uma Dusk Ball, liberando de imediato um fantasmagórico Dusclops com sua pompa militar. No lado oposto do campo de batalha, Riley lançara um Machamp, que com seus quatro braços socava o ar numa velocidade incrível para aquecer seu sangue.


Lukas levantou-se de sua cadeira num salto. Por um momento ele pensou ter visto claramente um homem de pé naquele campo de batalha. No lugar do Dusclops havia um militar de uniforme e diversas ataduras em seu corpo. O rosto era marcado por uma cicatriz e o olho direito era ocultado por um tapa olhos.
Não era a primeira vez que Lukas via os Pokémons daquela maneira.
Logo ele sentiu que alguém tocava seu ombro, e como de costume, Paula surgia ao seu lado como se esperasse o momento certo de ouvir e aconselhar. Ela sabia que seu jovem companheiro tinha dúvidas em mente, e ali estava algo que apenas ela poderia responder.
— Eu não entendo... Por que eu vejo os Pokémons dessa maneira? — perguntou Lukas.
— Essa é uma habilidade estranha, não? O interessante é que posso dizer que você passou a tê-la quando nos beijamos pela primeira vez no Templo de Arceus. Acredito que, graças a isso, você passou a ver o mundo como eu.
— Quer dizer que os Pokémons são humanos?
— Os Pokémons são Pokémons. Os humanos são humanos. E isso nunca vai mudar. Consegue entender?
— Então por que eu os vejo assim?
Paula olhou para o garoto, passando a mão em seus cabelos morenos e sorrindo de forma acolhedora.
— Você vê como quer vê-los.
Lukas voltou sua atenção para o campo de batalha onde o Dusclops batalhava contra o Machamp. Era diferente ver aquele suntuoso General em batalha, ele parecia jamais poder cair. Luke ordenou o Mean Look para que o oponente não pudesse escapar, e logo de cara Riley encontrou-se encurralado. Os socos do lutador não afetavam o fantasma que trocavam golpes como numa luta de gladiadores. Lukas não sabia dizer se as outras pessoas enxergavam da mesma maneira que ele, mas se enxergavam, então ele desejaria que aquele poder nunca desaparecesse.
Na arena, a disputa continuava.
— Você me pegou de surpresa, mas não pense que eu também não tenha meus truques para enfrentar Pokémons fantasmas — afirmou Riley.
— Vamos lá, eu estou apenas começando a aquecer com todo esse frio. Dusclops, utilize o Shadow Punch!
O Machamp defendeu-se do soco, mas General era conhecido por ter um dos socos de direita mais fortes de sua equipe. O ataque derrubou até mesmo aquele lutador tão experiente. O Machamp ergueu-se novamente num pulo, e então revidou com um soco direto no queixo do fantasma.
— Payback!
O Dusclops defendeu-se, ainda que muito afetado. Luke ordenou o Will-o-Wisp fazendo com que o fantasma queimasse seu oponente diminuindo sua força num ataque direito. O Machamp foi atordoado, mas não teve tempo de recompor-se quando o General retornou com um segundo Shadow Punch no rosto de seu adversário, dessa vez para derrubá-lo de vez.
Lukas vibrava com cada ação. Como poderia uma batalha tornar-se tão dinâmica assim de repente? Paula compreendia o motivo pelo qual aqueles Pokémons lutavam. Eles não eram obrigados a batalhar, aquilo era uma disputa pela honra, onde cada um seguia seus ideais, e todos eles se uniam para defender algo em comum: Seu treinador. A própria Paula se sentiria feliz em defender Lukas numa batalha, se fosse necessário.
Riley retornou seu lutador derrotado, lançando em cena um magnífico Mamoswine de pelagem espessa e presas afiadas. Mesmo diante de tal ameaça, o General não recuou ou sequer deixou-se intimidar.
O Mamoswine avançou ao menor sinal, o Dusclops foi capaz de segurar o impacto daquele adversário com seus próprios braços. Ele tinha o corpo enrijecido e um olhar rigoroso no rosto. O fantasma militar envergou-se, derrubando o gigantesco Mamoswine no chão e aproveitando a oportunidade para golpeá-lo. Quando Lukas piscou, era possível ver que os dois travam uma luta como verdadeiros guerreiros.
— Isso é incrível — disse Lukas impressionado.
— Não são apenas os Pokémons de seu irmão que você vê dessa maneira, são todos, inclusive os seus. Eles sempre tiveram uma vida, eles têm personalidades, jeitos e costumes; você nunca os tratou como meras máquinas, e por isso eles passaram a confiar em você — explicou Paula.
Lukas voltou sua atenção para a batalha quando seu irmão pediu para que o Dusclops recuasse a permitisse a entrada de um novo guerreiro. O Pokémon fantasma estava ofegante e cansado, pois lutar contra a equipe de um veterano como Riley era como enfrentar um líder absoluto de seus exércitos. Quando Luke lançou sua pokébola uma criatura antiga e de aparência rudimentar surgiu, carregando um escudo de ferro. Este era o Bastiodon, a muralha defensiva.


O Bastiodon virou-se para Lukas que piscou para ver se não estava sonhando. Foi possível notar que debaixo daquela máscara o Pokémon Fóssil sorria, e com uma voz mansa sua voz foi ouvida:
Olá, meu senhor. Como anda a pequena Eva?
Chaud virou-se para a cena de batalha e encarar o Mamoswine que continuava com muita energia e disposição. Quando seu oponente investiu contra seu escudo de ferro, o impacto causado pela força entortou os galhos das árvores e trincou as paredes de gelo, mas a arma de defesa era tão poderosa que nem mesmo a presa daquele imenso Mamoswine foi capaz de fazer com que o Bastiodon recuasse.
— Masmoswine, modifique o clima com o Hail! — ordenou Riley.
— Vamos lá, Bastiodon, utilize o Iron Head!
O dinossauro fossilizado mergulhou com tanta força contra o Mamoswine que o chão do ginásio tremeu e os troncos das árvores rangeram uns para os outros. Lukas estava admirado por lembrar-se de quando aquela figura era apenas um pequeno Shieldon há pouco tempo atrás. Ele ainda se lembrava daquela tranquila, em Eterna, onde presentou o Pokémon com algumas de suas berries prediletas.
Mas a intensidade da batalha deveria continuar.
— Masmowine, avance com o Earthquake agora!
Chaud segurou seu escudo com mais força ao ouvir aquele nome, e ele sabia que nem mesmo sua armadura poderia aguentar a força do golpe marca dos Pokémons terrestres. Ao invés de recuar, ele parou. Luke ordenou que ele parasse, e ele parou. Riley viu aquela oportunidade como a chance perfeita, o terremoto atingiu em cheio a arena de batalha e mais uma vez o teto tremeu, quase indo ao chão.
O Bastiodon recebeu todo o dano, segurando o chão com as próprias mãos. Gotas de suor pingavam de sua face e ele sentia que sua armadura precisaria de sérios reparos após aquela batalha, mas aquilo o fascinava. Era um sinal de que ele ainda precisava melhorar muito para tornar-se a própria Defesa
Chaud ainda não havia caído.
— A habilidade Sturdy permite que seu usuário aguente firme e não possa ser derrubado com um único golpe.
Luke sorriu e compartilhou o mesmo pensamento com seu Pokémon.
Metal Burst? — indagara o Pokémon.
— Metal Burst — concordou o treinador.
O escudo agora brilhava. Chaud simplesmente investiu-o para frente e pareceu que toda a força daquele impacto foi liberada, partindo contra o Mamoswine. Houve uma explosão de energia férrea, a enorme criatura foi arremessada para longe completamente derrotada, mas da mesma maneira, Chaud também era afetado pela fraqueza pós golpe, e o granizo que caía do céu serviu para derrubá-lo de vez.
— Uma excelente estratégia, Luke. Mas não sou um iniciante em batalhas e eu pude imaginar que você prepararia uma bomba para contra-atacar, por isso utilizei o Hail — explicou Riley.
— Foi bom eu ter praticado na neve durante todo esse tempo, meu irmão me ajudou com algumas estratégias para não ser surpreendido pelos Pokémons de gelo da Candice. O ataque de sua equipe é incrível, eles conseguem derrubar qualquer adversário em questão de segundos. Mas meu foco é a defesa, então vamos ver quem vai aguentar por mais tempo.
— Você teria sido um excelente Stat Trainer defensivo, mas me desculpe, treinei muito tempo com pessoas que tinham o mesmo pensamento. Estou preparado para o que vier.
Os dois próximos Pokémons de seus treinadores foram lançados, e no campo de batalha estavam presentes um Rhydon e uma Absol. Lukas via o Rhydon como um homem negro de armadura pesada e braços do tamanhos de montanhas; a Absol tratava-se de uma moça com longos cabelos negros e uma esgrima veloz.

Olá. — respondeu a Absol com um sorriso meigo. — Meu nome é Violet Hunter. Vamos ter que lutar, não?
— Sim, o chefe pediu, a gente cumpre... — respondeu o Pokémon de pedra com a voz um pouco entristecida.
— Não tem problema, é para isso que treinamos. Só não vá pegar leve comigo porque eu pareço uma criança, okay? Vamos tentar resolver essa luta da maneira mais justa possível, prometo não te machucar. 
— Tudo bem. — respondeu o Rhydon, que ao menor sinal de seu treinador mergulhou o braço contra a terra abrindo uma cratera onde sua oponente estava.
Por sorte a Absol havia pulado de maneira ágil, ela conseguia ouvir as ordens de Riley com sua audição aguçada, e com chutes ágeis ela planava no ar acertando a armadura de ferro de Coffey. O Night Slash mal causava danos no colosso, muito menos o Psycho Cut. Se qualquer golpe do gigante acertasse sua pequena oponente, ela seria derrubada no mesmo instante, mas sua agilidade a tornava inalcançável. E além de todos os fatos, Violet Hunter era a sub-administradora da Iron Fist. Não seria fácil derrubá-la tão cedo.
— Acalme-se, grandão — disse Luke. — Não perca o foco, continue defendendo-se!
— Este é o problema da defesa, Luke. Um dia ela vai ser derrubada — alertou Riley do outro lado.
— A menos que você tenha um canhão escondido! — respondeu Luke com uma risada. — Rhydon, utilize o Mega Horn!
A criatura atacou novamente, mas ainda assim, a Absol era ágil o bastante para esquivar-se e continuar golpeando-o sucessivamente. Algumas balas daquele canhão poderiam falhar, e Luke temeu ficar sem poder de fogo se a luta se estendesse. Sua última esperança naquele turno era que Coffey não se deixasse intimidar, e acertasse sua oponente de maneira certeira.
Coffey era um Pokémon que fora capturado na longínqua Iron Island sob posse de experimentos dos Rockets. Ele era poderoso e treinado, mesmo sendo apenas um Rhyhorn na época. Ao ser capturado, seus treinos melhoraram e ele provou por que era tão temido. Seus ataques derrubavam muralhas, e sua pele era tão dura quanto escamas de um leviatã.
Um último Mega Horn foi ordenado, mas daquela vez como uma bala armada em potência total. Coffey concentrou-se com os olhos fechados, sentiu que todo o mundo ao redor lhe dava a concentração necessária para não falhar. O impacto foi desferido com tanta força que nem mesmo a pequena Absol pôde esquivar-se. O ataque a lançou-a para longe, fazendo-a cair de joelhos próximo ao seu treinador. Riley descruzou os braços para ver como ela estava, desviando um olhar em direção de Luke. A pequena Absol tinha alguns machucados, mas seu treinador a acolheu de maneira mansa o que a fez sorrir e aninhar-se.


— Você foi bem, garota, muito mesmo — disse ele em um tom de experiência, sacando uma última pokébola. — Então vamos encerrar essa batalha no próximo turno, tenho um Pokémon que acredito que deseja desafiá-lo há muito tempo. Seu nome é Fenrir.
O líder da guilda Iron Fist. — comentou o General Dusclops, de fora do campo. — Um ícone de força física, ataque e sabedoria. Derrubá-lo não vai ser como enfrentar nenhum outro oponente que enfrentamos até hoje, meu senhor. Faça sua escolha com sabedoria.
Luke sentia que uma Dusk Ball em especial vibrava como nunca em seu bolso. Aquela seria uma batalha de líderes, uma disputa pela honra e a supremacia das guildas. Luke lançou a cápsula para a arena de batalha de onde um dragão de escamas azuis saiu, rugindo com força e cortando o ar com suas garras afiadas. Estava na hora de Aerus provar a competência de sua equipe.


Riley fez apenas um aceno, e seu Lucario, que observava tudo da sombra de uma árvore, deu um pulo em sua direção. Fenrir era o líder de sua equipe, mas antes mesmo de entrar na luta ele agachou ao lado da Absol que tinha uma das pernas machucadas, tocando levemente onde estava aquela ferida.
— Está doendo, Violet?— perguntou o Lucario.
— Um pouco... — a jovem Absol respondeu com um gemido baixo.
O Pokémon tocou levemente o lugar avermelhado, e logo a ferida desapareceu. Os Pokémons e humanos ali presentes ficaram fascinados com aquele poder de cura, Coffey apontou aproximou-se de Aerus e apontou aquele milagre de cura.
— Ele é um homem bom. — disse o gigante.
— Eu sei que é, — respondeu Aerus. — Eu sei que é...
A Absol agradeceu Fenrir com um beijo na bochecha. O Lucario ergueu-se e caminhou em direção da arena central para encontrar-se com Aerus. Lukas nunca imaginara que o Garchomp de seu irmão poderia ser uma criatura tão fabulosa com aqueles olhos amarelos e ameaçadores. Parecia que um dragão de verdade vivia naquelas íris douradas. De repente o moreni ele percebeu que alguém apoiava-se ao seu lado na bancada, e ao virar, notou que era um pequeno garoto de cabelos esbranquiçados.
— O Aerus é muito forte, sempre foi. Quero ser que nem ele quando crescer. — disse o jovem.
Lukas permaneceu sério por um momento, mas colocou à prova sua suposição:
— Você é... o meu Pachirisu, certo?
Watt virou-se e encarou seu treinador, revelando um sorriso espontâneo na sequência, mas sem dizer nada. Aquele poder era incrível, Lukas nunca mais veria nenhum Pokémon da mesma maneira.
O Fenrir é extremamente audaz e centrado. Acho que poucos membros de nossa equipe conseguiriam fazer frente a um guerreiro tão forte — disse Watt. — Mas estamos falando de Aerus Draconeon. Eu é que não vou perder essa batalha por nada!
Treinador contra treinador, Pokémon contra Pokémon. Ambos se encaravam de tal maneira que era como se os quatro tivessem envolvidos físico e mentalmente. Aerus coçou a cabeça e riu ao encarar Fenrir no lado oposto.

— Diga ae, parceiro. Faz um tempo que não nos vemos, não?
— Minhas boas vindas, Aerus Draconeon. Era uma grande vontade minha poder encontrá-lo em campo de batalha, e para melhor desempenho, estamos em minha cidade favorita. Sempre adorei Snowpoint, o que achou dela?
— Meio fria. Tem bem o seu jeitão e de seu treinador, Fenrir. Tu sabe, não sou muito chegado nessas paradas geladas.
— Compreendo. Mas partindo ao que realmente importa, ainda têm intenções de entrar na Liga? Espero que ainda possamos nos encontrar no campo de batalha mais vezes.
— Ei, não vai pensando que vou considerar essa luta só como um treino. Eu melhorei muito desde que nos encontramos, não sou mais o Gabite arteiro de antes. E aí? Podemos começar? Tô louco pra descer um murro nesses seus óculos.
— Isso se eu não quebrar os seus antes.

A batalha foi iniciada, e no mesmo instante os dois Pokémons partiram um contra o outro. Aerus era conhecido por ser um dos guerreiros mais rápidos da Fire Tales, e ainda assim, ele não era capaz de acompanhar a velocidade do Lucario. O Garchomp foi surpreendido quando Fenrir surgiu atrás de si, acertando com força na nuca e derrubando-o com uma rasteira.
Extremespeed! — afirmou Watt impressionado. — Conheço poucos Pokémons que masterizaram essa técnica.
Lukas olhou para o pequeno Pachirisu e riu.
— Engraçado, acho que tivemos o mesmo pensamento.
— Somos meio parecidos, não? — respondeu o esquilinho com uma risada.
Aerus recuperou-se do impacto, tentando acertar seu oponente com socos e chutes sucessivos. O corte de suas lâminas mal acompanhavam os passos do Lucario que movia-se com graciosidade e certeza. Ele ergueu os braços e criou uma esfera azulada em sua mãos.
— Aura Sphere! — disse o Pokémon e o treinador ao mesmo tempo. Suas palavras soaram perfeitamente sincronizadas.
Aerus golpeou uma árvore utilizando o tronco para amenizar o impacto, mas ainda assim, o golpe o afetara muito. Luke gritou:
— Garchomp, utilize o Earthquake!
— E-Eu não posso... — disse Aerus em resposta. Seu treinador tentava compreendê-lo. — Cara, eu prometi para mim mesmo que só voltaria a usar esse ataque quando ele estivesse ao nível da Titânia. Eu quero que ela veja como eu melhorei, quero que ela saiba que... cheguei ao nível dela. Eu só vou usar o Earthquake quando for para derrubar Ela.
Aerus esticou suas duas mãos para os lados, e assim, suas lâminas dançaram em um movimento de espadas. Era uma dança rítmica, o Swords Dance. Aerus sentiu que sua força era restaurada e seu ataque duplicado. Fenrir interpretou o movimento, golpeando Aerus no rosto. O dragão revidou o ataque e acertou-o da mesma maneira, trincando seus óculos.
— Ah-ahá, arrancei eles!
— Fascinante, estou impressionado. Mas você vai ter que pagar com estes seus Blackglasses agora.
— Opa, quero ver então, parceiro. Isso aqui foi um presente do meu velho. Você vai ter que me derrotar antes de ver esses óculos escuros saírem de linha. Acredite, eles já passaram por muita coisa, e não vai ser agora que alguém vai conseguir tirá-los de mim. Nem mesmo você.
Garchomp avançou contra o Lucario, e suas armas se encontraram. Um encarou o olhar agressivo do outro, sentindo a intensa força de vontade pela qual ambos lutavam.
— Deixe-me mostrar um ataque que eu estive treinando para o ginásio de gelo, quer ver o resultado agora? — caçoou Luke.
— Espero que seja surpreendente, vamos ver a que nível você chegou com isso tudo — respondeu Riley.
O Garchomp juntou suas lâminas, e ao cortar o chão uma ponte de pedra foi estendida fazendo com que o Lucario ficasse preso contra uma parede do ginásio. Era o Stone Edge, um aperfeiçoamento de seu velho Rock Slide, Aerus havia melhorado como nunca.
Vendo que seu Pokémon estava encurralado, Riley começou a ficar apreensivo. Fenrir ainda foi capaz de livrar-se da armadilha de pedras, mas Aerus golpeou-o mais uma vez ao atirá-lo para longe. Num gesto final, Aerus afastou-se e agiu com um ato raro de retirar seus óculos escuros. Ele demonstrou seus olhos amarelos que brilhavam como o ouro, e pronunciou.

Outrage.

O corpo do Garchomp pareceu pegar fogo, seus olhos tomaram uma coloração brilhante e as lâminas em seus braços pareceram assumir a forma de espadas sagradas. Aerus partiu como um foguete, deu um pulo para o alto e Fenrir tentou impedi-lo, mas àquela altura nada mais poderia impedir Aerus de efetuar o golpe mais poderoso dos dragões. Outrage, Stone Edge... Cada vez mais Aerus revelava-se como o líder absoluto daquelas criaturas dos tempos antigos.
Um brilho intenso tomou conta do ginásio, e o que deveria ter sido uma batalha discreta acabou por chamar mais atenção do que qualquer outra. Quando a visão dos treinadores deixou de oscilar, eles puderam notar que Fenrir estava caído no chão, derrotado. Mesmo com suas habilidades especiais e força sobrenatural, o Lucario não fora capaz de aguentar o impacto do Outrage. Aerus almejava que algum dia ainda pudesse ter a chance de utilizar aquele golpe contra Seth, o Dragonite, uma última vez.
— Onde está a juíza? — perguntou Luke.
— Aqui embaixo, — respondeu Dawn, escondendo-se sobre um banco de pedra — adoro a forma como vocês levam na “brincadeira” essas batalhas. Agora estou pensando o caos que vai ser na Liga Pokémon...
— Vai ser o máximo! Prevejo bombas e explosões — respondeu o garoto com uma risada.
Aerus voltou a colocar seus óculos escuros como se por algum motivo eles retivessem seu descontrole. Por fim, o dragão olhou para trás e acenou para Luke.
— Vencemos essa, amigão. Pronto para a próxima?
Luke comemorou a vitória para cima do veterano, Lukas e Dawn pareciam ainda mais empolgados com aquilo. Paula aplaudia de maneira singela, enquanto todos os Pokémons da equipe ao redor também se reuniam para festejar com seu treinador. Apesar daquela intensa disputa entre a Fire Tales e a Iron Fist, as duas guildas comemoraram em conjunto. Riley caminhou em direção de seu Lucario e tocou sua cabeça.
— Essa é a nova geração — disse o treinador com um suspiro. — Sempre nos surpreendo.
Riley esticou o braço para seu Lucario que ergueu-se num pulo. Sua Absol também o acompanhava, o homem parou em frente à Luke e demonstrou um sorriso honesto.
— Você parece alguém diferente, Luke. Ou melhor, você já é alguém diferente. Não apenas como treinador, mas como pessoa. Teve total controle da batalha e de seus Pokémons, não vou mentir dizendo que tentei me reter, pois parti para cima com meu máximo. Essa vitória é merecida sua e de toda sua equipe.
— Valeu, Riley. Há tempos eu também não enfrentava alguém com essa força. Acho que agora estou mais do que preparado para enfrentar a Candice!
— Eu era o responsável pelo ginásio hoje, meu jovem. Por meio das regras e condutas da Liga Pokémon, então eu também sou o encarregado de entregar-lhe uma insígnia caso saísse vitorioso.
— Q-Quer dizer que você vai me dar a Icicle Badge? — perguntou Luke entusiasmado.
— Não, até porque eu não tenho nenhuma delas neste instante. Heh, heh, heh...
— Ah, valeu pela honestidade... 
Os jovens riam quando de repente pôde-se ouvir um estranho barulho vindo da bolsa de Riley. O homem virou-se ao notar que seu Lucario e a Absol verificavam o que acontecia. Parecia que o ovo que ele trouxera ainda naquela manhã havia finalmente eclodido, e de dentro dele, um Riolu curioso olhava todos ao seu redor com uma expressão animada.
— Um Riolu! Ele é lindo, puxou o papai! — animou-se Dawn.
— N-Na realidade o Fenrir não é pai dele, eu não o utilizo para cruzamento, ele é um pouco acanhado... Acho que sua inteligência é tanta que ele sabe qual seria o efeito do amor em sua vida. — respondeu Riley com uma risada.



Paula, que observava o ocorrido, aproximou-se de maneira intuitiva.
— Bem, está aí a terceira surpresa do dia — comentou a guardiã. — A essência da vida, o nascimento de um Pokémon!
Riley segurou o pequeno cãozinho, indo em direção de Lukas.
— Eu gostaria que você o tivesse.
— Eu? O senhor tem certeza?
— E conheço algum treinador melhor para Pokémons filhotes? Você me disse uma vez em Veilstone que adoraria ter um Riolu, então, quero dar-lhe este. Sou criador da espécie, e possuo muitos Lucarios sob minha posse. Quero que você o treine e cuide bem dele. Mantenha nosso legado vivo.
Lukas agradeceu o presente, comemorando a entrada de mais um novo membro na equipe. Luke havia conseguido derrotar um dos maiores veteranos da região, e aquele era o primeiro passo para uma revanche no futuro, na tão aguardada Liga Pokémon. Riley estaria participando dela, e voltaria a treinar para que na próxima vez não fosse tão simples.
O dia teria sido encerrado com uma grande comemoração se no mesmo instante Candice não retornasse para seu ginásio com uma expressão assustada e uma preocupada:
— Riley!! Que bom que você ainda está aqui...
— O que houve, Candice?
— Preciso da ajuda de você, de todos vocês. É o Snowpoint Temple... Algo estranho está acontecendo.
Paula pareceu apreensiva ao ouvir a conversa.
           — Regigigas — sussurrou ela em voz baixa. Algo grande estava por vir.


      

{ 12 comments... read them below or Comment }

  1. Cara, primeiro você quase me mata de desgosto ao adiar a batalha entre Luke e Candice. Depois, você me faz presenciar uma batalha impressionante entre o Luke e o Riley (ambos mostrando equipes ainda mais fortes desde a última vez em que se enfrentaram). E agora você vem me dizer que vai rolar mais treta envolvendo um Pokémon lendário?

    Aí está a tal insanidade que te falei sobre completar 7 DEZENAS de capítulos! Já nem quero imaginar o que você prepara para o 80, UHAUHAUHAUHUAHUAH! É cara, a batalha contra a Líder de Snowpoint ainda vai levar mais um tempo, mas entendo que você quer manter um ritmo lento para distribuir bem as batalhas de Ginásio e a Liga dentro dessa temporada. Mas quando o Luke disputar pela sua sétima insígnia, quero ver A batalha, falou?

    Riolu mano! Eu tenho um no Black 2! Confesso que nunca treinei um Lucario. Esta é a minha primeira oportunidade, então não tenho como dizer meu ponto de vista. Mas se levar em conta os Lucarios que pertencem ao Riley, à Cynthia e à Maylene... Ah, meu amigo, então aposto que são Pokémons fascinantes!

    Agora vou esperar para ver o Regigigas, que é um LENDÁRIO DO TIPO NORMAL! HÁ! Onde estão os haters? Não vejo nenhum?

    Capítulo perfeito cara. Está de parabéns!

    ReplyDelete
  2. Ehh, companheiro, por algum motivo essas casas decimais nos trazem alguma sensação estranha... Tipo, é meio involuntário, mas sempre acabo tentando fazer algo melhor, é como se eles marcassem o fim de um ciclo e o início de outro. Tenho uma sacada para tudo meu chapa, podemos não ter tido a batalha contra a Candice, mas preparei algumas coisinhas interessantes para ela. O engraçado é que admito não gostar dela antigamente, mas até hoje fiz duas enquetes de líderes de ginásio, e nas duas a Candice ficou em segundo lugar. É impressionante, o pessoal curte muito ela, então admito que acabei gostando também. Por conta desse apreço irei envolvê-la nessa jogada do Regigigas que virá daqui para frente, e uma líder que mal teria aparições na fanfiction começará a ser extremamente importante. Não me matem, fans da Candice, eu tiro algo bom para trazer algo melhor, sempre kkk

    Rapaz, 80 é o meu número. Sem zoar, um de meus números preferidos é 89, sei lá por que, desde pequeno é assim. Então mano... Quando eu entrar nessa parte da história, vish maria, tenho que lançar algo inesquecível! Nem caiu a ficha que cheguei no 70, mas, putz grilla!! 70 cara, já é muita, muita coisa... Olha rapaz, não vou prometer que terei uma batalha épica contra a Candice, até porque eu tento inovar minhas batalhas de ginásio a cada nova etapa. Nenhum deles segue um mesmo esquema, então é provável que esses dois encontrem um outro meio de conseguir a insígnia. Logo mais estarei mostrando o Snowpoint Temple para vocês de uma maneira que vocês nunca imaginaram kkkk

    E pode acreditar, Lucario é um dos Pokémons mais poderosos por aí, Steel/Fight é uma combinação suprema, não é a toa que ele será o último Pokémon que, tecnicamente, fará parte da elite do Lukas. (Eu ainda não curto esse termo que eu mesmo inventei kk Mas whathever...) Opa, e pode ter certeza que entraremos em um Arco de Lendários diferente, muito diferente. Nada comparado à batalha contra os deuses no Mt. Coronet, essa busca pelo Regigigas será tão estranha que mal irá parecer que eles estão lidando com um lendário! E tem mais, eles tem a Paula agora, acho que a reunião dessas criaturas será um pouquinho mais... Diferente que o normal kk Adoro Regigigas, é uma pena que tenha gente que o considere o pior de todos os lendários... Valeu pelo comentário ae, campeão. Até mais!

    ReplyDelete
  3. Cara, é incrivel como a imaginação é forte. Se alguem tivesse visto como eu imaginei essa batalha teria virado o maior fã de AES u.u
    Quando o Riley disse que era o encarregado do ginasio eu pensei: NÃÃÃÃÃOOO EU PRECISO VER A CANDICE BATALHAR. Então eu fiquei muito feliz quando ele disse que não tinha nem uma insignia.
    E agora sim o clima vai esquentar em Snowpoint (entendeu o trocadilho?) devo admitir que o Regigigas é um dos meus preferidos de Sinnoh (mas pera, vc não disse que tinha feito uma(s) fics com o Regigigas e tava enjoado? Vc vai mesmo colocar o Regigigas na história #VOMITANDOARCO-IRIS). Bem, eu imagino uma luta superfodastica entre a Guardiã do Espaço e... (o que o Regigigas é mesmo? Ah, sim) O ser que separou os continentes com sua grande força (é isso mesmo?) bem, acho que to esquecendo alguma coisa... bem, se eu não comentar alguem comenta (ou já comentou pq até agora ninguem comentou, mas quando eu atualizar..)

    Bem, é isso, Até a proxima o/

    ReplyDelete
  4. Canass vc vai fazer o gijinka da Violeet?Eu simplesmente adoro absol *w*
    Meu AMADO LUTOU E VENCEU!! <3 Isso só use o terremoto quando for enfrentar a Tih^^
    AWWWWW +uma coisa k eu adoro são filhotes de riolu^^COISA FOFA!^w^Eu tenho um lucario lv 100 e um lv 86^^ ADORO*w*
    REGIGIGAS?! VIXI!O tio super fodastico,separou os continentes...CARA SE ELE ACORDAR FERRO!!Sei disso por experiencia propria^^
    WV

    ReplyDelete
  5. Tá. Mais um capítulo. As simple as that. MENTIRA!
    Fodástico esse capítulo! Batalhas muito boas! Tá, por mais que prefira o Lukas, o Luke sabe ser foda! Sério, todos o Pokémons dele detonaram geral, e a geral eram os Pokémons do Riley. Do Riley, povão!
    Quero ver ainda a Candice batalhar. Sim, amo a maioria dos Pokémons de gelo e isso seria épico! kkk! Imagina Lukas e Luke vs. Riley e Candice? ... Tá, tô falando abobrinha já! kkk!
    Agora que o trem pega! Regigigas! Peguei carinho por esse "monstrinho" pelo mangá (que o Canas tem de ler, tá?), pois lá ele é fodástico e perfeito. Quero ver que que esse povo vai arrumar com o gigantão. Será foda! kkk!Será que Paulinha entrará na batalha? Lendário contra lendário, né? Vem a calhar! kkk!
    Antes de ir, tenho que comentar: Lukas-kun e seus pensamentos indecentes, ou besterinhas como sua namorada prefere chamar! kkkkkk! Imagina se a Vivi fica sabendo? Ah, é! Anseio (olha que chique) pelo dia que Vivi, Marley e Paulinha se encontram. Será o dia mais foda do mundo! kkkk!
    Tá, falei muito já.
    Adios,
    Moacyr


    PS: Quero gijinka da Absol, tá? Não esquecendo do gijinka do Coffey novo e foda.kkk

    ReplyDelete
  6. PS²: Por favor, senhor Canas, publique sua Revista depois aqui pros leitores verem seu trabalho! kkk

    ReplyDelete
  7. Senhor Jesus, para tudo!

    Tenho que adimitir que o Riley é muito melhor sem a companhia da Marley,#chateada.Quando tudo parece muito previsivel, você da um reboliço(nem sei se esta palavra existe, mas costumo usa-la)e a históroia toma outro rumo.

    Fiquei triste por não termos a batalha de ginásio logo, mas esse confronto contra o Riley valeu a pena.Parece que esses meses de treinamento foram eficazes, a Fire Tales ganhou de lavada a Iron First.

    Lukas tem poderes especias!Uhuuuu(to quase explodindo de felicidade), e pela primeira vez gostei da aparição da Paula.Acho que ela só presta assim, entrando de vez enquanto dando alguns comentários e prevendo futuro, nada muito especial, diferente da Vivian que quando entra toma o episodio todo pra ela.

    Mas um bebê!Não esperava que viria um tão cedo, e esse Rilou provavelmente vai formar o trio parada dura com Lyndis e Karl.A Fire Tales vai ter que reforçar as estruturas.

    E esse Rigigigas, hein?Hum...sinto que um novo fim do mundo nos espera!E você deve tar tendo um ataque cardiaco porque provavelmente um Registeel vai vim aparecer.Quem sabe Steven e Brandon venham fazer uma particiapção especial direto de Hooen?

    ReplyDelete
  8. Diga ae, galera. Interessante ver como o Regigigas causou certo interesse nos leitores, eu poderia jurar que vocês nem iria ligar, que ele seria parte de apenas mais uma saga normalzinha. Mas fico feliz que vocês não esperem o óbvio, até porque adoro viajar na maionese e trazer coisas completamente imagináveis kk Tipo, como o Moa mesmo citou, não conheço o Mangá. Vi brevemente o episódio do Regigigas no Anime, então todo meu conhecimento sobre essa criatura limita-se aos games. Sei apenas de uma coisa: Ele é conhecido por ser o Pokémon com a força de destruir e criar continentes. Então, ele é FODA. Simples assim kk Por mais que meus planos acabem envolvendo algo completamente diferente do que vocês imaginaram, sei que tenho algumas maneiras inusitadas de surpreender. Não será nada parecido com aqueles arcos cheios de guerras, bombas atômicas e explosões. Essa parte do Snowpoint Temple será muito, muito diferente. É uma jogada tão esquisita que parece não cair a ficha do que rolou kkk Mas sério não tenham expectativas de guerras ou batalhas nucleares. Ninguém pensou na possibilidade da Paula já ter conhecido o Regigigas há muito, muito tempo atrás...? Vai saber eles são... amigos.

    Venusaur Jr, eu realmente admiti que estava cansado de trabalhar com lendários... MAS surgiu essa oportunidade de criar alguns episódios envolvendo os três Golens e o Regigigas, enão aproveitei a oportunidade! Na verdade, essa história do Regigigas seria apresentada naquele especial bem antigo, o A Gym Leader's Life. Algum de vocês lembra disso? Sim... É agora que algumas coisas que aconteceram lá começarão a fazer sentido kk Gabriel, não estou muito empolgado para trabalhar com o Registeel não, acredita? A aparição do Registeel será tão discreta que nem dará tempo de gostar dele. Eu vou utilizar os três golens porque faz parte do ritual de invocação do Regigigas, é inevitável, e querendo ou não Platinum possui os três no game. Estou fazendo o máximo para não incluir Hoenn no meio, gosto muito de interligar minhas histórias com o Shadow, mas aqui não achei que seria necessário. Então, se for acontecer algo será envolvendo os próprios personagens de Sinnoh. Mas provavelmente eu irei juntar vaaaaarios personagens... Acho que serão mais de 8 atuando numa mesma cena, um recorde! Preciso ir praticando para a liga, né kkkk

    Ahh, Violet Hunter! Ela seria a Absol do Lukas, se eu tivesse seguido com aqueles planos antigões da fanfiction! Não estava em meus planos desenhar seus gijinkas (e ainda não está), mas quem sabe eu mudo de ideia... Ela é muito fofinha, dá para criar uns shippings bacana com o Lucario também kk Mas pode deixar, tentarei ir trazendo as novas imagens assim que possível. Já tenho aqui comigo o Conde, o Riolu e Coffey. Ainda nesse fim de semana eu estarei atualizando a ficha deles, então é só ficarem de olho! Hey Moa, postar a revista aqui vai depender do resultado... Se for bom eu posto, se não aparecer nada, bem... Apenas esqueçam que eu falei de uma revista kk De repente ela nunca existiu! Brincadeira, ainda falta muita coisa, mas se sair um resultado bacana e a galera permitir a postagem eu mando para cá e vocês serão os meus críticos (: O tema será algo para o Mundo Geek, espero conseguir realizar um bom trabalho. Valeu pelos comentários ae, pessoal! Até a próxima!

    ReplyDelete
  9. Imagine a situação que aconteceu comigo, mas com sua pessoa: Eu tava na deprê, trancada no quarto e com raivinha porque segunda começam minhas provithas, e minha mãe só deixaria eu mexer no meu Note RYCO hoje. Mas aí, numa reviravolta emocionante, eu pedi o celular dela, e como eu tenho Wi-Fi, li o capítulo as escondidas :) Sou ou não sou fã de verdade? XD

    Eu juro que enquanto lia a batalha, eu fiquei, tipo... "AI MEU DEUS, ACABA COM O LUCARIO KILLER!" Quase pegava um daqueles saquinhos e assoprava dentro, porque eu tava feito doida lendo aquilo! Demorei pra comentar, por causa da mamai linda, MAS CHEGUEI!

    Aaaah, me gusta mucho Absol! Canas-kun-sama, eu te adoro, Absol é um de meus pokémons prediletos de todo o mundo! (Depois do Pachirisu e do Eevee, e do Gible e do Salamance, claro!)

    Mas acho que vou curtir esse Regigigas, pra caramba! Ele nunca foi um dos meus lendários prediletos, mas boatos dizem que ele é épicastico! E isso me deixou curiosinha... *Vestindo boné de detetive e com cara de "Mistério, muito mistério..."*

    Riolu, cara, RIOLU! A evolução dele é tão master! Eu até pensei no Luke batalhando com ele, dando um RADUKEN ESFERA DE AURA em alguém. Mas não pensei no LUKAS com um. Só quero ver as apresentações do pequenino, que serão FANTÁSTICAS, COM CERTEZA!

    E acho que me arrependo de ter viciado-me no Cantina. Quando vou esperar meu amigo comprar porcaria na cantina... Bem, não vou dizer do que eu me lembro, né? Vou chamar esse casal de... Fanas! (Fa de FAntina e Nas de caNAS)Gostou mais desse?

    Enfim, não tenho tempo pra falar, tenho que ver God Of War, Misao e escrever para o AnimeSpirit! Té mais, Canas-kun-sama, Gabriel (QUE AGORA TEM A FOTO DO KIDO! É NÓIS NO INAZUMA ELEVEN!), Xadou Zangoose e Venusaur Juniu!

    SAYONARA, RESPONDEDOR!

    ReplyDelete
  10. OMG! Quando eu pensei: ah nossa não vai ter batalha dessa vez, lá se vai a Candice! Tu surpreende nessa batalha manolooooo! Riley vs Luke! Fire Tales vs Iron First!

    O ginásio da Candice é um dos mais bonitos, na boa. Líderes de ginásio do tipo gelo sempre tem um lugar fodão e bonito para as batalhas! Ah, deu até vontade de ver neve! KKKKKKK'
    Rapaz, quem diria que o Luke chegaria a esse ponto de auto-controle né? Quando ele disse que não ligava em deixar a batalha para outro dia, eu fiquei: Luke és tu? E essa Paula mano, ela tá sendo muito querida já! Chega e sai em todo seu poder celestial! Sá mulher é foda eim! Lukas, tu demorou, ficou na friendzone algumas vezes (Dawn, cof cof) e friendzonou umas mina, mas finalmente encontro tua mina perfeita! Um nasceu para o outro!

    Agora, vamos falar da tão aguardada batalha! Riley era uma das estrelas de seu tempo, não esperava menos dele! E essa interação dos Pokémons no decorrer da batalha também deram um "Q" a mais. Já devo ter dito antes, mas repito: para mim os Pokémons mudaram totalmente depois da sua ideia de gijinkas cara! Já não consigo mais ler um capítulo onde eles aparecem e pensar: óh puxa olha esse Dusclops! Eles já são únicos, sabe? Imagino eles na forma "humana" mesmo, lutando com punhos, garras, poderes mágicos, espadas...

    No final tudo deu certo! Uma grandíssima batalha. E Lukas ganhou um membro a mais no seu time! Eeeeeeh! Riolu *------*
    Opa, má que negócio é esse de "Regigigas" e problemas no templo? A porra vai ficar séria!

    See ya \õ

    ReplyDelete
  11. EEEEEEEEU VOLTEEEEEEEEEEEEEEEEEEEI \\Õ//

    Cara, que saudade de Sinnoh. Foram mais de dois meses fora! São muitas novidades, muitas mesmo. Estarei me atualizando de todos os capítulos, e em seguida parto para os outros posts, tudo bem? õ/

    Poxa, que sensação boa de ler linha por linha, cada ação, como antes. A Paula é divertida, Canas, ela é como se além de uma namorada para o Lukas, também fosse como uma mãe para o grupo. E o fato de ter seus poderes especiais torna sua presença no grupo bem peculiar kkkk Candice, sua diva, você aparaceu! auehuahe Veja só, foram setenta capítulos aguardando essa moça, mas você, pelo visto, conseguiu encaixá-la em uma boa brecha. Mal posso esperar para ler todos os outros capítulos.

    A batalha foi brilhante, man. Sensações diferentes que você está transmitindo, as palavras certas na hora certa. O Lukas passou a ver os Pokémons como nós gostamos de ver, e isso foi muito emocionante. Fiquei arrepiado quando o Aerus usou o Outrage, assim como em outras ocasiões que ele usou o mesmo golpe. Suas batalhas tem um ritmo diferente e inovador, como se não fosse mais uma simples batalha de Pokémons, mas sim um "RPG". E o Riolu será um ótimo complemento para o time do Lukas. Adoro esse Pokémon *--* Bem, vamos aos próximos capítulos õ//

    ReplyDelete
  12. Oh Giratina, por onde começo?
    Bem, vamos pelo começo mesmo. AEHAEHAUEAHUEHAEHAUHEUEUEUEHAUHEUAE CHOREI COM A PAULA FALANDO SOBRE OS PENSAMENTOS DO LUKAS (ê, Lukinhas, não sabia que tu era disso -v- ) De certo modo, invejand as habilidades incríveis da Paula, mas ao mesmo tempo.... Ler pensamentos é tenso, e ver o futuro pode ser destrutivo >.> E, btw, quando ela falou das surpresas logo depois de eles terem comentado sobre como tudo está muito calmo, já tava apostando que o apocalipse ia começar -qqq
    GENTE, EU QUERO ME MUDAR PRO GINÁSIO DA CANDICE, VIVER LÁ 4EVER *W* #PARTIU #SNOWPOINT
    Riley! Há quanto tempo o/ E, acredite, sei o que fala quando se surpreende com a mudança do Luke.... Eu ainda não consigo acreditar, confesso. Ele passou de alguém completamente detestável e intragável para uma pessoa legal de verdade....
    Achei tão adorável que o Lukas tenha ganhado esse "update" em como vê os pokémons *-----------------* Nós, leitores, sabemos como isso deixa todas as batalhas mais épicas!
    E falando em batalhas épicas..... MDS CARA, QUE QUE FOI ISSO? Claro que não esperava menos de um confronto como Fire Tales vs Iron Fist MAS GOD DAMNIT ASKDASKASKDASDKASKDASKDASKDASKDAKSDKASDKASKDASKD Btw, xô falar que Violet <3 <3 Eu já sou apaixonada por Absols, ainda por cima uma ágil (agilidade é uma das minhas habilidades preferidas de todas) com um nome f*da desses AMOR PURO E COMPLETO <3
    Ah, e vamos falar sobre a menção a Tih. Sobre "estou guardando esse golpe para Ela". Sobre como eu tive que parar de ler e por uns cinco minutos fiquei abraçada aos meus joelhos choramingando e emitindo sons não-humanos e WHY WHY WHYYYYYYY Ç_____________Ç CARA, TU TEM NOÇÃO DE QUE EU NÃO POSSO MAIS OUVIR TITANIUM QUE COMEÇO A CHORAR? TEM NOÇÃO QUE ÀS VEZES ACHO UMA IMAGEM DELA PERDIDA NO MEU PC E TENHO A MESMA REAÇÃO QUE DESCREVI ALGUMAS LINHAS ACIMA (SÓ QUE MIL VEZES MAIS DEMORADA)? TEM NOÇÃO QUE JÁ ASSOCIEI ESSE PEDAÇO DO PLOT COM MY IMMORTAL, QUE É UMA DAS MÚSICAS MAIS FEELS DE EVANESCENCE? TEM NOÇÃO DO QUANTO MEU CORAÇÃO TÁ DESTRUÍDO? :D
    Ah, e btw, acho que a primeira a quebrar os óculos do Aerus vai ser a Titânia. SIM EU VEJO ESSA CENA, VEJO AMBOS SE ENCARANDO, OFEGANTES, JÁ COM MARCAS DE LUTA, ELE COM UM LADO DO ÓCULOS QUEBRADO, ELA COM A ESPADA TRINCADA, E ISSO DÓI FEITO O INFERNO Ç_Ç (in fact eu pensei em desenhar isso e mandar pra cá porém sem habilidades de desenho necessárias pra isso, sorry)
    Tá, voltando. Watt conversando com o Lukas, nhá <3 E o desfecho, que epic *w* (e eu li a luta toda ao som de Within Temptation e Eluveite A PLAYLIST REALMENTE TÁ DANDO UM CLIMA PERFECT <3 )
    Um Riolu <3 Amodoro essas fofuras <3 E a evolução super fodona também <3
    E tudo tava feliz demais pra terminar assim mesmo, né? Ai esses autores viciados em cliffhangers.....
    Abraços da Tsuki ^^/

    ReplyDelete

- Copyright © 2011-2017 Aventuras em Sinnoh - Escrito por Canas Ominous (Nícolas) - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -